Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-08-11T17:02:02-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Política monetária dos EUA

O fim está próximo? Mais dirigentes do Fed defendem o término dos estímulos monetários

Os presidentes das distritais de Dallas e do Kansas afirmam ver sinais de que a economia norte-americana está pronta para a redução da compra de ativos

11 de agosto de 2021
17:01 - atualizado às 17:02
federal reserve bola de cristal
Imagem: Montagem Andrei Morais/Shutterstock

Após o presidente da distrital do Federal Reserve (Fed) em Dallas, Robert Kaplan, questionar a eficácia dos estímulos econômicos, mais um dos dirigentes do banco central dos Estados Unidos defendeu publicamente o fim da política de compras de ativos.

A presidente da distrital de Kansas, Esther George, afirmou, nesta quarta-feira (11), ver sinais de que a economia norte-americana já atingiu os "progressos substanciais adicionais" estabelecidos pela autoridade monetária. "Eu apoio o fim das compras de ativos sob essas condições", declarou durante evento virtual.

Como evidência para a afirmação, a dirigente citou o fortalecimento da demanda, a recuperação do mercado de trabalho e o avanço das expectativas de inflação. Para ela, com a retomada em curso, é preciso fazer a transição para configurações políticas "mais neutras".

Compra de ativos vs taxa de juros

George, contudo, esclareceu que ainda há uma série de incertezas, sobretudo com desequilíbrios entre oferta e demanda, que elevam os preços. "A economia apertada de hoje sinaliza que o tempo chegou para reduzir os instrumentos", destacou.

Para ela, a discussão sobre a redução do relaxamento quantitativo (QE, na sigla em inglês) "não está mecanicamente conectada" com os ajustes na taxa de juros. Em sua visão, o caminho para a normalização monetária será "longo e acidentado".

A líder do Fed de Kansas acrescentou que pode demorar algum tempo até que haja uma recuperação plena do emprego nos EUA. "Este não é um argumento para manter as taxas de juros inalteradas, mas garantir acomodação se ajusta à medida que a economia se expande, evitando desequilíbrios e instabilidades que podem descarrilar tais ganhos", explicou.

Dirigente do Fed de Dallas ataca novamente

Em entrevista a rede norte-americana CNBC, o dirigente do Fed em Dallas, Robert Kaplan, também voltou a falar sobre a política de compra de ativos hoje. Kaplan defendeu que a autoridade monetária anuncie a retirada de estímulos na reunião de setembro e comece a reduzir as compras em outubro.

Para Kaplan, as compras de ativos não são "adequadas" para o ambiente atual da economia, marcado por problemas de oferta, não de demandas. No entendimento dele, o "tapering" - como é conhecida a retirada de estímulos - deve acontecer de forma gradual, em um cronograma de cerca de oito meses.

Selo Biden de aprovação

Para fechar o dia movimentado no noticiário do Federal Reserve, o presidente dos EUA, Joe Biden, deu uma demonstração de apoio às decisões monetárias. Biden declarou que seu governo "confia" que o Fed tomará as ações necessárias para conter a inflação se necessário.

Durante pronunciamento, o democrata destacou que o índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) de julho confirmou a desaceleração esperada: "os empregos estão em alta e a inflação está desacelerando nos EUA".

O indicador subiu 0,5% no mês passado, na comparação com junho, em linha com a mediana do Projeções Broadcast. No acumulado em 12 meses, o CPI permaneceu em 5,4%.

Mesmo assim, Biden disse que a Casa Branca monitora a inflação "de perto" e tem tomado ações para aliviar os gargalos na cadeia produtiva.

Quer investir em empresas dos EUA? Conheça BDRs para incluir em seu portfólio em 2021 e inscreva-se no canal do Seu Dinheiro no Youtube para mais vídeos exclusivos sobre investimentos:

*Com informações do Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

seu dinheiro na sua noite

Uma tarde de soluços nos mercados

O preço dos combustíveis, um dos grandes vilões da elevada inflação brasileira, não dá sinais de enfraquecimento. Muito pelo contrário: a passagem do furacão Ida pelo Golfo do México deve seguir impactando a oferta de petróleo por mais alguns meses, o que traz reflexos diretos ao preço da commodity. O Brent fechou em alta pela […]

menos méliuz

Méliuz (CASH3): Truxt reduz participação na companhia

Negociações têm por objetivo investimento e não visam alterar a composição do controle ou a estrutura administrativa da empresa

atenção acionista

Dividendos: Multiplan (MULT3) paga R$ 270 milhões em juros sobre capital próprio

Empresa vai considerar os acionistas inscritos nos registros da companhia no dia 28 de dezembro, dado que as ações de emissão da companhia passaram a ser negociadas “ex juros” a partir de 29 de dezembro

FECHAMENTO DO DIA

Petrobras dá susto, mas commodities garantem o avanço do Ibovespa; dólar sobe a R$ 5,37

A convovação de uma coletiva de última hora assustou os investidores, mas o Ibovespa retomou o ritmo de alta após a estatal confirmar que não irá mexr nos preços.

acesso bloqueado

Vale (VALE3) faz operação para resgatar 39 funcionários presos em mina no Canadá

De acordo com a empresa, na tarde de domingo (26), uma pá escavadeira que estava sendo transportada no acesso à mina subterrânea se desprendeu, bloqueando o shaft e, com isso, impedindo o meio de transporte dos empregados

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies