🔴 AÇÃO QUE JÁ DISPAROU 1.200% E AINDA ESTÁ BARATA – VEJA QUAL

Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
NO VERMELHO

CVC (CVCB3) sob pressão: empresa tem prejuízo de R$ 97 milhões no 4º trimestre — e o endividamento segue em foco

A CVC (CVCB3) ficou no vermelho, tanto nos três últimos meses de 2022 quanto no ano como um todo — mais uma má notícia para a empresa

Victor Aguiar
Victor Aguiar
14 de março de 2023
19:44
Fachada de loja da CVC (CVCB3)
Imagem: Divulgação

Quando o assunto é CVC (CVCB3), o mercado parece estar interessado em apenas um tema: o endividamento da companhia — e sua capacidade de honrar os compromissos financeiros. Mas os problemas não vêm só do perfil da dívida; a empresa também traz más notícias do balanço do quarto trimestre, mostrando mais um prejuízo líquido.

Ao todo, as perdas da companhia de viagens nos três últimos meses de 2022 foram de R$ 96,8 milhões. É verdade que a linha não está tão ruim quanto no mesmo período do ano anterior, quando o prejuízo chegou a R$ 145 milhões; ainda assim, considerando que o quarto trimestre é sazonalmente mais forte, não é um dado animador.

No acumulado de 2022, a CVC teve prejuízo líquido de R$ 433,4 milhões — também marcando uma redução em relação às perdas vistas em 2021, quando o resultado foi negativo em R$ 486,6 milhões.

  • O Seu Dinheiro acaba de liberar um treinamento exclusivo e completamente gratuito para todos os leitores que buscam receber pagamentos recorrentes de empresas da Bolsa. [LIBERE SEU ACESSO AQUI]

CVC (CVCB3): receita tímida, Ebitda mais robusto

Outras linhas do balanço trimestral da CVC (CVCB3) também não inspiram grande confiança quanto a uma possível reviravolta financeira: a receita líquida, por exemplo, cresceu apenas 2,4% em comparação com o quarto trimestre de 2021, totalizando R$ 321,4 milhões.

Já no lado do lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) — uma métrica que serve como termômetro para a eficiência operacional de uma companhia —, as notícias são melhores. A linha ficou positiva em R$ 83 milhões entre outubro e dezembro; há um ano, estava negativa em R$ 35,4 milhões.

O resultado consolidado de 2022 também traz indícios mais encorajadores. No front da receita líquida, o salto foi de 48%, para R$ 1,22 bilhão; o Ebitda, que fechou 2021 negativo em R$ 235 milhões, terminou o ano passado positivo em R$ 167 milhões.

No lado operacional, tanto as reservas confirmadas quanto as reservas consumidas tiveram melhora, seja no resultado do quarto trimestre ou no consolidado anual — um indicador de que a demanda por viagens na CVC tem melhorado gradativamente, tanto nas agências quanto nos canais online.

Dito isso, houve uma pressão intensa no lado do resultado financeiro: em termos líquidos, a linha ficou negativa em R$ 11,6 milhões no quarto trimestre, apagando eventuais ganhos de eficiência e controles de custos e despesas. No consolidado de 2022, o resultado financeiro líquido foi negativo em R$ 309,5 milhões.

Gerando caixa, mas...

Por mais que haja bastante a ser analisado no balanço da CVC (CVCB3) no quarto trimestre, fato é que o mercado como um todo vai olhar com atenção especial às métricas de endividamento da companhia, considerando o recente acordo firmado com debenturistas para reperfilamento de parte da dívida líquida.

E há uma primeira boa notícia nos números apresentados nesta terça (14): a CVC gerou R$ 285 milhões em caixa nos três últimos meses do ano, elevando a sua posição total a R$ 687,5 milhões. Ainda assim, vale ressaltar que, em 2022 como um todo, houve queima de R$ 108 milhões em recursos líquidos.

Quanto ao endividamento em si, a CVC fechou o ano com R$ 896,7 milhões de saldo em debêntures, dos quais R$ 665 milhões têm vencimento já no segundo trimestre de 2023 — portanto, falamos de praticamente toda a posição de caixa da companhia.

Com essa situação apertada, a CVC contratou o BR Partners como 'assessor externo' ainda em janeiro; há poucos dias, chegou a um acordo com os debenturistas para rever o cronograma de pagamento desses compromissos — há, no entanto, uma série de condições a serem aceitas pelos detentores desses títulos.

Seja como for, a CVC deu uma prévia de como está o seu perfil de endividamento no momento — e de como ele ficará, caso tudo corra bem no acordo firmado com os debenturistas:

Possíveis cronogramas de amortização das debêntures da CVC (CVCB3). Fonte: CVC

"Com a conclusão desse reperfilamento, a administração entende estar melhor equacionado, pelos próximos anos, os vencimentos da dívida ao seu fluxo de caixa previsto, de forma a não comprometer sua capacidade de crescimento e investimento em suas operações", diz a CVC, no balanço do quarto trimestre e afirmando que continuará avaliando possibilidades para reduções adicionais do endividamento.

O plano de reorganização das dívidas ainda deve ser aprovado em assembleias gerais de debenturistas da CVC — a mais relevante, a de detentores de títulos da quarta emissão da companhia, está marcada para o dia 6 de abril.

CVC (CVCB3): mercado cauteloso

No mercado, o plano apresentado pela CVC para alongar a dívida com os debenturistas foi recebido de maneira cética: no dia 10, data em que foi revelado o acordo com os detentores dos títulos, as ações CVCB3 fecharam em forte queda de mais de 15% — os termos incluem um novo aumento de capital até novembro deste ano.

Nesta terça-feira, os papéis da companhia de turismo tiveram outro tombo, recuando 7,89%, a R$ 3,27; mais cedo, o JP Morgan rebaixou a recomendação para as ações, de 'neutro' para 'venda', e retirou seu preço-alvo, citando a alta alavancagem da companhia e os desafios operacionais a serem enfrentados daqui em diante.

"Apesar de [o acordo] oferecer um alívio de curto prazo em termos de vencimento das dívidas, as tendências de expansão da receita líquida estão ficando aquém do esperado, refletindo o ambiente de consumo mais desafiador, assim como a menor disponibilidade de crédito para o segmento de turismo", diz o banco americano.

Quanto ao lado financeiro, o JP Morgan afirma que, mesmo com o acordo para reperfilamento de dívida, seria necessário um incremento de cerca de R$ 1 bilhão em caixa para dar suporte ao crescimento da CVC, para além do aumento de capital já incluso no plano aprovado com os debenturistas.

Compartilhe

UMA BATALHA DE GIGANTES

Mercado Livre quer se tornar maior banco digital do México — mas expansão do Nubank pode atrapalhar os planos

23 de maio de 2024 - 20:04

O banco do cartão roxo liderou a adição de usuários ativos mensais (MAU) no país, de acordo com relatório do Bank of America

UM AUXÍLIO PARA A DANÇA DAS CADEIRAS

Vale (VALE3) contrata consultoria internacional para seleção de novo CEO e dá mais um passo no processo de sucessão do comando

23 de maio de 2024 - 19:22

A escolhida para assessorar o conselho de administração na busca foi a Russell Reynolds, que entregará uma lista de três possíveis nomes para o cargo ao CA

Mais uma espera

Americanas (AMER3) adia novamente a divulgação dos balanços de 2023 e do primeiro trimestre de 2024

23 de maio de 2024 - 19:13

Previsão da empresa era divulgar seus números em 28 de maio, mas investigação de comitê independente ainda não terminou

NOVAS ESTRUTURAS?

Sanepar (SAPR11) estuda criar holding e outras empresas para segregar negócios; entenda

23 de maio de 2024 - 18:46

O levantamento será elaborado pela Fundação Instituto de Administração (FIA), que terá um prazo de 240 dias para concluir os trabalhos

CHUVA DE PROVENTOS?

Petrobras (PETR4) é a segunda empresa que mais pagou dividendos no 1T24 apesar da polêmica com governo; saiba quem foi a campeã

23 de maio de 2024 - 16:15

Entre janeiro e março deste ano, a estatal depositou um total de US$ 2,03 bilhões em remuneração aos acionistas; veja a lista completa

PAPEL FICOU BARATO?

XP quer recomprar até R$ 1 bilhão em ações após papéis despencarem 14% com o balanço do 1T24

23 de maio de 2024 - 13:28

O conselho de administração da companhia aprovou um programa de recompra de ações de papéis classe A no mercado norte-americano

OFERTA DE BONDS

Jack Ma em apuros? Ação da dona do AliExpress cai forte em meio a rumores de que gigante do e-commerce precisaria levantar US$ 5 bilhões

23 de maio de 2024 - 12:19

Segundo a Bloomberg, a varejista estaria cogitando uma emissão bilionária de títulos de dívida (bonds) para levantar capital; entenda

BOM OU MAL?

Oncoclínicas (ONCO3) fará aumento de capital de R$ 1,5 bilhão — CEO e banco garantem operação; ações sobem quase 20%

23 de maio de 2024 - 10:09

A empresa afirma que os recursos levantados com o aumento de capital serão destinados à melhora da posição em caixa e redução da alavancagem financeira da companhia

MAIS DINHEIRO NO BOLSO

Nvidia anuncia alta de 150% nos dividendos e desdobramento de ações após trimestre com recorde de receita e salto no lucro

22 de maio de 2024 - 18:13

Os proventos passarão de US$ 0,04 por ação para R$ 0,10 por papel ordinário. Mas, como a companhia fará um desdobramento de ações, esse valor ainda será ajustado

GIGANTE DA IA

Lucro da Nvidia salta mais de 600%, receita bate recorde e ações disparam; confira os destaques do balanço da empresa

22 de maio de 2024 - 17:36

A gigante da Inteligência Artificial conseguiu ultrapassar as projeções já elevadas dos analistas e entregou números acima do previsto

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar