🔴 ESTA CRIPTOMOEDA DISPAROU 4.200% EM 2 DIAS – VEJA SE VALE INVESTIR

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
No Seu Dinheiro você encontra as melhores dicas, notícias e análises de investimentos para a pessoa física. Nossos jornalistas mergulham nos fatos e dizem o que acham que você deve (e não deve) fazer para multiplicar seu patrimônio. E claro, sem nada daquele economês que ninguém mais aguenta.
RELEMBRE A TRAJETÓRIA DE SUCESSO

Morre Abilio Diniz, empresário que transformou o Pão de Açúcar (PCAR3) em um gigante do varejo

Diniz estava internado para tratar uma pneumonite, mas foi vitimado pela insufiência respiratória decorrente da inflamação pulmonar

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
18 de fevereiro de 2024
22:00 - atualizado às 22:24
Abilio Diniz
O empresário é o responsável pela expansão do Pão de Açúcar e atuou em outros gigantes do varejo alimentício - Imagem: Reprodução/Redes sociais

O Brasil acaba de perder um dos empresários mais influentes do varejo no país. Abilio Diniz, conhecido por transformar o Grupo Pão de Açúcar (PCAR3) em um gigante do setor e pela atuação no conselho de administração do Carrefour Brasil (CRFB3), faleceu neste domingo (18), aos 87 anos.

Diniz estava internado no Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo, para tratar uma pneumonite, mas foi vitimado pela insufiência respiratória decorrente da inflamação pulmonar.

"O empresário deixa cinco filhos, esposa, netos e bisnetos, e irá ao encontro do seu filho João Paulo, falecido em 2022. Desde já, a família agradece a todas as mensagens de apoio e carinho", diz a nota oficial encaminhada à imprensa.

O executivo, nascido em 28 de dezembro de 1936, era filho do imigrante português Valentim Diniz e de Floripe Diniz. Seus pais fundaram uma doceria chamada Pão de Açúcar, que nasceu para ser o sustento da família e mais tarde viria a transformar-se em um dos maiores conglomerados de varejo alimentar da América do Sul.

Diniz começou a trabalhar no negócio dos pais ainda cedo, participando da rotina da doceira. Mais tarde, após formar-se no curso de administração pela Fundação Getúlio Vargas, encabeçou o lançamento do primeiro supermercado Pão de Açúcar, em São Paulo, no ano de 1959.

De lá para cá liderou a expansão do Grupo — incluindo a abertura de novas lojas e a compra de rivais e participou da fundação da Associação Brasileira de Supermercados.

Mas a trajetória de Abilio Diniz não deixou de incluir obstáculos, especialmente durante os anos 80. Em 1989, por exemplo, ele foi sequestrado por criminosos que buscavam resgate, uma experiência traumática que durou sete dias, mas que, segundo ele, contribuiu para uma mudança de perspectiva sobre a vida e o negócio.

Além disso, o empresário enfrentou divergências com os irmãos pela direção da companhia e chegou a se afastar da empresa. A disputa só foi definitivamente encerrada em 1994, com a assinatura de um acordo que garantiu a Diniz o controle do GPA.

A disputa entre Abilio Diniz e o Grupo Casino

Outro embate que marcou ainda mais a carreira do executivo foi com o Casino. O grupo francês chegou a lista de acionistas do Pão de Açúcar em 1999, em uma época na qual a companhia precisava de capital para financiar a operação em crescimento.

O Casino comprou 24,5% dos papéis por US$ 854 milhões, na época. No início, a parceria funcionou e ajudou a fortalecer a posição do Pão de Açúcar no mercado varejista brasileiro, frente a uma concorrência cada vez mais acirrada.

No período, a companhia fez grandes aquisições como a da rede Ponto Frio e 51% da Casas Bahia, empresas que formariam depois o grupo Via Varejo.

Em 2003, no entanto, ele assinou um contrato que viria a provocar sua saída do negócio anos depois. Na ocasião, o Casino aumentou sua participação de 25% para 34%, injetando mais US$ 890 milhões no grupo, mas, em troca, obteve uma promessa de que teria o controle total da empresa a partir de 22 de junho de 2012. 

A relação entre Abílio Diniz e o Casino começou a se deteriorar em 2011, quando o empresário tentou fundir o Grupo Pão de Açúcar com a rede varejista Carrefour no Brasil, uma jogada que o Casino viu como uma ameaça ao seu investimento e posição no mercado brasileiro.

O grupo francês argumentou que a tentativa de fusão violava os termos do acordo entre as partes, levando a um conflito aberto e a uma batalha legal e de relações públicas que capturou a atenção do mercado financeiro e da mídia internacional.

O embate teve fim em 2013, quando, após uma série de negociações e disputas legais, o Casino assumiu o controle total do Grupo Pão de Açúcar, forçando Diniz a renunciar à presidência do conselho de administração da companhia.

Últimos anos

O episódio marcou o fim de uma era para Abílio Diniz no varejo brasileiro, mas também o início de um novo capítulo em sua carreira como investidor e conselheiro em outras grandes empresas brasileiras e internacionais.

Uma delas foi a BRF, onde atuou como presidente do conselho de administração e teve mais uma saída tumultada em 2018 após embates com outros acionistas da companhia sob a condução do negócio, especialmente fundos de pensão.

Além da BRF, a Península Participações, empresa de investimentos de sua família, também adquiriu participação acionária no Carrefour Brasil. A fatia rendeu a Diniz uma vaga no conselho da empresa, do qual era atualmente o vice-presidente.

*Texto escrito com o auxílio de ferramentas de inteligência artificial

Compartilhe

ATENÇÃO, INVESTIDOR

Dividendos: Banco do Brasil (BBAS3) anuncia R$ 1,1 bilhão em JCP — em proventos antecipados do 2T24

24 de maio de 2024 - 18:52

Para ter direito à remuneração, é necessário possuir ações do BB até o fim do pregão de 23 de junho

TRAGAM A COROA

Tchau, Itaú (ITUB4): Nubank (ROXO34) se torna o banco mais valioso da América Latina pela primeira vez em dois anos

24 de maio de 2024 - 17:24

Atualmente, o banco digital é avaliado em US$ 56,19 bilhões, equivalente a R$ 290,52 bilhões nas cotações atuais

DONA DO CHATGPT

De demissões a polêmicas em Hollywood: por que a gestão de Sam Altman à frente da OpenAI vem sendo alvo de críticas

24 de maio de 2024 - 16:24

Desde que recuperou o trono de CEO em novembro, Sam Altman viu a empresa que fundou adentrar uma nova onda de intrigas — incluindo uma controvérsia com a atriz Scarlett Johansson e acordos altamente restritivos com antigos funcionários

APERTO DE MÃOS

Azul (AZUL4) e Gol (GOLL4) anunciam acordo de cooperação para ‘mesclar’ malhas aéreas em meio a rumores de fusão das empresas

24 de maio de 2024 - 8:34

Entre as novas rotas compartilhadas, os clientes terão à disposição também oportunidades mais convenientes de conexão

UMA BATALHA DE GIGANTES

Mercado Livre quer se tornar maior banco digital do México — mas expansão do Nubank pode atrapalhar os planos

23 de maio de 2024 - 20:04

O banco do cartão roxo liderou a adição de usuários ativos mensais (MAU) no país, de acordo com relatório do Bank of America

UM AUXÍLIO PARA A DANÇA DAS CADEIRAS

Vale (VALE3) contrata consultoria internacional para seleção de novo CEO e dá mais um passo no processo de sucessão do comando

23 de maio de 2024 - 19:22

A escolhida para assessorar o conselho de administração na busca foi a Russell Reynolds, que entregará uma lista de três possíveis nomes para o cargo ao CA

Mais uma espera

Americanas (AMER3) adia novamente a divulgação dos balanços de 2023 e do primeiro trimestre de 2024

23 de maio de 2024 - 19:13

Previsão da empresa era divulgar seus números em 28 de maio, mas investigação de comitê independente ainda não terminou

NOVAS ESTRUTURAS?

Sanepar (SAPR11) estuda criar holding e outras empresas para segregar negócios; entenda

23 de maio de 2024 - 18:46

O levantamento será elaborado pela Fundação Instituto de Administração (FIA), que terá um prazo de 240 dias para concluir os trabalhos

CHUVA DE PROVENTOS?

Petrobras (PETR4) é a segunda empresa que mais pagou dividendos no 1T24 apesar da polêmica com governo; saiba quem foi a campeã

23 de maio de 2024 - 16:15

Entre janeiro e março deste ano, a estatal depositou um total de US$ 2,03 bilhões em remuneração aos acionistas; veja a lista completa

PAPEL FICOU BARATO?

XP quer recomprar até R$ 1 bilhão em ações após papéis despencarem 14% com o balanço do 1T24

23 de maio de 2024 - 13:28

O conselho de administração da companhia aprovou um programa de recompra de ações de papéis classe A no mercado norte-americano

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar