🔴 CHANCE DE MULTIPLICAR O INVESTIMENTO EM ATÉ 14,5X EM 8 DIAS? ENTENDA A PROPOSTA

Ana Carolina Neira
Ana Carolina Neira
Jornalista formada pela Faculdade Cásper Líbero com especialização em Macroeconomia e Finanças (FGV) e pós-graduação em Mercado Financeiro e de Capitais (PUC-Minas). Com passagens pelo portal R7, revista IstoÉ e os jornais DCI, Agora SP (Grupo Folha), Estadão e Valor Econômico, também trabalhou na comunicação estratégica de gestoras do mercado financeiro.
REVISÃO

JP Morgan está mais pessimista com setor de papel e celulose e corta recomendação para Suzano (SUZB3) e Klabin (KLBN11) — ações recuam na B3

Na avaliação do banco, os resultados de Suzano (SUZB3) e Klabin (KLBN11) para os próximos meses devem ser afetados pela cotação da celulose

Linha de produção da Suzano SUZB3
Linha de produção da Suzano - Imagem: Clayton de Souza/Estadão Conteúdo

Se em 2022 as fabricantes de papel e celulose surfaram a onda do preço elevado da celulose — figurando entre os destaques das temporadas de resultados — os próximos meses podem enfraquecer um pouco essa tendência. Pelo menos é a visão dos analistas do JP Morgan para a Suzano (SUZB3) e a Klabin (KLBN11).

Assim, com a previsão de lucro menor para este ano e também certas preocupações com a demanda da China, o banco cortou a recomendação das duas ações de compra para neutro.

O preço-alvo da Suzano passou de R$ 70,00 para R$ 56,00 — potencial de 19,7% de valorização. Já o da Klabin foi de R$ 36,00 para R$ 24,00 — a ação ainda pode subir 23,5%.

Os analistas também revisaram suas projeções para o preço da celulose branqueada de fibra curta neste ano, que passou de US$ 750 por tonelada para US$ 695.

O que mais afeta Suzano (SUZB3) e Klabin (KLBN11)

É bom explicar que ninguém espera que os preços da celulose despenquem, mas sim que haja uma normalização após vários meses de valores bastante acima da média. Não há nenhum desastre no horizonte quando falamos do preço da matéria-prima, mas qualquer mudança significativa na cotação inevitavelmente afeta o lucro das empresas.

Além disso, no caso da Klabin (KLBN11), o JP Morgan aponta preocupações com os custos da empresa e a necessidade de investimentos em capital (Capex), que devem ser mais elevados ao longo deste ano.

A equipe cita, em relatório, as dificuldades macroeconômicas do Brasil como outro fator de risco para a companhia.

  • Como investir em 2023? Com o início do novo governo Lula, a guerra entre Ucrânia e Rússia e o medo de uma recessão nas principais economias do mundo, é normal que o investidor não saiba muito o que fazer agora. Por isso, este material exclusivo do Seu Dinheiro revela as melhores oportunidades de investimento nas principais classes de ativos para quem não quer perder dinheiro em 2023. CONFIRA AQUI GRATUITAMENTE

No caso da Suzano (SUZB3), além da normalização no preço da celulose e seus impactos no balanço, os analistas também citam a pressão dos investimentos em capital sobre o fluxo de caixa livre da fabricante.

O mercado ainda acompanha quando o Projeto Cerrado terá início, já que é uma das iniciativas de maior peso para a Suzano nos próximos anos e tem investimento estimado em R$ 19,3 bilhões.

Ações reagem na bolsa

Após a divulgação do relatório com projeções um pouco piores para as duas empresas, as ações SUZB3 e KLBN11 estão entre as principais baixas do dia na B3. Às 11h09, a primeira recuava 2,61%, cotada a R$ 45,55.

Por volta das 11h18, a queda da Klabin era de 2,11%, cotada a R$ 19,01.

Papel e celulose é a grande aposta da temporada de balanços

Se os próximos meses podem reservar lucros menores para Klabin e Suzano, o ano de 2022 foi muito bom para o setor.

Entre os poucos destaques seguramente bons da temporada de resultados do quarto trimestre, que começa hoje, o setor de papel e celulose é citado entre aqueles com maiores chances de brilhar.

O que deve impulsionar as duas companhias são o bom controle de custos, um aumento nos volumes vendidos e, principalmente, o preço da celulose.

Ao longo de 2022, o preço da matéria-prima chegou ao recorde de US$ 910 por tonelada no mês de julho e fechou o ano na média de US$ 860 por tonelada.

A receita em dólares também ajuda a impulsionar os resultados.

Compartilhe

ELES VOLTARAM

O plano dos irmãos Wesley e Joesley Batista para ficar com a Amazonas Energia

13 de julho de 2024 - 15:49

Proposta da empresa de energia do grupo J&F, dos irmãos Wesley e Joesley Batista, foi apresentada à Aneel 16 dias após o governo editar medida provisória salvando o caixa da distribuidora

FUTURA POTÊNCIA?

Para o Santander, expansão da IA e demanda por data centers são oportunidades para o Brasil. Veja quais empresas e setores na Bolsa podem se beneficiar

12 de julho de 2024 - 20:00

Segundo o banco, país possui “excesso de oferta” de energia e diversas fontes renováveis

FUSÕES E AQUISIÇÕES

Indo às compras: Suzano adquire fábricas de empresa de embalagens nos EUA por US$ 110 milhões

12 de julho de 2024 - 19:12

Acordo ocorre semanas após a companhia desistir de tratativas para comprar a International Paper por US$ 15 bilhões

A GRANDE APOSTA

Não aposte contra a Nvidia: Para investidor do ‘Big Short’, seria insano apostar na queda da ação da gigante dos chips de inteligência artificial

12 de julho de 2024 - 18:31

Conhecido por fazer fortuna na crise de 2008 com apostas short, Steve Eisman afirma que investidores que operam vendidos nas big techs como a Nvidia têm um “desejo de morte”

ARROZ EM ALTA

Camil (CAML3) sobe 8% após balanço, mas recomendação de compra não é unanimidade entre os bancos

12 de julho de 2024 - 13:45

Resultados do primeiro trimestre divulgados pela companhia animaram o mercado. No entanto, o impulso motivado pela alta no preço do arroz tem data para acabar

DIVIDINDO A RESPONSABILIDADE

Por que a Vale (VALE3) fechou acordo com a BHP em processos no exterior por rompimento de barragem em Mariana 

12 de julho de 2024 - 12:12

O contrato assinado com a BHP tem relação com os processos de ações coletivas no Reino Unido e Holanda ligados ao rompimento da barragem de Fundão

Reforço de caixa

Eletrobras pode levantar até R$ 3,3 bi com oferta secundária de ações da CTEEP (TRLP4); mercado reage e papel tem a maior queda do Ibovespa

12 de julho de 2024 - 11:28

Companhia anuncia venda de 60 milhões de papéis da subsidiária, que pode ser acrescida de mais 70 milhões caso haja demanda

AINDA UMA PENNY STOCK

Em meio a aumento bilionário de capital, Americanas (AMER3) adia grupamento de ações

11 de julho de 2024 - 19:57

Grupamento de ações ordinárias e aquisição do controle da varejista pelos acionistas de referência com aumento de capital foram aprovados nesta semana pelo Cade

CÉU AZUL

Itaú BBA iniciou cobertura da Latam com recomendação de compra e chances de ação decolar 41%; os motivos você confere aqui

11 de julho de 2024 - 19:01

São três pilares que sustentam uma visão positiva sobre a empresa, e quase todos têm a ver com ajustes após a saída do chapter 11

CONSELHO APROVOU

Por que a Santos Brasil (STBP3) quer devolver R$ 1,6 bilhão aos acionistas? Confira a proposta de redução de capital da companhia

11 de julho de 2024 - 18:57

A operação deve ser realizada sem o cancelamento de ações e com restituição em dinheiro aos investidores, mas ainda precisa ser aprovada pelos acionistas

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar