🔴 AÇÃO QUE JÁ DISPAROU 1.200% E AINDA ESTÁ BARATA – VEJA QUAL

Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Jogando para frente

Ultraleve: Gol (GOLL4) renegocia dívidas de curto prazo e tira um peso das asas; ações sobem

A Gol vai trocar títulos de dívida com vencimento até 2026 por outros mais longos, com prazo para 2028, numa operação com o Grupo Abra

Victor Aguiar
Victor Aguiar
7 de fevereiro de 2023
15:01 - atualizado às 13:39
Imagem de avião da Gol (GOLL4) voando num céu azul, com algumas nuvens brancas | Ibovespa
Gol (GOLL4) - Imagem: Divulgação

Como pode um avião Boeing 737 — como uma das 145 aeronaves da frota da Gol (GOLL4) — ser mais leve que o ar e alçar voo, mesmo com suas dezenas de toneladas? Bem, é uma questão de física: o formato das asas, o fluxo de vento das turbinas, tudo junto põe o pássaro de metal no céu. Mas, é claro que evitar peso extra sempre ajuda.

E é exatamente isso que a companhia aérea está fazendo, ao anunciar um prolongamento de seu perfil de dívida; em outras palavras, está jogando para frente alguns de seus compromissos financeiros. E, sem algumas toneladas de endividamento no curto prazo, diminuem as dúvidas quanto à capacidade de a empresa manter seus aviões voando.

É uma operação complexa e que envolve o recém anunciado Grupo Abra, holding que vai concentrar as operações da Gol e da colombiana Avianca. Mas, para o mercado, pouco importa a estrutura — o que realmente interessa é o resultado. E, dado que dívida e liquidez são temas sensíveis para as aéreas, a notícia foi bem recebida.

Por volta de 12h30, as ações da Gol (GOLL4) operavam em alta de 2,10%, a R$ 7,78, aparecendo entre as maiores altas do Ibovespa nesta terça-feira (7); o índice, por outro lado, recua perto de 1% hoje — acompanhe aqui a cobertura completa de mercados.

Comportamento das ações da Gol (GOLL4) nesta terça-feira (7)

Gol (GOLL4): tirando as malas do bagageiro

Antes de entrar em detalhes na operação entre a Gol (GOLL4) e o Grupo Abra, vale dar mais detalhes quanto à situação de endividamento da companhia aérea — e explicar a dinâmica particularmente perversa da dívida e dos custos relacionados ao setor.

Tudo começa na linha de receita, que, naturalmente, é denominada em reais: é uma empresa brasileira que vende passagens ao consumidor doméstico, afinal. Só que, enquanto o faturamento ocorre na moeda nacional, os custos costumam vir em divisas estrangeiras — e, quase sempre, mais fortes.

Custos com o querosene de aviação (QAV), por exemplo, dependem da cotação do petróleo e do dólar; contratos para manutenção e arrendamento de aeronaves também são feitos na moeda americana. Assim, há um descasamento entre receita e despesa.

Não bastasse isso tudo, boa parte da dívida de uma companhia aérea também é denominada em dólares — aviões novos são etiquetados na moeda americana, e os financiamentos para viabilizar a troca da frota de tempos em tempos, também.

Portanto, as toneladas do Boeing vão ficando cada vez mais pesadas por causa dessa bagagem financeira: as dívidas são enormes, a receita é em reais — e se a equação não fecha, todos ficam no solo.

Veja algumas cifras da Gol ao fim do terceiro trimestre:

  • Dívida de curto prazo: R$ 3,7 bilhões;
  • Dívida de longo prazo: R$ 22,7 bilhões;
  • Posição de liquidez total (caixa, aplicações e contas a receber): R$ 1,5 bilhão;
  • Dívida líquida ajustada: R$ 24,9 bilhões;
  • Porcentagem da dívida bruta em moeda estrangeira: 94,1%;
  • Porcentagem da dívida no curto prazo: 13,9%.

A Gol não dá maiores detalhes quanto à janela de tempo considerada "curto prazo". Seja como for, sua posição de liquidez total não é capaz de cobrir todos os compromissos alocados nesse período — e esse sempre é um tema crítico nas teleconferências de resultados de uma companhia aérea, sobretudo desde o começo da pandemia.

A empresa terá condições de honrar seus compromissos financeiros? Há dinheiro para manter as operações funcionando normalmente? Como ampliar a geração de receita e reduzir custos? Como está a negociação com bancos e outros credores?

Grupo Abra: embarque imediato

Eis que o Grupo Abra, um passageiro de última hora, entra na aeronave e logo encontra seu assento. A holding foi criada justamente para dar o apoio financeiro para Gol e Avianca, dois dos principais players regionais do setor aéreo — a chilena Latam, a panamenha Copa e a brasileira Azul são outras grandes da América Latina.

E o Grupo Abra fez uma proposta à Gol que combina endividamento mais longo com injeção de capital. Em resumo: os controladores vão comprar os títulos emitidos pela companhia no exterior com vencimento em 2024, 2025 e 2026. A holding entregará esses papéis à empresa, que, por sua vez, emitirá outra leva de títulos de dívida, agora para 2028. Parte desses novos ativos será conversível em ações.

Na prática, a Gol está trocando os títulos atuais por outros, cujo vencimento ocorrerá somente daqui cinco anos. E mais: a Abra já se comprometeu com a compra de cerca de US$ 400 milhões de outros títulos de dívida, também com vencimento em 2028 — ela, portanto, será uma das novas credoras.

E, convenhamos: é mais fácil negociar com o seu próprio controlador do que com um banco ou um credor externo qualquer. Os US$ 400 milhões, segundo a Gol, "serão disponíveis para finalidades corporativas em geral, para a
modernização da frota e para o gerenciamento de obrigações".

O documento completo explicando toda a transação entre Abra e Gol pode ser acessado aqui.

Gol em dezembro

Em paralelo, a companhia também reportou seus dados operacionais referentes ao mês de janeiro — um período sazonalmente forte, dadas as férias escolares e a demanda elevada por viagens a lazer.

Considerando o sistema total da Gol (GOLL4) — que soma as operações domésticas e internacionais — a demanda por voos cresceu 8,9% em relação a janeiro de 2022, enquanto a oferta aumentou 6,9%. Assim, a taxa de ocupação das aeronaves aumentou 2,1 pontos percentuais entre os períodos, chegando a 84,7%.

No sistema doméstico, a taxa de ocupação dos aviões foi de 85,6% em janeiro, alta de 3 pontos em um ano; no internacional, houve estabilidade em 77,5%.

Compartilhe

OFERTA DE BONDS

Jack Ma em apuros? Ação da dona do AliExpress cai forte em meio a rumores de que gigante do e-commerce precisaria levantar US$ 5 bilhões

23 de maio de 2024 - 12:19

Segundo a Bloomberg, a varejista estaria cogitando uma emissão bilionária de títulos de dívida (bonds) para levantar capital; entenda

BOM OU MAL?

Oncoclínicas (ONCO3) fará aumento de capital de R$ 1,5 bilhão — CEO e banco garantem operação; ações sobem quase 20%

23 de maio de 2024 - 10:09

A empresa afirma que os recursos levantados com o aumento de capital serão destinados à melhora da posição em caixa e redução da alavancagem financeira da companhia

MAIS DINHEIRO NO BOLSO

Nvidia anuncia alta de 150% nos dividendos e desdobramento de ações após trimestre com recorde de receita e salto no lucro

22 de maio de 2024 - 18:13

Os proventos passarão de US$ 0,04 por ação para R$ 0,10 por papel ordinário. Mas, como a companhia fará um desdobramento de ações, esse valor ainda será ajustado

GIGANTE DA IA

Lucro da Nvidia salta mais de 600%, receita bate recorde e ações disparam; confira os destaques do balanço da empresa

22 de maio de 2024 - 17:36

A gigante da Inteligência Artificial conseguiu ultrapassar as projeções já elevadas dos analistas e entregou números acima do previsto

DEDO GORDO

Citigroup é multado em mais de R$ 400 milhões — e tudo por causa do potencial erro de digitação de um trader de ações 

22 de maio de 2024 - 15:27

Os reguladores do Reino Unido aplicaram uma multa combinada de 62 milhões de libras por falhas nos sistemas de negociação em maio de 2022

PRETENDENTE INSISTENTE

BHP eleva oferta de megafusão com a Anglo American para quase US$ 50 bilhões — mas proposta é rejeitada de novo

22 de maio de 2024 - 14:39

Menos de duas semanas após a segunda tentativa, a BHP aumentou a proposta de aquisição em cerca de 17%, para US$ 49,87 bilhões

NOVOS TERMOS

Petrobras (PETR4) recebe sinal verde do Cade para cancelar vendas e manter cinco refinarias no portfólio

22 de maio de 2024 - 14:16

O acordo põe fim a obrigação de alienação de oito refinarias — incluindo três unidades já vendidas — que havia sido acertada entre o Cade e a Petrobras durante a gestão de Jair Bolsonaro

FABRICANTE DE CHIPS

É hoje! Veja o que analistas esperam do balanço da Nvidia: crescimento da gigante da Inteligência Artificial perdeu vapor?

22 de maio de 2024 - 11:02

Dados consensuais da Bloomberg apontam para uma expectativa de crescimento de 400% do lucros em comparação ao trimestre imediatamente anterior

O boi Subiu no telhado?

Sinal vermelho para a Minerva (BEEF3): autoridade uruguaia barra compra de plantas de abate da Marfrig (MRFG3) no país

21 de maio de 2024 - 18:38

O negócio faz parte de uma transação de R$ 7,5 bilhões anunciada em agosto do ano passado; Minerva deve recorrer da decisão

LUCHA LIBRE DAS FINTECHS

Como o Mercado Livre (MELI34) pretende enfrentar o Nubank em disputa pelo mercado do México

21 de maio de 2024 - 17:26

O Mercado Pago está em busca de uma licença bancária para se estabelecer como “o maior banco digital do México”, em uma briga direta com o Nu

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar