2022-01-18T10:22:54-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Vem mais reajuste?

E agora, Petrobras? Tensão no Oriente Médio leva petróleo às máximas em oito anos

O barril do Brent, usado como referência para a política de preços dos combustíveis da estatal, chegou a bater nos US$ 88 — maior nível desde 2014

18 de janeiro de 2022
9:57 - atualizado às 10:22
Refinaria Abreu e Lima da Petrobras - Imagem: Divulgação

As cotações internacionais do petróleo atingiram as máximas em oito anos depois que um ataque nos Emirados Árabes Unidos aumentou ainda mais as tensões geopolíticas no Oriente Médio. E, toda vez que as cotações do petróleo sobem, as atenções por aqui se voltam para a Petrobras.

O barril do Brent, usado como referência para a política de preços dos combustíveis da estatal, chegou a bater nos US$ 88 — maior nível desde 2014 — e nesta manhã era negociado na casa dos US$ 87.

Os investidores reagiram a um ataque com drones próximo ao aeroporto de Abu Dhabi, capital dos Emirados Árabes, que deixou três mortos. Rebeldes houthis do Iêmen assumiram a autoria do ataque.

E a Petrobras?

As cotações do petróleo já vinham pressionadas diante do risco de uma ação militar russa na Ucrânia, além de conflitos no Cazaquistão. O aumento dos preços da commodity levou a Petrobras a promover um reajuste nos combustíveis no início do ano.

Apesar de agradar o mercado, a política de preços da Petrobras não cai bem entre os consumidores e é alvo de críticas constantes do presidente Jair Bolsonaro.

Com a aproximação da corrida eleitoral, a margem para a estatal acompanhar as cotações internacionais deve diminuir. Então qualquer tentativa de intervenção na política de preços dos combustíveis deve ter reflexo sobre as ações da Petrobras (PETR3 e PETR4).

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente

Além da Petrobras: de olho no Fed

Mas não é só a Petrobras que fica sob os holofotes em momentos de alta do petróleo. A disparada dos preços da commodity também pressiona as taxas dos títulos do Tesouro norte-americano.

O retorno (yield) do Treasury de dez anos, principal referência do mercado, ultrapassou a casa de 1,80%. Quanto maior a taxa dos papéis do governo norte-americano, menor a atratividade dos investimentos de maior risco, como a bolsa.

Não por acaso, os índices futuros das bolsas de Nova York operam em queda de mais de 1% nesta manhã. Aqui no Brasil, o Ibovespa futuro operava em queda de 0,82% e o dólar subia 0,43%, cotado a R$ 5,55, por volta das 9h45.

Leia também:

O que está em jogo nos Emirados Árabes

Embora venha interferindo há muito tempo na guerra civil do Iêmen, os Emirados Árabes Unidos vinham conseguindo evitar confrontos diretos com os houthis há anos, segundo a consultoria Eurasia.

Os Emirados Árabes não compartilham fronteira com o Iêmen. Os houthis têm como alvo preferencial a vizinha Arábia Saudita pelo apoio do país às forças do governo na guerra civil iniciada há oito anos no Iêmen.

Mas como as recentes operações de grupos apoiados pelos Emirados Árabes Unidos começaram a visar as forças houthis, Abu Dhabi agora se vê enredado em um confronto cada vez mais intenso com os rebeldes.

Uma escalada no conflito deve colocar um fator a mais de pressão nas cotações do petróleo.

*Colaborou Ricardo Gozzi

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

NOVO MODELO DE NEGÓCIOS

Varejo adota ‘loja-contêiner’ para fugir dos custos de shoppings e aluguéis; conheça o que são os estabelecimentos modulares

A estreante no formato é a Chilli Beans, de óculos de sol. “Acho que não teria uma Eco Chilli se não houvesse pandemia”, afirma o CEO, Caito Maia

NÃO MEXE NO MEU QUEIJO

Membros do mercado financeiro defendem Lei das Estatais em documento enviado ao ao Congresso; revogação seria ‘retrocesso’

O texto também cita o relatório de 2020 em que a OCDE afirma que a Lei das Estatais deixou os conselhos de empresas públicas mais independentes de interferências

NESTA SEGUNDA-FEIRA

Governador de São Paulo fará coletiva nesta segunda-feira após Bolsonaro aprovar isenção do ICMS sem garantia de compensação aos estados

O presidente da República vetou o fundo de ajuda aos estados após sancionar o teto do imposto estadual

SEU DOMINGO EM CRIPTO

‘Compre na baixa’ anima e bitcoin (BTC) busca os US$ 22 mil; criptomoedas aguardam semana de olho no Fed

Entre os destaques da próxima semana estão o avanço dos juros nos Estados Unidos e um possível default da Rússia

DE OLHO NO FUTURO

Goldman Sachs quer entrar no mundo da ‘renda fixa’ em criptomoedas e lidera grupo para comprar a Celsius por US$ 2 bilhões

O staking vem crescendo nos últimos meses e é motivo de certa preocupação após o caso da Celsius — e o banco de Wall Street quer um pedaço dele