Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-11-22T13:42:29-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Gigante global

“5G é infraestrutura básica”: uma conversa com Cristiano Amon, brasileiro e novo CEO global da Qualcomm

No comando da Qualcomm desde o começo do mês, Cristiano Amon tem como desafios a transição para o 5G e a diversificação das áreas de atuação

16 de julho de 2021
16:41 - atualizado às 13:42
Cristiano Amon, CEO global da Qualcomm
Cristiano Amon, CEO global da Qualcomm - Imagem: Divulgação/Qualcomm

A transição entre as tecnologias 4G e 5G está em pleno andamento — e tem sido tema de enormes turbulências geopolíticas. Bem no centro dessa batalha está a Qualcomm, uma das líderes mundiais na produção de chips, semicondutores e processadores. E, desde o começo do mês, o brasileiro Cristiano Amon é o cérebro da empresa.

Formado em engenharia elétrica pela Unicamp, Amon tem uma longa carreira na companhia e vive nos Estados Unidos desde os anos 90. Recém empossado como CEO, ele tem o desafio de conduzir a Qualcomm neste momento de inflexão do setor de telecomunicações.

O executivo concedeu hoje uma entrevista para alguns veículos brasileiros de imprensa, entre eles, o Seu Dinheiro. Entre outros pontos, falou sobre a transformação digital da sociedade durante a pandemia, sobre os planos de diversificação da Qualcomm e sobre a atual escassez na oferta de semicondutores no mundo.

Quanto ao 5G, ele não poupou palavras para ressaltar a importância estratégica da nova tecnologia de telecomunicação:

O 5G é infraestrutura básica. É difícil enxergar hoje, mas é preciso pensar daqui 10 anos

Cristiano Amon, CEO global da Qualcomm

Pico na demanda

A Qualcomm, hoje, é conhecida por ser uma importante fornecedora para a cadeia de smartphones — provavelmente, você tem ou já deve ter tido algum aparelho que usa o chip Snapdragon. A empresa, no entanto, atua em muitas outras indústrias, seja desenvolvendo soluções de conectividade ou vendendo semicondutores.

Mas, mesmo sendo uma das líderes globais nesse setor, a companhia enfrentou problemas para atender à demanda cada vez maior por esses componentes: com a pandemia e o trabalho remoto, a necessidade de conectividade em banda larga deu um salto em escala global.

"Houve uma aceleração enorme no volume de processamento digital e na nuvem. A tecnologia fez a sociedade continuar funcionando", disse Amon, afirmando que, para a Qualcomm, a expectativa é que o reequilíbrio entre oferta e demanda de componentes seja alcançado até o fim desse ano.

O momento de escassez global, no entanto, trouxe desdobramentos positivos. Segundo o novo CEO da empresa, ficou clara a importância da cadeia de semicondutores para a transformação digital da sociedade.

Qualcomm
Zoom de Chip Qualcomm, modelo MSM6290

Revolução em andamento

Esse aumento na demanda por semicondutores e a importância cada vez maior da conectividade — mesmo no pós-pandemia, a percepção é a de que mais e mais atividades poderão ser feitas remotamente, via nuvem — servem como pano de fundo estratégico para Amon e a Qualcomm.

Da mesma maneira que os smartphones e a tecnologia móvel causaram uma revolução no passado — e a empresa soube identificar esse movimento e se posicionar com antecedência, capturando uma fatia relevante do mercado —, o momento atual é de entendimento das tendências que vão emergir daqui em diante.

Uma delas, segundo Amon, é a redefinição do papel do computador pessoal: antes, as configurações de processamento e hardware eram as preocupações do consumidor; hoje, a capacidade de câmera e multimídia são igualmente importantes.

A aplicação número 1 do PC virou comunicação

Cristiano Amon, CEO global da Qualcomm

Dito isso, o executivo afirma que a Qualcomm pretende entrar com mais força no mercado de computadores pessoais. Os PCs, afinal, ganharam importância e precisam ter capacidade semelhante às estações de trabalho, tanto no lado do processamento quanto na conectividade à nuvem.

Tanto é que, em março, foi concluída a compra da Nuvia, especializada em processadores para computador com conectividade 5G, numa operação de US$ 1,4 bilhão. O plano é colocar a Qualcomm no mapa dos PCs e desenvolver processadores mais potentes para o mercado de computação nos próximos anos.

"Não queremos ser só conhecidos em celulares, queremos ser uma empresa que fornece tecnologia para tudo que é transformação digital", diz Amon.

5G, caminho sem volta

O desenvolvimento do 5G é visto como uma tendência inevitável pelo executivo — e, nesse sentido, os países que já estão num estágio mais avançado do uso da tecnologia possuem uma vantagem competitiva importante.

"A transição tecnológica cria novas indústrias", diz Amon. O uso do 5G vai desde a aplicação de novas tecnologias na agricultura ao desenvolvimento de drones autônomos; no lado da manufatura, a conectividade mais rápida e difusa permite o uso de robôs inteligentes em larga escala — o que, naturalmente, eleva a eficiência do processo produtivo.

O CEO da Qualcomm cita como exemplo os projetos de cidades inteligentes na Inglaterra e na China: ambulâncias com conectividade 5G são capazes de realizar diagnósticos de imagem assim que o paciente entra no veículo, enviando os resultados para o hospital com antecedência.

Atualmente, países como Estados Unidos, China, Japão e Coreia do Sul são os mais adiantados na adoção do 5G. Isso, no entanto, não quer dizer que outros mercados não tenham interesse na tecnologia: segundo Amon, há um entendimento entre quase todos os países de que o tema é de interesse.

"O 5G é necessário para os serviços atuais? Essa é uma discussão errada. O 5G é uma infraestrutura crítica de conexão com a nuvem. Todos querem começar a montar a rede".

A Qualcomm em números

A companhia fechou o segundo trimestre fiscal (encerrado em abril) com receita líquida de US$ 7,9 bilhões e lucro líquido de US$ 2,2 bilhões — o lucro por ação ficou em US$ 1,90, acima das projeções fornecidas pela própria empresa.

Na Nasdaq, as ações da Qualcomm (QCOM) são negociadas atualmente em torno dos US$ 140, acumulando ganhos de mais de 50% em um ano. Na B3, os BDRs da empresa (QCOM34) estão perto dos R$ 60, avançando 46% no mesmo período.

Qualcomm ações e BDRs
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

COMPRA PROGRAMADA

‘Vale Gás’: Ultragaz cria cartão que permite ‘congelar’ o preço e parcelar a compra do gás de cozinha

O GLP é um dos derivados de petróleo afetado pela alta do dólar frente ao real e pela valorização da commodity no mercado internacional

SALTO COM FINANÇAS

Itaú (ITUB4) escala 53 posições em ranking e se torna único brasileiro entre 500 marcas globais mais valiosas; veja lista completa

Além de figurar entre as marcas mais valiosas, o Itaú conquistou uma posição na lista dos 250 principais CEOs ou “guardiões de marca”

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Volatilidade a mil com decisão de juros do Fed, reabertura do fundo da Dynamo e nova aquisição da Petz: veja o que mexeu com o mercado hoje

O bom humor nos mercados era tanto nesta quarta-feira (26) que nem parecia dia de decisão de juros pelo Federal Reserve, o banco central americano. As bolsas americanas e europeias operavam em alta, ainda em clima de recuperação das perdas do início da semana, e o Ibovespa subia mais de 1,5%, ainda puxado pela entrada […]

Por que choras, Elon Musk?

Tesla (TSLA34) entrega balanço de gala, mas escassez de insumos produtivos azeda noite da montadora de Elon Musk e ações despencam em NY

O resultado da montadora veio recheado de recordes no quarto trimestre, mas os investidores concentraram-se em outra linha do balanço

Fechamento Hoje

NY desanda após fala de Powell, mas Ibovespa ainda consegue fechar em alta de quase 1%; dólar sobe na reta final

Decisão de juros do Federal Reserve até que agradou os mercados, mas discurso duro do presidente da instituição virou o humor dos mercados

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies