🔴 3 ações para LUCRAR com a SELIC em alta: clique aqui e descubra quais são

2022-05-24T19:34:10-03:00
Larissa Vitória
Larissa Vitória
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pelo portal SpaceMoney e pelo departamento de imprensa do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT).
CAIXA CHEIO

Vem dividendos por aí? BR Properties (BRPR3) avalia pagamento de proventos aos acionistas após levantar R$ 5,9 bilhões com venda de portfólio

A prioridade é utilizar o dinheiro levantado para reduzir a dívida da companhia, mas ainda deve sobrar recursos para outros usos

19 de maio de 2022
13:12 - atualizado às 19:34
Vista aérea de um prédio com o logo da BR Properties (BRPR3) sobreposto à imagem | Dividendos
A empresa assinou a maior transação de venda direta de ativos comerciais dos últimos anos no Brasil. Imagem: Divulgação, com intervenção de Larissa Vitória

Arrecadar R$ 5,9 bilhões com venda de imóveis em um momento desafiador para o mercado imobiliário brasileiro já foi um feito e tanto da BR Properties (BRPR3). Mas a companhia pode surpreender ainda mais os acionistas com um pagamento extraordinário de dividendos.

Em teleconferência nesta quinta-feira (19) marcada para esclarecer e detalhar a venda de cerca de 80% de seu portfólio para a Brookfield, os executivos da empresa brasileira confirmaram que parte do valor obtido com a transação pode ser destinado à distribuição de proventos.

A notícia, porém, não ajudou a alimentar o apetite pelas ações, que corrigiram parte dos ganhos registrados na última quarta-feira (18).

Com o vazamento do acordo pouco antes do fim do pregão, os papéis BRPR3 subiram 5,65% ontem. Hoje eles encerraram o dia com um recuo de 4,73%, a R$ 9,26.

A possível divisão do pão bilionário

Segundo o presidente da BR Properties, Martin Jacó, a prioridade é utilizar o dinheiro levantado para reduzir a dívida da companhia. Atualmente, a empresa tem cerca de R$ 2,15 bilhões em endividamento líquido e conta com R$ 860 milhões em caixa.

Mas, como essa foi a maior transação de venda direta de ativos comerciais dos últimos anos no Brasil, ainda deve sobrar dinheiro para outros usos. O montante é 36% superior ao valor de mercado da empresa na Bolsa no fechamento anterior ao anúncio — cerca de R$ 4,4 bilhões.

Além do possível pagamento de dividendos, a BR Properties considera utilizar parte da soma para financiar empreendimentos atualmente em desenvolvimento e fortalecer o caixa.

Detalhes da transação

Vale relembrar que o fundo canadense Brookfield pagará cerca de R$ 5,9 bilhões por 12 imóveis comerciais da empresa em São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília — incluindo a Torre B do JK Iguatemi, o mais famoso deles.

De acordo com os termos da negociação, a companhia receberá 70% da soma total no fechamento da aquisição de cada um dos imóveis. Os 30% restantes serão pagos 12 meses após essa data.

A transação já foi aprovada pelo conselho de administração da BR Properties, segundo a ata da reunião realizada ontem. Mas, antes da conclusão, ainda precisará passar pelo crivo dos acionistas e do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

Árabes de saída da BR Properties (BRPR3)

Além de representar um movimento importante no atual cenário macroeconômico brasileiro, a transação marca a saída de boa parte do capital do fundo soberano de Abu Dhabi (ADIA) da empresa.

O ADIA investiu no ativo há seis anos, por meio do GP Capital Partners VI — que detém 60% da empresa —, mas já vinha dando indícios de que pretendia se desfazer de seu portfólio no país.

Antes de receber a proposta da Brookfield, os gestores consideraram duas opções: fechar o capital da BR Properties ou vender os ativos separadamente.

A primeira alternativa foi descartada porque exigiria a injeção de capital na empresa. Já a segunda demandaria um grande esforço de negociação e poderia terminar com ofertas apenas para os principais imóveis da carteira.

É importante destacar que, durante o primeiro trimestre, as ações da companhia operaram com um desconto de 41% em relação ao Valor Patrimonial Líquido (NAV). Ou seja, as cotações ficaram bem abaixo do valor intrínseco do negócio.

Por isso, a transação com o fundo canadense chegou na hora certa para arrematar, de uma só vez, boa parte do portfólio. Agora, restarão duas torres e cinco galpões logísticos a serem considerados próximos planos do fundo de Abu Dhabi.

Segundo o presidente da BR Properties, a empresa está aberta a novos negócios: “nosso portfólio sempre esteve apto a receber propostas que, se fizerem sentido para a companhia e seus acionistas, serão analisadas.”

Sobre as perspectivas para o futuro da empresa, Martin Jacó reforçou que os próximos passos serão decididos com os acionistas. “Hoje o mais importante é manter os olhos na bola: nos concentrarmos no fechamento do deal e, paralelamente, pensarmos em qual será o melhor curso junto ao conselho”, declarou.

Analistas avaliam venda e traçam cenários para a BR Properties (BRPR3)

Além do mercado, os analistas também reagiram à transação bilionária hoje. Após analisar os termos da venda, o Bank of America, por exemplo, optou pela manutenção da recomendação negativa para os papéis BRPR3, com preço-alvo de R$ 9. O valor projeta uma queda de 3,6% nos próximos meses.

O banco de investimentos justifica a decisão com três conclusões de sua análise:

  • o upside da transação é possivelmente limitado;
  • as perspectivas ainda são desafiadoras para o segmento de escritórios;
  • e há risco de um possível rebaixamento de risco da carteira graças a maior concentração — um escritório no Rio de Janeiro agora representa 70% do portfólio — e menor liquidez.

Já os analistas do JP Morgan afirmam que a transação é positiva para a empresa porque implica em um prêmio de 54% em relação ao Valor da Empresa (EV) por metro quadrado.

O banco de investimentos também calcula que, após saldar sua dívida líquida, a BR Properties ainda terá caixa para uma generosa distribuição de dividendos. “A transação abre espaço para um potencial provento de R$ 3,7 bilhões, ou R$ 7,95 por ação, assumindo que a empresa distribuiria todo o caixa excedente em um cenário otimista”.

Porém, como o destino dos R$ 5,9 bilhões ainda não está definido, os analistas emitem um alerta que, apesar de não fazer parte do cenário base do JP Morgan, deve ser considerado pelos investidores.

Caso a companhia opte por distribuir 100% da soma, os investidores “podem acabar com uma empresa 70% menor em termos de Área Bruta Locável (ABL) de escritórios e com capitalização de mercado e liquidez de ações limitadas”.

Por isso, o JP Morgan também mantém a recomendação de venda para as ações BRPR3 e preço-alvo de R$ 7,00 por papel — nesse caso, a projeção de queda é ainda maior, de 25%.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Fraqueza nos números

Entrega de veículos da Tesla (TSLA34) recua no segundo trimestre e vem abaixo da expectativa do mercado

Apesar do crescimento das vendas na comparação anual, houve uma queda em relação ao trimestre anterior

Mais uma vítima

Após tomar calote do 3AC, exchange Voyager Digital suspende saques, depósitos e negociações de clientes

Corretora de criptomoedas tomou calote de mais de US$ 670 milhões, mas, apesar de ter tomado empréstimos, precisou paralisar atividades

Bancões na área

Vão sobrar uns cinco ou dez bancos digitais, e o Next está entre eles, diz CEO do banco digital do Bradesco

Renato Ejnisman diz ainda que Next visa a mais aquisições e pensa ainda em internacionalização

No vermelho

Magazine Luiza (MGLU3) é a ação com o pior desempenho do Ibovespa no primeiro semestre de 2022; outras varejistas e techs também sofreram no período

Com queda acumulada de quase 70% no ano, ações do Magalu são as piores do Ibovespa no semestre que acaba de terminar

Proteção

Qual título público comprar no Tesouro Direto? Santander recomenda papel indexado à inflação para o mês de julho; veja qual

Recomendação do banco para o Tesouro Direto visa proteção contra a inflação e possibilidade de valorização

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies