🔴 RECEBA ANÁLISES DE MERCADO DIÁRIAS: CLIQUE AQUI E SIGA O SEU DINHEIRO NO INSTAGRAM

2022-06-24T08:01:50-03:00
Renan Sousa
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo e SpaceMoney. Twitter: @RenanSSousa1
De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Bolsas internacionais avançam na busca por barganhas; Ibovespa aguarda IPCA-15 e debates sobre combustíveis hoje

O índice local ainda reage ao teto de 17% do ICMS sobre combustíveis, aprovado pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, na noite de ontem

24 de junho de 2022
7:58 - atualizado às 8:01
Carrinhos de supermercado subindo com a alta dos preços devido a inflação
Acompanhe o que movimenta bolsa, dólar e Ibovespa esta semana.Imagem: Shutterstock

Assim como os adeptos do jejum, as bolsas internacionais acordaram com apetite de risco nas alturas hoje. A semana foi marcada por uma verdadeira aversão aos ativos mais arriscados, como ações e criptomoedas, em virtude de sinais de que o mundo caminha para recessão. 

Na Ásia e Pacífico, os índices seguiram a recuperação dos índices de Nova York de ontem e fecharam em alta no pregão desta sexta-feira (24). Quem sustentou o otimismo por lá foi Jerome Powell, presidente do Federal Reserve, que se comprometeu a combater a inflação sem colocar os Estados Unidos em rota de recessão. 

Na abertura da Europa de hoje, a busca por barganhas também sustenta a alta das bolsas, mas de maneira mais limitada. A alta volatilidade e o risco da economia global avançar com o freio de mão puxado limitam os ganhos do dia. 

Por sua vez, os futuros de Nova York começam a sexta-feira com o garfo e a faca na mão e sobem com mais intensidade do que as bolsas do Velho Continente, ampliando a recuperação do dia anterior. 

Quem segue com uma forte indigestão do cenário doméstico é o Ibovespa. A bolsa local ignorou os ganhos de Wall Street de ontem e fechou o dia em queda de 1,45%, aos 98.080 pontos. Já o dólar à vista encerrou a sessão em alta de 1,02%, a R$ 5,2298.

O destaque do dia vai para o petróleo, que engatou recuperação com a volta do apetite global dos investidores. Por volta das 7h, o barril do Brent — usado como referência internacional — era negociado em alta de 1,15%, cotado a US$ 111,32. 

Confira o que movimenta as bolsas o dólar e o Ibovespa no último pregão da semana:

Ibovespa acompanha inflação, Petrobras (PETR4) e ICMS

No campo dos indicadores, a inflação medida pelo IPCA-15 — considerado uma prévia do índice oficial — é o grande destaque do dia no cenário nacional. 

De acordo com a mediana das estimativas colhidas pelo Broadcast, o IPCA-15 deve acelerar 0,67% neste mês e acumular alta de 12,02% em 12 meses. Vale ressaltar que o IPCA acumula alta de 4,78% em 2022 e avança 11,73% em relação a maio do ano passado. 

O IPCA-15 deve ajudar os analistas a ajustarem suas projeções para o fim do ciclo de aperto monetário brasileiro. Na ata da sua mais recente reunião, o Banco Central deixou em aberto uma possível elevação dos juros na ordem de 25 pontos-base até 50 pontos-base. 

Bolsonaro aprova ICMS — com um porém

A inflação deve adicionar ainda mais pimenta no apetite dos investidores nesta sexta-feira, que precisam lidar com um cenário local menos favorável a cada dia.

O presidente da República, Jair Bolsonaro, sancionou o teto de 17% para o ICMS sobre os combustíveis, energia elétrica, telecomunicações e transporte coletivo, aprovado na semana passada pelo Congresso Nacional. Porém, o chefe do executivo deixou de fora os trechos que incluíam a compensação aos estados pelas perdas de arrecadação. 

A medida vem na esteira de um “pacote de bondades” do presidente da República, em meio a crise dos combustíveis global. 

Onde entra a Petrobras nessa história

A estatal brasileira virou o bode expiatório dos problemas do governo com os combustíveis. Tanto Jair Bolsonaro quanto o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), acusam a Petrobras (PETR3;PETR4) de praticar altas abusivas no preço da gasolina, etanol e óleo diesel. 

Entretanto, vale destacar que os problemas com a alta do petróleo são sentidos em todas as partes do globo, inclusive nos Estados Unidos. Por lá, o presidente americano, Joe Biden, chegou a fazer pressão sobre as petroleiras para despejarem suas reservas no mercado e abaixar os preços. 

Inflação, ICMS, Petrobras e bolsa

Com a redução dos impostos, o governo espera que o preço dos combustíveis caia nos próximos meses. Além de um efeito de curto prazo na popularidade do presidente — que busca a reeleição em outubro —, o impacto na inflação também deve ser positivo. 

Vale ressaltar que a alta do diesel influencia diretamente no frete dos caminhoneiros e no transporte de produtos, o que impacta a inflação. 

Mas alguns analistas estão céticos em relação a esse impacto. A alta do petróleo se deve a conjunturas internacionais e os reajustes futuros podem anular os efeitos da isenção do ICMS e do PIS/Cofins — impostos federais zerados pelo presidente na aprovação do teto.

Assim ,todas as atenções se voltam para as ações da Petrobras nesta sexta-feira. Por ter uma grande participação no índice do Ibovespa, qualquer movimentação negativa dos papéis terá peso equivalente nos negócios.

Medo da recessão não sai do radar das bolsas

Os investidores tentam calibrar as expectativas com a recessão e o andamento da economia global. Representantes do Federal Reserve entendem que uma nova alta de 75 pontos-base nos juros pode ser necessária na reunião do mês que vem. 

Já o presidente do BC americano, Jerome Powell, tentou colocar panos quentes na situação. O chefe da autoridade monetária ainda projeta um crescimento econômico “bem dorte” na segunda metade do ano. 

Para analistas ouvidos pelo Market Watch, a “pior fase” do ano já passou e os caminhos para condução da política econômica estão mais claros do que no início de 2022.

O que dizem os especialistas

Para o Citi, o choque projetado pela alta de juros começa a enfraquecer o ritmo da atividade econômica — a ponto de, nas palavras dos analistas, garantir um efeito deflacionário.

Palavras como “furacão econômico" e “choque sem precedentes” usados pelo JP Morgan e Goldman Sachs, respectivamente, começam a aparecer no noticiário. Mike Wilson, analista do Morgan Stanley, disse que a chance de recessão ainda é menor do que 50% — mas ainda é alta.

Em linhas gerais, o tema recessão ainda deve ganhar contornos mais bem definidos ao longo das próximas semanas — mas seguirá presente no pregão de hoje.

Agenda do dia

  • IBGE: IPCA-15 de junho (9h)
  • Suíça: Vice-presidente do BCE, Luis de Guindos, presidente do Fed de St. Louis, James Bullard, e presidente do RBA, Philip Lowe, discursam em evento do UBS sobre inflação e BCs (8h30)
  • Estados Unidos: Vendas de moradias novas em junho (11h)
  • Bélgica: Cúpula de líderes da União Europeia (dia todo)
Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

QUEDA DE APORTES

Crise dos unicórnios e demissões em massa têm explicação: investimentos em startups caíram 44% no primeiro semestre

6 de julho de 2022

Inflação global, escalada da alta de juros e a Guerra da Ucrânia geraram incertezas no mercado e “seguraram” os investimentos; as mais afetadas são as startups de late stage e unicórnios

CARA CADÊ MEU DEFI?

Roubo de criptomoedas com ataque hacker levou US$ 1,3 bilhão de plataformas de DeFi em 2022; maior crime foi de US$ 180 milhões

6 de julho de 2022

Mesmo com a alta do dia, os investidores acompanham os desdobramentos do pedido de falência da Voyager Digital

O FANTASMA DA RECESSÃO

Ata do Fed manda recado: saiba se os próximos passos do BC dos EUA podem tirar o sono dos investidores

6 de julho de 2022

Na reunião de junho, o banco central norte-americano elevou a taxa de juro em 0,75 ponto percentual, o maior aumento desde 1994, na tentativa de conter uma inflação que não dá tréguas; será que vem mais por aí?

Está vindo aí

Risco de recessão volta a assustar, petróleo amplia perdas e petroleiras lideram quedas do dia; Hypera (HYPE3) e Americanas (AMER3) sobem forte

6 de julho de 2022

Com a queda do petróleo no mercado internacional, papéis de commodities no Brasil têm maiores quedas nesta quarta-feira

MAIS DO QUE UMA VOLTINHA

Multiplan (MULT3), Iguatemi (IGTI11), brMalls (BRML3) ou Aliansce Sonae (ALSO3)? Saiba qual é a queridinha do Itaú BBA

6 de julho de 2022

Papéis das administradoras de shoppings operam em alta nesta quarta-feira (06), embalados pela prévia operacional da Multiplan, que sinalizou que novos recordes estão no caminho da empresa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies