Menu
2021-01-18T13:06:05-03:00
Estadão Conteúdo
Prepare o bolso

ANP: preço médio do etanol sobe em 12 Estados na semana

A cotação do biocombustível caiu em outros 13 Estados e no Distrito Federal, enquanto no Amapá não houve apuração.

18 de janeiro de 2021
13:06
Posto de combustível em Brasília
Posto de combustível em Brasília - Imagem: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Os preços médios do etanol hidratado subiram em 12 Estados na semana encerrada no sábado (16) ante o período anterior, de acordo com levantamento da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) compilado pelo AE-Taxas do Estadão/Broadcast. A cotação do biocombustível caiu em outros 13 Estados e no Distrito Federal, enquanto no Amapá não houve apuração.

Leia também:

Nos postos pesquisados pela ANP em todo o País, o preço médio do etanol caiu 0,06% na semana ante a anterior, de R$ 3,204 para R$ 3,202 o litro.

Em São Paulo, principal Estado produtor, consumidor e com mais postos avaliados, a cotação média do hidratado ficou em R$ 3,038, queda de 0,03% ante a semana anterior (R$ 3,039). Em Roraima, o biocombustível registrou a maior alta porcentual na semana, de 3,20%, de R$ 3,653 para R$ 3,770. A maior queda semanal, de 1,55%, foi verificada no Piauí (de R$ 3,679 para R$ 3,622).

O preço mínimo registrado na semana passada para o etanol em um posto foi de R$ 2,649 o litro, em São Paulo, e o menor preço médio estadual, de R$ 3,038, foi verificado também em São Paulo. O preço máximo individual, de R$ 5,295 o litro, foi verificado em um posto do Rio Grande do Sul. O maior preço médio estadual também foi o do Rio Grande do Sul, de R$ 4,341.

Na comparação mensal, o preço médio do biocombustível no País avançou 0,53%. O Estado com maior alta no período foi a Paraíba, onde o litro subiu 5,74%, de R$ 3,377 para R$ 3,571. Na apuração mensal, três Estados e o Distrito Federal apresentaram desvalorização do biocombustível. O maior recuo, de 2,02%, foi em Goiás, onde o biocombustível caiu de R$ 3,324 para R$ 3,257.

Competitividade

Os preços médios do etanol na semana encerrada no dia 16 mostraram-se vantajosos em comparação com os da gasolina em apenas dois Estados brasileiros - Minas Gerais e Goiás, dois grandes produtores do biocombustível, com paridade de 68,84% e 68,04%, respectivamente, entre o preço do etanol e da gasolina. Em São Paulo, maior produtor nacional, a paridade é de 70,49%.

O levantamento da ANP considera que o etanol de cana ou de milho, por ter menor poder calorífico, tenha um preço limite de 70% do derivado de petróleo nos postos para ser considerado vantajoso.

Na média dos postos pesquisados no País, a paridade é de 70,03% entre os preços médios de etanol e gasolina, levemente desfavorável ao biocombustível.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Suspeita de crime

CVM confirma processo para investigar suposto ‘insider trading’ na Petrobras

A suspeita de que alguém pode ter lucrado R$ 18 milhões com o vazamento de informações sobre o que ocorreria na estatal vieram à tona no início da semana e mexeram com os ânimos do mercado.

Queda brusca

Produção de veículos recua 3,5% em fevereiro em comparação anual, diz Anfavea

Frente a janeiro, a produção caiu 1,3%, levando o volume acumulado no primeiro bimestre para 396,7 mil unidades.

Gestora sobe o tom

Fundo Verde se protege no câmbio e diz que governo “falhou miseravelmente” em comprar vacinas

O atraso em proteger a população aparece a olhos vistos, e tem consequências óbvias tanto em termos de vidas quanto em termos econômicos, escreveu a gestora de Luis Stuhlberger

IR 2021

Quer saber quando vai receber sua restituição de IR? Confira o calendário de 2021

Restituição do imposto de renda será, mais uma vez, paga em cinco lotes, entre maio e setembro. Veja o calendário válido para 2021

Vendas no Varejo

Varejo cresce 3%, ativado pelo setor de construção e supermercados

Conforme os dados da Fecomércio, o setor da construção registrou, ao final de 2020, crescimento de 18,7% no faturamento, fechando o ano em R$ 67,6 bilhões

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies