🔴 [EVENTO GRATUITO] COMPRAR OU VENDER VALE3? INSCREVA-SE AQUI

Renan Sousa
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo e SpaceMoney. Twitter: @Renan_SanSousa
PREVISÕES

Adeus, dólar! (parte 4): Fim da hegemonia da moeda dos EUA não é questão de se, mas de quando — e América Latina será centro da ‘revolução’

Uma queda na demanda pela moeda americana poderia gerar um cenário de hiperinflação nos EUA e contagiar as demais economias emergentes

Dólar contra yuan China usa mais própria moeda do que a americana
Dólar contra yuan da China - Imagem: Montagem Seu dinheiro

O dólar deixará de ser a moeda mais utilizada para transações internacionais. Ao menos é isso que prevê Frank Giustra, co-presidente do International Crisis Group (ICG), em um novo documento publicado pelo grupo nesta quarta-feira (03). 

Esta é a quarta parte de uma sequência de matérias sobre a hegemonia do dólar norte-americano como principal moeda para transações do planeta. Aqui você pode ler as partes três, dois e um

Para embasar o argumento, o ICG volta à época do tratado de Bretton Woods, pós Segunda Guerra Mundial, que definia que o dólar teria o lastro em ouro e outros países teriam reservas em moeda norte-americana — consolidando, assim, o poder dos EUA como potência global.

Essa hegemonia durou praticamente até o ano de 1971, quando o então presidente Richard Nixon determinou que a emissão de dólar não estaria mais ligada à quantidade de ouro no Tesouro americano. 

Desde então, as trocas de mercadorias, commodities e produtos seriam em dólar. Essa “majestade” durou até a suspensão da Rússia do Swift, o sistema de pagamentos internacional — e aí tudo começou a ir pelo ralo. 

  • Já sabe como declarar seus investimentos no Imposto de Renda 2023? O Seu Dinheiro elaborou um guia exclusivo onde você confere as particularidades de cada ativo para não errar em nada na hora de se acertar com a Receita. Clique aqui para baixar o material gratuito.

Dólar abriu uma oportunidade para a China

A impossibilidade de realizar transações com outros países aproximou a Rússia da China, que se tornou o principal parceiro comercial do país em guerra com a Ucrânia. 

Esse é considerado o “marco zero” do fim da hegemonia do dólar. Isso porque outros países em desenvolvimento e membros dos BRICS — grupo composto por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul (o S vem de South Africa) — dependem de commodities vindas da Rússia, como petróleo, fertilizantes e outros, destaca o documento do ICG.

Somado a isso, havia um ressentimento global desses países da “periferia do capitalismo” contra o dólar. A experiência de trocas usando a moeda chinesa, o renminbi — ou yuan, como é popularmente conhecida — foi vista com bons olhos.

Problemas em tirar o dólar da jogada

Na visão de Giustra, a “desdolarização” não é mais uma questão de “se” irá acontecer — mas de “quando”. 

Entretanto, a retirada da “coroa” do dólar não virá sem consequências.

“Qualquer queda repentina na demanda pela moeda americana pode ter consequências desastrosas para os EUA. Isso poderia desencadear uma crise do dólar americano, levando a uma inflação muito alta — ou mesmo hiperinflação — e iniciar um ciclo de dívida e impressão de dinheiro que poderia destruir o tecido social da sociedade”, diz o relatório.

A hiperinflação dos EUA poderia contagiar a economia de outros países. Por outro lado, a dívida soberana de emergentes poderia voltar a patamares mais aceitáveis, já que o dólar mais caro dificulta o pagamento dos credores. 

Alternativas à moeda norte-americana

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi uma das vozes mais ativas contra a hegemonia do dólar recentemente. Em visita à China, ele reforçou a necessidade de uma moeda comum para trocas comerciais dos BRICS. 

A Argentina é um dos países que vem buscando alternativas para escassez de dólares. Já em abril, as importações argentinas em yuan devem subir para US$ 1,04 bilhão após uma série de acordos bilaterais.

No próximo mês, as trocas com a moeda chinesa devem permanecer na faixa entre US$ 790 milhões e US$ 1 bilhão.

Compartilhe

DE OLHO NAS REDES

Por que a China deve colocar “panos quentes” para impedir que as coisas piorem (ainda mais) no Oriente Médio? 

19 de abril de 2024 - 18:29

Enquanto as coisas parecem ficar cada vez mais delicadas no Oriente Médio, com os ataques do Irã a Israel no último final de semana, os mercados lá fora não parecem estar muito alarmados com a possibilidade de uma escalada no conflito — o que poderia ser desastroso para a economia global.  E uma das explicações […]

ESCALANDO…

É o fim da guerra das sombras? A mensagem do revide de Israel ao Irã para o mundo — e não é o que você espera

19 de abril de 2024 - 14:15

O mais recente capítulo desse embate aconteceu na madrugada desta sexta-feira (19), quando Israel lançou um ataque limitado ao Irã

RECADO DADO

A punição de Biden: EUA não perdoam ataque a Israel e castigam o Irã — mas o verdadeiro motivo das sanções não é econômico

18 de abril de 2024 - 13:17

O Tesouro norte-americano anunciou medidas contra uma dezena de pessoas e empresas iranianas e ainda avalia restrições ao petróleo do país, mas, ao contrário do que parece, medidas também mandam uma mensagem a Netanyahu

GUERRA QUENTE

Por essa nem Putin esperava: a previsão que coloca a Rússia à frente da maior economia do mundo

17 de abril de 2024 - 18:41

O Fundo Monetário Internacional (FMI) atualizou as projeções para a economia russa e os números revelam o segredo de Putin para manter o país em expansão

COM OU SEM CHAMPANHE?

O maior bilionário do planeta ficou quase R$ 30 bilhões mais rico hoje. O que fez a fortuna do dono da Dior e da Louis Vuitton disparar?

17 de abril de 2024 - 17:55

O patrimônio do magnata de luxo francês acompanha a valorização das ações da LVMH; conheça os números do conglomerado que animaram o mercado hoje

DECRETO CONTINUA

Milei tem vitória no “STF” da Argentina e mantém decreto em vigor, mas batalha ainda não terminou  

17 de abril de 2024 - 10:31

Mesmo que a Corte resolvesse barrar o DNU, Milei ainda tem uma carta na manga: ele poderá indicar até dois novos juízes para o tribunal

MAGNATA INDONÉSIO

Como este bilionário que você provavelmente não conhece transformou uma fortuna de US$ 5 bilhões em US$ 51 bilhões de em um ano

16 de abril de 2024 - 19:33

O magnata asiático da indústria de energia conseguiu multiplicar a sua fortuna em dez vezes em um ano; entenda o que aconteceu

ELON MUSK TINHA RAZÃO?

Invasão da China: como Biden e Trump querem frear os elétricos chineses liderados pela BYD nos EUA

16 de abril de 2024 - 18:58

Os veículos elétricos ainda não são vendidos no país, mas despertam cada vez mais preocupação de políticos e empresários do segmento, que colocam planos para barrar a maré vermelha à prova

A VIDA VAI MELHORAR (?)

Segura, Javier Milei: Argentina terá inflação de “apenas” 150% em 2024, mas contração econômica será maior, diz FMI

16 de abril de 2024 - 16:47

As projeções para 2025 melhoram, com a expectativa de que a inflação fique em 45% no ano e a atividade econômica cresça 5% em relação a 2024

ÁGUA NO CHOPE DO MERCADO

Juros em alta? Presidente do Fed fala pela primeira vez após dado de inflação e dá sinal claro do que vai acontecer nos EUA — bolsas sentem

16 de abril de 2024 - 15:35

A declaração de Powell voltou a sacudir os mercados: Wall Street devolveu ganhos, com o S&P 500 no vermelho, e os yields (rendimentos) dos títulos do Tesouro norte-americano voltaram a disparar

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar