🔴 [EVENTO GRATUITO] COMPRAR OU VENDER VALE3? INSCREVA-SE AQUI

Carolina Gama
Formada em jornalismo pela Cásper Líbero, já trabalhou em redações de economia de jornais como DCI e em agências de tempo real como a CMA. Já passou por rádios populares e ganhou prêmio em Portugal.
PRESENTE DE RUSSO

Vingança! Putin não deixa barato e prepara mega ofensiva na Ucrânia — entenda o que ele quer com isso

Do outro lado das trincheiras, o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, sinaliza que pode ser tarde demais para negociações de paz

Carolina Gama
27 de janeiro de 2023
17:18 - atualizado às 8:43
Vladimir Putin vestindo terno azul marinho e camisa branca, em frente a um púlpito com dois microfones na frente
O presidente da Rússia, Vladimir Putin - Imagem: Divulgação/Kremlin

Se a vingança é um prato que se come frio, Vladimir Putin não parece disposto a esperar muito tempo. O presidente russo já colocou no fogo uma nova ofensiva na Ucrânia — ao mesmo tempo, ele prepara a Rússia para anos de conflito contra os EUA e aliados.

Putin não engoliu a decisão desta semana de norte-americanos e alemães enviarem tanques para Kiev. Mas o objetivo do chefe do Kremlin não é apenas responder ao que chamou de “guerra por procuração” do Ocidente contra a Rússia. Ele quer mais. 

Com a nova ofensiva, Putin também pretende demonstrar que as forças russas podem se recuperar após meses perdendo terreno. A ideia é pressionar a Ucrânia a concordar com uma trégua que deixe a Rússia no controle do território que agora ocupa.

Publicamente, o Kremlin diz que não há planos para mais mobilização no momento.

Presente de russo

A nova ofensiva pode começar em fevereiro — quando a invasão russa completa um ano — ou no mais tardar em março. 

Se isso acontecer, confirmará as advertências da Ucrânia e de seus aliados de que uma nova ofensiva russa está a caminho e pode começar antes que Kiev receba os prometidos tanques de guerra dos EUA e da Alemanha. 

A determinação de Putin é o presságio de outra escalada da guerra — do outro lado das trincheiras, a Ucrânia prepara um novo ataque para expulsar as forças de Moscou, descartando qualquer cessar-fogo que deixe a Rússia ocupando seu território. 

Fontes próximas de Putin ouvidas pela Bloomberg afirmam que o líder russo acredita que não tem alternativa a não ser prevalecer em um conflito que vê como existencial com os EUA e seus aliados. 

  • Como investir em 2023? Com o início do novo governo Lula, a guerra entre Ucrânia e Rússia e o medo de uma recessão nas principais economias do mundo, é normal que o investidor não saiba muito o que fazer agora. Por isso, este material exclusivo do Seu Dinheiro revela as melhores oportunidades de investimento nas principais classes de ativos para quem não quer perder dinheiro em 2023. CONFIRA AQUI GRATUITAMENTE

Putin vai conseguir bancar a guerra?

Oficiais de inteligência dos EUA e da Europa questionam se a Rússia tem recursos para uma nova ofensiva de grande porte, mesmo depois de mobilizar 300.000 soldados adicionais no fim do ano passado. 

Enquanto isso, os aliados da Ucrânia estão intensificando o fornecimento de armas, preparando-se para entregar pela primeira vez veículos blindados e tanques que podem ajudar as tropas ucranianas a romper as linhas russas.

Putin e a guerra eterna

Putin contou com uma invasão eficiente e tomada rápida de controle do território ucraniano, mas não foi o que aconteceu. No próximo dia 24 de fevereiro, a guerra completa um ano. 

Nos últimos seis meses, as forças russas retomaram apenas uma pequena cidade e com um custo enorme em baixas. As tropas da Ucrânia, por outro lado, surpreenderam aliados e observadores com o sucesso em repelir os invasores.

Por isso, Putin se prepara para mais tempo de guerra. O chefe do Kremlin aprovou planos para expandir as fileiras militares em quase 50% nos próximos anos, destacando novas forças perto da Finlândia e nas regiões ocupadas da Ucrânia. 

Escolas e universidades estão restabelecendo os cursos de treinamento militar conduzidos amplamente pela última vez na era soviética, enquanto os preparativos para a guerra permeiam a sociedade.

Um cessar-fogo ainda é possível?

Putin não age apenas nas linhas de frente do conflito. Diplomaticamente, a Rússia tem procurado conquistar apoiadores entre os países não ocidentais com apelos para negociações sobre um cessar-fogo. 

Mesmo pessoas próximas ao Kremlin admitem que não há chances no momento para um cessar-fogo, dada a exigência da Ucrânia de que a Rússia retire suas tropas como condição para qualquer acordo.

Em entrevista na quinta-feira (26) ao canal Sky News, o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, disse que “não está interessado” em se encontrar com Putin. 

“Depois de uma invasão em grande escala, para mim [Putin] não é ninguém”, disse Zelensky quando perguntado se era tarde demais para negociações de paz.

*Com informações da Bloomberg e da CNN

Compartilhe

DE OLHO NAS REDES

Por que a China deve colocar “panos quentes” para impedir que as coisas piorem (ainda mais) no Oriente Médio? 

19 de abril de 2024 - 18:29

Enquanto as coisas parecem ficar cada vez mais delicadas no Oriente Médio, com os ataques do Irã a Israel no último final de semana, os mercados lá fora não parecem estar muito alarmados com a possibilidade de uma escalada no conflito — o que poderia ser desastroso para a economia global.  E uma das explicações […]

ESCALANDO…

É o fim da guerra das sombras? A mensagem do revide de Israel ao Irã para o mundo — e não é o que você espera

19 de abril de 2024 - 14:15

O mais recente capítulo desse embate aconteceu na madrugada desta sexta-feira (19), quando Israel lançou um ataque limitado ao Irã

RECADO DADO

A punição de Biden: EUA não perdoam ataque a Israel e castigam o Irã — mas o verdadeiro motivo das sanções não é econômico

18 de abril de 2024 - 13:17

O Tesouro norte-americano anunciou medidas contra uma dezena de pessoas e empresas iranianas e ainda avalia restrições ao petróleo do país, mas, ao contrário do que parece, medidas também mandam uma mensagem a Netanyahu

GUERRA QUENTE

Por essa nem Putin esperava: a previsão que coloca a Rússia à frente da maior economia do mundo

17 de abril de 2024 - 18:41

O Fundo Monetário Internacional (FMI) atualizou as projeções para a economia russa e os números revelam o segredo de Putin para manter o país em expansão

COM OU SEM CHAMPANHE?

O maior bilionário do planeta ficou quase R$ 30 bilhões mais rico hoje. O que fez a fortuna do dono da Dior e da Louis Vuitton disparar?

17 de abril de 2024 - 17:55

O patrimônio do magnata de luxo francês acompanha a valorização das ações da LVMH; conheça os números do conglomerado que animaram o mercado hoje

DECRETO CONTINUA

Milei tem vitória no “STF” da Argentina e mantém decreto em vigor, mas batalha ainda não terminou  

17 de abril de 2024 - 10:31

Mesmo que a Corte resolvesse barrar o DNU, Milei ainda tem uma carta na manga: ele poderá indicar até dois novos juízes para o tribunal

MAGNATA INDONÉSIO

Como este bilionário que você provavelmente não conhece transformou uma fortuna de US$ 5 bilhões em US$ 51 bilhões de em um ano

16 de abril de 2024 - 19:33

O magnata asiático da indústria de energia conseguiu multiplicar a sua fortuna em dez vezes em um ano; entenda o que aconteceu

ELON MUSK TINHA RAZÃO?

Invasão da China: como Biden e Trump querem frear os elétricos chineses liderados pela BYD nos EUA

16 de abril de 2024 - 18:58

Os veículos elétricos ainda não são vendidos no país, mas despertam cada vez mais preocupação de políticos e empresários do segmento, que colocam planos para barrar a maré vermelha à prova

A VIDA VAI MELHORAR (?)

Segura, Javier Milei: Argentina terá inflação de “apenas” 150% em 2024, mas contração econômica será maior, diz FMI

16 de abril de 2024 - 16:47

As projeções para 2025 melhoram, com a expectativa de que a inflação fique em 45% no ano e a atividade econômica cresça 5% em relação a 2024

ÁGUA NO CHOPE DO MERCADO

Juros em alta? Presidente do Fed fala pela primeira vez após dado de inflação e dá sinal claro do que vai acontecer nos EUA — bolsas sentem

16 de abril de 2024 - 15:35

A declaração de Powell voltou a sacudir os mercados: Wall Street devolveu ganhos, com o S&P 500 no vermelho, e os yields (rendimentos) dos títulos do Tesouro norte-americano voltaram a disparar

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar