🔴 DÓLAR A R$5,38 E PODE SUBIR MAIS – VEJA COMO PROTEGER O SEU PATRIMÔNIO

O combo “2 em 1” que você não pode ignorar em 2021

Simplesmente consideramos um absurdo o investidor brasileiro ter pouca ou quase nenhuma diversificação global e exposição a moedas de outros países em sua carteira

8 de janeiro de 2021
11:01
crise recessão mundo investimentos
Imagem: Shutterstock

Recentemente, vários fatores têm impactado a Bolsa londrina: o desfecho do Brexit, o início da campanha de vacinação no Reino Unido, a descoberta de uma nova cepa potencialmente mais transmissível da Covid-19 e um novo e mais brando lockdown. A verdade é que bate uma saudade sempre que acompanho as notícias de Londres, sejam boas ou ruins.

Com maior frequência do que gostaria, não me perdoo por ter deixado de fazer algumas coisas importantes quando tive a oportunidade de morar na capital inglesa. Como tenho coragem, por exemplo, de me autointitular fã dos Beatles sem ter atravessado a calçada de Abbey Road? Sequer viajei a Liverpool, que estava a apenas duas horas de trem.

Na época, ainda enfeitiçado pela ideia de me tornar um engenheiro mecatrônico, também acabei não explorando nada na cidade que fosse relacionado ao mercado financeiro.

Certo dia, no caminho para um show na O2 Arena, espaço de eventos famoso de Londres, passei pela região de Canary Wharf, que mais parece uma pequena ilha dentro da cidade, toda cercada por rios, mas que abriga um distrito financeiro efervescente. Como todo turista, fiquei maravilhado pelos arranha-céus espelhados — como se não os tivéssemos no Itaim Bibi. Entre gestores, banqueiros e consultores, engravatados andavam apressados para todas as direções, com a tradicional educação inglesa, mesmo que as nacionalidades fossem as mais diversas possíveis.

“Por que mesmo gostaria de ser engenheiro mecatrônico?”, foi o estalo para o mercado financeiro que aquele momento me proporcionou — e que me trouxe até aqui.

Muitos anos depois, quero começar 2021 com uma novidade incrível para os assinantes da série Os Melhores Fundos de Investimento, da qual faço parte: a partir da semana que vem, além do tradicional conteúdo semanal sobre fundos de investimento no Brasil, decidimos publicar, quinzenalmente, edições extras, 100% dedicadas a fundos globais.

O que está acontecendo no coração financeiro de Canary Wharf, Wall Street ou até mesmo Hong Kong, dado que o tema do momento é investimentos em países emergentes, especialmente Ásia? Como as questões de meio ambiente, sustentabilidade e governança (ESG) ou de fundos quantitativos estão avançando ao redor do globo? O que pensam os maiores alocadores do mundo para os próximos meses e, claro, que fundos estão disponíveis para o investidor brasileiro — e quais posso ajudar a trazer? Tudo isso fará parte da nova vertente Melhores Fundos Global.

Como o santo do ditado, tendemos a desconfiar quando a esmola é demais, mas essa é uma oferta transparente como água: são duas séries pelo preço de uma.

Simplesmente consideramos um absurdo o investidor brasileiro ter pouca ou quase nenhuma diversificação global e exposição a moedas de outros países em sua carteira, mas, além disso, 2020 também mostrou para muitos investidores na prática — às vezes, da pior forma possível — a importância da ampla diversificação. Muitos fundos de investimento no exterior lideraram as listas de melhor desempenho no ano passado, tanto com a recuperação de nichos de mercado, como o setor de tecnologia americano, quanto com o vento em popa gerado pela valorização do dólar contra o real após o início da pandemia.

Não só acredito que não tenha sido uma tendência temporária, como que a internacionalização dos portfólios só deve ganhar cada vez mais tração.

De um lado, a oferta de produtos está crescendo em plataformas e bancos, enquanto acompanhamos movimentações da CVM para tornar a regulação de investimentos no exterior mais flexível. De outro, a demanda dos investidores também só tende a aumentar devido ao excesso de liquidez global e aos juros estruturalmente mais baixos, exigindo que sua carteira se adapte a uma nova realidade. Para manter os retornos atrativos de antigamente, o investidor deve ser criativo e buscar novas fontes de diversificação. Infelizmente, você não vai encontrar tudo de que precisa apenas no Brasil.

Nosso projeto global dá frutos e se torna oficial em 2021, mas as sementes foram plantadas lá atrás, em março do ano passado. Na época, uma carteira teórica de fundos globais da Empiricus ganhou vida por meio do FoF Melhores Fundos Global, sob a gestão da Vitreo. Com exposição cambial, diversificação global e gestores respeitados, como Ray Dalio e Howard Marks, o fundo acumula 23% de retorno contra um dólar que subiu “apenas” 3,6% no período. Para quem prefere montar uma carteira por conta própria, também temos indicado aos assinantes da série alguns dos fundos que chegaram às corretoras brasileiras.

Mas, além disso, como podemos utilizar nosso relacionamento construído com gestores ganhadores de dinheiro no mundo para trazer ao Brasil novas estratégias, que ainda não tiveram a oportunidade de serem apresentadas a você?

Essa é a melhor notícia que eu poderia te dar hoje: um novo conteúdo de ponta sobre o mercado de fundos no mundo e no Brasil, duas séries em uma (praticamente uma barganha), para evitar que o investidor que não aproveitar se arrependa.

Confesso estar arrependido de não ter ido à Abbey Road, mas quer saber? Se a pandemia, que frustrou meus planos de viagem mais de uma vez, permitir, é para lá que eu vou ainda neste ano. E, desta vez, não irei apenas à Abbey Road me redimir como fã dos Beatles, mas também vou aproveitar a viagem para voltar a Canary Wharf, onde já estou agendando reuniões para trazer novidades para a série.

Se tudo der certo, te conto em alguns meses como foi a visita — talvez, em tempo real.

Compartilhe

EXILE ON WALL STREET

A simplicidade é a maior das sofisticações na hora de investir

12 de setembro de 2022 - 18:55

Para a tristeza dos estudiosos das Finanças, num daqueles paradoxos do conhecimento, quanto mais nos aprofundamos, parece que cavamos cada vez mais no subterrâneo

EXILE ON WALL STREET

Marcas da independência: Vitreo agora é Empiricus Investimentos

5 de setembro de 2022 - 8:43

Com a mudança de nome, colhemos todos os benefícios de uma marca única, com brand equity reconhecido e benefícios diretos, imediatos e tangíveis ao investidor

EXILE ON WALL STREET

Além do yin-yang: Vale a pena deixar os fundos para investir em renda fixa?

2 de setembro de 2022 - 11:47

Investidores de varejo e institucionais migraram centenas de bilhões em ativos mais arrojados para a renda fixa, o maior volume de saída da história do mercado de fundos

EXILE ON WALL STREET

Rodolfo Amstalden: Encaro quase como um hedge

1 de setembro de 2022 - 13:27

Tenho pensado cada vez mais na importância de buscar atividades que proporcionem feedbacks rápidos e causais. Elas nos ajudam a preservar um bom grau de sanidade

EXILE ON WALL STREET

Complacência: Entenda por que é melhor investir em ativos de risco brasileiros do que em bolsa norte-americana

29 de agosto de 2022 - 11:25

Uma das facetas da complacência é a tendência a evitar conflitos e valorizar uma postura pacifista, num momento de remilitarização do mundo, o que pode ser enaltecido agora

EXILE ON WALL STREET

Rodolfo Amstalden: O elogio que nem minha mãe me fez

25 de agosto de 2022 - 12:02

Em mercados descontados que ainda carregam grandes downside risks, ganha-se e perde-se muito no intraday, mas nada acontece no dia após dia

EXILE ON WALL STREET

Degrau por degrau: Confira a estratégia de investimento dos grandes ganhadores de dinheiro da bolsa

24 de agosto de 2022 - 13:57

Embora a ganância nos atraia para a possibilidade de ganhos rápidos e fáceis, a realidade é que quem ganha dinheiro com ações o fez degrau por degrau

EXILE ON WALL STREET

Blood bath and beyond: Entenda o banho de sangue dos mercados financeiros — e as oportunidades para o Brasil

22 de agosto de 2022 - 12:25

Michael Hartnett, do Bank of America Merrill Lynch, alerta para um possível otimismo exagerado e prematuro sobre o fim da subida da taxa básica de juro nos EUA; saiba mais

EXILE ON WALL STREET

Você está disposto a assumir riscos para atingir seus sonhos e ter retornos acima da média?

19 de agosto de 2022 - 13:50

Para Howard Marks, você não pode esperar retornos acima da média se você não fizer apostas ativas. Porém, se suas apostas ativas também estiverem erradas, seus retornos serão abaixo da média

EXILE ON WALL STREET

Rodolfo Amstalden: Qual é o mundo que nos aguarda logo à frente?

18 de agosto de 2022 - 11:45

O mercado inteiro fala de inflação, e com motivos; afinal, precisamos sobreviver aos problemas de curto prazo. Confira as lições e debates trazidos por John Keynes

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar