🔴 RENDA MÉDIA DE R$ 21 MIL POR MÊS COM 3 CLIQUES – SAIBA COMO

Cotações por TradingView
Estadão Conteúdo
Virando a chave?

‘Temos capacidade de fazer aquisições no setor elétrico’, diz presidente da BR Distribuidora

Após trazer o ex-presidente da Eletrobras para o comando, a empresa recém-privatizada agora mira na direção do mercado de energia sustentável

Estadão Conteúdo
29 de abril de 2021
13:43 - atualizado às 13:44
BR distribuidora
BR distribuidora - Imagem: Divulgação

No momento em que a atenção da economia mundial se volta para estratégias ambientais, de sustentabilidade e de governança - conhecidas pela sigla ESG -, a lista de prioridades de Wilson Ferreira Jr. mostra que sua migração da presidência da Eletrobras para a da BR Distribuidora não foi aleatória.

Recém-privatizada, a ex-subsidiária da Petrobrás está virando a chave em direção ao mercado de energia sustentável. "Essa história na BR está apenas começando", diz Ferreira, que assumiu o cargo na distribuidora de combustíveis no mês passado.

A ideia é ser uma consolidadora no mercado de comercialização de energia elétrica, no qual a empresa ingressou em janeiro, com a compra da Targus. "A BR tem grande capacidade financeira que permite adquirir ou consolidar parte desse negócio", disse Ferreira, em entrevista concedida na semana passada à série Olhar de Líder, do Estadão/Broadcast.

Como tem sido a sua chegada à BR Distribuidora?

A primeira (missão) é aprender sobre o negócio: me acostumar com a dinâmica de um setor que tem desafios ainda maiores, porque vivemos a perspectiva da transição energética. Também estava acostumado com um em regime de monopólio e, neste setor, a concorrência é muito forte.

O mundo está se voltando à consciência ambiental e à agenda ESG. Temos de avaliar como essa transição afeta os negócios. A BR é uma empresa recém-privatizada e houve avanços em termos de produtividade. Tenho trabalhado para colocar essa agenda com senso de urgência maior, para que a companhia termine o ano não só como a líder de mercado em volume, mas em eficiência.

A BR comprou em janeiro a comercializadora de energia Targus. Como isso afeta o negócio?

Se a gente olhar a transição energética de forma muito simplista, os combustíveis mais pesados devem, com o tempo, ser substituídos pelo gás natural e, na sequência, a tendência é de a economia ser cada vez mais eletrificada.

Nosso ingresso, via Targus, já é para atender a esta certeza de que a sociedade vai ser mais dependente de eletricidade. Temos capacidade para comprar em longo prazo e atender a essas necessidades de forma competitiva.

Na energia elétrica, nosso primeiro movimento foi via Targus. Um dos temas importantes é que a gente consiga ser uma rede diferenciada sob o ponto de vista da energia que utilizamos.

Podemos esperar da BR novas aquisições no setor elétrico?

Estamos avaliando. Participei, como presidente da CPFL, da criação de uma das primeiras dez comercializadoras; hoje, devemos ter quase mil operando no mercado.

Neste momento, a ideia é fortalecer a Targus. Já estamos oferecendo produtos da Targus a revendedores e imaginamos também criar pacotes para trabalhar junto a grandes consumidores.

Esse domínio no setor elétrico pesou em sua ida à BR?

Na área de energia, estamos vivendo de fato uma transição no mundo todo. Em mobilidade, haverá não só carros elétricos, mas também movidos a hidrogênio.

Tenho fascínio pela questão da transição voltada para a energia elétrica. É um cenário em que o consumidor vai prevalecer. Obviamente, pretendo trazer experiências de 40 anos no setor elétrico. No caso da BR, estamos apenas começando. É uma jornada grande e importante nessa agenda ESG, que está determinando as transformações.

Defendi por muitos anos a formação de uma corporação, no caso da Eletrobrás. A BR já é uma corporação. É privatizada, sem controlador definido.

Mas com 37,5% ainda com a Petrobrás. É possível a venda desta fatia ainda este ano?

A Petrobrás tem um projeto de longo prazo. Nele, consta a estratégia de desinvestimentos, na qual se enquadram refinarias e participações como a nossa.

Vou marcar (uma reunião) com o general Luna e Silva. Trabalhamos juntos, ele como diretor geral nacional de Itaipu e eu, como conselheiro. Quero ter a oportunidade de, em breve, me sentar com ele e ter essa definição (sobre a BR).

A Petrobrás se manifestou favorável a este processo no ano passado, mas tivemos, por força da própria pandemia, uma depreciação das ações em toda a B3. A recuperação está ocorrendo e entendemos que já há condição de preço atrativo para que a Petrobrás venha a fazer esse movimento.

O sr. conversou com ele, depois que foi indicado ao cargo?

Algumas vezes. Mais para saudá-lo e encorajá-lo, porque a gente estava em situação idêntica. Os dois, coincidentemente, mudando do setor elétrico para o de óleo e gás. Quando a gente conversa, fala mais em relação a estes desafios. Mas, óbvio, temos agenda convergente.

Compartilhe

PEDIU PRA SAIR

Pensando na ex? Wilson Ferreira Júnior vai deixar presidência da Vibra (VBBR3)

20 de julho de 2022 - 10:05

Segundo documento enviado à CVM, o pedido de demissão da Vibra (VBBR3) foi feito porque o diretor deseja buscar outros caminhos profissionais; mercado cogita volta para Eletrobras

NOVOS NEGÓCIOS

Por mais espaço em transição energética, Vibra (VBBR3) compra 50% da ZEG Biogás e Energia

4 de julho de 2022 - 10:26

De acordo com a Vibra Energia (VBBR3), o negócio será feito mediante um primeiro pagamento de R$ 30 milhões e um segundo de R$ 129,5 milhões

DISTRIBUINDO MAIS DO QUE COMBUSTÍVEIS

Dividendos e JCP: Vibra Energia (VBBR3) anuncia o pagamento de R$ 131 milhões em proventos; confira prazos

18 de maio de 2022 - 19:57

Ao todo, a distribuidora de combustíveis já pagou R$ 663 milhões em dividendos e juros sobre capital próprio no exercício de 2021

JOINT VENTURE CONCLUÍDA

Vem mais conveniência aí: Vibra (VIBBR3) e Americanas (AMER3) fecham parceria para criar a Vem Conveniência

1 de fevereiro de 2022 - 12:30

Parceria vai explorar o negócio de lojas de pequeno varejo dentro e fora dos postos de combustíveis, por meio das marcas BR Mania e Local

PINGANDO NA CONTA

Even, Eternit e Raia Drogasil se juntam à festa de proventos e vão pagar quase R$ 130 milhões em dividendos e JCP; Vibra adia depósito

15 de dezembro de 2021 - 12:50

Confira as datas de corte e saiba quem tem direito a receber a remuneração, além das datas dos pagamentos

É RITMO DE FESTA

Dividendos: Ambev presenteia acionistas com mais de R$ 8 bilhões antes do fim do ano; B3 e Dexco também entram na festa

10 de dezembro de 2021 - 7:11

Juntas, as três empresas distribuirão quase R$ 10 bilhões em dividendos e JCP perto do Natal e do Ano-Novo

DINHEIRO NA CONTA

Dividendos: Vibra (VBBR3) distribui R$ 148,5 milhões em JCP

9 de dezembro de 2021 - 6:42

Valor refere-se à segunda parcela de pagamento aos acionistas anunciado quando a Vibra ainda atendia como BR Distribuidora

fique atento

Antiga BR Distribuidora, Vibra Energia tem novo ticker a partir de 22 de outubro

14 de outubro de 2021 - 19:49

Empresa adota o“VBBR3”, em substituição ao código atual “BRDT3″; mudança reflete novo posicionamento da marca

expandindo negócios

Vibra confirma acordo para adquirir até 50% de fatia da Comerc, que faria IPO

9 de outubro de 2021 - 15:26

Parte da operação se dará por emissão de R$ 2 bilhões em debêntures conversíveis em ações ordinárias de emissão da Comerc, a serem subscritas pela Vibra, que representam 30% da comercializadora de energia

Mais verde

Em linha com o novo momento: Vibra Energia (BRDT3) fecha parceria para joint venture de etanol

30 de agosto de 2021 - 12:46

Antiga BR Distribuidora se aliou à Copersucar para comercializar o biocombustível, como parte da sua estratégia ESG

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies