Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-10-18T09:38:34-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Potencial de 36% de alta

Como fica a XP após a separação do Itaú? Para o JP Morgan, é hora de comprar as ações da corretora

A equipe do JP Morgan vê as pressões vendedoras nas ações da XP após a separação com o Itaú se dissipando; assim, a recomendação é de compra

17 de outubro de 2021
14:15 - atualizado às 9:38
Foto mostrando dois homens olhando para o logo da XP (XPBR31) numa parede
Imagem: Divulgação XP

Comprar ou vender ações é uma decisão que, em grande parte, leva em conta os riscos associados a uma empresa. Por exemplo: o JP Morgan acredita que, hoje, o panorama de investimentos na XP é menos arriscado do que nas últimas semanas — e, com base nessa avaliação, passou a recomendar a compra dos ativos da corretora na Nasdaq.

Não houve mudança no preço-alvo para as ações da XP no mercado americano: o JP Morgan manteve o patamar de US$ 50, o que representa um potencial de alta de 36,2% em relação ao fechamento da última sexta-feira (15), a US$ 36,71. Na B3, os BDRs da XP (XPBR31) valem R$ 200,00.

"Nós vemos fundamentos muito fortes — o que dá suporte ao bom momento dos resultados financeiros", escreve a equipe do JP Morgan. No lado dos riscos, os analistas destacam que a pressão vendedora surgida após a cisão do Itaú está se dissipando, o que reduz uma das principais preocupações dos investidores.

O receio dos acionistas da XP era justificável: a fatia de cerca de 40% detida pelo Itaú foi totalmente separada da estrutura do banco; com isso, movimentos de venda de grandes blocos de ativos da XP poderiam ser disparados — e o aumento na oferta causaria uma queda nas cotações.

E, de fato, essa pressão vendedora foi vista nos últimos dias. Na Nasdaq, as ações da XP estavam na casa de US$ 42 no começo do mês, recuando até US$ 34 na última quinta (14); na B3, os BDRs XPBR31 saíram do patamar de R$ 223 para níveis abaixo de R$ 190 ao longo da semana passada.

Para o JP Morgan, grande parte desses vendedores já ajustou suas posições — e, sendo assim, o que resta são os fundamentos sólidos da XP e seus níveis de valuation bastante atrativos. O banco estima que a relação entre preço e lucro por ação para 2022 esteja ao redor de 26 vezes, o menor nível da série histórica e um desconto de cerca de 50% em relação à média histórica para os ativos.

XP (XPBR31): solidez no mercado

E de onde vem todo o apelo da XP?

Bem, vamos voltar um pouco no tempo: a empresa emergiu como uma alternativa aos grandes bancos, atraindo investidores que estavam particularmente interessados no mercado de ações — as taxas de juros no Brasil, afinal, passaram por uma forte baixa entre 2018 e 2020, comprimindo o rendimento dos títulos do governo.

Dito isso, estamos hoje numa tendência contrária de política monetária: o Banco Central tem elevado a Selic num ritmo relativamente elevado — a taxa básica de juros, que estava em 2% ao ano no começo do ano, já chegou a 6,25% e tende a continuar avançando —, o que inverte a lógica recente. Títulos de renda fixa voltam a ficar atrativos, enquanto as ações perdem o brilho.

Mas, para o JP Morgan, esse novo cenário não deve reduzir o apelo da XP — o banco acredita que os investidores buscam a empresa para um conjunto de produtos financeiros, e não apenas ações. "Apesar de a Selic em alta aumentar a demanda por instrumentos de renda fixa, a plataforma da XP acumulou uma experiência positiva suficiente para que os investidores continuem a usá-la para ajustar seus portfólios".

Os analistas ainda lembram que, hoje, as ações representam cerca de 15% dos ativos sob custódia no Brasil — um nível que ainda está bastante abaixo do pico visto em 2007, de aproximadamente 22%.

XP versus bancões: briga em andamento

O JP Morgan ainda destaca que o movimento de fuga dos bancões continua em andamento. "A participação dos bancos no total de ativos sob custódia era de cerca de 65% em 2020; a tendência em direção às assets segue valendo", escrevem os analistas.

Para o JP, a guerra dos escritórios independentes entre as plataformas aumentou a consciência dos investidores quanto às opções de produtos. Dito isso, os analistas ponderam que a XP continua ganhando tração com os clientes que são atendidos diretamente por sua equipe. "Estimamos que 50% dos ativos sob custódia venham de vendas diretas, um dado que, frequentemente, é pouco levado em conta pelos investidores".

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

Os investidores agora viraram virologistas: os impactos da Ômicron sobre os mercados

Ainda não sabemos o bastante para decidir se esta é uma oportunidade de compra, mas parecemos estar mais preparados como sociedade para enfrentar o problema

VAREJO DECEPCIONADO?

Black Friday supera prévias, mas vendas do fim de semana ainda ainda perdem para os números registrados em 2019

Segundo índice calculado pela Cielo, as vendas cresceram 6,9% em relação ao ano passado, mas foram 3,8% inferiores ao período pré-pandemia

Adeus ano velho

Ano novo, impostos novos! Reforma do IR fica para 2022, confirma presidente do Senado

O governo Bolsonaro pressionava pela aprovação da proposta para financiar o Auxílio Brasil, mas não conseguiu apoio na Casa

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Bitcoin e bolsa se recuperam após susto com nova variante, Azul e Latam sobem o tom e outros destaques do dia

Pouco se sabe ainda sobre a nova variante do coronavírus detectada na África do Sul, mas o que veio à público até agora é muito melhor do que o mercado financeiro precificou na última sexta-feira (26). Sem o pânico visto na semana passada, o Ibovespa encontrou forças para abrir a semana em alta.  Um estudo […]

Fechamento do dia

Mercado supera susto com ômicron, e bolsas globais engatam recuperação; Ibovespa sobe com menos força, de olho na PEC dos precatórios

Pesando os desafios fiscais brasileiros, o Ibovespa fechou longe das máximas, mas se recuperou parcialmente do tombo de sexta-feira

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies