🔴 SAVE THE DATE: 22/07 – FERRAMENTA PARA GERAR RENDA COM 1 CLIQUE SERÁ LIBERADA – CONHEÇA

Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Há crise de crédito?

Efeito Americanas: após queda de quase 30% em índice de debêntures, renda fixa privada vive crise ou abriu oportunidades?

Escândalo da varejista e problemas financeiros apresentados por empresas como Light, Marisa, CVC, Oi e aéreas derrubaram preços de debêntures e fizeram seus juros dispararem; é hora de comprar ou vivemos uma crise de crédito?

Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
17 de março de 2023
6:22 - atualizado às 8:37
Americanas
Desvalorização das debêntures da Americanas fazem índice de papéis atrelados à inflação acumular quase 30% de queda no ano; mas foram os problemas da Light que mais preocuparam os investidores de crédito privado. - Imagem: Montagem Seu Dinheiro

Queridinho dos investidores quando os juros estão altos e a bolsa vai mal, o mercado de renda fixa passou por um susto neste início de ano: as debêntures, títulos de dívida emitidos por empresas, sofreram fortes desvalorizações com a divulgação de um rombo bilionário na Americanas e as notícias de dificuldades financeiras de uma série de outras empresas abertas, como Light, Marisa, CVC, Oi, Gol e Azul.

Como essas companhias têm debêntures negociadas no mercado brasileiro, as más notícias impactaram negativamente os preços dos papéis e fizeram suas taxas de juros dispararem à medida que investidores correram para se desfazer de seus títulos, diante de uma percepção de risco de crédito aumentado.

O movimento se alastrou por todo o mercado de debêntures, afetando de forma generalizada os títulos negociados, num contágio oriundo daquele pânico momentâneo. Dessa maneira, vimos uma reprecificação geral nesse segmento, piora na captação dos fundos de crédito privado e redução nas emissões de debêntures.

Diante da Selic elevada por tempo prolongado, o aperto monetário nos países desenvolvidos, as notícias de dificuldades financeiras numa série de empresas por causa do custo do crédito e, mais recentemente, da crise bancária nos Estados Unidos, cabe questionar se estamos, afinal, diante de uma crise de crédito no Brasil, ou se, na verdade, abriram-se oportunidades de investimento em bons títulos de crédito privado.

Afinal, é um bom momento para se investir em debêntures e fundos de crédito privado? Ou o cenário demanda ainda mais cautela do investidor?

O efeito Americanas no mercado de debêntures

A notícia de que a Americanas tinha um rombo de pelo menos R$ 20 bilhões no balanço veio a público na noite de 11 de janeiro, e dentro de uma semana, no dia 19, a varejista pediu recuperação judicial.

O efeito da revelação de inconsistências contábeis foi imediato, com os investidores tentando se desfazer às pressas das debêntures de Americanas, diante da percepção de que a varejista não seria capaz de pagar suas dívidas.

Apenas no dia seguinte à notícia, os papéis da Americanas despencaram cerca de 50%. Mas na semana entre a divulgação do rombo e o pedido de RJ, as debêntures continuaram sofrendo, e a aversão a risco acabou contaminando os títulos de dívida de outras empresas, ainda que com impacto mais limitado. Afinal, a derrocada de uma companhia do porte da Americanas tem o potencial de afetar muitos outros negócios e a economia como um todo.

Após o pedido de recuperação judicial, no entanto, o desempenho das debêntures de outras empresas começou a normalizar, mostrando que o contágio foi limitado.

Ainda assim, por causa da Americanas e do desempenho negativo daquela única semana, o Índice de Debêntures Anbima (IDA-Geral), indicador que mede o desempenho de uma cesta com as principais debêntures do mercado, recuou 1,69% em janeiro.

O efeito foi ainda mais dramático no IDA-IPCA ex-Infraestrutura, subíndice que acompanha o desempenho das debêntures com remuneração indexada ao IPCA, mas sem considerar as de infraestrutura, que tombou nada menos que 28,56% no período, diretamente afetado pelo grande peso dos papéis da Americanas na sua carteira. O índice ainda acumula perda de 27,5% no ano.

  • Você investe em ações, renda fixa, criptomoedas ou FIIs? Então precisa saber como declarar essas aplicações no seu Imposto de Renda 2023. Clique aqui e acesse um tutorial gratuito, elaborado pelo Seu Dinheiro, com todas as orientações sobre o tema.

Os fundos de crédito privado, mesmo os de menor risco, sofreram um bocado nesta época, uma vez que a Americanas era vista, antes do escândalo, como um emissor de baixo risco. Um caso notório foi o de um fundo do Nubank, maior do país em sua categoria, que teve retorno negativo pela primeira vez, apesar de ser vendido como adequado para a reserva de emergência.

Mas a normalização do mercado após o pedido de RJ da Americanas parece ter ajudado os fundos de crédito privado a se segurarem bem em janeiro, em termos de rentabilidade. Não obstante, esses fundos, que tiveram um 2022 muito positivo em matéria de captação, viram uma onda de resgates, que totalizaram, em termos líquidos, algo em torno de R$ 2,64 bilhões:

Classificação AnbimaDesempenho em janeiroCaptação líquida em janeiro
Renda Fixa Duração Baixa Crédito Livre-0,44%-R$ 840,2 milhões
Renda Fixa Duração Média Crédito Livre0,39%+R$ 705,2 milhões
Renda Fixa Duração Alta Crédito Livre0,61%-R$ 191,5 milhões
Renda Fixa Duração Livre Crédito Livre0,46%-R$ 2,313 bilhões
Fonte: Anbima

Para Ulisses Nehmi, CEO da gestora de renda fixa Sparta, no entanto, o efeito na captação foi até menor do que o esperado. “A gente se preparou para uma onda de resgates, mas o impacto na captação foi bem limitado. A gente atribui isso ao reajuste rápido nos preços. Depois que já reprecificou, não faz mais sentido vender”, diz.

O efeito nas novas emissões de debêntures também parece ter sido limitado. De fato, em janeiro, o volume ofertado foi de R$ 18,7 bilhões, quando no ano passado a cifra superou os R$ 20 bilhões em quase todos os meses; ainda assim, não foi uma queda tão brusca, e foi um volume bem maior do que os cerca de R$ 7 bilhões de janeiro do ano passado.

Efeito Light deixou investidor mais pessimista

Só que na virada de janeiro para fevereiro começaram a pipocar as notícias sobre outras empresas abertas encrencadas, como Light, Marisa, CVC, Oi e as aéreas. E isso sim teve um impacto maior no mercado de debêntures, diz Ulisses Nehmi - principalmente por conta da Light, que tinha mais exposição ao mercado local de debêntures.

“Aí se abriu uma frente de resgates bem grande e uma reprecificação importante, derrubando as cotas dos fundos. Mas agora a gente já vê uma redução no ritmo dos resgates”, diz o gestor.

Em fevereiro, o IDA-Geral caiu 0,59%, e o IDA-IPCA recuou 1,04%. As ofertas públicas de debêntures tiveram volume três vezes menor que no mês anterior, totalizando apenas R$ 6,6 bilhões, uma queda de 64,5% em comparação a fevereiro de 2022.

E apesar de o desempenho médio de cada classe de fundos de crédito privado ter conseguido terminar o mês positivo mais uma vez, os resgates líquidos chegaram a mais de R$ 4 bilhões, bem acima dos R$ 2,64 bi de janeiro, em um mês com muito menos dias:

Classificação AnbimaDesempenho em fevereiroCaptação líquida em fevereiro
Renda Fixa Duração Baixa Crédito Livre0,57%-R$ 2,6 bilhões
Renda Fixa Duração Média Crédito Livre0,24%-R$ 987 milhões
Renda Fixa Duração Alta Crédito Livre0,80%+R$ 213 milhões
Renda Fixa Duração Livre Crédito Livre0,39%-R$ 809 milhões
Fonte: Anbima

Há uma crise de crédito em curso?

E chegamos aqui à questão crucial. As dificuldades financeiras exibidas por tantas empresas brasileiras neste cenário de juros altos e os efeitos negativos que as notícias envolvendo algumas delas causaram no mercado de debêntures significam que há uma crise de crédito, que pode haver uma quebradeira generalizada e que o investidor pessoa física deve ficar longe deste mercado?

“Isso tem muito a ver com o cenário macroeconômico. Se o ambiente de incerteza continuar, com juros muito altos por muito tempo, pode acontecer [uma crise de crédito]. Mas hoje não tem”, diz Ulisses Nehmi.

Ele diz que, de fato, para empresas menores e com menos musculatura financeira, a Selic elevada está sendo um grande problema, e o risco delas aumentou. Mas esse não é o caso das empresas grandes e menos endividadas. E, no caso delas, o problema do juro alto, neste momento, prejudica mais o acionista do que o credor.

“O custo do crédito aumentou, mas os bancos continuam dando crédito, só que em condições boas para eles. Disso para uma crise de crédito tem um chão enorme”, observa.

Ele também frisa que é importante diferenciar o escândalo das Americanas do que aconteceu com as demais empresas, como a Light. No caso da varejista, há indicativos de fraude, não se trata de um problema operacional ou de má gestão da dívida que acaba explodindo com a Selic elevada. Houve um aumento do risco de crédito da empresa, mas não por razões macroeconômicas.

Finalmente, o caso Americanas, assim como a crise bancária nos Estados Unidos, são eventos que têm a capacidade de reduzir o ritmo da atividade econômica nos seus respectivos países, abrindo espaço para um alívio nos juros e, consequentemente, no endividamento das empresas.

Queda dos preços e aumento das taxas abriu oportunidades?

Sendo assim, o gestor da Sparta ressalta que não seria racional resgatar fundos de crédito privado ou vender suas debêntures agora, a menos que seja para trocá-las por outras mais interessantes.

Primeiro, porque o mercado já está se recuperando - os índices de debêntures da Anbima, por exemplo, acumulam alta em março; segundo, porque, dado o contágio no mercado, acabaram surgindo oportunidades em papéis emitidos por empresas de maior musculatura financeira e menor risco de crédito, os títulos chamados de high grade. “Está mais atrativo do que, por exemplo, há três meses, quando as taxas estavam menores.”

Nehmi diz que o indicativo disso é que os investidores mais sofisticados, como bancos e fundos de investimento, estão comprando. “Os preços atuais estão bastante convidativos. Os gestores de crédito estão aproveitando”, diz o gestor, que também aproveitou o momento para reciclar a carteira dos seus fundos.

De olho no emissor

Ele destaca, no entanto, que é importante ficar atento aos setor do emissor num momento como esse. Empresas de setores como o varejo e o imobiliário, por exemplo, sofrem muito em cenário de juros altos, que de fato aumentam o risco de crédito desses negócios.

Já num setor como o de infraestrutura, o impacto dos juros é bem mais baixo. “O setor de infraestrutura está com os preços bastante distorcidos. O spread de crédito [diferença entre a remuneração da debênture e a dos títulos públicos equivalentes] está quase nos níveis da pandemia. Há uma oportunidade muito grande nesse segmento, mais protegido do cenário macro”, diz Nehmi.

Talvez seja melhor esperar um pouco

Já Dennis Kac, sócio e CIO da gestora de fortunas Brainvest, acha que o momento ainda é de alguma cautela com o mercado de debêntures, e não pela qualidade do crédito, mas pela possibilidade de mais resgates por parte dos investidores, o que ainda pode machucar os preços dos papéis.

Embora ainda mantenha posições em crédito privado para seus clientes, estas estão menores do que no fim do ano passado, por uma postura mais conservadora com a eleição de Lula.

Mas, embora admita que os eventos corporativos recentes tenham aberto oportunidades no mercado de debêntures, a Brainvest ainda aguarda para voltar a comprar, mas não pelo risco de crédito e sim por acreditar que a onda de resgates ainda não terminou.

“Entendemos que o mercado vai levar alguns meses para digerir esses acontecimentos, então estamos olhando de longe, por enquanto”, diz Kac, que, no entanto, diz não ver risco sistêmico no momento.

“Achamos que ainda há resgates contratados nas gestoras de fundos de crédito, que podem precisar vender ativos para fazer jus aos saques dos cotistas”, completa.

Compartilhe

RENDA FIXA

O Brasil vai virar a Turquia? Veja por que você deveria ter títulos indexados à inflação na carteira (e agora é uma boa hora de comprar)

19 de julho de 2024 - 7:13

Estudo da TAG Investimentos analisa se a inflação brasileira pode se descontrolar, mas o juro real ficar negativo, como ocorre no país europeu

Balanço do mercado de capitais

Sem IPOs e com restrições a CRIs, CRAs, LCIs e LCAs, renda fixa domina emissões no 1º semestre; debêntures batem recorde de captação

17 de julho de 2024 - 19:30

Ofertas no mercado de capitais totalizaram R$ 337,9 bilhões no período, sendo que R$ 206,7 bilhões corresponderam a debêntures; ofertas de ações totalizaram apenas R$ 4,9 bilhões

Sem fortes emoções

Mapfre Investimentos lança fundo de renda fixa de baixo risco para investir em CDBs e outros títulos bancários; foco é superar o CDI

16 de julho de 2024 - 7:27

Primeiro fundo lançado pela gestora em dez anos atende demanda de clientes por produtos conservadores em momento de mercado adverso

Tesouro Direto do mês

Dobradinha no Tesouro Direto: Itaú BBA recomenda combinação de Tesouro Selic e título público prefixado para julho

12 de julho de 2024 - 14:27

Veja as recomendações de títulos públicos do banco para este mês

Atrelado à inflação

Tesouro Direto na bolsa: BTG Pactual e TEVA Índices lançam o fundo PACB11, ETF de títulos públicos de longuíssimo prazo

12 de julho de 2024 - 11:24

Fundo com cotas negociadas em bolsa acompanha índice composto por títulos Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais de prazos superiores a 14 anos

DIVERSIFICANDO A CARTEIRA

Renda fixa do mês: os melhores títulos públicos e privados para investir em julho, segundo o Santander, BTG e XP

5 de julho de 2024 - 18:10

Bancos apostam nos prefixados e atrelados à inflação para o mês, mas atrelados à Selic e ao CDI ainda seguem atrativos pela falta de perspectiva de queda de juros até o final do ano

ONDE INVESTIR NO 2⁰ SEMESTRE

Renda fixa conservadora se manterá atrativa no 2⁰ semestre, mas Tesouro Direto abriu oportunidades de retorno alto

3 de julho de 2024 - 6:00

Sem perspectiva de queda nos juros até o fim do ano, títulos atrelados à Selic seguem atrativos, mas investidor pode “travar” retornos elevados em prefixados e indexados à inflação; veja onde investir na renda fixa até o fim do ano

Dá o play!

Os fundos de renda fixa com ‘dupla isenção de IR’: uma conversa sobre FI-Infras com Aymar Almeida, gestor da Kinea

30 de junho de 2024 - 11:00

O podcast Touros e Ursos recebe o gestor do KDIF11, maior e mais antigo fundo de debêntures incentivadas com cotas negociadas na bolsa brasileira, para falar sobre a perspectiva para os FI-Infras

DEMANDA POR RENDA FIXA

A farra das LCI e LCA continua? Investimentos em títulos isentos sobe 9,1% em 2024 — mesmo após mudança nas regras

28 de junho de 2024 - 18:00

Alocação das pessoas físicas em títulos isentos de Imposto de Renda chegaram a R$ 1,12 trilhão entre janeiro e abril deste ano

REPORTAGEM ESPECIAL

Exclusivo: Gestoras de fundos imobiliários assumem empreendimentos da Seed e evitam calote de CRIs lastreados em imóveis de luxo

25 de junho de 2024 - 15:31

Seed usou CRIs para financiar parte de seus projetos, mas atrasos em obras levaram gestoras a buscar meios de mitigar problemas

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar