Menu
2019-10-14T14:31:04+00:00
análise

Avanço da China como destino de exportações se deu via volume, diz FGV

Segundo análise, participação da China nas exportações do Brasil passou de 4,2%, em 2002, para 26,6%, em 2018.

17 de julho de 2019
10:27 - atualizado às 14:31
Porto na China
Porto na China - Imagem: Shutterstock

Em 16 anos, a China se tornou o principal mercado de destino das exportações brasileiras por causa da expansão dos volumes exportados e não dos preços, mostra análise especial do Indicador de Comércio Exterior (Icomex) de junho, divulgado nesta quarta-feira, 17, pela Fundação Getulio Vargas (FGV).

Segundo a análise, a participação da China nas exportações do Brasil passou de 4,2%, em 2002, para 26,6%, em 2018. A FGV disse, em nota, que o movimento "é explicado principalmente pela expansão do volume de comércio, pois apenas entre 2002/08 o crescimento dos preços superou o do volume, mesmo assim com uma diferença ao redor de 4 pontos de porcentagem".

No mesmo período, a participação dos Estados Unidos nas exportações do Brasil caiu de 25,4% para 12%, mostra a análise da FGV. De acordo com a entidade, houve queda no volume exportado para os EUA, "exceto na comparação entre os primeiros semestres de 2018 e 2019".

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

"Nesse último período, as exportações para o mercado estadunidense cresceram 22,2% enquanto da China, 2,1%. Exportações do mercado aeronáutico (aviões, peças para aviões), petróleo e produtos siderúrgicos explicam o desempenho favorável nos Estados Unidos", diz a nota da FGV.

Quando se olha para a pauta de importações, a participação da China passou de 3,3% para 19,2% e a dos Estados Unidos, de 21,8% para 16%, sempre na comparação de 2002 com 2018. "O crescimento médio anual das importações oriundas da China superou em todos os períodos as provenientes dos Estados Unidos. Em termos de preços, as diferenças foram favoráveis para a China (menor preço que os Estados Unidos) a partir de 2012", diz a FGV, sugerindo que a conclusão aponta para a necessidade de pesquisas mais detalhadas sobre a concorrência chinesa via preços.

Elaborado com dados do Ministério da Economia, o Icomex de junho apontou ainda que o setor externo do Brasil fechou o primeiro semestre com avanço de 3,5% nas exportações e estabilidade nas importações, na comparação com o primeiro semestre de 2018, quando se considera os valores, ponderando volume e preços.

"Na comparação entre os primeiros semestres de 2018 e 2019, porém, o volume exportado cresceu (2%) liderado pelas commodities (7,5%), enquanto a variação nos preços foi negativa para as commodities. A análise por setor mostra que a liderança no crescimento do volume exportado seja na comparação mensal ou semestral coube à indústria extrativa. No caso das importações, comparação entre os primeiros semestres, registrou aumento no volume de 2,5% e queda nos preços com igual porcentual, o que explica o valor não ter variado entre os semestres. A análise por setor registrou recuo nos volumes na comparação mensal, o que pode estar associado a uma desaceleração no ritmo de atividade", diz a nota da FGV.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Fila andou

Sem Bolsonaro, Alcolumbre e Maia assinam promulgação da reforma da Previdência

Na mesa da sessão, estavam apenas parlamentares, entre eles integrantes dos comandos da Câmara e do Senado e líderes do governo. Novas alíquota entram em vigor em março de 2020

Turbulência

A Embraer deu prejuízo e cortou a projeção de dividendo. O mercado não gostou do que viu

O balanço da Embraer no terceiro trimestre ficou abaixo das expectativas do mercado, pressionado pelos custos ligados à transação com a Boeing. Como resultado, as ações caem forte

Balanços

Caixa tem no 3º tri lucro líquido contábil de R$ 8 bi, alta de 66,7% em um ano

Nos nove primeiros meses do ano, o lucro da Caixa foi de R$ 16,2 bilhões, aumento de 40,9% comparado o mesmo intervalo do ano passado

Câmbio

Quer entender a alta do dólar por aqui? Dê uma olhada no Chile

Dólar opera em alta, na linha de R$ 4,18, refletindo movimento de aversão ao risco regional puxada pelo Chile, onde o peso cai mais de 4%

Digerindo a sopa de números

Yduqs cai forte na bolsa após balanço do 3º trimestre, mas não deveria ser tudo isso

Os resultados da empresa de educação pegaram mal entre os investidores, mas analistas apontam um trimestre de neutro a positivo

Voltando ao positivo

Volume de serviços sobe 1,2% em setembro, a maior alta mensal em mais de um ano

Resultado ficou acima do teto das estimativas dos analistas, que previam desde uma queda de 0,30% a um avanço de 1,10%

no ritmo do balanço

Eletrobras reverte prejuízo e tem lucro de R$ 716 milhões no trimestre

Divulgação dos números é feita num momento em que as ações da Eletrobras ostentam uma alta da ordem 60% no ano

Tensão na América Latina

Ibovespa cai mais de 1%, pressionado pela cautela local; dólar sobe a R$ 4,17

Após uma sessão mais tranquila na segunda-feira, o Ibovespa opera em baixa, mostrando uma postura mais cautelosa em relação ao cenário global

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta terça-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

Exile on Wall Street

Lula solto — e agora? (Ou, por uma dose de nacionalismo)

Talvez estejamos diante de um caso de antifragilidade clássico. Há uma possibilidade de sairmos não somente iguais depois desse choque aparentemente negativo, mas também de sairmos melhores

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements