🔴 ALGORITMO MOSTRA COMO BUSCAR ATÉ R$ 3 MIL POR DIA – CONHEÇA

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
No Seu Dinheiro você encontra as melhores dicas, notícias e análises de investimentos para a pessoa física. Nossos jornalistas mergulham nos fatos e dizem o que acham que você deve (e não deve) fazer para multiplicar seu patrimônio. E claro, sem nada daquele economês que ninguém mais aguenta.
MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Ibovespa se recupera do tombo de Petrobras (PETR4) e fecha em alta; dólar cai a R$ 5,13

RESUMO DO DIA: Após um dia de tensão por conta das mudanças na Petrobras (PETR4), o Ibovespa conseguiu conter as perdas embalado pelas máximas em Wall Street.

O principal índice da bolsa brasileira terminou a sessão com alta de 0,20%, aos 128.283 pontos. O dólar fechou a R$ 5,13, com baixa de 0,13% no mercado à vista.

Sem indicadores relevantes, Petrobras continuou nos holofotes dos investidores com expectativas sobre a nova gestão após a saída de Jean Paul Prates da presidência da companhia. Não à toa, foi a ação mais negociada do Ibovespa pelo segundo dia consecutivo.

O setor de frigoríficos liderou os ganhos do índice ainda no rescaldo dos resultados do primeiro trimestre. Na ponta negativa, CVC (CVCB3) recuou com renúncia do presidente e mais dois membros do conselho de administração.  

Além disso, permanece no radar a ajuda do governo ao Rio Grande do Sul, após as recentes enchentes no estado brasileiro.

Lá fora, a expectativa de afrouxamento monetário embalou os ganhos em Nova York. Durante o pregão, o Dow Jones superou os 40 mil pontos pela primeira vez na história. Mas Wall Street perdeu o fôlego na reta final do dia com declarações de dirigentes do Federal Reserve (Fed).

Confira o que movimentou os mercados nesta quinta-feira (16): 

MAIORES ALTAS E QUEDAS DO IBOVESPA

Na liderança da ponta positiva do Ibovespa, o setor de frigoríficos operaram entre as maiores altas do índice.

Sem notícias corporativas relevantes, o avanço foi impulsionado pelo apetite ao risco local, apesar do avanço dos juros futuros. Segundo analistas, o desempenho trimestral das companhias também tem aumentado o interesse pelas ações.

Confira as maiores altas do Ibovespa hoje:

CÓDIGONOMEULTVAR
BEEF3Minerva ONR$ 6,889,38%
JBSS3JBS ONR$ 28,454,63%
MRFG3Marfrig ONR$ 11,284,44%
VAMO3Vamos ONR$ 8,424,21%
BRFS3BRF ONR$ 19,153,29%

Na ponta negativa, CVC recuou mais de 7% com a renúncia do presidente do conselho de administração. Dois membros do colegiado e um diretor também deixaram a empresa.  

Confira as maiores quedas do Ibovespa hoje:

CÓDIGONOMEULTVAR
CVCB3CVC ONR$ 1,99-7,44%
AZUL4Azul PNR$ 10,25-5,44%
YDUQ3Yduqs ONR$ 13,10-4,87%
TRPL4Isa Cteep ONR$ 25,88-3,00%
PETR4Petrobras PNR$ 37,31-2,84%
FECHAMENTO DO IBOVESPA

O Ibovespa fechou em alta de 0,20%, aos 128.283,62 pontos.

O principal índice da bolsa brasileira avançou com apoio das commodities. Os investidores continuaram a reagi à saída de Jean Paul Prates da presidência da Petrobras (PETR4), além dos balanços trimestrais.

A agenda local e do exterior ficou mais esvaziada.

Por aqui, os frigoríficos operaram entre as maiores altas do Ibovespa. Segundo Gustavo Cruz, estrategista-chefe da RB Investimentos, o setor está apresentando um desempenho excepcional neste mês, principalmente devido aos resultados da JBS e da Marfrig.

Nos Estados Unidos, discursos de dirigentes do Federal Reserve (Fed) e os dados semanais do mercado de trabalho foram os destaques do dia.

FECHAMENTO DE NOVA YORK

Após renovar máximas, as bolsas de Nova York perderam o fôlego na reta final do pregão e terminaram o dia em tom negativo.

Durante a sessão, o Dow Jones ultrapassou os 40 mil pontos pela primeira vez na história.

A cautela foi reacendida por declarações da presidente da unidade do Federal Reserve (Fed) de Cleveland, Loretta Mester.

A dirigente disse que será necessário mais tempo para que o Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) ganhe confiança de que a inflação está desacelerando de volta à meta de 2%, após dados do primeiro trimestre "decepcionantes" indicarem uma pausa no processo de queda da inflação.

Confira o fechamento de Nova York:

  • S&P 500: -0,21%, aos 5.297,10 pontos;
  • Dow Jones: -0,10%, aos 39.869,38 pontos;
  • Nasdaq: -0,26%, aos 16.698,32.

FECHAMENTO DO DÓLAR

O dólar à vista terminou as negociações a R$ 5,1302, com baixa de 0,13%.

FECHAMENTO DO PETRÓLEO

O petróleo fechou em alta, com expectativa por aumento da demanda e cortes na produção da Organização dos Países Produtores de Petróleo e Aliados (Opep+).

Segundo a Reuters, a Opep+ provavelmente realizará sua reunião de política sobre o mercado de petróleo em 1º de junho de forma online, e não mais em Viena, como programado.

Os contratos mais líquidos do petróleo Brent, com vencimento para julho, fecharam com alta de 0,63%, a US$ 83,27 o barril na Intercontinental Exchange (ICE).

Os contratos do WTI, com vencimento em junho, avançaram 0,76%, a US$ 79,23 o barril na New York Mercantile Exchange (Nymex).

DOW JONES NA MÁXIMA HISTÓRICA

Com mais de um século de existência, o índice acionário mais antigo de Wall Street atingiu a marca inédita dos 40 mil pontos durante o pregão desta quinta-feira (16)

A quebra de recordes, no entanto, começou no dia anterior: ontem (15), o Dow Jones fechou a sessão no maior nível, aos 39.908 pontos —- o que permitiu que a nova marca histórica fosse alcançada com uma leve alta hoje. 

Além da data, o recorde teve hora: os 40 mil pontos foram registrados por volta de 12h (horário de Brasília) — e motivo: a expectativa de afrouxamento monetário nos Estados Unidos ainda neste ano, após dados recentes de inflação. Siga os mercados.

Divulgado ontem (15), o índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) subiu 0,3% ante março, segundo dados com ajustes sazonais publicados pelo Departamento do Trabalho. O núcleo do CPI, que exclui os voláteis preços de alimentos e energia, também avançou 0,3% na comparação mensal.

Leia mais.

AGROGALAXY (AGXY3) TOMBA 16% E ESSE BANCO DIZ QUE É HORA DE COMPRAR

O agro não foi nada pop para a AgroGalaxy (AGXY3) no primeiro trimestre. As ações de uma das principais plataformas de varejo de insumos agrícolas e serviços do país já chegaram a cair mais de 18% nesta quinta-feira (16), repercutindo os resultados mais fracos da companhia no início de 2024 — e tem bancão dizendo a hora de comprar os papéis chegou. 

Entre janeiro e março, a AgroGalaxy teve prejuízo líquido ajustado de R$ 249,7 milhões, um ampliando em 158,3% as perdas registradas em igual período do ano anterior. 

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado foi negativo em R$ 95,1 milhões no primeiro trimestre de 2024, ante R$ 58,6 milhões positivos um ano antes. A receita líquida, por sua vez, somou R$ 1,596 bilhão — 42,7% menor do que a registrada nos três primeiros meses de 2023. 

O CEO da AgroGalaxy, Axel Labourt, e o diretor financeiro, Eron Martins, disseram em coletiva que já estavam preparados para esse desempenho por conta da redução de 9% da área plantada da segunda safra de milho

Leia mais.

FRIGORÍFICOS EM ALTA

Na liderança da ponta positiva do Ibovespa, o setor de frigoríficos operam com alta em bloco.

Sem notícias corporativas relevantes, o avanço é impulsionado pelo apetite ao risco local, apesar do avanço dos juros futuros.

Segundo Gustavo Cruz, estrategista-chefe da RB Investimentos, o setor está apresentando um desempenho excepcional neste mês, principalmente devido aos resultados da JBS e da Marfrig.

"É importante lembrar que muitos investidores estavam em uma situação significativamente mais difícil no início do ano passado, devido ao imbróglio relacionado à doença da vaca louca no norte do país. Este ano, a situação está mais simplificada e houve avanços consideráveis em termos de permissões internacionais para que as plantas brasileiras possam exportar, especialmente para a China, algo que impulsionará o setor nos próximos anos", afirma Cruz.

Confira o desempenho das ações:

CÓDIGONOMEULTVAR
BEEF3Minerva ONR$ 6,747,15%
JBSS3JBS ONR$ 28,284,01%
BRFS3BRF ONR$ 19,032,64%

LWSA (LWSA3) CAI 5%

As ações da LWSA (LWSA3), antiga Locaweb, recuam 4,88%, a R$ 4,48 e figuram entre as maiores quedas do Ibovespa.

Os papéis da companhia são pressionados pelo avanço dos juros futuros (DIs) — que sobem na esteira das taxas dos títulos do Tesouro dos Estados Unidos, os Treasurys.

Além disso, LWSA cai após o Citi cortar o preço-alvo de R$ 8,00 para R$ 6,30, uma potencial valorização de 33,7% em relação ao fechamento da véspera.

AÇÃO DA CVC (CVCB3) CAI 7% COM RENÚNCIA DE PRESIDENTE DO CONSELHO

Um mês após o diretor financeiro fazer as malas e partir para longe, mais quatro passageiros pegaram o avião com destino de saída da CVC (CVCB3) — e um deles é o presidente do conselho de administração. 

Em reação, as ações da companhia de turismo operam entre as maiores quedas da B3. Os papéis da CVCB3 fecharam a bolsa em queda de 6,98%, a R$ 2,00. Desde janeiro, os papéis acumulam queda de mais de 43%. A empresa vale hoje pouco menos de R$ 900 milhões na bolsa. Siga os mercados.

Valdecyr Maciel Gomes renunciou ao cargo depois de três anos na função. O executivo continuará no posto até a eleição de um novo presidente do conselho — ainda sem data definida.

Além dele, outros dois membros do conselho deixaram a companhia: Eduardo de Britto Pereira Azevedo e Rodrigo Silva Marvão — este último também integrante do comitê financeiro da CVC. Por fim, Leonardo Guimarães Pinto, que era coordenador do comitê estatutário de auditoria, riscos e finanças, também pediu para sair.

Leia mais.

FECHAMENTO DO EUROPA

As bolsas da Europa terminaram o pregão em queda, em correção dos lucros recentes.

O vice-presidente do Banco Central Europeu (BCE), Luis de Guindos reafirmou a intenção de cortar juros em junho. Porém, o dirigente disse que as decisões em diante ainda estão em aberto dadas as incertezas acentuadas.

"Temos sido muito transparentes sobre [o primeiro corte em] junho, mas simultaneamente estamos muito transparente sobre as decisões seguintes, em que precisaremos olhar a evolução dos dados", comentou ele, em entrevista à Bloomberg TV.

Confira como fecharam os principais índices da Europa:

  • DAX (Frankfurt): -0,69%, aos 18.7738,81 pontos;
  • CAC 40 (Paris): -0,63%, aos 8.188,49 pontos;
  • FTSE 100 (Londres): -0,08%, aos 8.438,65 pontos;
  • Stoxx 600: -0,21%, aos 523,62 pontos.
CEO DA AUREN AFIRMA QUE “NÃO PODERIA TER TRANSAÇÃO MELHOR DO QUE A AQUISIÇÃO DA AES BRASIL”

Uma nova gigante de energia está prestes a surgir no Brasil — mas as luzes parecem não brilhar para a Auren Energia (AURE3) após o anúncio de uma combinação de negócios com a AES Brasil (AESB3).

Depois de dois meses de negociação, a Auren abocanhou na noite passada as operações AES no Brasil, em um acordo que dará origem à terceira maior empresa geradora de energia do país, com receita combinada de R$ 9,6 bilhões e R$ 30 bilhões em valor de firma (EV).

“Não poderia ter transação melhor para a Auren do que a aquisição da AES Brasil em todos os sentidos”, afirmou o CEO da Auren Energia, Fabio Zanfelice, em teleconferência com analistas.

A aquisição resultou em reações divergentes às ações das duas empresas no fechamento da bolsa brasileira desta quinta-feira (16). Enquanto a AESB3 disparou 13,80%, os papéis AURE3 amargaram perdas na casa de 1,66%.

Leia mais.

GIRO DO MERCADO

A Auren (AURE3) anunciou a incorporação dos ativos da AES Brasil (AESB3), criando a terceira maior geradora do Brasil, mostra fato relevante enviado ao mercado nesta quarta-feira (15).

Segundo a empresa, a operação ocorrerá por meio de uma reorganização societária que, ao final, resultará na conversão da AES em subsidiária integral da elétrica e na unificação das bases acionárias da Auren e da AES Brasil.

O conselho de administração da Equatorial (EQTL3) aprovou um novo programa de recompra de ações, mostra fato relevante enviado ao mercado na quarta-feira (16).

No Giro do Mercado de hoje o analista Ruy Hungria comenta a fusão entre a Auren e AES Brasil e traz suas perspectivas sobre o cenário Equatorial Energia.

Acompanhe AO VIVO:

DOW JONES NA MÁXIMA

Em Nova York, o índice Dow Jones renovou a máxima intraday histórica ao superar os 40 mil pontos pela primeira vez na história.

S&P 500 também opera na máxima histórica, acima dos 5.300 pontos.

O forte desempenho de Wall Street repercute a desaceleração da inflação nos Estados Unidos.

Divulgado ontem (15), o índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) subiu 0,3% ante março, segundo dados com ajustes sazonais publicados pelo Departamento do Trabalho. O núcleo do CPI, que exclui os voláteis preços de alimentos e energia, também avançou 0,3% na comparação mensal.

Em termos anuais, o CPI dos EUA subiu 3,4% em abril, desacelerando frente ao aumento de 3,5% de março. Já o núcleo do CPI teve incremento anual de 3,6% no mês passado, perdendo força ante a alta de 3,8% de março.

Mesmo o CPI não sendo o indicador de inflação preferido do Federal Reserve, a desaceleração elevou as expectativas de corte dos juros norte-americanos até setembro.

REAÇÃO AO BALANÇO: MARFRIG (MRFG3)

São Paulo, 15/05/2024 - A Marfrig Global Foods encerrou o primeiro trimestre de 2024 com lucro líquido de R$ 62,6 milhões, revertendo o prejuízo líquido de R$ 634 milhões de igual período de 2023.

O Ebitda (lucro antes dos juros, impostos, amortização e depreciação) subiu 94,8% entre janeiro e março na comparação com o mesmo período de 2023, de R$ 1,358 bilhão para R$ 2,646 bilhões. Já a margem Ebitda ficou em 8,7%, 4,1 pontos porcentuais acima de um ano antes.

Na visão da XP, os resultados da Marfrig vieram acompanhados de novos métodos de divulgação, com foco em fornecer os números das Operações Continuadas e limitando a visão dos ativos à venda, ao longo de uma interpretação já complexa da receita líquida/lucro bruto devido às operações intercompanhias. O que, na visão dos analistas, dificulta a leitura dos resultados.

Os números vieram dentro das expectativas.

Em reação, as ações da Marfrig (MRFG3) reagem de forma volátil ao balanços. Após três leilões, os papéis MRFG3 sobem 1,57%, a R$ 10,97, no Ibovespa.

VEJA COMO SERÁ O JULGAMENTO DE SÉRGIO MORO NO TSE

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) começa a julgar nesta quinta-feira (16) as duas ações que podem levar à cassação do mandato do senador Sérgio Moro (União-PR).

O ex-juiz da Operação Lava Jato é acusado de abuso de poder econômico, arrecadação ilícita e uso indevido dos meios de comunicação nas eleições de 2022.

Além de perder o cargo, ele pode ficar inelegível por oito anos.

O julgamento ocorre um mês depois de o Tribunal Regional Eleitoral do Paraná (TRE-PR) rejeitar, por cinco votos a dois, as duas ações que pediam a condenação do ex-juiz.

Leia mais.

REAÇÃO AO BALANÇO: AGROGALAXY (AGXY3)

A AgroGalaxy teve prejuízo líquido ajustado de R$ R$ 249,7 milhões no primeiro trimestre de 2024; prejuízo é 158,3% maior do que o registrado no mesmo período do ano passado, de R$ 96,6 milhões.

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado foi negativo em R$ 95,1 milhões no primeiro trimestre de 2024, ante R$ 58,6 milhões positivos um ano antes. Já a margem Ebitda ajustado foi negativa em 6%, ante margem positiva de 2,1% no primeiro trimestre de 2023.

Em reação, as ações da AgroGalaxy (AGXY3) lideram as perdas da B3 com queda de 15,57%, a R4 1,41. Na abertura, os papéis caíram quase 18%.

ABERTURA EM NOVA YORK

As bolsas de Nova York operam sem direção única, com dados semanais do mercado de trabalho e a desaceleração da inflação, apontada pelo CPI ontem (15).

O número de pedidos de auxílio-desemprego nos Estados Unidos teve queda de 10 mil na semana encerrada em 11 de maio, a 222 mil, segundo o Departamento do Trabalho do país.

O resultado, porém, ficou acima da expectativa de analistas consultados pela FactSet, que previam 218 mil solicitações.

Confira como operam os índices em NY após a abertura:

  • S&P 500: +0,08%;
  • Dow Jones: -0,03%;
  • Nasdaq: +0,14%
SOBE E DESCE DA ABERTURA

Confira as maiores altas após a abertura:

CÓDIGONOMEULTVAR
CSNA3CSN ONR$ 13,392,37%
BRFS3BRF ONR$ 18,922,05%
CMIN3CSN Mineração ONR$ 5,251,74%
PETZ3Petz ONR$ 4,491,35%
EMBR3Embraer ONR$ 39,581,57%

Confira as maiores quedas após a abertura do Ibovespa:

CÓDIGONOMEULTVAR
CVCB3CVC ONR$ 2,12-1,40%
YDUQ3Yduqs ONR$ 13,61-1,16%
COGN3Cogna ONR$ 2,06-0,96%
MGLU3Magazine Luiza ONR$ 1,60-0,62%
MRFG3Marfrig ONR$ 10,77-0,28%
QUANDO MAGDA CHAMBRIARD ASSUMIRÁ O LUGAR DE PRATES?

A saída de Jean Paul Prates da presidência da Petrobras (PETR4) foi sucedida pela despedida do diretor financeiro (CFO) e de relações com investidores (CRI), Sergio Caetano Leite, deixando um buraco na gestão da empresa. 

E depois de fechar o dia valendo R$ 34 bilhões a menos do que quando começou o pregão aqui no Brasil, a pergunta que ficou é: quando os novos executivos serão indicados para continuar tocando os negócios da Petrobras?

A indicação de Magda Chambriard para substituir Prates ainda precisa passar pela análise do setor de recursos humanos da Petrobras.

Na sequência, a indicação será submetida à avaliação do Comitê de Pessoas (COPE) do Conselho de Administração. 

Leia mais.

ABERTURA DO IBOVESPA

O Ibovespa sobe 0,70%, aos 128.921 pontos após a abertura.

O principal índice da bolsa brasileira avança com apoio das commodities. Os investidores reagem aos balanços trimestrais e ainda à saída de Jean Paul Prates da presidência da Petrobras (PETR4).

A agenda local e do exterior é mais esvaziada. Nos Estados Unidos, discursos de dirigentes do Federal Reserve (Fed) e os dados semanais do mercado de trabalho são os destaques.

ADRS DE VALE E PETROBRAS

Os recibos de ações (ADRs) das companhias Vale e Petrobras operam sem direção única no pré-mercado em Nova York.

Os papéis da Vale acompanham o desempenho do minério de ferro na China, que avançou mais de 2%. Já os papéis de Petrobras ainda recuam com a saída de Jean Paul Prates da presidência da estatal.

  • Vale (VALE): +0,96%, a US$ 12,68;
  • Petrobras (PBR): -0,45%, a US$ 15,50
MERCADO DE COMMODITIES

O mercado de commodities opera em tom positivo.

O minério de ferro encerrou as negociações em Dalian, na China, com alta de 2,56%, a US$ 122,02 a tonelada.

Os contratos mais líquidos do petróleo Brent, com vencimento em julho, sobem 0,41%, a US$ 83,11 o barril na Intercontinental Exchange (ICE), em Londres.

MATHEUS SPIESS: MERCADO EM 5 MINUTOS

DO LEME AO PONTAL: MENOS PRESSÃO DE JUROS LÁ FORA

Bom dia, pessoal.

Entre ontem e hoje, o mercado demonstrou um otimismo renovado, impulsionado por um relatório que revelou uma desaceleração da inflação nos Estados Unidos em abril. O índice de preços ao consumidor subiu 3,4% em comparação ao ano anterior, uma ligeira melhora em relação à taxa registrada em março. Embora essa inflação ainda seja elevada, a tendência de queda trouxe alívio aos investidores.

Como reflexo, as ações asiáticas apresentaram alta nesta quinta-feira, acompanhando o desempenho positivo do mercado ocidental do dia anterior. Os juros dos títulos do Tesouro americano de 10 anos, que haviam ultrapassado 4,70% ao ano, recuaram para perto de 4,30%, alimentando esperanças de que a inflação esteja finalmente se dirigindo para um patamar normalizado. Ainda que a inflação siga alta, já é um avanço.

Na manhã de hoje, os mercados europeus enfrentam dificuldades para manter o bom ritmo de ontem, enquanto os futuros americanos apresentam uma leve alta, ao menos temporariamente. Existe ainda a expectativa de um possível corte de juros em setembro, se as condições econômicas continuarem a melhorar. No radar econômico, temos discursos de autoridades monetárias e dados de produção industrial de abril nos EUA, que podem influenciar ainda mais a trajetória dos juros. No mercado de commodities, o destaque vai para o minério de ferro, que subiu mais de 2% no mercado internacional, podendo ter um impacto positivo no Brasil.

A ver…
00:53 — O dia depois da saída de Prates

Ontem, o mercado brasileiro encerrou em queda de 0,38% pelo Ibovespa, aos 128.028 pontos, influenciado principalmente pela queda das ações da Petrobras. Os papéis preferenciais da estatal de petróleo caíram 6,04% durante a sessão devido à saída do CEO Jean Paul Prates. Na manhã de hoje, observamos uma estabilização das ADRs da Petrobras listadas em Nova York, sugerindo que o pior já passou. A incerteza agora recai sobre as mudanças que a nova direção pode implementar na companhia, especialmente em relação ao risco de maior intervenção governamental. Sem o impacto negativo da estatal, o desempenho do mercado brasileiro poderia ter sido melhor, impulsionado também pela queda dos juros no exterior.

Entre os indicadores divulgados, o destaque foi o IBC-Br, considerado uma prévia do PIB, que registrou uma queda de 0,3% em março na comparação mensal, e uma redução de 2,2% em termos anuais. Esses números refletem a crescente dificuldade na atividade econômica doméstica, um sintoma que tende a piorar com a manutenção das taxas de juros em níveis elevados. Como indicado no último Boletim Focus, há uma preocupação crescente sobre a alta das projeções para o IPCA em prazos mais longos. Cenários de inflação mais alta exigem taxas de juros mais elevadas. Paralelamente, o mercado especula que o Conselho Monetário Nacional (CMN) poderá adiar a publicação do decreto que estabelece o regime de meta contínua de inflação no Brasil, anteriormente prevista para 2025. Isso significa que o CMN poderá definir a meta de inflação como tradicionalmente faz, projetando três anos à frente.

01:45 — Dificuldade em se vender

Mohamed El-Erian, economista-chefe da Allianz e ex-CEO da PIMCO, abordou recentemente as mudanças substanciais que estão ocorrendo na economia mundial, ressaltando a dificuldade de realizar previsões precisas no ambiente pós-pandêmico. Ele aponta que os modelos econômicos convencionais muitas vezes falham em captar a realidade atual, mas calcula que há uma probabilidade de 35% de uma recessão nos Estados Unidos, também percebendo 50% de chances para um ajuste suave da economia do país. Curiosamente, ele também mencionou, como já destaquei no M5M, que Brasil e Índia estão bem posicionados para aproveitar a reconfiguração geopolítica global, podendo manobrar eficazmente entre as grandes potências.

No entanto, El-Erian identifica um desafio significativo para o Brasil: a necessidade de melhorar sua projeção no cenário internacional. Precisamos aprender a nos vender. Respondendo a perguntas sobre a situação atual do Brasil e estratégias para atrair mais investimentos, ele destacou a crucial necessidade de estabilidade macroeconômica. Como já discutimos, não é suficiente apenas contar com um ambiente global favorável; é essencial que façamos nossa parte. Isso significa manter as reformas iniciadas durante o governo Temer. Embora estejamos progredindo, nos últimos meses houve momentos de hesitação, com riscos desnecessários sendo assumidos. É imperativo que continuemos nossos esforços para modernizar o país.

02:31 — Depois da inflação

Nos EUA, o S&P 500 atingiu hoje um novo recorde, o primeiro desde o final de março, impulsionado por novos sinais de que a inflação está, de fato, diminuindo. O índice de preços ao consumidor subiu 3,4% em abril em relação ao ano anterior, uma queda em relação à taxa de 3,5% registrada em março. Esse foi o primeiro relatório de inflação bom em quatro meses, suficiente para desencadear uma alta tanto nas ações quanto nos títulos do Tesouro, cujos rendimentos caem à medida que os preços sobem.

O rendimento do Tesouro a 10 anos recuou para perto de 4,3%, seu nível mais baixo desde o início de abril. Esse otimismo nos bastidores foi alimentado pela queda de 0,1% nos preços subjacentes dos bens e pelo aumento de apenas 0,4% nos preços básicos dos serviços, o menor ganho desde dezembro. O núcleo do índice, que exclui itens voláteis como alimentos e energia, subiu 0,3% em abril na comparação mensal. Diante deste cenário, a possibilidade de um corte de juros em setembro voltou a ser considerada viável.

03:29 — O vigor americano

Apesar da normalização da inflação, a atividade econômica dos EUA continua a atrair bastante atenção. Como a economia conseguiu crescer mais de 3% no ano passado e manter uma taxa de desemprego abaixo de 4% em meio ao aperto monetário mais agressivo do Federal Reserve em quatro décadas, ao mesmo tempo em que a inflação desacelerava? Alguns atribuem esse fenômeno a uma "força externa", essencialmente como o presidente do Fed, Jerome Powell, vê a situação, destacando o papel do aumento da imigração.

Já discutimos anteriormente esse desenvolvimento. A verdade é que o aumento da imigração ajudou a suavizar parte da escassez de mão-de-obra, o que significa que os empregadores não precisaram recorrer tanto ao pool existente de trabalhadores potenciais no país. Isso implica que a capacidade da economia aumentou, talvez mais do que a produção real. Trata-se de uma economia maior, não mais restrita.

A métrica chave aqui é o valor do crescimento neutro das folhas de pagamento, que representa um limite de velocidade para o crescimento das folhas de pagamento sem apertar o mercado de trabalho e sem aumentar as pressões salariais. Uma aceleração na imigração efetivamente eleva essa taxa de equilíbrio mensal, que os economistas agora estimam entre 160 mil e 265 mil este ano. Isso é significativamente superior ao ritmo de cerca de 100 mil que Powell identificou em 2022. Estamos vivendo uma nova normalidade na economia americana.

04:16 — Erros persistentes e sistemáticos

Recentemente, o Banco da Inglaterra (BoE) admitiu falhas recorrentes e significativas em suas projeções de inflação. Swati Dhingra, membro do comitê de política monetária do banco e uma das duas autoridades que votaram pela redução da taxa de juros de 5,25% para 5%, destacou esses erros, embora a decisão final tenha mantido as taxas inalteradas. Tais falhas, que já existiam no passado, só se agravaram após a pandemia, que trouxe uma nova realidade para os mercados.

Os modelos estatísticos utilizados pelas autoridades monetárias frequentemente erram ao estimar as tendências econômicas, superestimando ou subestimando-as. Quando ocorre uma mudança crucial no cenário econômico, esses modelos geralmente falham na direção oposta. Mesmo os melhores sistemas de previsão econômica possuem uma quantidade inerente de incerteza e imprecisão. Essa questão não é exclusiva do Reino Unido; Brasil e Estados Unidos também enfrentam desafios semelhantes em suas previsões econômicas.

ABERTURA DO IBOVESPA FUTURO

O Ibovespa futuro sobe 0,06%, aos 129.270 pontos após a abertura.

ABERTURA DO DÓLAR

O dólar à vista abre a R$ 5,1386, com leve alta de 0,04%.

IGP-10 VEM EM LINHA COM TETO DAS PROJEÇÕES

O Índice Geral de Preços - 10 (IGP-10) subiu 1,08% em maio, após a queda de 0,33% em abril, informou a FGV mais cedo.

O resultado ficou no teto do intervalo das estimativas dos analistas ouvidos pelo Broadcast, que esperavam uma alta entre 0,49% e 1,08%, com mediana positiva de 0,86%.

Quanto aos três indicadores que compõem o IGP-10, os preços no atacado medidos pelo IPA-10 tiveram elevação de 1,34% em maio, ante um recuo de 0,56% em abril.

Com o resultado, o IGP-10 alta de 0,34% neste ano. Porém, a taxa acumulada em 12 meses ficou em -1,27%.

O período de coleta de preços para o indicador de maio foi do dia 11 de abril a 10 deste mês.

PIB DO JAPÃO ENCOLHE MAIS DO QUE O PREVISTO EM MEIO A ALTA DA INFLAÇÃO

A economia do Japão encolheu no primeiro trimestre de 2024, à medida que a inflação crescente, impulsionada em parte por um iene fraco, fez com que os consumidores domésticos hesitassem em gastar.

O Produto Interno Bruto (PIB) real do Japão encolheu 0,5% nos três meses até março em relação ao trimestre anterior, mostraram dados do governo na noite de hoje, em comparação com a previsão dos economistas de uma contração de 0,4%.

No período de janeiro a março, a economia contraiu 2% na base anualizada, o que reflete o que aconteceria se o ritmo do primeiro trimestre continuasse durante um ano inteiro.

Foi o terceiro trimestre consecutivo de desempenho fraco depois que a economia encolheu no terceiro trimestre de 2023 e ficou estável no último trimestre.

O consumo privado diminuiu 0,7% em relação ao trimestre anterior, marcando a quarta queda trimestral consecutiva.

A procura interna tem sido fraca porque os aumentos dos preços ultrapassaram o crescimento dos salários. Além disso, o iene fraco também pesa sobre produtos importados.

*Com informações do Estadão Conteúdo

FUTUROS DE NOVA YORK AMANHECEM EM LEVE ALTA

Leves tons de azul despontam nos céus de Wall Street na manhã desta quinta-feira.

Os índices futuros das bolsas de valores de Nova York amanheceram em alta hoje.

O movimento, no entanto, é discreto.

Na véspera, Wall Street estabeleceu novos recordes de fechamento em reação aos últimos números da inflação ao consumidor (CPI) dos EUA.

Hoje, investidores aguardam os números da produção industrial, comentários de dirigentes do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) e o balanço do Walmart.

Confira:

  • S&P 500 futuro: +0,07%
  • Dow Jones futuro: +0,09%
  • Nasdaq futuro: +0,18%
BOLSAS DA EUROPA ABREM EM QUEDA

As principais bolsas de valores da Europa abriram em queda nesta quinta-feira.

Em meio à agenda local esvaziada, os investidores embolsam os lucros dos recordes recentes nas bolsas da região.

Confira:

  • DAX (Frankfurt): -0,24%
  • FTSE 100 (Londres): -0,29%
  • CAC 40 (Paris): -0,50%
  • Stoxx 600: -0,16%
BOLSAS DA ÁSIA FECHAM EM ALTA

As principais bolsas de valores da Ásia fecharam em alta nesta quinta-feira.

Os investidores repercutiram a renovação das máximas histórica em Wall Street na véspera.

Veja como fecharam as bolsas asiáticas:

  • Tóquio: +1,39%
  • Seul: +0,83%
  • Xangai: +0,08%
  • Hong Kong: +1,59%
  • Taiwan: +0,74%
O QUE ROLOU NOS MERCADOS ONTEM?

Sinal vermelho para os mercados: a repentina demissão de Jean Paul Prates da presidência da Petrobras (PETR4) pegou os investidores de surpresa e as atenções se voltaram para os desdobramentos da mudança no comando da companhia.

Dado o peso de Petrobras no principal índice da bolsa brasileira, o Ibovespa terminou o pregão com queda de 0,38%, aos 128.027,59 pontos. O dólar acabou subindo 0,12% e fechou o dia a R$ 5,1367.

A saída de Prates, anunciada ontem (14) a noite, trouxe novas incertezas sobre o futuro da petroleira, principalmente, sobre os investimentos da companhia, um dia após a reação do mercado ao balanço do primeiro trimestre.

Ofuscada pela repercussão de Petrobras, a prévia do PIB foi divulgada mais cedo. O IBC-Br recuou 0,34% em março na comparação com fevereiro, queda maior que os 0,20% esperados.

Lá fora, os investidores reagiram à desaceleração da inflação nos Estados Unidos. Mesmo o CPI não sendo o indicador de inflação preferido do Federal Reserve, a desaceleração elevou as expectativas de corte dos juros norte-americanos até setembro. Com isso, Dow Jones, Nasdaq e S&P 500 renovaram a máxima histórica de fechamento.

Confira o que movimentou os mercados nesta quarta-feira (15).

Compartilhe

FECHAMENTO DO MERCADO

Dólar supera os R$ 5,46: por que a moeda norte-americana voltou a subir e fechou no maior nível em quase dois anos

20 de junho de 2024 - 17:34

O dólar abriu o dia em queda, mas o alívio pós-decisão do Copom durou pouco e a moeda emendou o quinta pregão consecutivo de ganhos

GESTORAS

Studio Investimentos muda gestão de fundo após queda acumulada de mais de 30% no ano

20 de junho de 2024 - 16:57

A saída aconteceu pela necessidade de “alterar e reforçar a gestão” da família de fundos da casa, de acordo com a Studio, que tem R$1 bilhão sob gestão

(MAIS) DINHEIRO NO BOLSO

Os dividendos deste fundo imobiliário com mais de 40 mil cotistas devem subir nos próximos meses, segundo os cálculos da gestão

20 de junho de 2024 - 15:07

O SNCI11 já pagará proventos cerca de 5% maiores neste mês e, com um novo cenário macroeconômico traçado pelo mercado, a gestão espera dividendos ainda maiores

LADEIRA ABAIXO

Ações da rede social de Trump chegam a cair 15% hoje — o que explica a queda livre dos papéis?

20 de junho de 2024 - 14:11

A empresa que controla Truth Social perdeu US$ 2 bilhões em valor desde o início do mês; entenda o que está acontecendo com os papéis

AS QUERIDINHAS DA BAIXA RENDA

Cinco fatores por trás do otimismo com as ações de Direcional (DIRR3) e Cury (CURY3) — e qual delas é a favorita do Itaú BBA

20 de junho de 2024 - 13:21

O banco de investimentos revisou as suas estimativas para ambas as companhias e reforçou a visão positiva para o setor

MERCADOS HOJE

Lula não gostou, mas o mercado sim: após decisão de manter Selic em 10,5% e comunicado duro, Ibovespa salta 1% hoje

20 de junho de 2024 - 12:15

No mesmo horário, o dólar à vista era negociado próximo da estabilidade, ainda na faixa de R$ 5,40, reagindo ao cenário internacional

REPORTAGEM ESPECIAL

Taesa (TAEE11) e ISA Cteep (TRPL4): por que parte do mercado aposta na queda das ações preferidas dos “caçadores de dividendos”

20 de junho de 2024 - 6:18

Duas das principais transmissoras de energia do País, Taesa e ISA Cteep vêm recebendo desde o ano passado recomendações de “venda” de analistas

MOEDA EM ALTA

Não para de subir: dólar salta para R$ 5,47 hoje — e desta vez, o responsável não é (só) Lula

19 de junho de 2024 - 11:46

O feriado nos Estados Unidos reduziu a liquidez do dia, contribuindo com a volatilidade, além da aversão ao risco em relação à expectativas com o fim da reunião do Copom

DESTAQUES DA BOLSA

Ações de desenvolvedora imobiliária disparam mais de 5% na bolsa após contratação de banco para venda de ativos, incluindo hotéis em SP

18 de junho de 2024 - 11:22

A HBR Realty contratou o Bradesco BBI para ajudar na execução da estratégia de reciclagem de ativos da companhia

DE OLHO NAS REDES

O Brasil não tem condições para uma Selic de um dígito em 2024: por que este estrategista acredita ser impossível juros abaixo de 10% em 2024

17 de junho de 2024 - 16:41

Com a próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) se aproximando, o mercado parece está cada vez menos esperançoso sobre os cortes na taxa básica de juros, a Selic. Para Rogério Benevente, sócio da GWM Investments e convidado desta semana do podcast Touros e Ursos, “é impossível pensar numa Selic abaixo de 10% em […]

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar