🔴 ESTA CRIPTOMOEDA DISPAROU 4.200% EM 2 DIAS – VEJA SE VALE INVESTIR

Larissa Vitória
Larissa Vitória
É repórter do Seu Dinheiro. Formada em jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo portal SpaceMoney e pelo departamento de imprensa do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT).
ENTREVISTA EXCLUSIVA

O que aconteceu com a Tenda (TEND3)? Ação começa o ano em queda de mais de 30%, mas CFO vê três alavancas para construtora crescer em 2024

A postura mais conservadora adotada pela companhia não significa que a construtora irá colocar o pé no freio e estagnar os números em 2024

Larissa Vitória
Larissa Vitória
6 de fevereiro de 2024
6:43 - atualizado às 6:28
Fotografia do CFO da Tenda, Luiz Garcia, em frente ao logo da companhia
Luiz Garcia ocupa o cargo de CFO da Tenda desde agosto de 2022. - Imagem: Divulgação

O que é pior: prometer muito e não cumprir ou baixar as expectativas logo de cara? Confrontada com esse dilema, a Tenda (TEND3) elegeu a segunda alternativa ao anunciar seus planos para 2024, com um guidance de margem e lucro abaixo do esperado pelo consenso de mercado.

Consideradas como “um balde de água fria” por quem esperava mais rentabilidade da companhia já em 2024, as projeções modestas custaram caro: as ações da construtora — que registraram a segunda maior alta da bolsa brasileira em 2023 — acumulam uma queda de 36% neste ano. 

Mesmo penalizada pelo mercado, a estratégia mais conservadora deve continuar sendo adotada pela companhia, de acordo com o diretor financeiro e de relações com investidores Luiz Garcia.

O CFO reconhece, em entrevista ao Seu Dinheiro, que, como a Tenda está em um processo de retomada do crescimento, “qualquer postergação ou piora de expectativa é muito mais volátil para o preço da ação”.

O executivo destaca, porém, que o ajuste é fruto de uma das lições aprendidas durante o processo de turnaround — ou virada financeira — e é algo necessário para evitar que a companhia seja atingida em cheio por novas crises.

“É muito importante ter tanto o balanço quanto a alavancagem conservadores, porque quando vem um período de incerteza é isso que permite uma travessia.”

A cautela do diretor da Tenda tem fundamento. Afinal, a Tenda foi pega no contrapé em 2021 em meio à disparada dos custos da construção que derrubou os resultados da incorporadora — e as ações na B3.

O que esperar da Tenda (TEND3) neste ano

Mas a postura mais conservadora não significa que a construtora irá colocar o pé no freio e estagnar os números em 2024. Pelo contrário: Garcia afirma que veremos uma continuidade da recuperação dos indicadores operacionais e financeiros nos próximos meses.

“A companhia vem melhorando trimestre a trimestre e caminhando para um patamar de margens saudáveis. Quando se trata do número de unidades, ainda não voltamos ao patamar de 2021, que foi nosso recorde, mas retomamos o crescimento.”

E esse processo de retomada pode ser ainda mais acelerado caso duas medidas anunciadas pelo governo no ano passado entrem em vigor: o FGTS Futuro e o Regime Especial de Tributação para Incorporações Imobiliárias (RET1%).

As duas medidas devem ajudar a Tenda a vencer o grande desafio do segmento de entrada do Minha Casa Minha Vida (MCMV): equilibrar a capacidade de pagamento e viabilizar um produto para famílias que ganham até dois salários mínimos.

“Atualmente temos que financiar boa parte do valor do imóvel, até cerca de 20%, com o chamado pró-soluto, mas esse não é o cenário ideal. O ideal é que o consumidor consiga comprar utilizando apenas o financiamento imobiliário dentro do programa habitacional.”

E é aí que entram as duas medidas mencionadas anteriormente: a primeira prevê a incorporação de parcelas futuras do FGTS nos financiamentos do MCMV. Ou seja, os trabalhadores poderão utilizar depósitos que ainda serão feitos pelo empregador para amortizar os empréstimos imobiliários. Segundo o CFO da Tenda, a medida deve entrar em vigor ainda neste trimestre.

Já o RET1% prevê que a receita proveniente das unidades vendidas na faixa um do programa habitacional federal tenha uma alíquota efetiva de imposto de apenas 1%. O tributo reúne e reduz as alíquotas de quatro outros impostos federais – IRPJ, PIS/Pasep, CSLL e Cofins.

ONDE INVESTIR EM FEVEREIRO: AÇÕES, DIVIDENDOS, FIIS, BDRS E CRIPTOMOEDAS — MELHORES INVESTIMENTOS

‘Pode Entrar’ deve destravar valor para a Tenda em São Paulo

Outra potencial fonte de crescimento da rentabilidade Tenda que não foi considerada no guidance e pode provocar um upside nos números divulgados ao mercado é o Pode Entrar, programa habitacional lançado pela prefeitura de São Paulo no ano passado.

A companhia foi contemplada, inicialmente, com três projetos. Mas, por enquanto, apenas o menor dos três empreendimentos foi contratado. Os outros dois ainda dependem da finalização de trâmites burocráticos para a liberação.

A expectativa de Garcia é que os ritos necessários sejam concluídos “muito em breve, ainda dentro deste trimestre”. Com isso, o Valor Geral de Vendas (VGV) potencial a ser capturado com o programa chegará a cerca de R$ 577,1 milhões.

Alea ainda deve pesar no resultado

Por outro lado, há um fator que vai pesar no balanço da Tenda neste ano: a Alea. A marca de casas pré-fabricadas lançada em 2021 ainda é considerada uma “startup” dentro da companhia e deve continuar queimando caixa.

A projeção é que a divisão registre um Ebitda (Lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) de R$ 30 milhões a R$ 50 milhões negativos em 2024, com margem bruta ajustada de 9% a 11%.

“É uma operação que está crescendo, então ela consome capital de giro e ainda tem um impacto negativo no resultado consolidado. Mas entendemos que é um período transitório. Em 2023 nós começamos a acelerar os lançamentos e o próximo desafio é acertar a execução, a última etapa que falta para a Alea passar a ser rentável”, diz Garcia.

Hora de comprar as ações da Tenda (TEND3)?

Considerando as preocupações com a Alea e decepção com o guidance, a visão para as ações da Tenda não é unânime entre os analistas

Santander, Itaú BBA e XP mantêm recomendação neutra para os papéis. “Embora vejamos com bons olhos o forte desempenho operacional da Tenda e o consistente ganho de relevância da Alea nas operações da empresa, acreditamos que a rentabilidade da Alea sob pressão pode impactar negativamente o momento de resultados no curto prazo”, alega a XP.

O BTG Pactual e Citi, por outro lado, indicam compra. Esse último, vale destacar, elevou recentemente a recomendação ao classificar a Tenda como “barata demais para não comprar”.

Já o BTG cita que há um grande risco, mas também um grande potencial de valorização, na história de recuperação da construtora. De acordo com o banco, o segmento do Minha Casa Minha Vida “está indo muito bem e não deveria ser diferente para a Tenda”.

Além disso, os analistas dizem que o turnaround da companhia é uma realidade, embora mais lenta que o inicialmente esperado.

Compartilhe

ATENÇÃO, INVESTIDOR

Dividendos: Banco do Brasil (BBAS3) anuncia R$ 1,1 bilhão em JCP — em proventos antecipados do 2T24

24 de maio de 2024 - 18:52

Para ter direito à remuneração, é necessário possuir ações do BB até o fim do pregão de 23 de junho

TRAGAM A COROA

Tchau, Itaú (ITUB4): Nubank (ROXO34) se torna o banco mais valioso da América Latina pela primeira vez em dois anos

24 de maio de 2024 - 17:24

Atualmente, o banco digital é avaliado em US$ 56,19 bilhões, equivalente a R$ 290,52 bilhões nas cotações atuais

DONA DO CHATGPT

De demissões a polêmicas em Hollywood: por que a gestão de Sam Altman à frente da OpenAI vem sendo alvo de críticas

24 de maio de 2024 - 16:24

Desde que recuperou o trono de CEO em novembro, Sam Altman viu a empresa que fundou adentrar uma nova onda de intrigas — incluindo uma controvérsia com a atriz Scarlett Johansson e acordos altamente restritivos com antigos funcionários

APERTO DE MÃOS

Azul (AZUL4) e Gol (GOLL4) anunciam acordo de cooperação para ‘mesclar’ malhas aéreas em meio a rumores de fusão das empresas

24 de maio de 2024 - 8:34

Entre as novas rotas compartilhadas, os clientes terão à disposição também oportunidades mais convenientes de conexão

UMA BATALHA DE GIGANTES

Mercado Livre quer se tornar maior banco digital do México — mas expansão do Nubank pode atrapalhar os planos

23 de maio de 2024 - 20:04

O banco do cartão roxo liderou a adição de usuários ativos mensais (MAU) no país, de acordo com relatório do Bank of America

UM AUXÍLIO PARA A DANÇA DAS CADEIRAS

Vale (VALE3) contrata consultoria internacional para seleção de novo CEO e dá mais um passo no processo de sucessão do comando

23 de maio de 2024 - 19:22

A escolhida para assessorar o conselho de administração na busca foi a Russell Reynolds, que entregará uma lista de três possíveis nomes para o cargo ao CA

Mais uma espera

Americanas (AMER3) adia novamente a divulgação dos balanços de 2023 e do primeiro trimestre de 2024

23 de maio de 2024 - 19:13

Previsão da empresa era divulgar seus números em 28 de maio, mas investigação de comitê independente ainda não terminou

NOVAS ESTRUTURAS?

Sanepar (SAPR11) estuda criar holding e outras empresas para segregar negócios; entenda

23 de maio de 2024 - 18:46

O levantamento será elaborado pela Fundação Instituto de Administração (FIA), que terá um prazo de 240 dias para concluir os trabalhos

CHUVA DE PROVENTOS?

Petrobras (PETR4) é a segunda empresa que mais pagou dividendos no 1T24 apesar da polêmica com governo; saiba quem foi a campeã

23 de maio de 2024 - 16:15

Entre janeiro e março deste ano, a estatal depositou um total de US$ 2,03 bilhões em remuneração aos acionistas; veja a lista completa

PAPEL FICOU BARATO?

XP quer recomprar até R$ 1 bilhão em ações após papéis despencarem 14% com o balanço do 1T24

23 de maio de 2024 - 13:28

O conselho de administração da companhia aprovou um programa de recompra de ações de papéis classe A no mercado norte-americano

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar