⚠️ DIVIDENDOS EM RISCO? Lula e Bolsonaro querem taxar seus proventos e podem atacar sua renda extra em 2023. Saiba mais aqui

2022-09-20T14:27:34-03:00
Renan Sousa
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo e SpaceMoney. Twitter: @RenanSSousa1
O DRAGÃO CHEGOU POR LÁ

Terra da inflação nascente: como é encarar a maior alta de preços em 8 anos para o Japão, que viveu estabilidade por décadas?

No acumulado do ano, o CPI mais abrangente, que ajuda a fazer comparações com outros países, registrou alta de 3% no acumulado dos últimos 12 anos

20 de setembro de 2022
14:27
Bandeira do japão com o dragão da inflação por cima alta de preços no país assusta investidores
Bandeira do japão com o dragão da inflação por cima alta de preços no país assusta investidores. Imagem: Montagem / Freepik

A inflação é um termômetro da economia local — e global — que funciona como uma faca de dois gumes. Os preços elevados podem indicar um descontrole da oferta, mas a deflação acentuada também não é totalmente positiva, como era o caso do Japão.

E depois de anos vivendo uma estagnação econômica devido à inflação controlada, o dragão por lá mostrou as garras: o índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) registrou a maior alta mensal desde 2014.

O núcleo de preços — que exclui itens voláteis como alimentos, mas inclui energia — subiu 2,8% em agosto, acima das projeções de 2,7%, em comparação com um aumento de 2,4% em julho. A leitura marca o quinto mês consecutivo de inflação e ascendeu acima da meta anual de 2% do Banco do Japão (BoJ, na sigla em inglês).

O CPI mais abrangente, que ajuda a fazer comparações com outros países, registrou alta de 3% no acumulado dos últimos 12 anos. 

Inflação na terra do Sol Nascente

Mas o que impulsionou os preços por lá?

O aumento dos custos das commodities — como petróleo e minério de ferro — e a desvalorização do iene frente a outras moedas mais fortes são alguns dos fatores que mexeram com os preços na Terra do Sol Nascente. 

Nem mesmo a estável economia japonesa conseguiu resistir a pressões externas como a guerra da Ucrânia e problemas na cadeia de suprimentos. 

Comparando dragões

Uma inflação de 3% ao ano parece pouco quando comparamos com outras economias sólidas. 

De acordo com o Trading Economics, no mesmo período em que o Japão registrou um CPI de 3%, o Reino Unido acumula avanço de preços da ordem de 9,9%.

A Zona do Euro, por sua vez, encara uma alta de preços de 9,1%; os Estados Unidos, 8,3% e a Alemanha, 7,9%. O Brasil fica no meio do caminho, com um acumulado de 8,73% nos últimos 12 meses. 

Fonte: Trading Economics. Realização: Carolina Gama.

O histórico da inflação no Japão

O problema é que o Japão só viu uma inflação tão alta assim em outubro de 2014, quando o CPI anual ficou em 3,2%. No pico daquele mesmo ano, os preços tiveram uma disparada de 3,7%. 

Em dezembro de 1991, portanto há 31 anos, os preços no Japão sentiram sua penúltima disparada para 3,10% em 12 meses, atingindo o pico de 3,60% em março daquele ano.

Entre 1991 e 2022, a inflação da Terra do Sol Nascente ficou praticamente estável, tendo registrado a maior deflação do período, com queda nos preços de 2,50% em novembro de 2009. 

Os problemas escondidos da deflação

São diversos os motivos que levam ao descontrole de preços. No caso japonês, a economia começou a se estabilizar após os anos 1990, depois de encarar diversos choques internacionais. 

Aqui, um exercício de economia “um zero um”: pensando em quem deixa o dinheiro apenas na poupança, a inflação corrói o poder de compra do dinheiro. No caso da deflação, esse montante “ganha valor” se deixado parado por lá.

Somado a isso, os investimentos atrelados a juros também perdem razão frente a um cenário em que as taxas estão negativas. 

Até 2015, o BoJ mantinha os juros em alta de 0,1% ao ano — você não leu errado. A partir de 2016, o país encarou um cenário de juros negativos a taxa de 0,1% ao ano.

E o futuro do Japão

Após a Super Quarta, que conta com a decisão de juros do Banco Central Brasileiro e do Federal Reserve, o seu equivalente norte-americano, o BoJ anuncia a sua decisão de política monetária na quinta-feira (22).

O cenário por lá deve mudar frente aos novos dados de inflação. Entretanto, a expectativa para a próxima reunião é de que o Banco Central do Japão mantenha os juros inalterados, à taxa negativa de 0,1% ao ano, de acordo com projeções do Investing.

O presidente do BoJ, Haruhiko Kuroda, afirmou que o BC japonês não tem planos de elevar juros ou de ampliar o teto do juro do bônus do governo (JGB) de 10 anos. Também não existem maiores expectativas em relação a uma melhora do iene frente aos seus pares internacionais.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

NÃO VAI COLAPSAR?

Ressuscitou? Credit Suisse tenta tranquilizar investidores sobre risco de calote e ações avançam em NY

7 de outubro de 2022 - 12:49

Entre as soluções anunciadas, a instituição financeira recomprará bilhões em dívidas e venderá um famoso hotel de quase 200 anos de história

RECALIBRANDO A CARTEIRA

Rali recente da bolsa brasileira limita potencial de ganhos do Bradesco (BBDC4) e JP Morgan rebaixa ações

7 de outubro de 2022 - 12:38

Com a alta recente e a perspectiva mais conservadora para os resultados do terceiro trimestre, os analistas do JP MOrgan rebaixaram as ações do Bradesco (BBDC4)

CRYPTOSTORM

Ethereum (ETH) killers: três criptomoedas têm chances de vencer a segunda maior moeda do mundo — e duas apostas para o futuro

7 de outubro de 2022 - 12:07

Solana (SOL), Polygon (MATIC) e Cosmos (ATOM), três criptomoedas de infraestrutura ou Layer 2 (L2) que podem superar o ethereum nos problemas das blockchains

geração mais sustentável

Copel (CPLE6) pretende ter 25% de seu portfólio composto por energias renováveis, diz diretor-presidente

7 de outubro de 2022 - 11:48

Para ajudar com essa meta, a Copel (CPLE6) comprou os complexos eólicos Santa Rosa e Mundo Novo (RN) por R$ 1,8 bilhão

Concorrência

Itaú (ITUB4) zera taxa de corretagem para ações, BDRs, ETFs e opções para todos os clientes

7 de outubro de 2022 - 11:21

A zeragem das taxas pelo Itaú pode ser considerada uma resposta às corretoras, que ganharam muitos clientes usando essa tática

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies