Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-04-05T09:40:32-03:00
Ivan Ryngelblum
Ivan Ryngelblum
Jornalista formado pela PUC-SP, com pós-graduação em Economia Brasileira e Globalização pela Fipe. Trabalhou como repórter no Valor Econômico, IstoÉ Dinheiro e Agência CMA.
pressionando a inflação

Petrobras avisa: gás natural vai ficar mais caro a partir de 1º de maio

Estatal anuncia que preços de venda para distribuidoras terão aumento de 39% por conta da alta do petróleo, dólar e do IGP-M

5 de abril de 2021
9:40
BR distribuidora
BR distribuidora - Imagem: Divulgação

A polêmica envolvendo a política de preços da Petrobras (PETR4) promete ganhar um novo capítulo nesta segunda-feira (5), depois que a estatal anunciou um reajuste significativo do preço do gás natural a partir de 1º de maio.

Segundo a companhia, os preços de venda de gás natural para as distribuidoras terão aumento de 39% em reais por metro cúbico, com relação ao último trimestre.

A Petrobras explicou que as atualizações dos preços dos contratos são trimestrais. Para os meses de maio, junho e julho, a referência são os preços dos meses de janeiro, fevereiro e março, período em que o petróleo teve uma alta de 38% e o dólar registrou alta de cerca de 8%.

A Petrobras informou ainda que o IGP-M também influenciou no tamanho do reajuste, porque o índice é utilizado na atualização do custo do repasse dos custos incorridos pela companhia para o transporte do energético até o ponto de entrega às distribuidoras, que são definidos por tarifas reguladas pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

Esta parcela do preço é atualizada anualmente no mês de maio pelo indicador, que, para o período de aferição (março de 2020 a março de 2021), registrou alta de 31%.

Para tentar aliviar a situação para o seu lado, a Petrobras informou que apesar do aumento em maio, junho e julho, os preços do gás natural às distribuidoras chegaram a ter redução acumulada de 35% em reais e de 48% em dólares ao longo de 2020, e que o preço final do gás natural ao consumidor não é determinado apenas pelo preço de venda da companhia, mas também pelas margens das distribuidoras e pelos tributos federais e estaduais.

Reajustes marcados por polêmicas

A Petrobras adotou uma política de preços baseada nas cotações internacionais do petróleo em 2016, depois que a estatal foi utilizada para controlar a inflação na ocasião, prejudicando duramente seu desempenho financeiro.

Com o aumento do preço do barril de petróleo desde o final do ano passado, a empresa foi realizando uma série de reajustes positivos nos preços de seus produtos, pressionando a inflação neste começo de ano.  

A situação resultou em atrito entre o presidente Jair Bolsonaro e o então presidente da estatal Roberto Castello Branco, culminando na sua demissão.

De 1º de janeiro a 19 de fevereiro, dia em que foi anunciada a substituição do presidente Roberto Castello Branco, a Petrobras aplicou quatro reajustes no preço da gasolina, três reajustes no preço do diesel e dois reajustes no gás liquefeito de petróleo (GLP), utilizado como gás de cozinha.

Neste período, segundo informou a estatal, a gasolina subiu 34,9%, o diesel 27,5% e o GLP 11,3%.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: impasse dos precatórios deve pressionar bolsa hoje antes dos dados do varejo nos EUA

Além disso, no radar ficam o risco fiscal antes da eleição de 2022 e os dados da economia dos Estados Unidos, com destaque para os pedidos de auxílio-desemprego

NA B3

Ações do setor de saúde foram as que menos sofreram em agosto

Levantamento da Teva Índices mostra que os papéis do comércio e da construção foram os mais castigados no mês passado

NÃO AGRADOU

IBP critica mudanças regulatórias na venda de combustíveis

Representante das grandes distribuidoras de combustíveis defende manutenção do modelo de exclusividade no mercado de revenda de derivados de petróleo

Tempo de entrega menor

Randon terá linha férrea própria no interior de SP

Linha férrea partirá de dentro da fábrica e percorrerá 1,5 km transportando vagões, reboques e semirreboques a um ramal principal na mesma cidade; expectativa é de que a obra fique pronta em 2023

Entrevista exclusiva

Após vender Hortifruti para Americanas, Partners Group quer investir US$ 300 milhões e lançar fundo para o varejo no Brasil

Com um total de US$ 120 bilhões sob gestão, responsável pela gestora suíça no Brasil e América Latina fala ao Seu Dinheiro sobre potenciais alvos de aquisição e “concorrência” com IPOs na B3

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies