A AÇÃO QUE ESTÁ REVOLUCIONANDO A INFRAESTRUTURA DO BRASIL E PODE SUBIR 50%. BAIXE UM MATERIAL GRATUITO

2022-07-11T21:38:29-03:00
Flavia Alemi
Flavia Alemi
Jornalista formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pela FIA. Trabalhou na Agência Estado/Broadcast e na S&P Global Platts.
Market Makers

IPOs fracassados são culpa de quem bancou a oferta e de quem investiu, segundo gestores da IP Capital

No segundo episódio do Market Makers, os gestores Gabriel Raoni e Bruno Barreto, da IP Capital, falaram sobre o mercado de ações e suas teses

11 de julho de 2022
21:38
Gabriel Raoni e Bruno Barreto, da IP Capital, participaram do 2º episódio do Market Makers
Gabriel Raoni e Bruno Barreto, da IP Capital, participaram do 2º episódio do Market MakersImagem: Cauê Diniz

A derrocada das ações da ampla maioria das empresas brasileiras que abriram capital nos últimos dois anos levanta uma questão. Quem estava errado: os investidores que apostaram em determinada companhia ou os bancos que viabilizaram as ofertas?

Para a IP Capital, a culpa é dividida entre os dois lados.

No segundo episódio do Market Makers, que vai ao ar nesta segunda-feira (11), os gestores Gabriel Raoni e Bruno Barreto conversaram com Thiago Salomão e Renato Santiago sobre o mercado de ações e suas principais teses de investimento.

A entrevista aconteceu na terça-feira (5) logo após a gravação do episódio de estreia do Market Makers, que teve a participação da João Landau, da Vista Capital.

É fato consumado que a maior parte dos IPOs que aconteceram no Brasil entre 2020 e 2021 decepcionaram. Poucas das novas empresas abertas estão com as ações no positivo desde a estreia na bolsa.

Aliás, um levantamento da Guide publicado em junho mostrou que apenas 16% das ações lançadas nos últimos dois anos acumulavam alta.

Para Bruno Barreto, tanto quem comprou quanto quem bancou os IPOs têm culpa no cartório. No entanto, ele se incomoda mais com o papel desempenhado pelos vendedores — ou seja, os bancos responsáveis por estruturar as ofertas públicas.

“Eu acho que, em determinados casos, foi um arrastão, o pessoal passou a rede”, disse Barreto. “Certamente, em muitas situações, o caso não estava assimétrico para o comprador. Pelo contrário, estava assimétrico para o vendedor”, reiterou.

Mas, se as ofertas não valiam a pena, por que houve demanda? 

Barreto explicou o motivo utilizando um conceito que descreve uma patologia psicológica que acomete a maioria dos usuários de redes sociais: “fear of missing out”, ou “medo de ficar de fora” em tradução livre.

Principais teses de investimento da IP

A IP, uma casa especializada em ações, tem algumas políticas na hora de escolher um papel para entrar nos fundos.

Estatais, por exemplo, estão fora de cogitação. 

“A gente não investe em estatais e isso sempre ajudou a gente a preservar capital e sobreviver ao longo de tantos anos”, disse Gabriel Raoni.

Partindo desse princípio, a IP usa um tripé de critérios para analisar uma empresa e decidir se deve adicioná-la à carteira:

  1. Motor próprio de crescimento
  2. Escudo competitivo
  3. Pessoas extremamente competentes e éticas

Alguns exemplos brasileiros que têm se enquadrado nesses quesitos, na avaliação da IP, são: Itaú (ITUB4), Hapvida (HAPV3) e Rede D’Or (RDOR3).

Os gestores também comentaram suas teses para ter investido na Meta (ex-Facebook) no passado e hoje ter zerado a posição. Abordaram, ainda, os desafios enfrentados pela Netflix, um papel que segue na carteira.

Para ouvir o episódio completo, é só dar play ou acessar o link.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

NOITE CRIPTO

Bitcoin (BTC) sobe, mas perde o protagonismo para o ethereum (ETH); entenda

12 de agosto de 2022 - 20:29

Além de aproveitar a inflação dos EUA mais branda, o que ajudou as criptomoedas em geral, o ETH se beneficiou dos progressos na direção do The Merge

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Magalu (MGLU3) dispara, BC amigo das criptomoedas e outros destaques do dia

12 de agosto de 2022 - 19:07

O mercado financeiro começou a semana olhando aterrorizado para os céus. Já era esperado que os dias fossem marcados pelo avistamento de dragões no ar, mas não se sabia ao certo o tamanho da encrenca que precisaria ser enfrentada.  Com traumas dos episódios recentes, quando a cada mês a ameaça se mostrava maior e mais […]

FECHAMENTO DO DI

Alívio com inflação leva Ibovespa a subir 6% na semana; Magazine Luiza (MGLU3), Hapvida (HAPV3) e Via (VIIA3) disparam após balanço

12 de agosto de 2022 - 18:41

Os indicadores melhores do que o esperado deram um respiro para o Ibovespa nesta semana; dólar caiu quase 2%

SEMANA EM CRIPTO

Ethereum (ETH) rouba a cena e dispara 14%, mas bitcoin (BTC) encerra semana acima dos US$ 24 mil; saiba o que esperar das criptomoedas

12 de agosto de 2022 - 17:56

O otimismo com a atualização do éter, as sanções ao Tornado Cash e o real digital são alguns dos destaque da semana

FEBRABAN TECH 2022

Setor financeiro melhora planos para o metaverso e já fala em criptomoedas como ‘espinha dorsal’ do processo — mas isso vai levar algum tempo; entenda

12 de agosto de 2022 - 17:40

O Febraban Tech 2022 foi realizado entre os dias 9 e 11 de agosto, em São Paulo; confira alguns destaques

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies