🔴 CHANCE DE MULTIPLICAR O INVESTIMENTO EM ATÉ 14,5X EM 8 DIAS? ENTENDA A PROPOSTA

Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Voando

Estes títulos do Tesouro Direto já rendem mais de 200% do CDI no ano; veja se ainda vale a pena investir

Alívio na inflação e perspectiva de corte na Selic elevam atratividade do papel, pois motivam sua valorização no mercado

Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
17 de maio de 2023
18:34 - atualizado às 18:09
Ilustração utilizada em matéria sobre alta dos fundos multimercado, mostra homem de negócios surfando num vetor para cima
Imagem: iStock

Os títulos públicos prefixados, negociados pelo Tesouro Direto, continuam numa maré positiva em 2023. Há cerca de um mês, eu publiquei aqui no Seu Dinheiro uma matéria que mostrava que a valorização de alguns deles já chegava ao equivalente a 180% do CDI no acumulado do ano. Agora, a alta dos Tesouro Prefixado já chega a ultrapassar os 200% do CDI.

Enquanto o CDI – taxa de juros que baliza a rentabilidade das aplicações de renda fixa – acumula alta de cerca de 4,80% em 2023, a valorização de alguns títulos Tesouro Prefixado já corresponde a mais que o dobro deste percentual. O mais rentável deles, o prefixado com vencimento em 2029, tem ganho de 10,56% até 17 de maio.

Essa remuneração também deixa no chinelo a renda variável – o Ibovespa ainda cai 1% no ano, a despeito da recuperação recente – e os títulos Tesouro Selic, cuja valorização no mercado costuma acompanhar a taxa básica de juros. No ano, esses papéis se valorizam entre 4,87% e 4,98%, a depender do vencimento.

Confira os desempenhos de todos os títulos públicos negociados no Tesouro Direto que dispõem do dado de desempenho acumulado no ano, da maior para a menor valorização:

Melhores e piores desempenhos no Tesouro Direto em 2023

Título públicoDesempenho no anoDesempenho em 12 meses
TESOURO PREFIXADO 202910,56%16,60%
TESOURO PREFIXADO com juros semestrais 20339,73%16,81%
TESOURO PREFIXADO com juros semestrais 20319,45%16,44%
TESOURO PREFIXADO com juros semestrais 20298,98%16,15%
TESOURO IPCA+ com juros semestrais 20558,67%8,36%
TESOURO IPCA+ 20458,63%2,42%
TESOURO IPCA+ com juros semestrais 20508,59%8,23%
TESOURO PREFIXADO com juros semestrais 20278,39%15,77%
TESOURO IPCA+ 20358,38%8,64%
TESOURO IPCA+ com juros semestrais 20408,28%7,88%
TESOURO IPCA+ com juros semestrais 20308,27%9,89%
TESOURO PREFIXADO 20268,27%15,42%
TESOURO IPCA+ com juros semestrais 20328,15%9,57%
TESOURO IPCA+ com juros semestrais 20458,09%8,12%
TESOURO IPCA+ com juros semestrais 20357,97%9,07%
TESOURO IPCA+ 20267,63%9,80%
TESOURO IPCA+ com juros semestrais 20267,31%9,64%
TESOURO PREFIXADO 20256,06%14,05%
TESOURO PREFIXADO com juros semestrais 20255,80%13,95%
TESOURO PREFIXADO 20245,25%13,48%
TESOURO IPCA+ com juros semestrais 20245,14%7,91%
TESOURO IPCA+ 20245,10%7,73%
TESOURO SELIC 20274,98%13,68%
TESOURO SELIC 20244,87%13,72%
TESOURO SELIC 20254,87%13,77%
TESOURO IGPM+ com juros semestrais 20310,69%-0,13%
Fonte: Tesouro Direto

Os títulos públicos prefixados tendem a se valorizar quando há uma perspectiva de queda de juros em momentos de desaquecimento inflacionário.

Vale notar que só embolsa a valorização quem eventualmente vender o título antecipadamente após a alta. Aqueles que ficam com o papel até o vencimento recebem exatamente a remuneração acordada na hora da compra.

A recuperação dos prefixados começou na segunda metade de 2022, quando o Banco Central sinalizou o fim do ciclo de alta nos juros, mas ganhou tração mesmo neste início de ano, com os primeiros sinais de inflação realmente controlada e o anúncio do arcabouço fiscal pelo governo.

  • Você investe em ações, renda fixa, criptomoedas ou FIIs? Então precisa saber como declarar essas aplicações no seu Imposto de Renda 2023. Clique aqui e acesse um tutorial gratuito, elaborado pelo Seu Dinheiro, com todas as orientações sobre o tema.

Além disso, mesmo com as rusgas entre o governo federal e o BC em torno do patamar da taxa de juros e as críticas ao arcabouço fiscal, cresce no mercado a percepção de que a Selic não conseguirá ficar nesse nível tão alto por muito mais tempo, sob o risco de estrangular a economia.

Mais recentemente, o avanço do arcabouço fiscal no Congresso, ao lado da expectativa de que o texto fique um pouco mais duro ao passar pelo Parlamento, também levou a um forte alívio dos juros futuros.

Dos Estados Unidos, o crescimento do temor de recessão e a recente crise bancária também elevam a percepção de que o Federal Reserve não poderá apertar muito mais a política monetária, além de levar a uma desvalorização da moeda americana. Por lá, os investidores avaliam que os juros já chegaram ao topo do ciclo.

Os sinais de que a inflação brasileira de fato está cedendo se somam a esses outros fatores e contribuem para uma queda dos juros futuros que valoriza os prefixados e ainda os torna mais atrativos, no momento, que os títulos atrelados a índices de preços, como o Tesouro IPCA+.

“Essa redução das expectativas de inflação deve favorecer as posições prefixadas em detrimento principalmente de títulos indexados à inflação (IPCA+) de curto prazo”, escreve Laís Costa, analista de renda fixa da Empiricus, em relatório publicado na semana passada.

Ainda vale a pena comprar Tesouro Prefixado?

Há cerca de um mês, as fontes ouvidas para a reportagem sobre os prefixados diziam acreditar que já fazia sentido começar a se posicionar nesses títulos, principalmente os de prazos intermediários, com vencimentos em 2027 e 2029. Quem fez isso, como você pôde notar, já está ganhando dinheiro.

Agora, com a visão de que a Selic deve ser cortada no segundo semestre já mais estabelecida, essa migração de parte da carteira de renda fixa dos pós-fixados para os prés faz ainda mais sentido.

Em relatório no início deste mês da série Super Renda Fixa, da Empiricus, uma das fontes daquela reportagem, a analista Lais Costa, recomenda três títulos privados (um CDB, uma LCI e uma LCA) com vencimentos entre 2024 e 2026, todos prefixados. É possível ter acesso a esse tipo de papel via plataformas de investimentos.

Já no Tesouro Direto, estão disponíveis para a compra, atualmente, três títulos Tesouro Prefixado, com vencimentos em 2026, 2029 e 2033, sendo que este último paga juros semestralmente.

Para além da perspectiva de valorização desses papéis, todos eles ainda estão pagando uma remuneração atrativa para quem os levar ao vencimento, acima de 11% ao ano.

Compartilhe

Tesouro Direto do mês

Dobradinha no Tesouro Direto: Itaú BBA recomenda combinação de Tesouro Selic e título público prefixado para julho

12 de julho de 2024 - 14:27

Veja as recomendações de títulos públicos do banco para este mês

Atrelado à inflação

Tesouro Direto na bolsa: BTG Pactual e TEVA Índices lançam o fundo PACB11, ETF de títulos públicos de longuíssimo prazo

12 de julho de 2024 - 11:24

Fundo com cotas negociadas em bolsa acompanha índice composto por títulos Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais de prazos superiores a 14 anos

DIVERSIFICANDO A CARTEIRA

Renda fixa do mês: os melhores títulos públicos e privados para investir em julho, segundo o Santander, BTG e XP

5 de julho de 2024 - 18:10

Bancos apostam nos prefixados e atrelados à inflação para o mês, mas atrelados à Selic e ao CDI ainda seguem atrativos pela falta de perspectiva de queda de juros até o final do ano

ONDE INVESTIR NO 2⁰ SEMESTRE

Renda fixa conservadora se manterá atrativa no 2⁰ semestre, mas Tesouro Direto abriu oportunidades de retorno alto

3 de julho de 2024 - 6:00

Sem perspectiva de queda nos juros até o fim do ano, títulos atrelados à Selic seguem atrativos, mas investidor pode “travar” retornos elevados em prefixados e indexados à inflação; veja onde investir na renda fixa até o fim do ano

Dá o play!

Os fundos de renda fixa com ‘dupla isenção de IR’: uma conversa sobre FI-Infras com Aymar Almeida, gestor da Kinea

30 de junho de 2024 - 11:00

O podcast Touros e Ursos recebe o gestor do KDIF11, maior e mais antigo fundo de debêntures incentivadas com cotas negociadas na bolsa brasileira, para falar sobre a perspectiva para os FI-Infras

DEMANDA POR RENDA FIXA

A farra das LCI e LCA continua? Investimentos em títulos isentos sobe 9,1% em 2024 — mesmo após mudança nas regras

28 de junho de 2024 - 18:00

Alocação das pessoas físicas em títulos isentos de Imposto de Renda chegaram a R$ 1,12 trilhão entre janeiro e abril deste ano

REPORTAGEM ESPECIAL

Exclusivo: Gestoras de fundos imobiliários assumem empreendimentos da Seed e evitam calote de CRIs lastreados em imóveis de luxo

25 de junho de 2024 - 15:31

Seed usou CRIs para financiar parte de seus projetos, mas atrasos em obras levaram gestoras a buscar meios de mitigar problemas

QUANTO VOCÊ VAI RECEBER

Poupança, Tesouro Direto e CDB: a renda fixa tem chance de reagir com a Selic mantida em 10,50%? Fizemos os cálculos para você

19 de junho de 2024 - 19:05

Banco Central manteve a taxa básica de juros inalterada nesta quarta-feira (19); saiba quanto rendem os investimentos conservadores a partir de agora

RENDA FIXA

Gestora especializada em FIDCs lança seu primeiro fundo de direitos creditórios para o varejo; saiba como incluir esse tipo de ativo na carteira

6 de junho de 2024 - 18:00

O Solis Pioneiro, da gestora Solis Investimentos, chega para o público em geral após a publicação da Resolução CVM 175 e em momento de alta dos fundos em direitos creditórios

TESOURO DIRETO DO MÊS

Vai investir no Tesouro Direto? Itaú, Santander e XP recomendam as “bolas da vez” em junho; saiba quais são os melhores títulos públicos

5 de junho de 2024 - 12:26

Com cenário de juros altos, pós-fixados atrelados à Selic estão entre as opções mais atrativas de investimentos para o mês, segundo analistas

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar