🔴 EVENTO GRATUITO: COMPRAR OU VENDER VALE3? INSCREVA-SE

Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Renda fixa isenta

Sem IR e com dividendos: gestora do Nubank faz oferta pública de cotas do Nu Infra (NUIF11), seu fundo de debêntures incentivadas

Objetivo da Nu Asset é captar R$ 150 milhões para seu fundo de crédito privado focado em infraestrutura

Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
18 de março de 2024
10:31 - atualizado às 10:39
Nubank
Nubank - Imagem: Divulgação

A Nu Asset, gestora do Nubank, iniciou a segunda oferta pública de cotas de seu fundo de infraestrutura Nu Infra (NUIF11), fundo de debêntures incentivadas com cotas negociadas em bolsa e totalmente isento de imposto de renda para as pessoas físicas.

A intenção da gestora é captar, inicialmente, R$ 150 milhões. O período de reserva das cotas começou em 15 de março (sexta-feira) e vai até 1o de abril.

O Nu Infra é um fundo de crédito privado, isto é, investe em títulos de dívida de empresas (debêntures), que são investimentos de renda fixa. Ainda assim, trata-se de uma renda fixa mais "apimentada" que os tradicionais títulos públicos e CDBs, pois o fundo fica exposto ao risco de crédito das empresas emissoras dos títulos que compõem a carteira.

No caso do NUIF11, estas são isentas de imposto de renda para a pessoa física, por serem debêntures de infraestrutura incentivadas. Isso significa que tanto os rendimentos pagos pelo fundo quanto o lucro com a venda das cotas não sofrem a incidência de IR. Tais debêntures também têm sua rentabilidade atrelada à inflação. Assim, o fundo busca um retorno acima da inflação e isento de IR no longo prazo.

As cotas são negociadas em bolsa de valores, como se fossem ações. Elas podem ser compradas pelo investidor na própria bolsa, mas quem quiser participar da oferta pública poderá adquiri-las com um desconto de 13,59% em relação ao seu valor patrimonial, que é o preço pelo qual os ativos do fundo são avaliados.

"A Nu Asset concedeu esse deságio como forma de mitigar os custos de distribuição para os acionistas que aderirem à oferta, e no futuro busca atingir uma rentabilidade-alvo de 0,5% a 1,0% acima da NTN-B de referência", explica o Nubank, em nota.

A NTN-B de referência, no caso, é o título público indexado à inflação que serve de benchmark para o fundo. Assim, para quem entrar na oferta, a meta do fundo é render de 0,5% a 1,0% acima da rentabilidade desse título público, lembrando que isso não é uma garantia de rentabilidade.

Nu Infra (NUIF11) tem distribuído dividendos mensais

O Nu Infra costuma fazer distribuições mensais de rendimentos. O fundo teve início em junho de 2022 e começou a pagar proventos em setembro de 2023, quando foi listado na B3. Desde então, tem pago R$ 1,10 por cota por mês, o equivalente a um retorno com dividendos (dividend yield) de 12,25% ao ano, em média.

Desde o início, o fundo de infraestrutura do Nubank apresentou um retorno acumulado de 21,8%, o equivalente ao retorno do IMA-B (índice que acompanha o retorno de uma cesta de NTN-B) mais 3,8%.

Por se tratar de um fundo fechado com cotas negociadas em bolsa, o NUIF11 também não permite resgates. Investidores que queiram realizar ganhos com a valorização das cotas ou mesmo sair do investimento devem vender suas cotas a outro investidor na bolsa.

A Nu Asset é responsável pela gestão de três estratégias de crédito privado, que totalizam um volume de recursos sob gestão de R$ 1,9 bilhão. Desde abril de 2022, a gestora já negociou R$ 4,5 bilhões em ativos de crédito privado e analisou mais de 280 operações, com uma taxa de aprovação de 30%.

Compartilhe

Em busca da liquidez perdida

Ficou mais difícil investir em LCI e LCA após mudanças nas regras? Veja que outras opções você encontra no mercado

22 de abril de 2024 - 6:45

Prazo de carência de LCIs e LCAs aumentou de três para 12 ou nove meses, respectivamente; além disso, emissões caíram e taxas baixaram. Para onde correr?

ALTERNATIVA AO PRO SOLUTO

Meu CRI, Minha Vida: em operação inédita, Opea capta R$ 125 milhões para financiar imóvel popular de clientes da MRV

16 de abril de 2024 - 17:27

A Opea Securitizadora e a fintech EmCash acabam de anunciar a emissão do primeiro CRI voltado ao financiamento de unidades lançadas pela MRV dentro do programa habitacional do governo federal

Para onde ir?

Onde investir na renda fixa após tantas mudanças de regras e expectativas? Veja as recomendações das corretoras e bancos

16 de abril de 2024 - 13:03

Mercado agora espera que corte de juro seja menos intenso, e mudanças nos títulos isentos ocasionou alta da demanda por debêntures incentivadas, com queda nas taxas; para onde a renda fixa deve ir, então?

Mordida do Leão

O risco do Tesouro Direto que não te contaram (spoiler: tem a ver com inflação e imposto de renda)

15 de abril de 2024 - 6:04

Mordida do Leão sobre o Tesouro IPCA+ ocorre não só sobre o retorno real do título, mas também sobre a variação da inflação; e isso tem implicações para o investidor

O BRILHO DAS ISENTAS DE IR

A vez da renda fixa: Debêntures impulsionam mercado de capitais no 1T24 após “fim da farra” das LCIs e LCAs 

11 de abril de 2024 - 18:46

A captação do mercado de capitais chegou ao recorde de R$ 130,9 bilhões entre janeiro e março deste ano, impulsionada pelas ofertas de renda fixa

Mudança nas regras

Está faltando papel? Emissões de LCIs e LCAs caíram pela metade depois de aumento do prazo de carência

5 de abril de 2024 - 14:35

Levantamento do JP Morgan mostra queda anual de 40% nas novas emissões de LCIs e LCAs e baixas de 50% a 60% desde aprovação das novas regras; estudo da XP também mostra impacto das medidas na emissão de CRIs e CRAs

Em busca da isenção perdida

Debêntures incentivadas viraram o porto seguro da isenção de IR, mas ainda valem a pena?

4 de abril de 2024 - 6:36

Títulos de dívida emitidos por empresas estão entre os melhores investimentos do ano, com alta de mais de 3,50%; em 12 meses, ganhos ultrapassam 18,50%. Mas depois de toda essa valorização, taxas continuam atrativas?

Oportunidade

Mesmo com a Selic em queda, taxas do Tesouro Direto subiram e voltaram aos níveis de outubro de 2023; vale a pena investir agora?

21 de março de 2024 - 6:00

Títulos públicos mais longos acumulam queda neste início de ano; no caso do Tesouro IPCA+ remuneração voltou a se aproximar dos 6% ao ano mais inflação

Rumo a um dígito

Quanto rendem R$ 100 mil na poupança, no Tesouro Direto e em CDB com a Selic em 10,75%?

20 de março de 2024 - 19:30

Banco Central cortou a taxa básica em mais 0,50 ponto percentual nesta quarta; veja como a rentabilidade dos investimentos conservadores deve reagir

Renda fixa do mês

Itaú BBA e Santander indicam títulos do Tesouro Direto para março; BTG recomenda títulos isentos de imposto de renda

11 de março de 2024 - 16:30

Pós-fixados e indexados à inflação são as escolhas entre os títulos públicos; entre os privados, debêntures incentivadas, CRI e CRA

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar