Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-08-11T19:14:15-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Hora do snack

O IPO dos docinhos: os planos da Dori Alimentos para chegar à bolsa

A Dori Alimentos, uma das líderes no setor de amendoins, snacks doces e chocolates no Brasil, planeja fazer o IPO para continuar crescendo

11 de agosto de 2021
16:29 - atualizado às 19:14
Dori alimentos IPO
Imagem: Divulgação

Sabe aquela prateleira do supermercado cheia de balas, pirulitos, chocolates e amendoins? A Dori Alimentos, um dos nomes fortes no setor de snacks, quer colocar uma gôndola dessas na B3: a companhia acaba de protocolar os documentos para um IPO na bolsa brasileira.

Ainda não há detalhes a respeito da quantidade de ações a serem vendidas, a faixa de preço pretendida pela empresa ou cronograma da oferta — o IPO ainda encontra-se em análise na CVM. Mas o prospecto preliminar traz alguns dados para análise dos potenciais investidores.

Fundada em Marília, no interior de São Paulo, a Dori teve receita líquida de R$ 426,2 milhões no primeiro semestre de 2021, alta de 39% na comparação anual. O lucro líquido aumentou 47% na mesma base de comparação, para R$ 33,9 milhões, com 8% de margem.

Os resultados têm como base a forte participação de mercado da Dori Alimentos num setor que movimenta mais de R$ 7 bilhões. Com as marcas Gomets e Deliket, a empresa tem cerca de 60% de market share no segmento de balas de goma; as bandeiras Dori e Pettiz respondem por 32% do setor de amendoim; a linha Disqueti é dona de 25% do mercado de pastilhas de chocolate.

Somados, os produtos da Dori — que ainda incluem marcas como Yogurte 100 e Lua Cheia — respondem por um quarto do mercado total de amendoins, snacks doces e chocolates do Brasil. Por fim, chama a atenção o ritmo de expansão da Dori, mesmo em meio à pandemia: o crescimento composto anual da receita líquida entre 2018 e 2020 foi de 8,2%; no mesmo intervalo, a margem Ebitda foi de 19,2%.

A empresa tem hoje quatro fábricas e sete centros de distribuição, alcançando mais de 150 mil pontos de venda no Brasil e exportando seus produtos para mais de 50 países — cerca de 9% da receita líquida é obtida com as vendas ao exterior.

IPO da Dori: vai um snack?

Embora o prospecto não traga informações quanto ao volume do IPO da Dori, o site Brazil Journal diz que a empresa pretende movimentar R$ 1 bilhão com a oferta — a cifra inclui as parcelas primária e secundária. A companhia diz que os recursos levantados servirão para quitar debêntures privadas e reforçar a estrutura de capital, pavimentando o caminho para uma nova onda de expansão orgânica.

Entre os planos, aparecem o aprimoramento do canal de vendas e o desenvolvimento de novas linhas de produtos, com destaque para novas marcas de snacks saudáveis — as marcas atuais da Dori enquadram-se como alimentos ultraprocessados e encontram resistência de muitos potenciais consumidores.

A Dori é controlada pela família Barion; a gestora americana Acon tem cerca de 30% da companhia por meio do Candyco Fundo de Investimento em Participações Multiestratégia — especula-se que a parcela secundária da oferta servirá para que a Acon venda boa parte de sua fatia.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Crise dos chips

Sem carro zero no mercado, preço de usados sobe até 20% e vendas disparam – carro usado chega a custar mais que um novo

Mercado enfrenta escassez de semicondutores, demanda alta por veículos e prazos longos para a entrega

sem escassez

Fábrica da Tesla em Xangai deve terminar setembro com 300 mil carros produzidos em 2021

Marca será atingida mesmo em meio a uma escassez global de semicondutores, disseram duas fontes da montadora à Reuters

Fim da pandemia

CEO da Pfizer prevê que voltaremos à vida normal dentro de um ano, mesmo com novas variantes do coronavírus

Albert Bourla acredita que vacinação contra a covid-19 se tornarão anuais, para cobrir novas variantes, e que vacinas durarão um ano

ainda não acabou

Controladores da Alliar (AALR3) contratam XP para vender o negócio, diz jornal

Empresa de diagnósticos foi alvo, recentemente, de disputa pelo controle pela Rede D’Or e fundos ligados ao empresário Nelson Tanure

Mais recursos

Democratas aprovam pacote de US$ 3,5 tri no Comitê de Orçamento da Câmara dos EUA

Recursos serão destinados à rede de segurança social e programas relacionados a mudanças climáticas. Obtenção de quase unanimidade para aprovação no Congresso é desafio

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies