🔴 RECEBA TODA SEMANA RECOMENDAÇÕES PARA PODER DOBRAR O SEU DINHEIRO – CONHEÇA O MÉTODO

Micaela Santos
Micaela Santos
É repórter do Seu Dinheiro. Formada pela Universidade São Judas Tadeu (USJT), já passou pela Época Negócios e Canal Meio.
TESOURO DIRETO DO MÊS

Vai investir no Tesouro Direto? Itaú, Santander e XP recomendam as “bolas da vez” em junho; saiba quais são os melhores títulos públicos

Com cenário de juros altos, pós-fixados atrelados à Selic estão entre as opções mais atrativas de investimentos para o mês, segundo analistas

Micaela Santos
Micaela Santos
5 de junho de 2024
12:26 - atualizado às 12:17
tesouro direto renda fixa
Apesar da queda da taxa Selic, renda fixa segue atrativa e alguns títulos “sofrem menos” com a queda dos juros. (Imagem: Brenda Rocha/Blossom/Shutterstock) -

No mês de maio, o cenário de abertura dos juros futuros fez com que a carteira de recomendações de bancos e corretoras sobre os títulos de renda fixa fosse variada. Teve apostas no Tesouro Direto e também nos títulos privados, entre eles o CDB.

Mas se você busca os títulos de renda fixa que envolvem risco mínimo, como os títulos públicos negociados via Tesouro Direto, instituições como o Santander, Itaú BBA e XP Investimentos divulgaram relatórios recentes que podem ajudar você a decidir o melhor título do Tesouro para investir neste mês.

O investimento em Tesouro Direto é garantido pelo Tesouro Nacional, o que faz dele uma das alternativas de investimento de menor risco de crédito do mercado brasileiro. Também é conhecido por ser um investimento acessível, já que o valor mínimo para aplicar é de apenas R$ 30,00. 

Cenário de incertezas

Para o mês de junho, o cenário desafiador permanece praticamente o mesmo, com o mercado repercutindo as incertezas quanto à trajetória dos juros dos Estados Unidos.

Por lá, o tom mais duro que vem sendo adotado pela diretoria do Federal Reserve deixou o investidor mais cético em relação ao alívio das taxas.

No cenário doméstico, a mudança da meta fiscal e a divisão de votos entre os diretores do Banco Central na última decisão de juros também pesam. 

No último ciclo de corte de juros, o Comitê de Política Monetária (Copom) optou por uma redução menor na taxa Selic, que a levou ao patamar atual de 10,50% ao ano.

Após decisão dividida, a ata da reunião ressaltou consenso no Copom em torno de um cenário mais desafiador e abriu a porta para o final do ciclo de flexibilização em junho, com a Selic em 10,25% a.a., um patamar mais elevado do que era esperado inicialmente pelo mercado.

Com isso, as estimativas dos analistas para a inflação e para a taxa básica de juros em 2024 continuaram em tendência de alta, segundo as projeções do Boletim Focus. 

E é justamente por conta desse cenário de juros mais altos que o esperado e escalada nas taxas futuras que os bancos destacaram os títulos pós-fixados (indexados à Selic) entre as opções mais atrativas de investimentos para o mês de junho.

No Tesouro Direto, esses títulos são representados pelo Tesouro Selic, cuja remuneração, atrelada à taxa básica de juros, é conhecida apenas no vencimento ou resgate.

No entanto, houve indicações também entre os prefixados e títulos indexados à inflação. Confira as recomendações:

Tesouro Direto: 4 títulos recomendados pelo Itaú BBA

Na Carta do Estrategista de junho, o Itaú BBA destaca como títulos favoritos o Tesouro Selic 2027, Tesouro Prefixado 2027, Tesouro IPCA+ 2029 e Tesouro IPCA+ 2045

De acordo com Lucas Queiroz, estrategista de renda fixa para pessoa física do banco, os títulos pós-fixados são os beneficiados no curto prazo por um possível fim antecipado do ciclo de corte de juros.

Para esse cenário, o Tesouro Selic 2027, por exemplo, “cumpre as funções de prover liquidez à carteira, amortecer a volatilidade e continuar a rentabilizar o capital acima da inflação".

No médio e longo prazo os títulos indexados à inflação, como Tesouro IPCA+, funcionam bem como proteção contra surpresas inflacionárias, segundo o banco. Além disso, “o título se beneficia com eventual compressão de taxa em um cenário de retomada de otimismo.” 

Os títulos prefixados não ficaram de fora: "Contudo, à medida que a inflação implícita sobe, os prefixados passam a ganhar atratividade e neste momento são uma combinação interessante com os pós-fixados, razão pela qual manteremos o Tesouro Prefixado 2027."

O banco ressaltou que o panorama mais restritivo de curto prazo pode abrir espaço para taxas de juros ainda mais baixas à frente. Por conta disso, os títulos intermediários e longos terão tendência de alta, e podem superar a rentabilidade dos pós-fixados no acumulado de 2024. 

Santander: Tesouro IPCA+ para proteção contra a inflação

A recomendação do Santander para o mês de junho é o Tesouro IPCA+, com vencimento para 2035. Em seu relatório, o banco citou a questão dos juros como um um tema que continua “pesando” no país, embora no âmbito internacional, os mercados dos EUA e Europa tenham fechado em alta generalizada. 

Por aqui, o banco destacou o aumento nas projeções do Boletim Focus para a taxa Selic ao fim de 2024 para 10,25%. Contudo, ressaltou as surpresas positivas no mercado de trabalho e uma perspectiva de emprego mais forte, que devem ajudar na desaceleração da inflação e nas projeções do banco para o crescimento do PIB de 2024. 

Embora este cenário não tenha sido suficiente para alterar o nível do Ibovespa, os analistas do Santander esperam uma “recuperação gradual dos resultados operacionais à frente”, com o fortalecimento dos balanços de companhias domésticas, graças a juros menores, atividade econômica ainda aquecida e uma queda no endividamento da população brasileira.

Com base nesse contexto doméstico e internacional, a sugestão do bancão é o IPCA+ 2035. “Se os ventos domésticos se provarem favoráveis para os ativos de risco (menores ruídos políticos, inflação convergindo à meta no médio prazo e promessas de responsabilidade fiscal em 2024), podemos ver um menor prêmio de risco para os títulos públicos reais, favorecendo a marcação a mercado deles.” 

Caso a percepção de risco piore e o dólar volte a se valorizar, a proteção contra a inflação do título recomendado exercerá sua função, afirma o Santander.

  • [Relatórios gratuitos] Analistas fazem recomendações semanais de renda fixa – e você pode receber todo esse conteúdo diretamente no seu e-mail. Clique aqui.

XP: títulos públicos para todos os gostos

O pós-fixado Tesouro Selic 2027 aparece novamente como recomendação entre os títulos públicos para o mês de junho, desta vez da XP. Por ser atrelado à Selic, ele acompanha as altas e baixas nos juros. 

Apesar da redução para a Selic esperada pelo mercado ainda na próxima reunião do Copom, esse título deve continuar a se beneficiar do nível elevado da taxa de juros, ainda acima da inflação projetada, segundo os analistas da instituição. "Indicamos o Tesouro Selic para a reserva de emergência ou gestão de caixa", afirma a XP, em relatório. 

Na visão da corretora, o cenário brasileiro foi afetado por uma combinação de dados econômicos vistos pelos investidores como mais desafiadores à economia.

Apesar de a inflação de curto prazo continuar em sua trajetória benigna, segundo a XP, os números sobre emprego no país mostram um mercado de trabalho aquecido.

“Em meio a esse contexto, a preocupação em relação à meta fiscal do governo federal persiste e reforça a pressão inflacionária no longo prazo.” 

Para a XP, a junção desses fatores dificulta o prosseguimento do ciclo de cortes da Selic por parte do Copom, que também “gerou um posicionamento de aversão ao risco nos investidores após o dissenso da votação na última reunião.” 

Para os analistas da instituição, a Selic deve terminar 2024 em 10,00%. 

Tesouro IPCA+ e Tesouro Prefixado

Além do Tesouro Selic, a XP também recomenda como opções de títulos públicos o Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais, com vencimento em 2028, e o Tesouro Prefixado com vencimento para 2026. 

No caso do Tesouro Prefixado 2026, o investidor sabe exatamente quanto será pago ao final do prazo. Isso porque o ativo possui uma taxa fixa, que não é atrelada a nenhum indexador. São ativos recomendados para quem busca previsibilidade, independente da expectativa para os juros da Selic, afirma a XP. 

A instituição também destaca a importância de ter na carteira ativos atrelados à inflação. Nesse caso, o Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 2028 é uma boa opção, de acordo com os analistas.

No IPCA+, o valor a ser recebido no vencimento ou nos pagamentos é predeterminado em forma de uma taxa de juros, mas também corrigido pelo IPCA. "Em caso de alta nas expectativas para os juros, os títulos se desvalorizam e vice-versa. Essa variação só é colocada em prática em caso de resgate antes do vencimento.”

Vale lembrar que o Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 2028 e o Tesouro Prefixado 2026 não estão disponíveis no Tesouro Direto, apenas no mercado secundário, via mesa de operações da corretora, onde são negociados como NTN-B 2028 e LTN 2026, respectivamente. Os títulos de vencimento mais próximo no Tesouro Direto hoje são o Tesouro IPCA+ 2029 e o Tesouro Prefixado 2027.

Confira a tabela com a rentabilidade de cada título recomendado

InvestimentoRetorno anual para quem adquirir o papel hoje e o levar ao vencimentoRentabilidade nos últimos 30 dias*Rentabilidade no último mês
Tesouro IPCA + 2035IPCA + 6,16%0,16%-0,18%
Tesouro Selic 2027SELIC + 0,0903%0,86%0,81%
Tesouro Prefixado 202711,17%0,00%-0,4%
Tesouro IPCA+ 2029IPCA + 6,14%0,61%0,28%
Tesouro IPCA+ 2045IPCA + 6,12%-1,57%-2,76%
Tesouro Prefixado 2026---
Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 2028---
Fonte: Tesouro Direto

Compartilhe

QUANTO VOCÊ VAI RECEBER

Poupança, Tesouro Direto e CDB: a renda fixa tem chance de reagir com a Selic mantida em 10,50%? Fizemos os cálculos para você

19 de junho de 2024 - 19:05

Banco Central manteve a taxa básica de juros inalterada nesta quarta-feira (19); saiba quanto rendem os investimentos conservadores a partir de agora

RENDA FIXA

Gestora especializada em FIDCs lança seu primeiro fundo de direitos creditórios para o varejo; saiba como incluir esse tipo de ativo na carteira

6 de junho de 2024 - 18:00

O Solis Pioneiro, da gestora Solis Investimentos, chega para o público em geral após a publicação da Resolução CVM 175 e em momento de alta dos fundos em direitos creditórios

Ainda atrativa

Onde investir na renda fixa em maio: bancos e corretoras recomendam Tesouro Direto, CDBs, LCAs e outros títulos isentos de IR

19 de maio de 2024 - 8:00

De títulos públicos a debêntures incentivadas, veja as indicações de Santander, XP e BTG na renda fixa para este mês

CRÉDITO PRIVADO

Suzano (SUZB3) vai captar R$ 5,9 bilhões em emissão de debêntures — e você pode investir sem pagar IR

17 de maio de 2024 - 19:35

Debêntures isentas da Suzano devem render uma taxa de juros equivalente à do título público corrigido pelo IPCA; saiba mais

Caiu mais

Quanto rendem R$ 100 mil na poupança, no Tesouro Direto e em CDB com a Selic em 10,50%?

8 de maio de 2024 - 19:25

Banco Central cortou a taxa básica em apenas 0,25 ponto percentual nesta quarta; veja como a rentabilidade dos investimentos conservadores deve reagir

Regra de bolso

Investir na renda fixa quando a Selic paga 1% ao mês dá certo? Esta gestora fez as contas – e traz uma estratégia ainda melhor

8 de maio de 2024 - 9:00

O retorno de 1% ao mês é talvez a âncora mental mais forte do investidor brasileiro, mas investir com foco nisso vale a pena?

Renda fixa incentivada

Órfão das LCI e LCA? Banco indica 9 títulos isentos de imposto de renda que rendem mais que o CDI e o Tesouro IPCA+

24 de abril de 2024 - 17:15

Itaú BBA recomenda nove títulos de renda fixa, entre debêntures, CRIs e CRAs, acessíveis para investidores em geral e isentos de IR

Em busca da liquidez perdida

Ficou mais difícil investir em LCI e LCA após mudanças nas regras? Veja que outras opções você encontra no mercado

22 de abril de 2024 - 6:45

Prazo de carência de LCIs e LCAs aumentou de três para 12 ou nove meses, respectivamente; além disso, emissões caíram e taxas baixaram. Para onde correr?

ALTERNATIVA AO PRO SOLUTO

Meu CRI, Minha Vida: em operação inédita, Opea capta R$ 125 milhões para financiar imóvel popular de clientes da MRV

16 de abril de 2024 - 17:27

A Opea Securitizadora e a fintech EmCash acabam de anunciar a emissão do primeiro CRI voltado ao financiamento de unidades lançadas pela MRV dentro do programa habitacional do governo federal

Para onde ir?

Onde investir na renda fixa após tantas mudanças de regras e expectativas? Veja as recomendações das corretoras e bancos

16 de abril de 2024 - 13:03

Mercado agora espera que corte de juro seja menos intenso, e mudanças nos títulos isentos ocasionou alta da demanda por debêntures incentivadas, com queda nas taxas; para onde a renda fixa deve ir, então?

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar