Exile on Wall Street
Rodolfo Amstalden
Sócio-fundador da Empiricus e autor do Programa de Riqueza Permanente
2021-05-13T10:25:39-03:00
EXILE ON WALL STREET

A cloroquina epistemológica do mercado financeiro

Na Day One de hoje: Rodolfo Amstalden diz “Em sistemas complexos como o financeiro, simplesmente não existem efeitos colaterais”. Confira!

13 de maio de 2021
10:22 - atualizado às 10:25
Pílulas formam cifra de dinheiro
Imagem: Shutterstock

Talvez você já tenha ouvido que risco e retorno andam sempre juntos no mercado financeiro.

Risco e retorno, retorno e risco.

Se você ouviu assim, em perfeita simetria comutativa, tudo bem. 

No limite, é como se ambas as coisas fossem uma única coisa. 

Infelizmente, a maioria dos investidores é apresentada ao conceito de risco e retorno de um jeito torto, e até mesmo desonesto.

Algo como:

"O risco é um efeito colateral dos retornos que buscamos sistematicamente dentro do mercado".

A verdade, porém, é que, em sistemas complexos como o financeiro, simplesmente não existem efeitos colaterais.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente

É claro que sempre podemos fazer essa distinção por meio da linguagem, chamando de efeitos principais apenas aqueles que desejamos, aqueles pelos quais queremos levar crédito.

Já os efeitos colaterais seriam os pinos quadrados nos buracos redondos, pequenas distrações não antecipadas, mas que insistem em fazer parte do pacote.

Se escolhermos adotar esse tipo de linguagem — a linguagem infantil de Zaratustra —, criaremos um pedestal em que os efeitos principais se sobrepõem aos efeitos colaterais.

Tomaríamos um remédio hipotético que promete curar milagrosamente a Covid. Dias mais tarde, porém, descobriríamos que a Covid continua alojada perigosamente em nossos pulmões, e agora acompanhada de uma certa arritmia cardíaca, complicações nos rins e comprometimento da visão.

Pois é, como os efeitos colaterais não existem no sistema financeiro (a não ser no terreno retórico da linguagem), isso significa que eles podem se manifestar por si só, sem qualquer instrumento de compensação lateral.

Risco é retorno, retorno é risco. Por isso mesmo, não há qualquer garantia de que o risco que o investidor está tomando será efetivamente convertido em retorno. Como você vai converter algo que já é?

Sabemos, pelas regras de compliance, que retornos passados não são garantia de retornos futuros.

Agora precisamos aprender também que retornos passados não são garantia de retornos passados. Poderiam ter sido apenas riscos passados a limpo.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

O Ibovespa na contramão do mundo, o impulso das commodities, a pressão dos servidores públicos e tudo o que agitou os mercados nesta terça

Nada como uma perspectiva de aperto monetário para segurar o desempenho dos ativos de risco. E nesta terça-feira (18), os mercados financeiros americanos voltaram do feriado colocando nos preços a expectativa dos investidores com a alta dos juros e a redução dos estímulos monetários nos Estados Unidos. O resultado foi uma disparada nos juros futuros, […]

Fechamento Hoje

Ibovespa sobrevive a mar vermelho no exterior e consegue fechar em alta; avanço nos retornos dos Treasuries pesa nos juros e no câmbio

Principal índice da B3 lutou para se manter no lado positivo ao longo de todo o pregão, com ajuda das commodities; dólar, porém, também fechou em alta