🔴 FONTE DE RENDA EXTRA COM APENAS 1 CLIQUE – CONHEÇA AQUI

Dani Alvarenga
MELHORES EMPREGADORES

Mão de obra envelhecendo e mais mulheres no comando — veja o que mudou no ranking GPTW de melhores empresas para trabalhar no Brasil

A edição de 2023 premiou 150 companhias como Melhores Empresas Para Trabalhar no Brasil; a seleção levou em conta cinco critérios de avaliação

Dani Alvarenga
17 de outubro de 2023
15:39 - atualizado às 15:43
Foto com três carteiras de trabalho empilhadas; representa os dados do Caged, que indicam a abertura e o fechamento de vagas formais no país
Imagem: Shutterstock

A mão de obra brasileira está envelhecendo. Pela primeira vez desde 2020, funcionários entre 25 e 34 anos das empresas selecionadas na pesquisa Melhores Lugares para Trabalhar no Brasil apareceram em proporção inferior a 35%. 

Mas não é só. Os colaboradores entre 35 e 44 anos passaram dos 30% na edição de 2023 da premiação. O índice também é novidade e não tinha sido alcançado até então.

Se a faixa etária está mudando rapidamente, as taxas de gênero permanecem quase inalteradas. Ainda assim, o número de mulheres no comando cresceu.

Número de mulheres no comando aumenta

Durante o período mais difícil da pandemia, a proporção de mulheres nas empresas selecionadas caiu de 46% para 44%. Em 2022, o índice voltou ao patamar inicial, mas caiu em 2023, ficando em 45%.

Apesar do equilíbrio, os cargos de liderança ainda são ocupados principalmente por homens.

No entanto, a pesquisa revelou que, em 2023, 19% dos CEOs são mulheres. Em 2020, a taxa era de 9% apenas.

Também foi percebido um aumento de trabalhadores que não se identificam com os gêneros masculino ou feminino. Mas o avanço ainda é pequeno: o índice cresceu de 0% para 2%. 

Em relação à orientação sexual, 7,4% dos colaboradores não são heterossexuais. De acordo com o IBGE, a população LGBTQIAP+ representa 10% e 15% da população brasileira. 

Já na questão racial, os setores indicaram que 11,2% dos funcionários se declararam pretos ou pardos nas companhias premiadas em 2023. Ainda segundo o IBGE, as populações preta e parda representam 9,1% e 47% da população brasileira, respectivamente.

Vale ressaltar que das 150 empresas selecionadas, apenas 99 disponibilizaram relatório sobre colaboradores com deficiência. Entre elas, o número total de trabalhadores que se encaixavam no perfil eram 2.067, representando 2,6% do quadro de funcionários.

VEJA TAMBÉM: PODCAST TOUROS E URSOS - Israel em chamas: o impacto do conflito com Hamas nos investimentos

Regiões Sul e Sudeste dominam ranking de Melhores Empresas para Trabalhar no Brasil

As regiões Sul e Sudeste dominam o ranking de melhores empresas para trabalhar no Brasil em 2023. É o que mostra a 27ª edição da premiação das Melhores Empresas Para Trabalhar no Brasil.

A pesquisa contou com a participação de 5.317 empresas e mais de 2 milhões de funcionários. Para fazer parte do processo, foram exigidos um quadro de funcionários mínimo de 100 funcionários e CNPJ registrado no Brasil.

No entanto, somente 150 companhias entraram no ranking. Das instituições selecionadas, 10 possuem mais de 10.000 funcionários, 70 têm de 1.000 a 9.999 colaboradores, 35 são compostas por 100 a 999 trabalhadores e 35 possuem 100 a 999 funcionários.

O levantamento considerou cinco critérios para a avaliação. As instituições brasileiras foram analisadas com base na credibilidade dos líderes, no respeito entre colaboradores, imparcialidade em relação aos membros da equipe, orgulho em pertencer à empresa e camaradagem entre os trabalhadores. 

As companhias premiadas tiveram crescimento médio de 9,6%. O tempo médio de existência das empresas avaliadas foi de 44 anos.

Veja os setores das empresas avaliadas:

  • Tecnologia da Informação: 47
  • Serviços Financeiros e Seguros: 25
  • Produção e Manufaturas: 18
  • Outros: 14
  • Agricultura, Silvicultura e Piscicultura: 8
  • Biotecnologia e Farmacêutica: 7
  • Serviços Profissionais: 6
  • Serviços de Saúde: 6
  • Varejo: 5
  • Transporte: 4  
  • Hotéis e Restaurantes: 3
  • Engenharia: 3
  • Educação e Treinamento: 2

Impactos da pandemia nas melhores empresas para trabalhar

Apesar de já estarmos um pouco mais distantes da crise do coronavírus, os impactos ainda são sentidos no mercado de trabalho. Um dos principais índices que mostram as alterações causadas pela pandemia é o tempo de casa dos funcionários. 

Segundo o levantamento, a partir de 2020, houve um aumento no número de demissões e diminuição das admissões. 

Atualmente, os números  de contratações estão muito mais altos, enquanto as demissões reduziram. A alteração é causada pela recuperação da economia a partir de 2023. 

Como reflexo, as empresas apresentaram um aumento do quadro de funcionários que fazem parte da empresa há até 2 anos. O índice foi de 30% para 44%. Já as taxas de colaboradores entre seis e dez anos de casa diminuíram de 23% para 15% desde 2020. 

Outro impacto importante da pandemia foi o aumento da oferta de oportunidades no formato do home office. Em 2021, 94% das companhias premiadas permitiam a realização das atividades em casa. Em 2023, o índice caiu para 90%. 

E se a crise sanitária de 2020 ensinou algo foi a apreciar a vida. Ao questionarem os motivos dos colaboradores se manterem nos empregos, a resposta que representou um aumento mais significativo foi a qualidade de vida proporcionada pela instituição. 

Em 2020, 22% dos entrevistados levaram o aspecto em consideração. Já em 2023, 26% deram importância para o tópico. A qualidade de vida perde apenas para a oportunidade de crescimento que a companhia proporciona, que foi apresentada por 44% dos participantes.

Ranking das melhores empresas para trabalhar 

Confira a classificação das companhias premiadas: 

  • Mais de 100 mil colaboradores:
  1. Itaú Unibanco
  2. Accenture do Brasil
  3. GAZIN 
  4. Sicredi
  5. Magazine Luiza 
  6. PORTO SEGURO COMPANHIA DE SEGUROS GERAIS 
  7. Vivo 
  8. Arcos Dorados (McDonald's) 
  9. Localiza 
  10. BANCO SANTANDER (BRASIL) S.A.
  • Top 10 de empresas com quadro de 1.000 a 9.999 funcionários:
  1. Novo Nordisk Produção Farmacêutica do Brasil LTDA 
  2. SAP Labs Latin America 
  3. Tokio Marine Seguradora 
  4. FUNDIMISA - FUNDIÇÃO E USINAGEM LTDA 
  5. LIBERTY SEGUROS S/A 
  6. Avanade 
  7. VOLKSWAGEN CAMINHÔES E ÔNIBUS 
  8. SAP Brasil 
  9. TIGRE MATERIAIS E SOLUCOES PARA CONSTRUCAO LTDA 
  10. Bayer Brasil 
  • Top 10 de empresas nacionais com quadro de 100 a 999 funcionários: 
  1. BHS 
  2. LEVVO 
  3. Grupo Tecnospeed 
  4. SUPERA FARMA LABORATORIOS S.A 
  5. Efí 
  6. Capemisa Seguradora e Capemisa Capitalização 
  7. Consórcio Magalu 
  8. Cooperativa de Crédito Cocre 
  9. LIVELO 
  10. Pitang Agile IT 
  • Top 10 de empresas multinacionais com quadro de 100 a 999 colaboradores:
  1. 1 e-Core 
  2. VISAGIO 
  3. Cisco 
  4. HILTON 
  5. Encora 
  6. NTT 
  7. ArcTouch 
  8. Equinix Brasil 
  9. RD Station 
  10. DHL EXPRESS (BRAZIL)

Compartilhe

DESTAQUES DA BOLSA

Não foi dessa vez: Após negar venda de fatia do Casino, Pão de Açúcar (PCAR3) cai forte na B3 e lidera as perdas do Ibovespa hoje

16 de julho de 2024 - 12:49

No início da tarde desta terça-feira (16), os papéis do GPA caíam mais de 6%, cotados a R$ 3,19

AUMENTANDO O PORTFÓLIO

Smart Fit (SMFT3) corre em direção à mais uma aquisição e fecha compra de academias Velocity por R$ 183 milhões

16 de julho de 2024 - 10:13

Empresa afirma que o negócio “aumenta a complementaridade do portfólio de modalidades do segmento de Studios” da Smart Fit

ENERGIA NO CRESCIMENTO

Follow-on na área! Eneva (ENEV3) pretende levantar até R$ 4,2 bilhões em oferta primária garantida pelo BTG

16 de julho de 2024 - 8:34

Também foram assinados memorandos de entendimentos para aquisição de usinas termelétricas de geração de energia

ALERTA DE PROVENTOS

Dividendos e JCP: Telefônica Brasil (VIVT3) aprova nova bolada e pagará  R$ 650 milhões aos acionistas; veja quanto cada um vai receber

15 de julho de 2024 - 18:58

Juros sobre capital próprio (JCP) serão depositados aos investidores que estiveram na base acionária da companhia de telecomunicações neste mês

TUTELA CAUTELAR

Na mira da CSN (CSNA3), InterCement pede proteção contra credores; vem recuperação judicial aí?

15 de julho de 2024 - 18:47

Segundo informações da imprensa, a companhia não tem como pagar uma dívida de R$ 3 bilhões que vence nesta semana

PAPEL EM ALTA

Suzano (SUZB3) lidera as altas no Ibovespa após aquisição milionária de fábrica nos EUA – mas é hora de comprar a ação? 

15 de julho de 2024 - 14:55

Na semana passada, a companhia anunciou a compra, por meio de uma subsidiária, dos ativos da Pactiv Evergreen, por US$ 110 milhões

FORA DO HYPE

A Burberry está fora de moda? Por que as ações da marca de luxo queridinha das celebridades despencaram — e os dividendos já eram

15 de julho de 2024 - 14:51

Os papéis recuaram 16% nesta segunda-feira (15) em Londres. Na tentativa de conter a hemorragia, a marca anunciou um novo CEO.

FUSÕES & AQUISIÇÕES

Google entra de cabeça no ramo da cibersegurança com inteligência artificial e deve adquirir Wiz por US$ 23 bilhões

15 de julho de 2024 - 10:33

Se concretizada, essa seria a maior aquisição da gigante da tecnologia até o momento, superando os US$ 12,5 bilhões pagos pela Motorola em 2012

ELES VOLTARAM

O plano dos irmãos Wesley e Joesley Batista para ficar com a Amazonas Energia

13 de julho de 2024 - 15:49

Proposta da empresa de energia do grupo J&F, dos irmãos Wesley e Joesley Batista, foi apresentada à Aneel 16 dias após o governo editar medida provisória salvando o caixa da distribuidora

FUTURA POTÊNCIA?

Para o Santander, expansão da IA e demanda por data centers são oportunidades para o Brasil. Veja quais empresas e setores na Bolsa podem se beneficiar

12 de julho de 2024 - 20:00

Segundo o banco, país possui “excesso de oferta” de energia e diversas fontes renováveis

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar