Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-12-08T17:37:23-03:00
Estadão Conteúdo
Turbulência

Retomada perde fôlego no setor aéreo em outubro e mercado internacional patina, diz Iata

Segundo Brian Pearce, economista-chefe da associação, a demanda do mercado doméstico global fechou outubro deste ano com queda de cerca de 40% na comparação ao registrado em igual mês de 2020.

8 de dezembro de 2020
17:00 - atualizado às 17:37
Avião
Imagem: Shutterstock

O mercado aéreo global perdeu a forte tendência de retomada e começou a andar de lado em outubro, deixando em alerta a equipe da Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata). Segundo Brian Pearce, economista-chefe da associação, a demanda do mercado doméstico global fechou outubro deste ano com queda de cerca de 40% na comparação ao registrado em igual mês de 2020.

Leia também:

A retomada, entretanto, desacelerou-se. De agosto para setembro, o porcentual migrou de 50,7% de queda na comparação anual para 43,3% de queda. "Ainda estamos no túnel para sairmos da crise e temos um caminho para percorrer", disse Pearce, durante coletiva com jornalistas na manhã desta terça-feira.

No lado internacional, o mercado segue complexo e a demanda está 88% abaixo do registrado em outubro de 2019. Em setembro, a queda havia sido de 88,8%, mostrando estabilidade. "Estamos pelo terceiro mês seguido com o mercado internacional parado", disse Pearce.

O cenário melhor para o mercado doméstico também se reflete na taxa de ocupação das aeronaves, que estão acima de 70%, favorecendo mercados como a China. No internacional, a ocupação ficou abaixo de 43%, segundo Pearce. Ele reforçou a ocupação de outubro representou uma piora ante o que foi registrado no mês anterior.

"A maioria dos mercados internacionais continua fraco. Há uma recuperação que estamos vendo na América do Norte e Central. Infelizmente é um mercado relativamente pequeno e não tem tanto impacto sobre a indústria total", disse o economista, destacando que alguns países da região não estão impondo quarentena, o que incentiva as viagens.

A maior dúvida agora é quando as sinalizações para a vacina surtirão efeito sobre a intenção de voar. "Vemos hoje que o anúncio de que vamos ter vacinas disponíveis trouxe um pequeno crescimento na busca por passagens, mas nada comparável com o que tínhamos antes", disse.

A curva de reservas para viagens dentro da Europa entre 15 de dezembro e 10 de janeiro está 80% abaixo do que era um ano antes. Segundo ele, o efeito das vacinas tende a chegar mais forte ao setor apenas no segundo semestre de 2021. "Enquanto isso vai ser um inverno (no hemisfério norte) muito difícil para as aéreas. Vamos precisar de ajuda dos governos para estimular o mercado", defendeu.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Fusão cheia de travas

Na Omega Geração (OMGE3), um grupo importante de acionistas está descontente — e quer barrar os planos da empresa

Fundos detentores de 28,6% da Omega Geração (OMGE3) se uniram e dizem que não vão aprovar a fusão com a Omega Distribuição nos termos atuais

Potencial de 36% de alta

Como fica a XP após a separação do Itaú? Para o JP Morgan, é hora de comprar as ações da corretora

A equipe do JP Morgan vê as pressões vendedoras nas ações da XP após a separação com o Itaú se dissipando; assim, a recomendação é de compra

Digitalização

A hora e a vez do e-commerce: com pandemia, comércio online mais que dobra e já chega a 21% das vendas do varejo

O fechamento das lojas físicas promovido pela pandemia fez o setor de varejo acelerar a aposta no e-commerce e nas vendas digitais

A bolsa como ela é

Stone, Inter e Méliuz caem forte na bolsa. É o fim das fintechs como as conhecemos?

Muito desse movimento tem a ver com a subida dos juros. Mas alguns fatores específicos também pesaram sobre as ações. Em alguns casos, pesaram com razão; em outros, nem tanto

Ajuste seu relógio

Pregão terá uma hora a mais a partir de novembro; entenda a mudança e veja a nova agenda da bolsa

As alterações começam a valer a partir do dia 8 de novembro; a B3 vai ajustar a bolsa para refletir o fim do horário de verão nos EUA

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies