🔴 AS BIG TECHS ESTÃO ‘SUGANDO’ DINHEIRO DA BOLSA BRASILEIRA? – VEJA COMO SE PROTEGER

Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
De volta aos dois dígitos

Como ficam os seus investimentos em renda fixa com a Selic em 10,75%

Taxa básica de juros deve subir mais ao longo do ano. Veja como fica o retorno das aplicações conservadoras de renda fixa com a nova alta da Selic

Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
2 de fevereiro de 2022
19:37 - atualizado às 19:41
foto de um pote de vidro com moedas e pilha de moedas decrescentes ao lado esquerdo
Com aumento da taxa básica, TR voltou a subir, e até a poupança passa a render um pouco mais. Imagem: Shutterstock

O Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) já começou seus trabalhos em 2022 aumentando a taxa básica de juros, a Selic, em mais 1,5 ponto percentual, na sua primeira reunião do ano, finalizada nesta quarta-feira (02).

O ajuste veio dentro das expectativas do mercado e do que já havia sido sinalizado pela autoridade monetária na reunião passada, elevando a meta da Selic de 9,25% para 10,75% ao ano.

É a primeira vez desde 2017 que a meta da taxa básica supera os dois dígitos. O atual ciclo de alta de juros visa a controlar a inflação, que fechou 2021 em 10,06%, bem acima do teto da meta do Banco Central, que era de 5,25%.

Embora alguns dados recentes de inflação já tenham indicado que o aperto monetário promovido pelo Banco Central já começa a surtir efeito, devem vir mais altas por aí, ainda que não na mesma intensidade.

Segundo o comunicado do Copom que acompanha a decisão de juros, o Comitê "antevê como mais adequada, neste momento, a redução do ritmo de ajuste da taxa básica de juros", mas não explicitou de quando poderá ser o aumento da Selic na próxima reunião, a ser realizada em meados de março, indicando apenas que deve ser inferior a 1,5 ponto percentual.

De acordo com o último Boletim Focus do Banco Central, a Selic deve terminar 2022 em 11,75% ao ano, enquanto a inflação oficial, medida pelo IPCA, deve fechar o ano em 5,38%, ainda acima do teto da meta, que neste ano é de 5%.

O custo disso será o sacrifício no crescimento econômico: a expectativa do mercado para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2022 é de apenas 0,30%.

Seja como for, do ponto de vista do investidor, um retorno aos juros de dois dígitos e o ciclo de alta da Selic deixa a renda fixa conservadora cada vez mais atrativa.

Desde a última reunião do Copom, que elevou os juros para 9,25% ao ano, a poupança já remunera sua taxa máxima, a mesma da poupança antiga. Recentemente, a Taxa Referencial (TR), que corrige a rentabilidade da caderneta, saiu do zero pela primeira vez desde 2017 e voltou a engordar um pouquinho o retorno da poupança.

Mesmo assim, a aplicação mais popular do país permanece menos interessante que os melhores investimentos pós-fixados, como é o caso do Tesouro Selic (LFT), dos fundos DI e dos títulos bancários mais rentáveis, como os CDB, LCI e LCA pós-fixados.

Assim, é um bom momento para investir nesses papéis pós-fixados (atrelados à Selic e ao CDI) para além da reserva de emergência, pois o retorno dessas aplicações tende a aumentar com a elevação da taxa básica. Além disso, aumenta a diferença entre a remuneração desses papéis e a da caderneta de poupança.

No vídeo a seguir, eu explico o que é a reunião do Copom e como a definição da Selic afeta a sua vida. Assista:

Vencendo o dragão

No patamar de 10,75% ao ano, a Selic já não perde para a inflação oficial projetada para os próximos 12 meses (de 5,29%, segundo o último Focus), como vinha acontecendo há algum tempo.

As aplicações financeiras cuja remuneração é atrelada à Selic ou à taxa DI - taxa de juros que costuma acompanhar a taxa básica - também já começam a vencer o dragão.

Com a perspectiva de que a Selic continue em alta, o que tende também a controlar a inflação, essas aplicações devem encontrar cada vez menos dificuldades de preservar o poder de compra do investidor.

Como ficam os investimentos conservadores com a Selic em 10,75% ao ano

Para você ter uma ideia de como o retorno da renda fixa conservadora está neste momento, eu fiz uma simulação de rentabilidade com quatro aplicações pós-fixadas no novo cenário de juros: caderneta de poupança, Tesouro Selic (LFT), fundo de renda fixa/CDB e Letra de Crédito Imobiliário (LCI). Considerei Selic constante de 10,75% ao ano e o CDI constante de 10,65%, um pouco abaixo, como costuma acontecer.

Escolhi quatro prazos de forma a contemplar as quatro alíquotas de IR possíveis, no caso das aplicações tributadas (Tesouro Selic e fundos/CDB).

Usei datas reais para poder usar o simulador do Tesouro Direto para calcular o retorno do Tesouro Selic, de modo a incluir a taxa de custódia e o spread nos cálculos no caso de uma venda antes do vencimento.

Para calcular o retorno da poupança utilizei os prazos em meses e anos. Já para simular os retornos do fundo/CDB e da LCI, levei em conta o número de dias úteis entre as duas datas reais consideradas em cada prazo.

Todas as rentabilidades estão líquidas de taxas, spread e imposto de renda, quando for o caso.

PrazoPoupançaTesouro SelicFundo de renda fixa / CDB 100% do CDILCI 100% do CDI
3 meses1,69%1,82%1,86%2,40%
8 meses4,57%5,45%5,51%6,89%
1 ano6,94%8,71%8,79%10,65%
2 anos14,36%18,83%18,94%22,29%

Parâmetros

Com o aumento da Selic para um valor superior a 8,50% ao ano, foi acionado o gatilho de altera o cálculo de rentabilidade da poupança.

Anteriormente, a caderneta pagava 70% da taxa Selic mais Taxa Referencial (TR), mas com a taxa básica neste novo patamar, a remuneração passou para 0,5% ao mês + TR, a mesma rentabilidade da poupança antiga e retorno máximo para esse tipo de aplicação.

Lembrando que a caderneta de poupança não tem taxas nem imposto de renda, e sua rentabilidade é mensal, apenas no dia do aniversário.

A TR, que desde 2017 vinha se mantendo zerada, voltou a subir recentemente, então eu considerei a taxa média de janeiro (0,0605%) na simulação. Assim, a rentabilidade da poupança mostrada na tabela é de cerca de 0,56% ao mês, supondo uma TR constante de 0,0605% ao mês, mas essa taxa tende a subir ainda mais com novas altas na Selic.

Já o Tesouro Selic é um título público que paga, no vencimento, a Selic mais um ágio ou deságio. Se vendido antes do vencimento, o retorno é levemente sacrificado em função de uma diferença entre as taxas de compra e venda do papel (spread), o que pode deixar a rentabilidade inferior à Selic do período.

O rendimento do Tesouro Selic é diário, e há cobrança de IR e de uma taxa de custódia obrigatória de 0,20% ao ano, paga à B3, apenas sobre o que exceder o saldo investido de R$ 10 mil.

É possível, porém, que a rentabilidade do título seja um pouco maior do que a que aparece na tabela. Isso porque, nos casos de venda antes do vencimento, a calculadora do Tesouro Direto não confere a isenção de taxa de custódia para o valor investido inferior a R$ 10 mil.

Levei em conta, ainda, que a corretora utilizada para operar no Tesouro Direto não cobra taxa de agente de custódia, que é aquela taxa de administração que as corretoras podem cobrar para oferecer acesso à plataforma do Tesouro - mas que a maioria já não cobra.

Considerei também os fundos de renda fixa que só investem em Tesouro Selic e não cobram taxa de administração, supondo que seu retorno represente a variação do CDI no período menos o imposto de renda. Assim, esses fundos se equiparam, por exemplo, aos CDBs, RDBs ou contas de pagamentos que remuneram 100% do CDI.

Vale aqui uma observação: os fundos Tesouro Selic não costumam pagar exatamente 100% do CDI. Sua remuneração tem ficado um pouco abaixo disso, e eles também estão sujeitos a eventuais quedas nos preços dos títulos, que são raras, mas podem acontecer. A simulação é apenas ilustrativa.

Por fim, simulei o retorno da LCI porque se trata de um título isento de taxas e de IR. Considerei um papel que pague 100% do CDI (às vezes surge uma dessas por aí), apenas para você ver como seria receber uma rentabilidade líquida de 100% do CDI.

A renda fixa voltou

Com a Selic em 10,75% ao ano, já dá para dizer que os investimentos de renda fixa atrelados à taxa básica de juros, mesmo os mais conservadores, "voltaram para o jogo".

Repare que, no prazo de um ano e considerando uma Selic constante, as rentabilidades líquidas projetadas para o Tesouro Selic (8,71%), os fundos Tesouro Selic ou CDBs que rendem 100% do CDI (8,79%) e as LCIs que rendem 100% do CDI (10,65%) já vencem a inflação projetada para 12 meses, de 5,29%.

Essa diferença tende a aumentar à medida que a Selic subir mais, conforme o previsto, e a inflação for, consequentemente, sendo controlada.

Repare ainda que a poupança se mantém desvantajosa frente aos demais investimentos conservadores, e deve ficar cada vez mais. Mas agora, mesmo a poupança já se mostra capaz de repor a inflação projetada em 12 meses.

Além disso, nos atuais patamares de juros, o Tesouro Selic ganha da poupança nova em todos os cenários, mesmo quando há cobrança de taxa de custódia, no resgate antecipado e nos prazos mais curtos, quando a alíquota de IR é maior. Porém, nos patamares mais baixos de Selic, nem sempre isso é verdade.

Compartilhe

RENDA FIXA

Gestora especializada em FIDCs lança seu primeiro fundo de direitos creditórios para o varejo; saiba como incluir esse tipo de ativo na carteira

6 de junho de 2024 - 18:00

O Solis Pioneiro, da gestora Solis Investimentos, chega para o público em geral após a publicação da Resolução CVM 175 e em momento de alta dos fundos em direitos creditórios

TESOURO DIRETO DO MÊS

Vai investir no Tesouro Direto? Itaú, Santander e XP recomendam as “bolas da vez” em junho; saiba quais são os melhores títulos públicos

5 de junho de 2024 - 12:26

Com cenário de juros altos, pós-fixados atrelados à Selic estão entre as opções mais atrativas de investimentos para o mês, segundo analistas

Ainda atrativa

Onde investir na renda fixa em maio: bancos e corretoras recomendam Tesouro Direto, CDBs, LCAs e outros títulos isentos de IR

19 de maio de 2024 - 8:00

De títulos públicos a debêntures incentivadas, veja as indicações de Santander, XP e BTG na renda fixa para este mês

CRÉDITO PRIVADO

Suzano (SUZB3) vai captar R$ 5,9 bilhões em emissão de debêntures — e você pode investir sem pagar IR

17 de maio de 2024 - 19:35

Debêntures isentas da Suzano devem render uma taxa de juros equivalente à do título público corrigido pelo IPCA; saiba mais

Caiu mais

Quanto rendem R$ 100 mil na poupança, no Tesouro Direto e em CDB com a Selic em 10,50%?

8 de maio de 2024 - 19:25

Banco Central cortou a taxa básica em apenas 0,25 ponto percentual nesta quarta; veja como a rentabilidade dos investimentos conservadores deve reagir

Regra de bolso

Investir na renda fixa quando a Selic paga 1% ao mês dá certo? Esta gestora fez as contas – e traz uma estratégia ainda melhor

8 de maio de 2024 - 9:00

O retorno de 1% ao mês é talvez a âncora mental mais forte do investidor brasileiro, mas investir com foco nisso vale a pena?

Renda fixa incentivada

Órfão das LCI e LCA? Banco indica 9 títulos isentos de imposto de renda que rendem mais que o CDI e o Tesouro IPCA+

24 de abril de 2024 - 17:15

Itaú BBA recomenda nove títulos de renda fixa, entre debêntures, CRIs e CRAs, acessíveis para investidores em geral e isentos de IR

Em busca da liquidez perdida

Ficou mais difícil investir em LCI e LCA após mudanças nas regras? Veja que outras opções você encontra no mercado

22 de abril de 2024 - 6:45

Prazo de carência de LCIs e LCAs aumentou de três para 12 ou nove meses, respectivamente; além disso, emissões caíram e taxas baixaram. Para onde correr?

ALTERNATIVA AO PRO SOLUTO

Meu CRI, Minha Vida: em operação inédita, Opea capta R$ 125 milhões para financiar imóvel popular de clientes da MRV

16 de abril de 2024 - 17:27

A Opea Securitizadora e a fintech EmCash acabam de anunciar a emissão do primeiro CRI voltado ao financiamento de unidades lançadas pela MRV dentro do programa habitacional do governo federal

Para onde ir?

Onde investir na renda fixa após tantas mudanças de regras e expectativas? Veja as recomendações das corretoras e bancos

16 de abril de 2024 - 13:03

Mercado agora espera que corte de juro seja menos intenso, e mudanças nos títulos isentos ocasionou alta da demanda por debêntures incentivadas, com queda nas taxas; para onde a renda fixa deve ir, então?

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar