🔴 3 ações para LUCRAR com a SELIC em alta: clique aqui e descubra quais são

2022-06-28T15:28:01-03:00
Liliane de Lima
É repórter do Seu Dinheiro. Jornalista formada pela PUC-SP.
EM BUSCA DE INOVAÇÃO

Por que a Suzano (SUZB3) decidiu criar um fundo de US$ 70 milhões para investir em startups

A Suzano Ventures deve investir em até 35 startups, em estágios pré-seed, seed e Série A; a empresa quer se transformar em uma plataforma global no ecossistema de inovação e sustentabilidade

24 de junho de 2022
7:16 - atualizado às 15:28
Julio Ramundo, diretor de carbono e corporate venture capital da Suzano (SUZB3)
Julio Ramundo, diretor de negócios de carbono e Corporate Venture Capital (CVC) da Suzano (SUZB3) - Imagem: Divulgação/Suzano S.A.

De onde virá a próxima inovação que pode acabar com o meu negócio? De olho na rápida transformação do mercado, a gigante de papel e celulose Suzano (SUZB3) anunciou um fundo de US$ 70 milhões (R$ 360 milhões no câmbio atual) para investir em startups.

Essa é uma estratégia que vem sendo adotada por uma série de grandes empresas, como Vale (VALE3) e Via (VIIA3), e ganhou até um nome: Corporate Venture Capital (CVC).

Investir em um ecossistema próprio em busca de expansão das atividades também pode ser uma saída para enfrentar a tempestade de alta de juros, crescente inflação e baixa liquidez no mercado.

Mas o que levou especificamente a Suzano a embarcar na onda das startups? Eu conversei com Julio Ramundo, diretor de negócios de carbono e corporate venture da companhia, que me contou os planos para a área.

Foco da Suzano: sustentabilidade e inovação

O CVC Suzano Ventures investirá estrategicamente em empresas em diferentes estágios de desenvolvimento, com foco em iniciativas de sustentabilidade e projetos de inovação.

O objetivo é tornar a companhia uma plataforma global no estímulo do empreendedorismo e da bioeconomia com base na floresta plantada, diz Ramundo.

A Suzano acredita que a tecnologia das startups pode ajudar a companhia na meta de substituir o plástico por fibras de celulose até 2030, seguindo a política ESG (sigla em inglês para meio ambiente, sustentabilidade e governança).

Os olhos da Suzano, porém, não estão unicamente no Brasil. Uma parte relevante dos recursos do CVC inclusive deve ser destinada a startups na América do Norte e em Israel, além da Europa — regiões onde a empresa possui centros de pesquisa e desenvolvimento (P&D).

“A gente espera alavancar a competência de P&D da Suzano para produzir novas rotas de tecnologia e negócios”.

O processo de alta global das taxas de juros colocou em xeque o investimento em startups, mas não deve atrapalhar os planos da Suzano na iniciativa de Corporate Venture Capital, segundo o diretor.

“As grandes corporações criam fundos de capital de risco por muitas motivações estratégicas. […] A despeito da movimentação da taxa de juros, as empresas têm o compromisso de investir em inovação a partir de aportes em startups do ecossistema”, afirma.

Quais startups estão no radar?

Ramundo não mencionou nomes específicos de empresas que podem ser alvo de aquisição. Como plataforma global, a Suzano tem planos de expandir os negócios em quatro verticais:

  • Novos materiais derivados de biomassa do eucalipto
  • Embalagens sustentáveis, baseadas em papel
  • Carbono
  • Agritech

Segundo o executivo, o pilar de agritech — que corresponde às empresas que desenvolvem tecnologia voltada para a agricultura — é o que deve receber mais investimentos aqui no Brasil.

O lançamento da plataforma não foi a primeira investida da Suzano em startups. A empresa de papel e celulose investiu cerca de € 5 milhões, em 2017, na fábrica de fibra celulósica Spinnova. Após rodadas seguidas de aportes complementares até 2021, a empresa finlandesa abriu capital avaliada em € 390 milhões.

Ainda neste ano, a Suzano vai criar uma joint venture com Spinnova, que segundo Julio Ramundo, é o “exemplo perfeito” do que a gigante de celulose espera da investida em venture capital.

Estrutura da Suzano Ventures

Os US$ 70 milhões iniciais do venture capital devem ser investidos em até 35 startups, sendo entre 10 e 15 em estágio pré-seed e até 20 startups nos estágios seed e Série A, nos próximos cinco anos.

Em geral, a Suzano Ventures deve destinar cerca de US$ 500 mil para empresas em estágio inicial (pré-seed) e alocar aportes entre US$ 1,5 milhão e US$ 15 milhões em startups em estágios seed (em desenvolvimento) e Série A, para empresas mais robustas.

Sendo assim, a empresa de celulose terá participações minoritárias nas investidas, variando de 20% a 40% das ações.

Para não permitir a diluição de sua participação em possíveis novas rodadas de investimentos, o executivo destacou a possibilidade de follow-on — novos aportes de recursos nas startups investidas —, “o que vai ser estudado caso a caso”.

Futuro da Suzano Ventures

Os fundos de venture capital investem em participações em empresas com o objetivo de vendê-las com lucro no futuro. O mesmo pode ocorrer com a Suzano, mas esse não é o único caminho.

Ramundo mencionou pelo menos quatro estratégias possíveis:

  • Saída, ou seja, venda da participação;
  • Abertura de capital da startup na bolsa de valores (IPO, sigla em inglês), a exemplo da Spinnova;
  • Formação de uma joint venture;
  • Alocação da startup como subsidiária integral, a exemplo da empresa de biotecnologia israelense Futuragene.

Segundo o executivo, não há metas de tempo e nem de número de empresas para a alocação dos US$ 70 milhões do CVC.

No momento, a Suzano deve buscar as startups em dois fluxos: a procura de empresas que buscam investimento — o chamado “fluxo passivo” — e por meio da interação nos ecossistemas, com visitas recorrentes de representantes da empresa.

Além disso, competições e chamadas específicas estão no cronograma da Suzano. Em agosto, por exemplo, deve acontecer o primeiro evento para atrair possíveis investidas.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Fraqueza nos números

Entrega de veículos da Tesla (TSLA34) recua no segundo trimestre e vem abaixo da expectativa do mercado

Apesar do crescimento das vendas na comparação anual, houve uma queda em relação ao trimestre anterior

Mais uma vítima

Após tomar calote do 3AC, exchange Voyager Digital suspende saques, depósitos e negociações de clientes

Corretora de criptomoedas tomou calote de mais de US$ 670 milhões, mas, apesar de ter tomado empréstimos, precisou paralisar atividades

Bancões na área

Vão sobrar uns cinco ou dez bancos digitais, e o Next está entre eles, diz CEO do banco digital do Bradesco

Renato Ejnisman diz ainda que Next visa a mais aquisições e pensa ainda em internacionalização

No vermelho

Magazine Luiza (MGLU3) é a ação com o pior desempenho do Ibovespa no primeiro semestre de 2022; outras varejistas e techs também sofreram no período

Com queda acumulada de quase 70% no ano, ações do Magalu são as piores do Ibovespa no semestre que acaba de terminar

Proteção

Qual título público comprar no Tesouro Direto? Santander recomenda papel indexado à inflação para o mês de julho; veja qual

Recomendação do banco para o Tesouro Direto visa proteção contra a inflação e possibilidade de valorização

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies