A AÇÃO QUE ESTÁ REVOLUCIONANDO A INFRAESTRUTURA DO BRASIL E PODE SUBIR 50%. BAIXE UM MATERIAL GRATUITO

2022-06-28T14:16:24-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
DEFAULT RUSSO

Putin manda lembranças: 5 sinais para entender por que as sanções não quebraram a Rússia (ainda)

Moeda valorizada, petróleo em alta e baixo nível de desemprego são alguns dos fatores que ajudam a Rússia a se equilibrar em meio à guerra e às sanções

28 de junho de 2022
14:15 - atualizado às 14:16
Presidente russo, Vladimir Putin, com a mão na boca simulando envio de um beijo | Rússia, Biden, Guerra
Apesar do calote e das sanções, a economia da Rússia resiste. - Imagem: José Cruz/Agência Brasil

A agência de classificação de risco de crédito Moody's rotulou como "evento de default" a ausência de pagamento de US$ 100 milhões em cupons referentes a dois títulos da dívida emitidos em moeda estrangeira pela Rússia.

Embora Moscou afirme dispor do dinheiro para pagar o que deve, parte dos credores não recebeu os valores por causa das sanções impostas em decorrência da invasão da Ucrânia.

Diante disso, os agentes do mercado financeiro consideram que a Rússia deu um calote.

De fato, as sanções impostas pelo Ocidente representam o maior choque externo à economia russa desde a dissolução da União Soviética (URSS), em 1991.

Desde o início da guerra da Ucrânia, a Rússia vinha conseguindo driblar as sanções e convencer os credores a aceitarem os pagamentos em rublos.

Primeiro calote em mais de um século

Moscou resistiu até domingo à noite, quando expirou o prazo de 30 dias para a efetivação dos depósitos aos credores.

Para o mercado - bem como para os Estados Unidos, principais antagonistas geopolíticos da Rússia -, mesmo que os valores tenham sido pagos em rublos, o fato de não ter sido usada a mesma moeda da emissão seria suficiente para a declaração do calote.

Trataria-se, portanto, do primeiro calote da dívida em moeda estrangeira protagonizado pela Rússia desde 1918, em meio à Revolução Bolchevique.

Calote ou farsa?

Enquanto o mercado considera que a Rússia está oficialmente em default, o ministro russo das Finanças, Anton Siluanov, qualifica a situação como uma “farsa”.

Seja como for, a economia do país não dá sinais de que esteja afundando. Pelo menos por enquanto.

Confira a seguir 5 sinais para entender por que, apesar das sanções e do calote atribuído à Rússia, a economia do país resiste.

1 - Rublo é a moeda mais forte do mundo no momento

O rublo, que por décadas até os russos evitaram por seu considerado muito fraco e volátil, é de longe a moeda com melhor desempenho em relação ao dólar em 2022.

A divisa russa foi catapultada pelas receitas com as exportações de commodities. A queda nas importações e os controles internos de capital também protegeram a moeda de uma onda de vendas.

Em 22 de junho, o rublo atingiu o maior nível em sete anos em relação ao dólar e ao euro.

2 - Petróleo em alta

Força vital da economia russa, o petróleo tem sido negociado acima de US$ 100 por barril desde a invasão da Ucrânia pela Rússia, em fevereiro.

Com o preço das commodities energéticas em alta, a Rússia, segundo maior exportador de petróleo e o maior vendedor de gás natural do mundo, dispõe de uma proteção de trilhões de dólares por ano contra as sanções.

E isso apesar de o petróleo russo estar à venda no exterior com bastante desconto devido às sanções.

3 - Juros em baixa

No fim de fevereiro, logo depois da invasão da Ucrânia, o Banco Central da Rússia elevou sua taxa básica de juro a 20% ao ano.

Nos meses seguintes, entretanto, a autoridade monetária promoveu um alívio monetário que em junho levou a taxa de referência a 9,5% ao ano, retornando ao nível pré-crise.

Em meio à desaceleração da inflação no país, o BC russo mantém a porta aberta para novos cortes nos juros.

4 - Rússia não atravessa escassez de alimentos nem corrida bancária

Logo depois da invasão da Ucrânia, houve alguns sinais de pânico na Rússia. Itens como açúcar tornaram-se escassos em um primeiro momento. Entretanto, a situação rapidamente se estabilizou.

As sanções internacionais impostas à Rússia não provocaram uma temida escassez de alimentos e o susto passou. Também não houve corrida aos bancos.

Trata-se de um nítido contraste em relação à onda de pânico que acompanhou a maxidesvalorização do rublo em 1998 ou à escassez de alimentos deflagrada pela queda da URSS alguns anos antes.

5 - País vive situação de pleno emprego

A economia da Rússia vive situação de pleno emprego. Há quem tema que a situação piore nos próximos meses, ou que esteja sendo subestimada. De qualquer modo, apenas 4% da população russa estava desempregada em abril. Trata-se do dado disponível mais recente - e também de um recorde histórico de baixa.

*Com informações da Reuters.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

BALANÇO

Inter (INBR31) reverte prejuízo em lucro de R$ 15,5 milhões no segundo trimestre; confira os números

15 de agosto de 2022 - 21:01

No semestre encerrado em 30 de junho de 2022, o Inter superou a marca de 20 milhões de clientes, que equivale a 22% de crescimento no período

BALANÇO DA HOLDING

Lucro líquido da Itaúsa (ITSA4) recua 12,5% no segundo trimestre, mas holding anuncia JCP adicional; confira os destaques do balanço

15 de agosto de 2022 - 19:52

A Itaúsa (ITSA4) esperou até o último dia da temporada de balanços para revelar os números do segundo trimestre. E a paciência dos investidores não foi recompensanda: a companhia lucrou R$ 3 bilhões, uma queda de 12,5% na comparação com o mesmo período do ano passado. O retorno sobre o patrimônio líquido (ROE) sobre o […]

BALANÇO

Resultado da Méliuz (CASH3) piora e empresa de cashback registra prejuízo líquido de R$ 28,2 milhões no segundo trimestre

15 de agosto de 2022 - 19:07

Os papéis da Méliuz amargam perdas de 87% no ano, mas entraram no mês de agosto em tom mais positivo, com ganho mensal de 7%

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Magazine Luiza (MGLU3) dá a volta por cima, XP vai às compras e futuro do ethereum; confira os destaques do dia

15 de agosto de 2022 - 18:52

Há pouco mais de dois meses, quando conversei com diversos analistas e gestores de mercado sobre as expectativas para o segundo semestre, poucos foram aqueles que apostaram nos setores de grande exposição à economia doméstica como boas alternativas para a segunda metade do ano.  Não que empresas ex-queridinhas como Magazine Luiza (MGLU3), Via (VIIA3) e […]

ACIONISTAS FELIZES

Dividendos: Itaúsa (ITSA4) pagará JCP adicional e data de corte é nesta semana; veja como receber

15 de agosto de 2022 - 18:47

Vale lembrar que, após a data de corte, as ações serão negociadas “ex-direitos” e passarão por um ajuste na cotação referente aos proventos já alocados

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies