Menu
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

Mercado comemora boas novas

Possível acordo entre republicanos e democratas para evitar shutdown e alta do presidente Bolsonaro de unidade semi-intensiva animam negócios

12 de fevereiro de 2019
5:34 - atualizado às 6:17
Expectativa agora é por um acordo comercial entre Estados Unidos e China -

Um acordo provisório entre republicanos e democratas no Congresso sobre segurança na fronteira deve ser capaz de evitar uma nova paralisação do governo norte-americano (shutdown), o que anima os mercados no exterior nesta manhã. Os índices futuros das bolsas de Nova York exibem alta firme, o que deve embalar os negócios locais.

Esse movimento tende a ser potencializado diante da melhora do quadro clínico do presidente Jair Bolsonaro. Ontem, ele recebeu alta da unidade de terapia semi-intensiva e já está no apartamento do Hospital Israelita Albert Einstein. Porém, ainda não há previsão de alta do presidente, mas o estado de saúde dele é “melhor a cada dia”.

Os investidores devem, enfim, comemorar essas boas novas. Nos últimos dias, os negócios locais estavam carentes de notícias positivas, capazes de engatar uma correção no mercado financeiro doméstico. Com isso, o Ibovespa deve reaver a faixa dos 95 mil pontos, enquanto o dólar pode interromper a sequência de quatro altas, afastando-se da faixa de R$ 3,75.

Isso porque a ausência do presidente Bolsonaro no front, devido aos problemas de saúde, era tida como a principal razão (ou desculpa) para o sentimento mais negativo nos ativos brasileiros. Os investidores estavam se sentindo um pouco decepcionados com a falta de coordenação do novo governo em torno da agenda de reformas.

Agora, devem ser renovadas as expectativas em torno do andamento da reforma da Previdência no Congresso. A proposta final do governo sobre as novas regras para a aposentadoria deve ser conhecida na semana que vem, quando também deve ser enviada à Câmara dos Deputados.

A previsão do presidente da Casa, Rodrigo Maia, é de que a matéria seja votada até a segunda quinzena de maio, para, então, ser encaminhada ao Senado. Antes, porém, o governo precisa construir uma base aliada, que ainda não está formada, e garantir os 308 votos necessários para aprovar o texto, em dois turnos.

Ventos favoráveis

O exterior também traz ventos favoráveis. Legisladores dos Estados Unidos concordaram em incluir a verba de US$ 1,375 bilhão para a construção de 55 novas milhas de cercamento na área do Vale do Rio Grande, no Texas, na fronteira do país com o México. O valor é inferior aos US$ 5,7 bilhões solicitados por Donald Trump, mas pode ser o suficiente para manter a administração federal funcionando e evitar o decreto de emergência nacional.

Em reação, as principais bolsas asiáticas fecharam em alta, com os ganhos liderados por Tóquio, que subiu mais de 2,5%. O sinal positivo vindo de Wall Street embalou os negócios e também anima a abertura do pregão europeu. O dólar mostra força e é cotado nos maiores níveis desde janeiro, ao passo que os bônus norte-americanos avançam.

Já na China, Hong Kong e Xangai tiveram valorização bem mais comedida, sendo que o yuan chinês (renminbi) ficou estável. Os investidores esperam, agora, que os EUA não tenham um ‘momento difícil” com Pequim, à medida que acontecem negociações comerciais de alto nível entre os dois países.

Mas a desconfiança quanto a um amplo acordo de comércio entre EUA e China permanece. Ainda não se sabe se as negociações entre as autoridades dos dois países nesta semana serão suficientes para adiar novos aumentos nas tarifas norte-americanas sobre produtos importados chineses.

Por ora, a disputa comercial entre as duas maiores economias do mundo tende a seguir indefinida, com chances de novas rodadas de conversações, mesmo após o fim da trégua tarifária, no início do mês que vem. Sem acordo, a economia mundial pode seguir em desaceleração, com o crescimento global podendo ser o mais lento em uma década.

E esse temor permanece como pano de fundo nos mercados globais…Para tanto, as negociações comerciais são fundamentais. Os investidores esperam os motores de crescimento comecem a nivelar ao redor do mundo, de modo a permitir um longo caminho de valorização dos ativos mais arriscados.

Ata dura

A agenda econômica desta terça-feira traz como destaque a ata da reunião deste mês do Comitê de Política Monetária (Copom). O documento deve reforçar o tom mais duro (“hawkish”) do Banco Central trazido no comunicado que acompanhou a decisão da semana passada, de manter a Selic no piso histórico de 6,50% pela sétima vez seguida.

Para o BC, ainda existem riscos assimétricos à inflação, relacionados à eventual frustração das expectativas em torno das reformas estruturais e ajustes à economia brasileira e também à piora do cenário externo. Ambos os fatores podem pressionar para cima os preços ao consumidor e as expectativas para o IPCA no cenário à frente.

Com isso, o Copom deve reafirmar, na ata, a orientação de estabilidade na Selic, trazida no comunicado, mantendo fechada a possibilidade de cortes adicionais no juro básico - por ora. O documento do BC será divulgado às 8h. Depois, às 9h, é a vez dos dados atualizados sobre a safra agrícola neste ano.

No exterior, o destaque fica com o discurso do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, às 15h45. A expectativa é de que ele reafirme que o Fed será “paciente” na condução da taxa de juros norte-americana neste ano. Entre os indicadores, sai apenas o relatório Jolts sobre as vagas de emprego disponíveis nos EUA em dezembro (13h).

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
Berkshire Hathaway

Até ele perde! Empresa de Warren Buffett tem prejuízo no 4º tri, e tombo da Kraft Heinz deu uma bela mãozinha

Prejuízo da empresa de alimentos, controlada por Buffett junto com a turma de Jorge Paulo Lemann, pesou nos resultados da Berkshire Hathaway

Novidades

O que mudou na declaração de imposto de renda em 2019

Principal novidade é a obrigação de informar CPF de dependentes e alimentandos, independentemente de idade; confira todas as mudanças e a atualização dos valores

Reforma da Previdência

Proposta de reforma para militares deve chegar ao Congresso antes de 20 de março

Segundo Rogério Marinho, secretário especial de Previdência e Trabalho, mudanças devem ser apresentadas ao Congresso antes do término do prazo de 30 dias estabelecido inicialmente

Em busca de um novo líder

Oi ainda sonda Amos Genish, ex-presidente da Vivo, para comandá-la

Em busca de novo líder para a sua reestruturação, operadora quer ex-presidente da Vivo e da Telecom Itália no comando, mas executivo recusou convite, por ora

Siga o dinheiro

Receita Federal entra na dança e passa a investigar miliciano ligado a Flávio Bolsonaro

Fisco vai ampliar a cooperação com o MP do Rio e investigar alvos da Operação Os Intocáveis; entre eles, está o ex-PM Adriano Magalhães da Nóbrega, cujas mãe e esposa trabalharam para o filho do presidente

Bon Vivant

Noronhe-se como os famosos! Fernando de Noronha tem luau de chefs, ‘sea coach’ e, claro, praias paradisíacas

Roteiros exclusivos e experiências customizadas são os ingredientes para incrementar a visita um dos lugares mais lindos do planeta onde dá praia o ano todo. Você também merece pisar no paraíso e curtir uns dias de folga.

É cilada, Bino

Mais de 930 moedas digitais deixaram de existir em 2018. Saiba quais são as apostas alternativas mais seguras para este ano

As informações são do site Deadcoins. Diante de tantos projetos mal-sucedidos no ano passado, criptomoedas como o Ethereum, Ripple e Iota permaneceram e são algumas das opções interessantes para 2019

Reforma da Previdência

À BBC, Mourão diz que Congresso aprova “qualquer coisa” para militar

Mourão justificou que a tramitação é muito mais rápida no caso dos militares porque, para isso, é necessário apenas um projeto de lei, que requer maioria simples dos votos

Mais um empecilho?

Tipo novela mexicana… Justiça concede liminar para suspender assembleia da Embraer que decidirá sobre acordo com Boieng

O juiz destacou que “não se visualiza nesta decisão qualquer ameaça ou comprometimento da economia do País ou situação provocadora de crise na medida que busca conservar uma situação que se encontra consolidada no tempo e eventual oscilação em preços de ações da Boeing ou da Embraer são considerados efeitos metajurídicos normais de qualquer decisão judicial sem a tônica de representar repercussão nos interesses do País”

O melhor do Seu Dinheiro

O Ministério da Economia adverte

Tem uma piada antiga sobre o fulano que vai comprar um maço de cigarros na padaria e, ao ler na embalagem que fumar causa impotência sexual, pede para o balconista trocar por um que causa câncer. Eu me lembrei da anedota ao me deparar com uma espécie de advertência do Ministério da Economia: o atual […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu