🔴 SAVE THE DATE: 22/07 – FERRAMENTA PARA GERAR RENDA COM 1 CLIQUE SERÁ LIBERADA – CONHEÇA

Carolina Gama
Formada em jornalismo pela Cásper Líbero, já trabalhou em redações de economia de jornais como DCI e em agências de tempo real como a CMA. Já passou por rádios populares e ganhou prêmio em Portugal.
A ÚLTIMA MILHA

EUA: inflação atinge o menor nível em 3 anos, mas será o suficiente para convencer o Fed a cortar os juros agora?

O núcleo do PCE, a medida preferida do banco central norte-americano para a inflação, subiu 0,1% em maio e 2,6% em base anual

Jerome Powell, presidente do Fed, com efeito
Montagem com Jerome Powell, presidente do Fed - Imagem: Federal Reserve / Montagem Brenda Silva

A mensagem do Federal Reserve (Fed) é clara: precisa haver confiança na trajetória descendente da inflação para o início do corte de juros. Nesta sexta-feira (28), a medida preferida do banco central norte-americano desacelerou para o menor nível em três anos — mas será o suficiente para convencer o BC dos EUA a afrouxar a política monetária?

Há especialista que acha que é preciso mais. “O relatório de maio do PCE dos EUA, que veio em linha com as expectativas, é uma boa notícia no que diz respeito à inflação, mas não traz novidades após os dados positivos do CPI e do PPI”, diz o CIBC em relatório. 

Segundo o banco canadense, o foco do Fed já está nos números de junho, que irão mostrar se essa melhora é sustentada.

A Oxford Economics também destaca que o índice de preços para gastos pessoais (PCE, em inglês) de maio nos EUA veio conforme o esperado, mostrando desaceleração gradual da inflação no país — mas ainda não será o suficiente para um corte de juros agora. 

“Os dirigentes do Federal Reserve ainda querem ver alguns dados encorajadores a mais de inflação antes de cortar juros. A boa notícia é que não esperarão até que a taxa chegue à meta de 2%”, disse a Oxford em relatório. 

  • VOCÊ JÁ DOLARIZOU SEU PATRIMÔNIO? A Empiricus Research está liberando uma carteira gratuita com 10 ações americanas pra comprar agora. Clique aqui e acesse.

Para o ING, os membros do comitê de política monetária precisa de três fatores para começar a cortar os juros:

  • Mais evidências de redução das pressões inflacionárias;
  • Mais evidências de ociosidade no mercado de trabalho;
  • Suavização dos gastos do consumidor.

Em maio, o PCE ficou estável na comparação com abril, segundo dado divulgados mais cedo pelo Departamento do Comércio. O resultado veio em linha com o esperado por analistas ouvidos pela FactSet. Na comparação anual, o PCE subiu 2,6%, também como previsto.

O núcleo do PCE, que exclui itens voláteis como alimentos e energia, subiu 0,1% em maio, com alta anual de 2,6%. Os dois números também vieram conforme o esperado. 

O que muita gente quer saber: quantos cortes de juros vêm aí?

Na última atualização das projeções, feita em junho, o Fomc baixou de três para um o número de cortes dos juros em 2024. O dado de inflação de hoje deu mais confiança aos investidores. 

Logo após a divulgação do PCE, o mercado passou a ver chance maior para início dos cortes de juros em setembro, além de ter ampliado a probabilidade de redução acumulada de 50 pontos-base (pb) em 2024.

Segundo a ferramenta FedWatch do CME Group, a chance de corte de juros em setembro subiu para 67,7%, de 64,1% antes do dado. Esse total representa 61,1% de probabilidade de corte de 25pb — para a faixa de 5,00% a 5,25% — e 6,6% de redução de 50pb — para o intervalo de 4,75% a 5,00%.

Até dezembro, a chance de redução acumulada de 50 pb avançou de 43% antes do dado para 45,4%. Já a chance de manutenção dos juros na faixa atual, entre 5,25% a 5,50%, caiu de 7% para 5,2%.

ENTENDA COMO O FED É O MAIOR CULPADO PELA PAUSA NOS CORTES NA SELIC

Já os especialistas mantém um otimismo cauteloso sobre o número de cortes de juros este ano. 

O CIBC prevê que futuras leituras de inflação favoráveis e riscos crescentes para o mercado de trabalho deixarão o Fed confortável para cortar juros duas vezes este ano, a partir de setembro.

A Oxford segue a mesma linha: "Nós ainda esperamos que o Fed comece a cortar juros em setembro, e depois disso reduza os juros uma vez por trimestre". 

“O Fed acredita que a política monetária é restritiva com os juros entre 5,25% e 5,50% em um ambiente em que considera a taxa neutra em torno de 2,8%. O BC não quer causar uma recessão se não for necessário e se os dados permitirem começar a tornar a política monetária ligeiramente menos restritiva, pensamos que a Fed aproveitará essa oportunidade, potencialmente já em setembro”, dizem os analistas do ING.

Compartilhe

ELEIÇÕES NOS EUA

Não deu para Biden: presidente dos EUA cede à pressão e desiste da reeleição — saiba o que acontece daqui para frente 

21 de julho de 2024 - 15:44

No que depender de Biden, sua vice Kamala Harris deve ser o nome do partido para enfrentar Donald Trump nas urnas em 5 de novembro; Trump se manifesta sobre a desistência

ATUALIZANDO O PORTFÓLIO

Por que Warren Buffett decidiu vender US$ 1,48 bilhão em ações de um bancão norte-americano

20 de julho de 2024 - 17:48

A Berkshire Hathaway vendeu cerca de 33,9 milhões de ações desta instituição financeira em diversas transações nesta semana

MELHORES MOMENTOS GIRO DO MERCADO

Trump mais vivo do que nunca: os impactos no dólar, cripto e juros — e os principais riscos da provável vitória do republicano 

19 de julho de 2024 - 18:14

Donald Trump saiu do atentado do último sábado mais vivo do que nunca. Agora, se já não era antes, o republicano é o nome mais forte na corrida e provavelmente voltará a ocupar a Casa Branca — e os mercados já estão tentando prever os impactos disso.  A percepção de que o ex-presidente saiu ganhando […]

ELEIÇÕES NOS EUA

Pseudoconciliação e promessa de deportação em massa: o que você precisa saber sobre o último discurso de Trump

19 de julho de 2024 - 11:10

Donald Trump discursou no fim da noite de quinta-feira ao aceitar a indicação do Partido Republicano para concorrer à presidência dos EUA em novembro

UNINDO FORÇAS

O “quarteto mortal”: os países que vão tirar o sono dos EUA e da Europa e podem levar a uma nova guerra global

18 de julho de 2024 - 19:58

Especialistas destacam o poder econômico do Ocidente, mas reconhecem que a missão de conter o avanço do grupo de quatro países não é fácil

MAIS POLÊMICA

CEO de empresa ligada à rede social de Trump é alvo de investigação por fraude nos Estados Unidos

18 de julho de 2024 - 14:00

Patrick Orlando é acusado pela SEC americana de mentir sobre os planos de sua “companhia do cheque em branco” de se fundir com a startup por trás da Truth Social

Restrição monetária

Lagarde mantém juros restritivos na Europa e diz o que é preciso para as taxas baixarem

18 de julho de 2024 - 13:07

Banco Central Europeu procura trazer a inflação da zona do euro para a meta de 2%

ELEIÇÕES NOS EUA

Biden revela o que o faria desistir de disputar presidência contra Trump em entrevista divulgada horas após diagnóstico de covid

18 de julho de 2024 - 10:59

Biden recebeu diagnóstico de infecção por covid-19 na quarta-feira e precisou interromper sua campanha à reeleição

MILES GUO

Ex-magnata chinês aliado de Steve Bannon é condenado por fraude bilionária nos EUA

17 de julho de 2024 - 15:00

Miles Guo vivia exilado nos Estados Unidos e é crítico do Partido Comunista chinês

CABO DE GUERRA

A disputa pelo fundo do mar: a próxima fronteira da briga tecnológica entre EUA e China

16 de julho de 2024 - 20:00

Projetados para transportar conexões de dados e telecomunicações entre continentes, os cabos submarinos se tornaram uma nova fonte para conflitos geopolíticos

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar