2021-05-18T20:11:53-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Renato Carvalho
Trocando de mãos

Ultrapar confirma a venda da Extrafarma para a Pague Menos; entenda o que muda para as companhias

A Ultrapar vendeu a Extrafarma para a Pague Menos, por R$ 700 milhões. Entenda os desdobramentos para cada uma das partes e a reação do mercado

18 de maio de 2021
12:50 - atualizado às 20:11
Imagem: Shutterstock/Andrei Morais

ATUALIZADO ÀS 18h50: a Ultrapar confirmou oficialmente a venda da Extrafarma para a Pague Menos, por R$ 700 milhões

Uma notícia pegou o mercado de surpresa nesta terça-feira (18): a Ultrapar finalmente daria início ao seu programa de enxugamento do portfólio, vendendo a Extrafarma — um ativo particularmente problemático de sua carteira e amplamente contestado pelos acionistas da companhia. O comprador? A Pague Menos, numa transação de R$ 700 milhões.

Um final feliz para a Ultrapar, certo? Bem... não exatamente. As ações ON da empresa (UGPA3) até abriram em alta, mas rapidamente perderam força e, fecharam o dia em baixa de 1,18%, a R$ 20,16.

Por outro lado, os papéis ON da Pague Menos (PGMN3) disparam, terminando o pregão com ganhos de 9,59%, a R$ 11,77 — um novo recorde para os ativos, que estrearam na bolsa em agosto de 2020, a R$ 8,50.

O que aconteceu? Por que é que a tão cobiçada venda da Extrafarma tornou-se uma frustração para a Ultrapar?

Em primeiro lugar, vale destacar que a operação só foi confirmada pelas partes por volta de 18h40 — a Reuters contou a novidade em primeira mão ainda durante a manhã, mas as empresas passaram o dia dizendo apenas que estavam conversando.

Mas, mesmo sem o aperto de mãos oficial, o mercado começou a fazer contas e simular os impactos da venda da Extrafarma.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente

Ultrapar e Extrafarma: não deu match

A Ultrapar é mais conhecida por ser a controladora da rede de postos Ipiranga, mas seu portfólio tem outros ativos: a Ultragaz, empresa distribuidora de gás domiciliar; a Ultracargo, de armazenagem de produtos químicos; a Oxiteno, braço de indústrias químicas; e a rede de farmácias Extrafarma.

A princípio, a Ultrapar pretendia implantar as farmácias nos postos Ipiranga, gerando mais tráfego e recorrência à rede. Só que o plano nunca deu muito certo: o varejo de medicamentos é difícil, tem competição acirrada e margens comprimidas; além disso, faltava expertise ao grupo para administrar o negócio.

Tanto é que, apesar das mais de 400 lojas no país, a Extrafarma nunca teve uma relevância muito grande nos resultados da Ultrapar. Pelo contrário: não foram poucas as ocasiões em que o ativo representou um fardo a ser carregado.

"A Extrafarma é um caso de racionalização na alocação de capital após anos de queima de caixa e esforços fracassados para que o negócio se desenvolvesse de modo rentável", escreve o BTG Pactual, em relatório sobre o último Ultrapar Day, realizado na semana passada. "A Extrafarma deve manter uma estratégia mais seletiva em relação à abertura de novas lojas, focando na digitalização"

No primeiro trimestre de 2021, por exemplo, a Extrafarma teve um Ebitda — o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização — de apenas R$ 12 milhões, representando apenas 1,2% do Ebitda de R$ 996 milhões reportado pela Ultrapar como um todo.

E olha que o resultado dos primeiros três meses de 2021 nem foi dos piores: num passado não muito distante, a Extrafarma tinha Ebitda negativo.

Dito isso, por que a venda de um ativo tão problemático não agradou o mercado? A chave da questão está no preço: os R$ 700 milhões — R$ 600 milhões mais R$ 100 milhões em dívidas — foram considerados quase uma pechincha.

"O valor é ruim, mas para um ativo que até pouco tempo estava com Ebitda negativo, não dá para reclamar muito…", disse um gestor de fundos de uma casa de investimentos em São Paulo. E ele diz mais:

Acho que o único ponto marginalmente positivo é que finalmente o pessoal da Ultrapar conseguiu se livrar dessa porcaria

Pague Menos e Extrafarma: união feliz

Mas o que é lixo para uns pode muito bem ser luxo para outros — e, para a Pague Menos, faz todo o sentido do mundo ter a Extrafarma no portfólio.

No primeiro trimestre de 2021, a Pague Menos reportou alta de 380% no lucro líquido e crescimento de 27% no Ebitda; as vendas por loja por mês subiram mais de 10%, com ticket médio avançando 23%.

E, ainda mais importante: os resultados foram obtidos com um número menor de funcionários nos quadros, Ou seja, a companhia conseguiu rentabilizar mais o negócio.

Mas nem só de pontos positivos foi feito o balanço da Pague Menos. A participação de mercado em nível nacional ficou em 5,2% entre janeiro e março deste ano, uma baixa de 0,5 ponto percentual (p.p.) na comparação com o mesmo período de 2021.

As regiões Norte e Nordeste tiveram baixas de 2 p.p. e 1,4 p.p., respectivamente — ao mesmo tempo, farmácias independentes aumentaram seu market share no Nordeste em 2,3 pontos, dado o aumento de consumo nos bairros periféricos em meio à pandemia.

A compra dialoga exatamente com essa fraqueza na participação de mercado: a Extrafarma está presente no Amapá, Bahia, Ceará, Maranhão, Pará, Paraíba, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Sergipe e Tocantins — o único estado fora do eixo Norte-Nordeste é São Paulo, com 45 das 402 unidades.

Com a incorporação das lojas, a rede da Pague Menos passará a ter mais de 1.500 unidades — um crescimento de cerca de 40% em relação aos números de hoje.

Fachada de loja da Pague Menos em Salvador

Outro ponto importante é o valor da operação em si: conforme dito pelo gestor citado acima, os R$ 700 milhões a serem pagos pela Extrafarma representam um preço bastante descontado, por mais que o ativo não seja interessante para a Ultrapar.

E mesmo em relação às métricas de caixa e endividamento, a compra da Extrafarma não traz grandes preocupações à Pague Menos. Ao fim do primeiro trimestre de 2021, a companhia tinha dívida líquida R$ 351,1 milhões, enquanto o caixa e equivalentes somavam R$ 478,2 milhões.

Dos R$ 700 milhões da transação, 50% serão pagos no fechamento; o restante será pago em dois anos, em parcelas iguais — um desenho que não traz grande estresse ao caixa e ao cronograma de vencimentos da Pague Menos.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Exclusivo

Na “caça aos unicórnios”, Itaú lança fundo para aplicar em gestores de investimentos alternativos

O banco acaba de abrir para captação o Polaris, fundo com objetivo de retorno de até 25% ao ano e foco em investimentos que vão bem além do “combo” tradicional de bolsa, dólar e juros

CONSTRUTORAS COM DESCONTO

Vendas de imóveis em alta, ações em baixa. A queda das incorporadoras abriu uma oportunidade de compra na bolsa?

Os resultados do quarto trimestre mostram que as empresas do setor entregaram desempenhos sólidos, mas as ações caminham na direção contrária

COMPRA PROGRAMADA

‘Vale Gás’: Ultragaz cria cartão que permite ‘congelar’ o preço e parcelar a compra do gás de cozinha

O GLP é um dos derivados de petróleo afetado pela alta do dólar frente ao real e pela valorização da commodity no mercado internacional

SALTO COM FINANÇAS

Itaú (ITUB4) escala 53 posições em ranking e se torna único brasileiro entre 500 marcas globais mais valiosas; veja lista completa

Além de figurar entre as marcas mais valiosas, o Itaú conquistou uma posição na lista dos 250 principais CEOs ou “guardiões de marca”

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Volatilidade a mil com decisão de juros do Fed, reabertura do fundo da Dynamo e nova aquisição da Petz: veja o que mexeu com o mercado hoje

O bom humor nos mercados era tanto nesta quarta-feira (26) que nem parecia dia de decisão de juros pelo Federal Reserve, o banco central americano. As bolsas americanas e europeias operavam em alta, ainda em clima de recuperação das perdas do início da semana, e o Ibovespa subia mais de 1,5%, ainda puxado pela entrada […]