O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2022-04-11T11:37:58-03:00
Camille Lima
NEM UM NEM OUTRO

Não há vencedores na guerra: Economia da Ucrânia deve cair pela metade em 2022; queda na Rússia superará 11%

Quatro países da região da Europa e Ásia Central, além da Ucrânia e Rússia, devem entrar em recessão neste ano, segundo relatório do Banco Mundial

11 de abril de 2022
11:37
Bandeiras da Ucrânia e da Rússia com armas, simbolizando as tensões entre os dois países
Guerra entre Rússia e Ucrânia deve impactar economia dos países em 2022 - Imagem: FabrikaPhoto/Envato

As guerras sempre tiveram efeitos de dualidade na economia dos países: enquanto um saía arrasado, outro achava um modo para lucrar. Os conflitos na Ucrânia, porém, estão seguindo um rumo diferente — e nações ao redor do mundo todo têm a perder com a situação.

Tanto a invasão da Rússia à Ucrânia quanto as próprias sanções contra o país de Vladimir Putin estão acertando em cheio as economias mundiais, especialmente os mercados na região da Europa e Ásia Central, de acordo com o relatório do Banco Mundial.

O conflito impulsionou as preocupações a respeito de uma forte desaceleração global, escalada da inflação e dos níveis de pobreza, e essa apreensão não foi descabida. 

A guerra realmente está reverberando sobre diversos setores da economia, e os impactos incluem também os mercados financeiros e de commodities.

‘Nobody wins a war’?

Diversos cantores já utilizaram a frase “Nobody wins a war” (em tradução livre, “não há vencedores em uma guerra”) em suas canções, mas as maiores perdas definitivamente ficam para aqueles que são atacados. Nesse caso, para a Ucrânia, os danos serão superiores, tanto no quesito econômico quanto social. 

“A magnitude da crise humanitária desencadeada pela guerra é impressionante. A invasão russa está causando um grande golpe na economia da Ucrânia e infligiu enormes danos à infraestrutura”, afirmou a vice-presidente do Banco Mundial para a Europa e Ásia Central, Anna Bjerde. 

A guerra deve cortar quase metade da economia da nação de Volodymyr Zelensky em 2022, com previsão de redução de cerca de 45,1% neste ano.

O relatório destaca que a intensidade da queda vai depender do tempo que durará a guerra e da intensidade dos conflitos. 

“A Ucrânia precisa de apoio financeiro maciço imediatamente, pois luta para manter sua economia e o governo funcionando para apoiar os cidadãos ucranianos que estão sofrendo e lidando com uma situação extrema”, disse Bjerde.

Como fica a economia da Rússia durante a guerra?

Do lado de quem ataca, a situação não é muito diferente. O objetivo das sanções contra Moscou é justamente minar a economia russa, e as medidas punitivas estão sendo bem sucedidas até agora.

Apesar de o rublo, a moeda oficial da Rússia, ter recuperado terreno e voltado ao patamar pré-guerra, a expectativa é que a economia de Moscou caia 11,2% neste ano.

O relatório espera que a demanda doméstica russa caia conforme as perdas de emprego, o aumento da pobreza e a inflação reduzam o consumo.

Na parte de investimentos, a expectativa também é de queda, uma vez que o fluxo estrangeiro está em baixa, as perspectivas econômicas enfraquecidas, a capacidade de empréstimo doméstica reduzida e as taxas de juros em alta. 

Vale lembrar que as empresas estrangeiras seguem em debandada da Rússia, com mais de 400 empresas norte-americanas parando suas operações no país de Putin.

Segundo o Banco Mundial, o pacote de sanções terá um efeito negativo de longo prazo na Rússia, reduzindo a produção de petróleo, gerando uma baixa nos investimentos e um menor acesso à tecnologia estrangeira.

As medidas punitivas que incluem o petróleo e gás russos devem levar a uma queda moderada nas exportações deste ano. 

Os países também não exportarão produtos de alta tecnologia para a Rússia, como software e semicondutores, o que vai privar a Rússia de insumos críticos e gerar impactos na cadeia de suprimentos russa. 

Quais são os outros países afetados pela guerra entre Rússia e Ucrânia?

O relatório do Banco Mundial mostra que não são só os países de Putin e Zelensky que serão afetados pela guerra e vão entrar em recessão em 2022.  

Os países emergentes e em desenvolvimento da Europa e da Ásia Central já estavam sofrendo os efeitos da pandemia e caminhavam em direção à desaceleração neste ano. 

Agora, com a invasão russa, o relatório inclui a Bielorrússia, o Quirguistão, a Moldávia e o Tajiquistão na lista de recessão.

"A guerra na Ucrânia e a pandemia mostraram mais uma vez que as crises podem causar danos econômicos generalizados e atrasar anos de renda per capita e ganhos de desenvolvimento", disse Asli Demirgüç-Kunt, economista-chefe do Banco Mundial para Europa e Ásia Central.

Segundo o banco, a economia da região deve encolher 4,1% neste ano, contra uma previsão de crescimento de 3% antes do início do conflito geopolítico na Ucrânia. 

O Banco Mundial afirma que as projeções de crescimento foram rebaixadas em todas as economias por causa do conflito na Ucrânia, com alta abaixo do esperado na Zona do Euro, além de choques de commodities, comércio e financiamento.

O que estão fazendo para ajudar a Ucrânia?

A guerra na Ucrânia começou no dia 24 de fevereiro. Desde então, o Banco Mundial enviou em torno de US$925 milhões ao país em um pacote de financiamento emergencial.

Esse montante de quase 1 bilhão de dólares servirá para pagar os salários de funcionários dos hospitais ucranianos, pensões para idosos e programas sociais para os vulneráveis. 

O financiamento ainda inclui mais US$ 2 bilhões que devem ser enviados à nação nos próximos meses. 

Além do suporte financeiro, o banco afirmou analisar soluções para apoiar os refugiados ucranianosnos países em que buscaram abrigo, uma vez que a guerra causou a maior crise de refugiados na Europa desde a Segunda Guerra Mundial. 

“A profunda crise humanitária gerada pela guerra foi a mais intensa das ondas de choque globais iniciais e provavelmente estará entre os legados mais duradouros do conflito, com a previsão de que a onda de refugiados da Ucrânia para países vizinhos supere as crises anteriores”, disse o Banco Mundial.

Leia também:

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

NOVO PILOTO

Gol (GOLL4) terá troca de comandante: Celso Ferrer assume cargo de CEO

Celso Ferrer tem 39 anos, sendo 17 deles na Gol, onde iniciou a carreira como estagiário. Ele também é piloto de linha aérea e compõe o quadro de tripulantes na frota Boeing 737

AUTOMÓVEIS

Elon Musk em apuros? Tesla perde apelo entre consumidores de carros de luxo

Tesla cai do 3º para o 5º lugar na preferência dos compradores de carros de luxo nos EUA no primeiro trimestre, mas ainda domina entre modelos elétricos

MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Ibovespa abre em alta com melhora do exterior, mas dólar avança devido a cautela internacional

RESUMO DO DIA: A desaceleração da economia chinesa pesou no sentimento das bolsas nesta segunda-feira (16). Os dados mais fracos dão os primeiros sinais de recessão, o que deve afetar o desempenho das atividades nos demais países. Por aqui, a Petrobras (PETR4) é o foco do dia, com debates envolvendo o preço dos combustíveis e […]

CAÇADOR DE TENDÊNCIAS

Oportunidade de swing trade: compra de ações da Wiz (WIZB3) e lucro de 5% no bolso com Bradesco (BBDC4)

Identifiquei uma oportunidade de swing trade – compra dos papéis da Wiz (WIZS3), com entrada em R$ 8,44; veja a análise

O melhor do Seu Dinheiro

O Nubank estará Nu mais uma vez? Confira a história do dia e outras sete notícias que mexem com os seus investimentos

O Nubank virou rei na competição com os bancões, mas a nudez dos balanços amargou o gosto dos investidores pela fintech; veja o que esperar do resultado do primeiro trimestre

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies