2021-09-23T19:43:53-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
MERCADOS HOJE

Bom humor global ajuda e Ibovespa recupera os 114 mil pontos após nova Selic; dólar sobe a R$ 5,30

Na ressaca da Super quarta, os investidores seguiram atentos aos desdobramentos dos problemas financeiros da Evergrande; Ibovespa acompanhou NY

23 de setembro de 2021
17:21 - atualizado às 19:43
Imagem: Shutterstock

Os monstros que assombravam o mercado financeiro no começo da semana foram ficando mais dóceis e domesticados com o passar dos dias. E isso graças à atuação dos bancos centrais ao redor do mundo.

O Banco do Povo da China (PBoC, o BC chinês) segue injetando bilhões de dólares na economia para minimizar os impactos negativos da crise enfrentada pela incorporadora Evergrande, afastando o receio de que as coisas possam espelhar a crise de 2008. No Brasil, o BC divulgou ontem a elevação da taxa Selic para 6,25% ao ano.

Já o Federal Reserve, o banco central americano, finalmente deixou mais claro para os investidores quando a retirada dos estímulos irá começar, ainda que dados mais fracos da economia tenham balançado os mercados por alguns instantes.

O Ibovespa seguiu renovando máximas ao longo de todo o dia, e nem mesmo a ocupação da B3 por movimentos sociais que protestam contra o governo minou o apetite por risco dos investidores, que devem voltar enfrentar uma sexta-feira de agenda cheia.

O principal índice da bolsa fechou o dia em alta de 1,59%, aos 114.064 pontos. Em Nova York, o dia também foi positivo, com Nasdaq, S&P 500 e Dow Jones fechando o dia com ganhos acima de 1%.

Se na bolsa o dia foi de otimismo generalizado, o câmbio e o mercado de juros repercutiram a proximidade da retirada dos estímulos nos EUA e o cenário fiscal brasileiro com mais força. O dólar à vista teve dia de grande volatilidade, mas encerrou a sessão em leve alta de 0,10%, a R$ 5,3096.

O mercado de juros local passou por ajustes após o Copom de ontem indicar que a Selic pode chegar a 8,50% já em 2022. No exterior, os investidores repercutiram as projeções dos dirigentes do Fed de que o aumento de juros seja retomado já no próximo ano. Confira as taxas de fechamento dos principais vencimentos:

  • Janeiro de 2022: de 7,13% para 7,10%.
  • Janeiro de 2023: de 8,82% para 8,93%
  • Janeiro de 2025: de 9,78% para 9,98%
  • Janeiro de 2027: de 10,16% para 10,38%

Ecos da véspera

Ontem, o Banco Central brasileiro confirmou as expectativas do mercado e decidiu elevar a taxa básica de juros em 1,00 ponto percentual, a 6,25% ao ano. O comunicado já indicou também uma elevação de mesma magnitude no próximo encontro e que, no cenário-base, a Selic deve terminar o ano em 8,25%, chegando a 8,50% em 2022.

Já nos Estados Unidos, o Federal Reserve optou pela manutenção da taxa básica de juros na faixa dos 0% a 0,25% ao ano, mas indicou que a redução do programa de recompra de títulos pode começar em breve. Jerome Powell, presidente do Fed, chegou a falar sobre novidades já na próxima reunião. 

E pode ser que os indicadores de curtíssimo prazo, como os números de pedidos de auxílio-desemprego divulgados hoje, não façam muita diferença. Segundo o comandante do Fed, um relatório de emprego (payroll) que mostre uma recuperação mediana já é suficiente para que a instituição siga com os seus planos. 

Novos dados da economia americana adicionaram alguma incerteza nesta manhã, ao mostrarem números mais fracos do que o esperado. 

Os novos pedidos de auxílio-desemprego tiveram alta de 16 mil solicitações na semana passada e o índice de atividade nacional do Fed de Chicago foi de 0,75 em julho para 0,29 em agosto. O índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) também veio abaixo do esperado pelos analistas. Enquanto o índice industrial recuou a 60,5, o do setor de serviços foi a 54,4.

Nervos de aço

Embora o temor de uma reação em cadeia devido ao possível calote de dívidas da incorporadora chinesa Evergrande tenha sido minimizado, os investidores seguem monitorando o caso. Há relatos de que os governos locais já foram orientados a se preparar para a falência da companhia.

Para tranquilizar os investidores, o Banco Central chinês (PBoC) continua injetando dinheiro no sistema financeiro como forma de garantir liquidez e atenuar as preocupações com as dificuldades enfrentadas pela Evergrande. Nesta madrugada, foram US$ 18,6 bilhões, mesmo volume injetado no dia anterior. 

Com a notícia de que uma subsidiária da companhia deve honrar o pagamento dos juros das dívidas, as ações da Evergrande saltaram mais de 30% em Hong Kong.

Sobe e desce do Ibovespa

O noticiário corporativo movimentou os negócios hoje. Indo cada vez mais longe com a sua subsidiária de mobilidade urbana, Eve, a Embraer liderou as altas do dia ao avançar mais de 12% após anunciar um novo acordo de parceria com a Bristow para desenvolver mais de 100 eVTOLS, o veículo elétrico voador que é a sua aposta sustentável para o futuro.

A Ultrapar foi outro destaque. Na noite de ontem, a companhia anunciou mudanças em sua diretoria e no comando de sua principal subsidiária, a rede de postos Ipiranga. 

Na sequência, Usiminas e Gerdau seguiram o movimento de recuperação após uma leitura mais positiva sobre os possíveis impactos do ‘caso Evergrande’ na economia, o que também levou a uma recuperação de 16% do minério de ferro na madrugada de ontem. Hoje, devido a um feriado, não tivemos negociações na China. Confira as maiores altas do dia:

CÓDIGONOMEVALORVAR
EMBR3Embraer ONR$ 23,8912,16%
UGPA3Ultrapar ONR$ 16,009,51%
USIM5Usiminas PNAR$ 16,659,25%
CVCB3CVC ONR$ 23,516,91%
GGBR4Gerdau PNR$ 27,005,63%

Com a elevação da taxa de juros, as empresas do setor imobiliário tendem a enfrentar uma desaceleração. Por isso, as construtoras lideraram as maiores quedas do dia. 

No caso da Cyrela (CYRE3), também tivemos um relatório do Credit Suisse rebaixando os papéis, o que adicionou pressão negativa aos negócios. Confira as maiores quedas:

CÓDIGONOMEVALORVAR
EZTC3EZTEC ONR$ 25,10-5,18%
CYRE3Cyrela ONR$ 19,43-4,33%
MGLU3Magazine Luiza ONR$ 15,87-2,88%
MRVE3MRV ONR$ 13,53-2,66%
AMER3Americanas S.AR$ 35,50-2,63%
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

CRIPTO INSTITUCIONAL

Real digital vem aí! Banco Central prepara versão virtual da moeda brasileira para 2022

A instituição lançou um laboratório para estudar as possibilidades de uso e de execução de projetos com a versão virtual da moeda brasileira

Clube do Livro

Para ter sucesso nos investimentos, é preciso fugir das armadilhas da mente – É o que mostra o livro “A arte de pensar claramente”, de Rolf Dobelli

Compreender como o nosso cérebro funciona no processo de tomada de decisões é essencial para ter mais assertividade na vida financeira e nos investimentos.

Trilhas de Carreira

O que os cursos sobre liderança profissional não contam para você

Já vi e participei de muitas capacitações, mas poucas me transformaram genuinamente. Isso me faz refletir bastante sobre a essência dos líderes, e observo que há um padrão bem recorrente

PLANEJAMENTO FINANCEIRO

Reserva de emergência é para todo mundo? Não segundo este planejador financeiro; entenda

Separar uma quantia para imprevistos não importa a sua situação é uma recomendação quase unânime entre os planejadores financeiros, mas esse profissional acredita no contrário

EMISSÃO DE AÇÕES

Marisa (AMAR3) vai aumentar o capital social — o que isso significa para os acionistas?

A varejista de moda emitirá até 81 milhões ações a R$ 3,08 cada, um desconto de cerca de 17,5% em relação ao fechamento dos papéis ontem.