🔴 FONTE DE RENDA EXTRA COM APENAS 1 CLIQUE – CONHEÇA AQUI

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
No Seu Dinheiro você encontra as melhores dicas, notícias e análises de investimentos para a pessoa física. Nossos jornalistas mergulham nos fatos e dizem o que acham que você deve (e não deve) fazer para multiplicar seu patrimônio. E claro, sem nada daquele economês que ninguém mais aguenta.
Grandes demais para falir

Onde há fumaça há fogo? Fiscais do setor bancário nos EUA acendem alerta sobre os planos dos bancões para evitar quebras

Federal Reserve e Corporação de Seguros de Depósitos alertam bancos sobre seus planos para evitar problemas

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
21 de junho de 2024
20:01 - atualizado às 8:42
Fed
Sede do Fed, nos Estados Unidos: instituição teme que os problemas enfrentados dos bancos regionais se alastrem - Imagem: Shutterstock

Os abalos sofridos pelos bancos regionais dos EUA desde o primeiro semestre do ano passado levaram o Fed e a FDIC a acenderem o sinal amarelo em relação aos bancões americanos, como forma de prevenir qualquer fagulha de risco sistêmico.

A crise dos regionais começou em março de 2023, quando o Silicon Valey Bank (SVB) quebrou em dois dias após anunciar a liquidação de títulos do Tesouro americano com prejuízo bilionário, e a emissão de ações na ordem de US$ 2,25 bilhões, o que levou a uma corrida de saques e, por fim, à falência em 10 de março.

Na sequência, vieram à tona problemas em outras instituições médias, como o Signature Bank, e o  Silvergate. Neste ano, chegou a vez do Republic First Bank, que já dava sinais de crise desde um ano antes.

No fim de abril, a agência americana Corporação Federal de Seguro de Depósitos (FDIC, na sigla em inglês) anunciou que o Fulton Bank iria assumir os depósitos e os ativos do Republic First Bank, um dos bancos médios com problemas desde a crise de 2023. Os seus clientes migram para o Fulton automaticamente.

A FDIC havia confiscado o banco em março, após uma tentativa fracassada de levantar seu balanço. Segundo a agência norte-americana, em 31 de janeiro de 2024, o Republic First tinha aproximadamente US$ 6 bilhões em ativos totais e US$ 4 bilhões em depósitos totais.

Os mesmos problemas dos bancos regionais

O Republic First enfrentou os mesmos problemas que os três bancos regionais. Eles quebraram por causa de prejuízos com títulos que perderam valor à medida que as taxas de juro subiram e porque detinham grandes proporções de depósitos não segurados que poderiam ser sacados rapidamente.

Agora, o Federal Reserve e a FDIC estão de olho nos grandes bancos. Nesta sexta-feira (21), as duas instituições informaram que identificaram problemas nos planos de resolução de crises elaborados pelo Bank of America (BofA), Citigroup, Goldman Sachs e JPMorgan Chase.

Os problemas foram detectados em uma revisão conjunta dos programas dos oito maiores bancos dos Estados Unidos, submetidos em julho de 2023.

O plano de resolução dos bancos consiste em um documento no qual as instituições financeiras traçam as estratégias para uma solução de uma eventual quebra causada por dificuldades financeiras.

  • VEJA TAMBÉM - DIREITA OU ESQUERDA? TABATA AMARAL FALA SOBRE OS PLANOS PARA CIDADE DE SÃO PAULO

Dúvidas sobre a viabilidade dos planos

Os problemas (classificados pelo termo em inglês shortcoming) representam fraquezas que levantam dúvidas sobre a viabilidade desses planos, de acordo com os órgãos reguladores.

No caso do Citigroup, o Fed e a FDIC discordaram da severidade das falhas encontradas nos planos. A FDIC entende que são uma "deficiência", isto é, uma fraqueza que poderia minar a viabilidade do plano.

O Conselho do Fed, por sua vez, considera que é apenas uma "shortcoming", um degrau de gravidade abaixo. Pelas normas americanas, quando há esse tipo de divergência, prevalece a avaliação do Fed.

As duas entidades enviaram cartas para cada um dos quatro bancos com problemas e determinaram que essas questões precisam ser resolvidas nos próximos planos de resolução, que sairão em 1º de julho.

*Com informações do Estadão Conteúdo

Compartilhe

CABO DE GUERRA

A disputa pelo fundo do mar: a próxima fronteira da briga tecnológica entre EUA e China

16 de julho de 2024 - 20:00

Projetados para transportar conexões de dados e telecomunicações entre continentes, os cabos submarinos se tornaram uma nova fonte para conflitos geopolíticos

ELEIÇÕES NOS EUA

Lula sobre Trump: “Vai tentar tirar proveito”. A declaração do petista sobre a campanha nos EUA após o tiro em comício

16 de julho de 2024 - 19:57

Nas primeiras entrevistas após o atentado, o agora candidato republicano à presidência disse que foi salvo “por sorte ou por Deus”

Grandes demais para quebrar

Bancões americanos ganham mais com área de investimento e gestão de ativos do que com juros

16 de julho de 2024 - 15:04

BofA teve queda na receita com juros de 3%, enquanto o Morgan Stanley amargou redução de 17% nesse item

TÁ CHEGANDO A HORA

Toda unanimidade é burra? Mercado passa a ver 100% de chance de corte de juros nos EUA em setembro

16 de julho de 2024 - 14:38

Há um mês, as probabilidades de que os juros fossem reduzidos em setembro eram de cerca de 70%; entenda o que mudou de lá para cá e entenda se a redução ds juros está mesmo garantida

ELEIÇÕES NOS EUA

Depois do tiro: Trump leva os votos do Partido Republicano e é o candidato oficial — ele também escolhe o vice. Saiba quem é J.D. Vance

15 de julho de 2024 - 18:42

A escolha de Trump representa um salto na carreira de Vance, de 39 anos, que ingressou no Senado como um político recém-chegado há menos de dois anos; saiba o que ele pensa e defende

Eleições nos EUA

Trump (quase) eleito nos EUA após atentado? Como fica o mercado caso o republicano volte ao poder

15 de julho de 2024 - 18:07

Trump leva a Presidência e os republicanos levarão o Congresso e o Senado. Será a Red Wave. Nunca é favorável quando um dos partidos vence as 3 casas pela falta de negociação de acordos

LUZ NA CAMINHADA

A rua sem saída do Fed: o sinal mais claro de Powell até agora sobre o corte dos juros nos EUA

15 de julho de 2024 - 16:27

O presidente do banco central norte-americano participou de uma sessão de perguntas e respostas e deu mais pistas do que pode acontecer daqui para frente

ELEIÇÕES NOS EUA

Ações da Truth Social, a rede social de Donald Trump, disparam em Nova York após atentado

15 de julho de 2024 - 12:41

Papéi da companhia do candidato à presidência dos Estados Unidos saltaram antes da abertura dos mercados e operam em alta nesta segunda-feira

AVERSÃO AO RISCO NO RADAR

Dólar mais forte e juros longos mais altos? Como o mercado vai reagir ao atentado contra Trump

14 de julho de 2024 - 13:55

Mercado deve reagir a atentado contra Trump com aversão ao risco e temores fiscais com perspectiva de vitória do republicano

SEM ANTECEDENTES

O que se sabe até agora sobre o homem identificado como suspeito de atirar em Donald Trump

14 de julho de 2024 - 11:04

De acordo com FBI, o atentado contra Trump foi promovido por um jovem de 20 anos de idade que morava a cerca de uma hora de estrada do local do ataque

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar