🔴 SAVE THE DATE: 22/07 – FERRAMENTA PARA GERAR RENDA COM 1 CLIQUE SERÁ LIBERADA – CONHEÇA

Micaela Santos
Micaela Santos
É repórter do Seu Dinheiro. Formada pela Universidade São Judas Tadeu (USJT), já passou pela Época Negócios e Canal Meio.
TESOURO DIRETO DO MÊS

Vai investir no Tesouro Direto? Itaú, Santander e XP recomendam as “bolas da vez” em junho; saiba quais são os melhores títulos públicos

Com cenário de juros altos, pós-fixados atrelados à Selic estão entre as opções mais atrativas de investimentos para o mês, segundo analistas

Micaela Santos
Micaela Santos
5 de junho de 2024
12:26 - atualizado às 12:17
tesouro direto renda fixa
Apesar da queda da taxa Selic, renda fixa segue atrativa e alguns títulos “sofrem menos” com a queda dos juros. (Imagem: Brenda Rocha/Blossom/Shutterstock) -

No mês de maio, o cenário de abertura dos juros futuros fez com que a carteira de recomendações de bancos e corretoras sobre os títulos de renda fixa fosse variada. Teve apostas no Tesouro Direto e também nos títulos privados, entre eles o CDB.

Mas se você busca os títulos de renda fixa que envolvem risco mínimo, como os títulos públicos negociados via Tesouro Direto, instituições como o Santander, Itaú BBA e XP Investimentos divulgaram relatórios recentes que podem ajudar você a decidir o melhor título do Tesouro para investir neste mês.

O investimento em Tesouro Direto é garantido pelo Tesouro Nacional, o que faz dele uma das alternativas de investimento de menor risco de crédito do mercado brasileiro. Também é conhecido por ser um investimento acessível, já que o valor mínimo para aplicar é de apenas R$ 30,00. 

Cenário de incertezas

Para o mês de junho, o cenário desafiador permanece praticamente o mesmo, com o mercado repercutindo as incertezas quanto à trajetória dos juros dos Estados Unidos.

Por lá, o tom mais duro que vem sendo adotado pela diretoria do Federal Reserve deixou o investidor mais cético em relação ao alívio das taxas.

No cenário doméstico, a mudança da meta fiscal e a divisão de votos entre os diretores do Banco Central na última decisão de juros também pesam. 

No último ciclo de corte de juros, o Comitê de Política Monetária (Copom) optou por uma redução menor na taxa Selic, que a levou ao patamar atual de 10,50% ao ano.

Após decisão dividida, a ata da reunião ressaltou consenso no Copom em torno de um cenário mais desafiador e abriu a porta para o final do ciclo de flexibilização em junho, com a Selic em 10,25% a.a., um patamar mais elevado do que era esperado inicialmente pelo mercado.

Com isso, as estimativas dos analistas para a inflação e para a taxa básica de juros em 2024 continuaram em tendência de alta, segundo as projeções do Boletim Focus. 

E é justamente por conta desse cenário de juros mais altos que o esperado e escalada nas taxas futuras que os bancos destacaram os títulos pós-fixados (indexados à Selic) entre as opções mais atrativas de investimentos para o mês de junho.

No Tesouro Direto, esses títulos são representados pelo Tesouro Selic, cuja remuneração, atrelada à taxa básica de juros, é conhecida apenas no vencimento ou resgate.

No entanto, houve indicações também entre os prefixados e títulos indexados à inflação. Confira as recomendações:

Tesouro Direto: 4 títulos recomendados pelo Itaú BBA

Na Carta do Estrategista de junho, o Itaú BBA destaca como títulos favoritos o Tesouro Selic 2027, Tesouro Prefixado 2027, Tesouro IPCA+ 2029 e Tesouro IPCA+ 2045

De acordo com Lucas Queiroz, estrategista de renda fixa para pessoa física do banco, os títulos pós-fixados são os beneficiados no curto prazo por um possível fim antecipado do ciclo de corte de juros.

Para esse cenário, o Tesouro Selic 2027, por exemplo, “cumpre as funções de prover liquidez à carteira, amortecer a volatilidade e continuar a rentabilizar o capital acima da inflação".

No médio e longo prazo os títulos indexados à inflação, como Tesouro IPCA+, funcionam bem como proteção contra surpresas inflacionárias, segundo o banco. Além disso, “o título se beneficia com eventual compressão de taxa em um cenário de retomada de otimismo.” 

Os títulos prefixados não ficaram de fora: "Contudo, à medida que a inflação implícita sobe, os prefixados passam a ganhar atratividade e neste momento são uma combinação interessante com os pós-fixados, razão pela qual manteremos o Tesouro Prefixado 2027."

O banco ressaltou que o panorama mais restritivo de curto prazo pode abrir espaço para taxas de juros ainda mais baixas à frente. Por conta disso, os títulos intermediários e longos terão tendência de alta, e podem superar a rentabilidade dos pós-fixados no acumulado de 2024. 

Santander: Tesouro IPCA+ para proteção contra a inflação

A recomendação do Santander para o mês de junho é o Tesouro IPCA+, com vencimento para 2035. Em seu relatório, o banco citou a questão dos juros como um um tema que continua “pesando” no país, embora no âmbito internacional, os mercados dos EUA e Europa tenham fechado em alta generalizada. 

Por aqui, o banco destacou o aumento nas projeções do Boletim Focus para a taxa Selic ao fim de 2024 para 10,25%. Contudo, ressaltou as surpresas positivas no mercado de trabalho e uma perspectiva de emprego mais forte, que devem ajudar na desaceleração da inflação e nas projeções do banco para o crescimento do PIB de 2024. 

Embora este cenário não tenha sido suficiente para alterar o nível do Ibovespa, os analistas do Santander esperam uma “recuperação gradual dos resultados operacionais à frente”, com o fortalecimento dos balanços de companhias domésticas, graças a juros menores, atividade econômica ainda aquecida e uma queda no endividamento da população brasileira.

Com base nesse contexto doméstico e internacional, a sugestão do bancão é o IPCA+ 2035. “Se os ventos domésticos se provarem favoráveis para os ativos de risco (menores ruídos políticos, inflação convergindo à meta no médio prazo e promessas de responsabilidade fiscal em 2024), podemos ver um menor prêmio de risco para os títulos públicos reais, favorecendo a marcação a mercado deles.” 

Caso a percepção de risco piore e o dólar volte a se valorizar, a proteção contra a inflação do título recomendado exercerá sua função, afirma o Santander.

  • [Relatórios gratuitos] Analistas fazem recomendações semanais de renda fixa – e você pode receber todo esse conteúdo diretamente no seu e-mail. Clique aqui.

XP: títulos públicos para todos os gostos

O pós-fixado Tesouro Selic 2027 aparece novamente como recomendação entre os títulos públicos para o mês de junho, desta vez da XP. Por ser atrelado à Selic, ele acompanha as altas e baixas nos juros. 

Apesar da redução para a Selic esperada pelo mercado ainda na próxima reunião do Copom, esse título deve continuar a se beneficiar do nível elevado da taxa de juros, ainda acima da inflação projetada, segundo os analistas da instituição. "Indicamos o Tesouro Selic para a reserva de emergência ou gestão de caixa", afirma a XP, em relatório. 

Na visão da corretora, o cenário brasileiro foi afetado por uma combinação de dados econômicos vistos pelos investidores como mais desafiadores à economia.

Apesar de a inflação de curto prazo continuar em sua trajetória benigna, segundo a XP, os números sobre emprego no país mostram um mercado de trabalho aquecido.

“Em meio a esse contexto, a preocupação em relação à meta fiscal do governo federal persiste e reforça a pressão inflacionária no longo prazo.” 

Para a XP, a junção desses fatores dificulta o prosseguimento do ciclo de cortes da Selic por parte do Copom, que também “gerou um posicionamento de aversão ao risco nos investidores após o dissenso da votação na última reunião.” 

Para os analistas da instituição, a Selic deve terminar 2024 em 10,00%. 

Tesouro IPCA+ e Tesouro Prefixado

Além do Tesouro Selic, a XP também recomenda como opções de títulos públicos o Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais, com vencimento em 2028, e o Tesouro Prefixado com vencimento para 2026. 

No caso do Tesouro Prefixado 2026, o investidor sabe exatamente quanto será pago ao final do prazo. Isso porque o ativo possui uma taxa fixa, que não é atrelada a nenhum indexador. São ativos recomendados para quem busca previsibilidade, independente da expectativa para os juros da Selic, afirma a XP. 

A instituição também destaca a importância de ter na carteira ativos atrelados à inflação. Nesse caso, o Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 2028 é uma boa opção, de acordo com os analistas.

No IPCA+, o valor a ser recebido no vencimento ou nos pagamentos é predeterminado em forma de uma taxa de juros, mas também corrigido pelo IPCA. "Em caso de alta nas expectativas para os juros, os títulos se desvalorizam e vice-versa. Essa variação só é colocada em prática em caso de resgate antes do vencimento.”

Vale lembrar que o Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 2028 e o Tesouro Prefixado 2026 não estão disponíveis no Tesouro Direto, apenas no mercado secundário, via mesa de operações da corretora, onde são negociados como NTN-B 2028 e LTN 2026, respectivamente. Os títulos de vencimento mais próximo no Tesouro Direto hoje são o Tesouro IPCA+ 2029 e o Tesouro Prefixado 2027.

Confira a tabela com a rentabilidade de cada título recomendado

InvestimentoRetorno anual para quem adquirir o papel hoje e o levar ao vencimentoRentabilidade nos últimos 30 dias*Rentabilidade no último mês
Tesouro IPCA + 2035IPCA + 6,16%0,16%-0,18%
Tesouro Selic 2027SELIC + 0,0903%0,86%0,81%
Tesouro Prefixado 202711,17%0,00%-0,4%
Tesouro IPCA+ 2029IPCA + 6,14%0,61%0,28%
Tesouro IPCA+ 2045IPCA + 6,12%-1,57%-2,76%
Tesouro Prefixado 2026---
Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 2028---
Fonte: Tesouro Direto

Compartilhe

RENDA FIXA

O Brasil vai virar a Turquia? Veja por que você deveria ter títulos indexados à inflação na carteira (e agora é uma boa hora de comprar)

19 de julho de 2024 - 7:13

Estudo da TAG Investimentos analisa se a inflação brasileira pode se descontrolar, mas o juro real ficar negativo, como ocorre no país europeu

Balanço do mercado de capitais

Sem IPOs e com restrições a CRIs, CRAs, LCIs e LCAs, renda fixa domina emissões no 1º semestre; debêntures batem recorde de captação

17 de julho de 2024 - 19:30

Ofertas no mercado de capitais totalizaram R$ 337,9 bilhões no período, sendo que R$ 206,7 bilhões corresponderam a debêntures; ofertas de ações totalizaram apenas R$ 4,9 bilhões

Sem fortes emoções

Mapfre Investimentos lança fundo de renda fixa de baixo risco para investir em CDBs e outros títulos bancários; foco é superar o CDI

16 de julho de 2024 - 7:27

Primeiro fundo lançado pela gestora em dez anos atende demanda de clientes por produtos conservadores em momento de mercado adverso

Tesouro Direto do mês

Dobradinha no Tesouro Direto: Itaú BBA recomenda combinação de Tesouro Selic e título público prefixado para julho

12 de julho de 2024 - 14:27

Veja as recomendações de títulos públicos do banco para este mês

Atrelado à inflação

Tesouro Direto na bolsa: BTG Pactual e TEVA Índices lançam o fundo PACB11, ETF de títulos públicos de longuíssimo prazo

12 de julho de 2024 - 11:24

Fundo com cotas negociadas em bolsa acompanha índice composto por títulos Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais de prazos superiores a 14 anos

DIVERSIFICANDO A CARTEIRA

Renda fixa do mês: os melhores títulos públicos e privados para investir em julho, segundo o Santander, BTG e XP

5 de julho de 2024 - 18:10

Bancos apostam nos prefixados e atrelados à inflação para o mês, mas atrelados à Selic e ao CDI ainda seguem atrativos pela falta de perspectiva de queda de juros até o final do ano

ONDE INVESTIR NO 2⁰ SEMESTRE

Renda fixa conservadora se manterá atrativa no 2⁰ semestre, mas Tesouro Direto abriu oportunidades de retorno alto

3 de julho de 2024 - 6:00

Sem perspectiva de queda nos juros até o fim do ano, títulos atrelados à Selic seguem atrativos, mas investidor pode “travar” retornos elevados em prefixados e indexados à inflação; veja onde investir na renda fixa até o fim do ano

Dá o play!

Os fundos de renda fixa com ‘dupla isenção de IR’: uma conversa sobre FI-Infras com Aymar Almeida, gestor da Kinea

30 de junho de 2024 - 11:00

O podcast Touros e Ursos recebe o gestor do KDIF11, maior e mais antigo fundo de debêntures incentivadas com cotas negociadas na bolsa brasileira, para falar sobre a perspectiva para os FI-Infras

DEMANDA POR RENDA FIXA

A farra das LCI e LCA continua? Investimentos em títulos isentos sobe 9,1% em 2024 — mesmo após mudança nas regras

28 de junho de 2024 - 18:00

Alocação das pessoas físicas em títulos isentos de Imposto de Renda chegaram a R$ 1,12 trilhão entre janeiro e abril deste ano

REPORTAGEM ESPECIAL

Exclusivo: Gestoras de fundos imobiliários assumem empreendimentos da Seed e evitam calote de CRIs lastreados em imóveis de luxo

25 de junho de 2024 - 15:31

Seed usou CRIs para financiar parte de seus projetos, mas atrasos em obras levaram gestoras a buscar meios de mitigar problemas

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar