O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2022-05-06T08:17:32-03:00
Camille Lima
DE OLHO NA BOLSA

Esquenta dos mercados: Ainda de mau humor, bolsas internacionais abrem em queda; Ibovespa aguarda payroll e falas de dirigentes do Fed

Com a agenda econômica esvaziada por aqui, investidores acompanham divulgação do relatório de emprego dos Estados Unidos e discurso de cinco dirigentes do banco central norte-americano

6 de maio de 2022
8:17
queda da bolsa, tudo em vermelho
Imagem: Shutterstock

Apesar de ser sexta-feira, os investidores não parecem ter motivos para “sextar”. A espera por dados importantes nos Estados Unidos e os efeitos da Super Quarta afetam o otimismo do mercado, que opera majoritariamente em queda nesta manhã.

Sem muitos indicadores relevantes no cenário doméstico, apenas com a publicação do Índice Geral de Preços - Disponibilidade Interna (IGP-DI) de abril pela FGV, cabe ao mercado aguardar a divulgação do relatório de emprego (o chamado payroll) dos Estados Unidos de abril. 

Os holofotes ainda recaem sobre os dirigentes do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA). Cinco membros do BC norte-americano devem discursar hoje, com destaque para o presidente do Fed de Saint Louis, James Bullard, o assumidamente mais “hawkish” dos membros atuais da autoridade monetária.

As quedas após uma Super Quarta

Ela pode até ter sido considerada “Super”, mas depois de reavaliar o discurso do Fed na última quarta-feira, os mercados internacional e doméstico foram tomados por um verdadeiro banho de sangue. 

A princípio, a sinalização de Jerome Powell, presidente do Federal Reserve, de que não deve elevar a taxa de juro em ritmo mais acelerado aliviou os ânimos dos investidores.

Porém, depois de uma festa em Wall Street, os analistas pararam para fazer as contas e perceberam que, se o banco central norte-americano está comprometido a atingir a meta de inflação em 2% ao ano, será necessário colocar o pé no acelerador.

Agora, a situação é de medo: o temor que o Fed esteja apenas no começo de um ciclo de aperto monetário agressivo e de que as próximas altas de juros nos Estados Unidos venham a comprometer o desempenho da maior economia do mundo.

No último pregão, o Nasdaq tombou 4,99%, o S&P 500 caiu 3,55% e o Dow Jones registrou queda de 3,11%. O fantasma dos mercados financeiros ainda chegou à bolsa de valores brasileira ontem, e o Ibovespa fechou o dia em baixa de 2,80%, aos 105.304 pontos. 

Por outro lado, o dólar à vista disparou em escala global, com alta de 2,30% frente ao real, a R$ 5,0165.

Petrobras é destaque

A divulgação do balanço da Petrobras (PETR4) movimentou a última noite. A estatal encerrou o primeiro trimestre de 2022 com lucro de R$ 42,18 bilhões, o que representa um avanço de 3.718% em relação ao mesmo período do ano passado e de 41,4% frente ao registrado no trimestre anterior.

 A receita de vendas teve alta de 64,4% no trimestre em análise, para R$ 141,64 bilhões na comparação anual e de 5,6% contra os últimos três meses de 2021.

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) subiu 58,8% na base anual e 23,5% no comparativo trimestral, para R$ 77,71 bilhões.

Além do resultado forte, a estatal anunciou o pagamento de dividendos aos acionistas. A companhia aprovou a distribuição de R$ 48,5 bilhões em proventos, correspondente a R$ 3,71 por ação preferencial e ordinária da petroleira.

Bolsas pelo mundo

Depois de um pregão derradeiro em Wall Street em reação à política monetária do Fed, as bolsas asiáticas foram contagiadas pelo mau humor e fecharam predominantemente em baixa nesta sexta-feira.

Os temores dos investidores sobre a postura do banco central norte-americano também alcançaram os mercados europeus, que abriram em queda nesta manhã. A Alemanha divulgou na madrugada de hoje os dados de produção industrial de março, que recuaram 3,9% em março em relação aos números de fevereiro.

E falando da terra do Tio Sam, a situação em Wall Street hoje cedo indica um dia de renovação de perdas, com os futuros das bolsas de Nova York em baixa, ainda digerindo as decisões do Federal Reserve e à espera do payroll e das falas dos dirigentes do BC dos EUA.

Na contramão das bolsas internacionais, os contratos futuros do petróleo operam em leve alta nesta sexta, novamente em reação à decisão da União Europeia de bloquear as compras do óleo russo. Trata-se da terceira sessão seguida em que a commodity se valoriza. 

Agenda do dia

  • Alemanha: Produção industrial de março (03h)
  • FGV: IGP-DI de abril (08h)
  • Reino Unido: Economista-chefe do Banco Central da Inglaterra (BoE) fala no Relatório de Política Monetária (08h15)
  • Estados Unidos: Payroll de abril (09h30)
  • Estados Unidos: Taxa de desemprego de abril (09h30)
  • Estados Unidos: Presidente do Fed de NY participa de evento (10h15)
  • Estados Unidos: Presidente do Fed de Minneapolis participa de evento (12h)
  • Estados Unidos: Presidente do Fed de Atlanta participa de evento (16h20)
  • Estados Unidos: Presidente do Fed de Saint Louis, James Bullard, participa de conferência (20h15)
  • Estados Unidos: Presidente do Fed de São Francisco participa de evento (21h)

Balanços do dia

O calendário de balanços do dia vem mais esvaziado nesta sexta-feira. Após o fechamento, teremos:

  • Porto Seguro (PSSA3)
  • Sabesp (SBSP3)
Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Inflação derruba bolsas, Hapvida vai às compras e a varejista que ameaça o Magalu; confira os destaques do dia

Depois de um dia de animação, preocupações com o movimento dos preços e a atividade econômica pelo mundo estragaram o humor dos investidores

FECHAMENTO DO DIA

Inflação americana come margem de grandes empresas e derruba bolsas globais; Ibovespa cai mais de 2% e dólar cola em R$ 5

Com inflação pressionando e China voltando a fechar cidades, o Ibovespa caiu menos que as bolsas em Wall Street, mas ainda assim amargou fortes perdas

BR Properties (BRPR3) vende 80% do portfólio para fundo canadense, em transação de quase R$ 6 bilhões

Além de representar um movimento importante no atual cenário macroeconômico brasileiro, a transação marca a saída de boa parte do capital do fundo soberano de Abu Dhabi (ADIA) da empresa

CAMINHO ABERTO

TCU aprova privatização da Eletrobras (ELET3); fique por dentro da decisão do tribunal

Uma das prioridades do governo federal, privatização da Eletrobras ainda enfrenta outros obstáculos

CHARLIE BROWN DEU A LETRA

Na mão grande: Putin confisca e subsidiária do Google (GOGL34) na Rússia beira a falência; entenda a história

Governo russo confia na censura e na propaganda para moldar a opinião pública — táticas que lançaram as empresas de tecnologia em uma luta complicada. Ao mesmo tempo, o Kremlin tem procurado impedir que as big techs deixem o país

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies