O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2022-05-09T16:46:20-03:00
Flavia Alemi
Flavia Alemi
Jornalista formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pela FIA. Trabalhou na Agência Estado/Broadcast e na S&P Global Platts.
Dicas bilionárias

Da falência aos bilhões, Jorge Paulo Lemann dá três dicas para quem quer empreender com sucesso

De uma corretora que quebrou até seu negócio de maior sucesso, Lemann adquiriu experiência suficiente para servir como guru de empreendedores

9 de maio de 2022
16:46
O bilionário brasileiro Jorge Paulo Lemann
O bilionário brasileiro Jorge Paulo Lemann - Imagem: Valéria Gonçalves/Estadão Conteúdo

Da falência aos 26 anos de idade ao posto de brasileiro mais rico do mundo, o empresário Jorge Paulo Lemann é praticamente uma entidade quando se trata de gestão de empresas.

Não apenas por acumular um patrimônio líquido estimado de US$ 15,4 bilhões (R$ 72,9 bilhões), mas por ter tido uma trajetória feita de muitos acertos e também alguns erros.

Ao longo de sua trajetória profissional, Lemann vivenciou as euforias do mercado e seus vários solavancos.

De uma corretora que quebrou até seu negócio de maior sucesso, a AB Inbev, Lemann adquiriu experiência suficiente para servir como uma espécie de guru dos empreendedores.

Por isso, toda vez que Lemann fala em público, vale a pena ouvir o que ele tem a dizer. Durante evento promovido pela Volpe Capital, o bilionário trouxe algumas lições valiosas para quem ser bem sucedido com gestão de empresas. Confira a seguir três ensinamentos do empresário:

1) Contratar as pessoas certas

Parece óbvio, mas se uma empresa não contrata as pessoas certas para seus objetivos, não tem como o negócio prosperar.

"Quando éramos traders no mercado financeiro, contratamos perfis de pessoas que queriam ganhar dinheiro rápido. Nós incentivávamos isso pagando grandes bônus", disse Lemann.

O magnata se referia à corretora Garantia, comprada por Lemann e um grupo de sócios em 1971. No livro Sonho Grande, que conta a história do trio Lemann, Telles e Sicupira , a jornalista Cristiane Correa revela que Lemann buscava profissionais chamados por ele de PSD (poor, smart, deep desire to get rich) — pobres, espertos e com grande desejo de enriquecer.

No entanto, ele afirma que, conforme a necessidade de pensar mais a longo prazo foi se fazendo presente, ele teve de repensar o perfil de profissional que a empresa queria atrair.

"Queremos que os funcionários pensem no longo prazo. Agora, nosso sistema de remuneração é baseado num plano de 5 anos", disse.

Isso nos leva ao ensinamento seguinte.

2) Fazer ajustes conforme for necessário

O mundo muda constantemente e, para prosperar, é necessário estar antenado a tudo o que está acontecendo.

"Ao aceitar que as coisas estão mudando, você precisa se ajustar, não dá para ficar parado", apontou.

Lemann ressaltou a revolução tecnológica e admitiu que não tem muito conhecimento sobre isso.

"Mas ao conseguir encontrar os caras que sabem mais que eu, posso achar bons investimentos no mundo da tecnologia", reforçou.

3) Ter sócios que pensam diferente de você

De acordo com Lemann, o fato de ele e seus sócios na 3G Capital, Beto Sicupira e Marcel Telles, terem diferentes características entre si foi e continua sendo essencial para a longevidade e o sucesso da parceria.

"Na minha primeira sociedade, todos nós éramos caras da Ivy League (as principais universidades privadas dos Estados Unidos). Ou seja, éramos todos iguais e fomos à falência em três anos", detalhou.

Ainda assim, ele frisa que parcerias podem não durar para sempre e, para isso, é preciso ter um plano detalhado em contrato de como ela deve terminar.

Leia também:

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

INTERNET DO MUSK

O que faz a Starlink, empresa que trouxe Elon Musk ao Brasil e deve operar na Amazônia

A empresa do bilionário promete internet ultrarrápida e deve começar as suas operações ainda neste ano; Anatel já deu aval

FECHAMENTO DO DIA

Escapou do urso: S&P 500 consegue fechar no azul em recuperação dramática; saiba o que aconteceu com as bolsas nos EUA

Dois fatores são centrais para entender o comportamento do S&P 500, do Nasdaq e do Dow Jones nas últimas semanas; entenda

FECHAMENTO DO CÂMBIO

Dólar recua 0,87% e vale R$ 4,87. Euro também cai e vale R$ 5,13; confira o que movimentou o câmbio nesta sexta-feira

Apesar do predomínio de um certo humor pessimista pelo mundo, o real conseguiu ter mais um dia de ganhos em relação ao dólar

VISÃO MACRO

Por que o mercado exagera ao temer uma recessão nos Estados Unidos e na China

Os sinais de uma possível recessão nas grandes economias, como EUA e China, e o aumento de um pessimismo generalizado parecem ter tomado conta dos mercados

CHAPÉU NA RECEITA

Criador da Terra (LUNA), criptomoeda que virou pó, deve cerca de US$ 78 milhões ao governo da Coreia do Sul e Terraform Labs deixa investidores com prejuízo de US$ 1,1 milhão

As acusações acontecem em meio a uma reformulação do protocolo, que pretende pagar os usuários que perderam dinheiro

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies