2022-06-29T07:40:14-03:00
Renan Sousa
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo e SpaceMoney. Twitter: @RenanSSousa1
De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Cautela antes da inflação dos EUA domina e bolsas internacionais recuam; Ibovespa acompanha PEC dos Combustíveis hoje

O medo dos juros altos, inflação e atividade econômica mais fraca dominam os mercados hoje, antes da publicação dos dados do PIB dos EUA

29 de junho de 2022
7:40
Os projetos em criptomoeda que disparam mesmo com a queda do bitcoin.. Gráfico sobre queda de ações em bolsa ou criptomoedas
Acompanhe o que movimenta bolsa, dólar e Ibovespa esta semana.Imagem: Shutterstock

O medo da recessão voltou a dominar as bolsas pelo mundo, com os investidores respirando o ar de cautela desde o final da última terça-feira (29). Os temores envolvendo inflação, juros e uma possível recessão dos Estados Unidos injetam ainda mais volatilidade nos mercados acionários internacionais. 

O fechamento dos negócios na Ásia e Pacífico que o digam: depois de ampliar os ganhos da semana passada e sustentar alta com o alívio das restrições chinesas, as bolsas caíram junto com o fechamento de Wall Street ontem. 

Na Europa, o panorama é parecido. Os investidores acompanham os EUA, mas também de olho no painel do Banco Central Europeu (BCE), que conta com nomes de peso como a presidente do BCE, Christine Lagarde, presidente do Fed, Jerome Powell, e o presidente do Bank of England (BoE), Andrew Bailey, no encontro desta quarta-feira. 

Já no pré-mercado de Nova York, as bolsas recuam levemente antes da leitura final dos dados do PIB do 1º trimestre. Vale lembrar que na primeira apuração a expectativa era de alta, mas o indicador recuou na contramão das estimativas, o que gerou certo pânico nos mercados. 

Enquanto o exterior vive sua própria dinâmica, o investidor brasileiro precisa lidar com problemas. A começar pela PEC dos Combustíveis, que deve ter seu relatório apresentado nesta quarta-feira e é o grande destaque dos negócios no Congresso Nacional. 

O adiamento do relatório pressionou a curva de juros no final do pregão de ontem.

Por falar na sessão anterior, o Ibovespa encerrou os negócios em queda de 0,17%, a 100.591 pontos. Por sua vez, o dólar à vista encerrou o dia em alta de 0,60%, a R$ 5,2660, e o mercado de juros, nas máximas. 

Confira o que movimenta as bolsas, o dólar e o Ibovespa nesta quarta-feira (29):

PEC dos Combustíveis e os medos da bolsa brasileira

A apresentação do relatório da PEC dos Combustíveis foi adiada duas vezes — da manhã para a tarde de ontem e novamente para hoje —, o que gerou ainda mais incertezas no mercado sobre sua possível aprovação. 

Além do pacote para reduzir o preço dos combustíveis, energia elétrica e telecomunicações, com isenções fiscais e bolsa caminhoneiro, uma parte da proposta ainda busca o aumento de R$ 200 no Auxílio Brasil. Com isso, o benefício sai do patamar de R$ 400 e vai para R$ 600. 

Nesta matéria nós explicamos os motivos que levaram o governo a um problema ainda maior com as contas públicas. O déficit fiscal deve ficar em torno de R$ 65 bilhões — mesmo com receitas extras na casa dos R$ 54 bilhões.

Ibovespa responde: investidores não gostam disso

O medo principal dos analistas e investidores é o desrespeito às contas públicas. Boa parte dessas despesas ficarão fora do teto de gastos, mecanismo criado justamente para evitar o crescimento da dívida além da arrecadação. 

A proposta conta com as bênçãos de Paulo Guedes, ministro da Economia, o que deixa o mercado ainda mais chocado. Os investidores precificam o descontrole das contas públicas nas taxas de juros futuros, que fecharam nas máximas ontem. 

O DI para janeiro de 2024 subiu de 13,58% (na sessão que terminou às 16h) para 13,60% (na que se encerrou às 18h). O de janeiro de 2027 foi de 12,82% a 12,84%.

Recessão para as bolsas: à espera do dragão

A combinação de juros altos correndo atrás do avanço da inflação forma o cenário perfeito para a palavra que tem sido motivo de desespero das bolsas: recessão. 

Nesta quarta-feira, o mundo conhecerá os dados revisados do PIB do 1º trimestre dos Estados Unidos. A atividade econômica por lá deve cair cerca de 1,5% na passagem dos últimos três meses do ano passado para os três primeiros de 2022.

Fica também no radar o índice de preços de gastos com consumo (PCE, na sigla em inglês) do trimestre, que deve avançar 7,0% na mesma passagem. 

Atividade econômica, juros e inflação

O presidente do Fed, Jerome Powell, continua com o discurso de que a economia dos EUA está forte o suficiente para aguentar a alta dos juros por lá. Em sua última decisão, o BC americano elevou os juros em 75 pontos-base, a maior desde 1994. 

Os investidores e mercados acionários de modo geral aguardam as próximas falas de representantes do Fed munidos dos novos dados de atividade econômica e inflação. 

Na próxima quinta-feira (30), serão publicados os dados do PCE mensal e anual, os mais importantes para balizar o futuro do aperto monetário. A expectativa gera cautela nas bolsas hoje. 

Agenda do dia

  • FGV: IGP-M de junho (8h)
  • FGV: Confiança do comércio e serviços em junho (8h)
  • Congresso Nacional: Relator da PEC dos Combustíveis, senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE) deve apresentar parecer do texto (9h30)
  • Estados Unidos: Leitura final do PIB do 1º trimestre (9h30)
  • Estados Unidos: PCE do 1º trimestre (9h30)
  • Banco Central: Reunião extraordinária do CMN (11h30)
  • Portugal: Fórum do BCE tem painel com presidente do banco, Christine Lagarde, presidentes do Fed, Jerome Powell, e do BoE, Andrew Bailey, e gerente geral do BIS, Agustín Carstens (14h05)
  • Tesouro Nacional: Resultado do governo central de maio (14h30)
  • Tesouro Nacional: Secretário do Tesouro, Paulo Valle, concede coletiva para comentar dados do governo central (15h)
  • China: PMI industrial, composto e de serviços (22h30)
Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

CAÇADOR DE TENDÊNCIAS

Oportunidade de lucro acima de 9% em swing trade com a Helbor (HBOR3); confira a recomendação

9 de agosto de 2022 - 8:26

Identifiquei uma oportunidade de swing trade – compra dos papéis da Helbor (HBOR3). Saiba mais detalhes

O melhor do Seu Dinheiro

Os sons do silêncio nas bolsas: Saiba como interpretar os ruídos dos mercados que mexem com os seus investimentos hoje

9 de agosto de 2022 - 8:24

De olhos e ouvidos atentos aos dados da inflação, investidores os juntarão ao quebra-cabeças da ata da última reunião do Copom

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Todos os olhos e ouvidos do Ibovespa voltados para a inflação de hoje enquanto as bolsas internacionais aguardam os dados dos EUA

9 de agosto de 2022 - 7:43

Os índices internacionais aguardam os números de inflação dos EUA, que só devem ser conhecidos na quarta-feira

Balanço

BTG Pactual (BPAC11) tem lucro de R$ 2,175 bilhões no 2T22 e renova recorde

9 de agosto de 2022 - 7:26

Lucro líquido recorrente de R$ 2,175 bilhões do BTG no segundo trimestre representa um avanço de 26,5% em relação ao mesmo período de 2021

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

Um mundo tomado pela inflação: entenda ao que é preciso prestar atenção para saber se os preços vão finalmente parar de subir

9 de agosto de 2022 - 6:10

O processo de normalização dos preços será fundamental para que consigamos ter maior previsibilidade quanto ao futuro dos ativos de risco

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies