Exile on Wall Street
Enzo Pacheco
2022-06-22T14:23:15-03:00
EXILE ON WALL STREET

Entre o calor escaldante e o frio congelante: Como investir durante a desaceleração da economia global

Enquanto o Fed ainda está ajustando a torneira, o momentum ainda ficará difícil para os mercados, o que enseja mais cuidado no planejamento financeiro e na carteira de investimentos

22 de junho de 2022
14:23
frio, calor, mercados, temperatura, inverno, verão, investidor, investimentos
Imagem: Freepik

Caro leitor,

Se você está lendo estas linhas agora, é capaz de que você esteja entre os felizardos que puderam aproveitar o “feriado prolongado” da semana passada. 

Apenas chegando próximo à data descobri que não se trata de um feriado nacional “per se”, mas isso é uma discussão para outra hora.

O dilema do chuveiro de hotel e os bancos centrais

Aqueles que conseguiram tirar esses dias para descansar e buscaram descansar longe de suas casas podem ter se deparado com o dilema do chuveiro de hotel.

Principalmente se você ficou em um estabelecimento mais antigo: naqueles 20 a 30 segundos após abrir a torneira, você temeu que a água fosse quente demais e ter algo próximo de uma queimadura de segundo grau, ou que fosse tão gelada que passasse a impressão de que você estava dando um belo mergulho no Polo Norte.

Deixando os exageros de lado, em alguns aspectos, essa aparenta ser a dificuldade enfrentada pelos Bancos Centrais mundo afora, principalmente o da maior economia do mundo.

A inflação e a escalada dos juros

Na véspera do “feriado”, na quarta (15) tivemos a decisão do Federal Reserve de aumentar em 0,75 ponto percentual a taxa básica de juros, levando-a para o intervalo entre 1,50% e 1,75%.

Pequeno para os padrões tupiniquins, o incremento no Fed Funds Rate foi o maior desde 1994, mostrando que Jerome Powell e seus comandados realmente deram um cavalo de pau naquela abordagem de “inflação transitória” de alguns meses atrás.

Afinal de contas, o nível de preços na economia americana segue em patamares elevados, os maiores em mais de 40 anos. 

A alta nos preços nos EUA

Na sexta anterior (10), a divulgação do CPI (o primo americano do nosso IPCA) apontou alta de 8,6% nos doze meses encerrados em maio, comparado com 8,3% na leitura do mês anterior.

E, apesar do grande responsável por esse aumento ter sido os maiores preços de energia – que subiram 3,9% no mês, com destaque para a alta de quase 17% no óleo combustível –, outros grupos que apresentavam desaceleração voltaram a subir forte.

Como exemplo temos o preço de carros e caminhões usados, com inflação de 1,8% no mês, após três meses seguidos de deflação. 

Até mesmo os gastos com residência, até então comportados, demonstraram uma alta mensal de 0,6% (maior alta desde março de 2004).

Ou seja, para trazer a inflação para a média de 2%, conforme determinado pelo Fed em meados de 2020, os formuladores de política monetária terão que apertar o torniquete para desaquecer a economia na Terra do Tio Sam.

O aperto monetário e a economia real

Acontece que decisões nessa seara levam um tempo para atingir a economia real. Alguns estudiosos apontam que esse prazo pode ser de 9 a 18 meses, aumentando ainda mais a dificuldade em calibrar os instrumentos para fazer com que a economia sofra ajustes sem maiores consequências para a população.

E, além disso, é importante lembrar que as ferramentas tradicionais de política monetária atuam de maneira adequada para controlar desequilíbrios do lado da demanda. 

No caso atual, grande parte dos problemas está do lado da oferta – o Fed não consegue aumentar a produção de petróleo ou de semicondutores, muito menos de alimentos.

Medo do Fed agressivo

Mas somente a hipótese de o Banco Central americano seguir em uma toada mais forte no aumento de juros (as estimativas já apontam uma grande possibilidade de a taxa básica encerrar o ano no intervalo acima dos 3,5%) já aparenta ter desacelerado a economia americana.

As vendas no varejo no mês de maio caíram 0,3% na comparação com o valor de abril. É o primeiro mês de retração no indicador desde dezembro de 2021, quando retraiu 1,6%. Os pedidos de seguro-desemprego tiveram um aumento inesperado na última semana. As vendas de casas existentes mostraram retração pelo quarto mês consecutivo.

Dessa maneira, não era de se esperar que o PIB americano, medido pelo GDPNow do Federal Reserve de Atlanta, esteja próximo de zero. 

A recessão e os investimentos

Caso o resultado do segundo trimestre seja negativo, estaríamos de fato em uma recessão técnica – uma vez que, no 1T21, a soma de todos os produtos e serviços da economia americana teve retração de 1,4%.

Enquanto Powell e seus comandados ainda estão ajustando a torneira, o momentum ainda ficará difícil para os mercados. 

O que enseja mais cuidado no seu planejamento financeiro e na sua carteira de investimentos.

Um grande abraço,
Enzo Pacheco

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

FORTES SINAIS

Por que você deveria olhar a disparada de juros dos empréstimos imobiliários dos EUA com o risco iminente de recessão? Eles levaram à crise de 2008 e voltaram a subir

Os juros de financiamentos de até 30 anos saíram de 2,75% para mais de 6% em relação ao mesmo mês de 2021

skin in the game

Como os criadores do podcast Stock Pickers querem fazer a cabeça do mercado com o Market Makers

Em parceria com a Empiricus, Thiago Salomão e Renato Santiago lançam novo podcast e querem começar clube de investimentos

SÁBADO EM CRIPTO

Bitcoin acumula alta de 10% na semana, ethereum sobe 20% e criptomoedas tentam aproveitar alívio do noticiário para avançar hoje; confira

Entre os destaques dos últimos dias estão a nova parceria da Binance no Brasil, o ataque ao site do Tether (USDT) e os problemas na Celsius

OLHA A FOGUEIRA

Me ajuda, São João! Itens de festas juninas ficaram 13,52% mais caros do ano passado para cá; confira produtos que subiram mais

Os principais itens são aqueles relacionados às commodities, influenciadas pelas cotações internacionais e dólar

FOLLOW-ON

Novas ações da Eneva (ENEV3) começam a ser negociadas na terça-feira e aumentam o caixa da empresa R$ 4 bilhões

O preço por ação ficou em R$ 14,00, levemente abaixo do desempenho dos papéis em negociação da empresa, que fecharam a sexta-feira cotados a R$ 14,73

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies