🔴 ESTA CRIPTOMOEDA DISPAROU 4.200% EM 2 DIAS – VEJA SE VALE INVESTIR

Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Potencial de 36% de alta

Como fica a XP após a separação do Itaú? Para o JP Morgan, é hora de comprar as ações da corretora

A equipe do JP Morgan vê as pressões vendedoras nas ações da XP após a separação com o Itaú se dissipando; assim, a recomendação é de compra

Victor Aguiar
Victor Aguiar
17 de outubro de 2021
14:15 - atualizado às 9:38
Foto mostrando dois homens olhando para o logo da XP (XPBR31) numa parede
XP - Imagem: Divulgação/XP

Comprar ou vender ações é uma decisão que, em grande parte, leva em conta os riscos associados a uma empresa. Por exemplo: o JP Morgan acredita que, hoje, o panorama de investimentos na XP é menos arriscado do que nas últimas semanas — e, com base nessa avaliação, passou a recomendar a compra dos ativos da corretora na Nasdaq.

Não houve mudança no preço-alvo para as ações da XP no mercado americano: o JP Morgan manteve o patamar de US$ 50, o que representa um potencial de alta de 36,2% em relação ao fechamento da última sexta-feira (15), a US$ 36,71. Na B3, os BDRs da XP (XPBR31) valem R$ 200,00.

"Nós vemos fundamentos muito fortes — o que dá suporte ao bom momento dos resultados financeiros", escreve a equipe do JP Morgan. No lado dos riscos, os analistas destacam que a pressão vendedora surgida após a cisão do Itaú está se dissipando, o que reduz uma das principais preocupações dos investidores.

O receio dos acionistas da XP era justificável: a fatia de cerca de 40% detida pelo Itaú foi totalmente separada da estrutura do banco; com isso, movimentos de venda de grandes blocos de ativos da XP poderiam ser disparados — e o aumento na oferta causaria uma queda nas cotações.

E, de fato, essa pressão vendedora foi vista nos últimos dias. Na Nasdaq, as ações da XP estavam na casa de US$ 42 no começo do mês, recuando até US$ 34 na última quinta (14); na B3, os BDRs XPBR31 saíram do patamar de R$ 223 para níveis abaixo de R$ 190 ao longo da semana passada.

Para o JP Morgan, grande parte desses vendedores já ajustou suas posições — e, sendo assim, o que resta são os fundamentos sólidos da XP e seus níveis de valuation bastante atrativos. O banco estima que a relação entre preço e lucro por ação para 2022 esteja ao redor de 26 vezes, o menor nível da série histórica e um desconto de cerca de 50% em relação à média histórica para os ativos.

XP (XPBR31): solidez no mercado

E de onde vem todo o apelo da XP?

Bem, vamos voltar um pouco no tempo: a empresa emergiu como uma alternativa aos grandes bancos, atraindo investidores que estavam particularmente interessados no mercado de ações — as taxas de juros no Brasil, afinal, passaram por uma forte baixa entre 2018 e 2020, comprimindo o rendimento dos títulos do governo.

Dito isso, estamos hoje numa tendência contrária de política monetária: o Banco Central tem elevado a Selic num ritmo relativamente elevado — a taxa básica de juros, que estava em 2% ao ano no começo do ano, já chegou a 6,25% e tende a continuar avançando —, o que inverte a lógica recente. Títulos de renda fixa voltam a ficar atrativos, enquanto as ações perdem o brilho.

Mas, para o JP Morgan, esse novo cenário não deve reduzir o apelo da XP — o banco acredita que os investidores buscam a empresa para um conjunto de produtos financeiros, e não apenas ações. "Apesar de a Selic em alta aumentar a demanda por instrumentos de renda fixa, a plataforma da XP acumulou uma experiência positiva suficiente para que os investidores continuem a usá-la para ajustar seus portfólios".

Os analistas ainda lembram que, hoje, as ações representam cerca de 15% dos ativos sob custódia no Brasil — um nível que ainda está bastante abaixo do pico visto em 2007, de aproximadamente 22%.

XP versus bancões: briga em andamento

O JP Morgan ainda destaca que o movimento de fuga dos bancões continua em andamento. "A participação dos bancos no total de ativos sob custódia era de cerca de 65% em 2020; a tendência em direção às assets segue valendo", escrevem os analistas.

Para o JP, a guerra dos escritórios independentes entre as plataformas aumentou a consciência dos investidores quanto às opções de produtos. Dito isso, os analistas ponderam que a XP continua ganhando tração com os clientes que são atendidos diretamente por sua equipe. "Estimamos que 50% dos ativos sob custódia venham de vendas diretas, um dado que, frequentemente, é pouco levado em conta pelos investidores".

Compartilhe

MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Ibovespa cai 3% na semana com peso da política monetária dos EUA e Petrobras (PETR4); dólar sobe a R$ 5,16

24 de maio de 2024 - 17:38

RESUMO DO DIA: A semana que parecia não ter fim acabou, mas sem alívio nos mercados: o Ibovespa completou seis pregões consecutivos de queda. O principal índice terminou o dia com baixa de 0,34%, aos 124.305 pontos. Na semana, o recuo acumulado foi de 3%. Já o dólar à vista avançou 0,27% ante o real […]

DESTAQUES DA BOLSA

Os números do PagBank (PAGS34) que ‘brilharam’ os olhos dos analistas e fazem as ações subirem na B3 e em NY 

24 de maio de 2024 - 14:53

A companhia teve um lucro líquido recorrente de R$ 522 milhões no primeiro trimestre, um crescimento de 33% na base anual

FUNDOS IMOBILIÁRIOS HOJE

Alianza Trust (ALZR11) fecha compra de imóveis do Oba Hortifruti; veja se há impacto nos dividendos do fundo imobiliário

24 de maio de 2024 - 11:47

A operação foi realizada na modalidade de “sale & leaseback”. Ou seja, os ativos serão locados pelo próprio vendedor

COMO SE ESPERAVA

Conselho de administração aprova e Magda Chambriard assume a presidência da Petrobras (PETR4)

24 de maio de 2024 - 9:41

Reunião do conselho de administração da Petrobras ocorreu na manhã desta sexta-feira; Magda Chambriard sucede Jean Paul Prates à frente da empresa

MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Petrobras (PETR4) e mau humor de Nova York pesam e Ibovespa cai pela quinta vez consecutiva; dólar tem leve queda 

23 de maio de 2024 - 17:33

RESUMO DO DIA: O Ibovespa até tentou romper o ciclo de quedas, mas a aversão ao risco dominou os investidores após dados econômicos mais fortes que o esperado nos Estados Unidos. Pela quinta vez consecutiva, o principal índice da bolsa brasileira fechou em queda de 0,74%, aos 124.729 pontos. O dólar fechou próximo da estabilidade […]

GRUPO DOS EXCLUÍDOS

B3 enquadra Infracommerce (IFCM3) para abandonar a condição de ‘penny stock’, mas solução ainda não foi encontrada  

23 de maio de 2024 - 10:35

Entre o período de 22 de março e 7 de maio deste ano, a dona da bolsa de valores acompanhou as cotações da companhia

MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Ibovespa cai 1% e volta aos 125 mil pontos com NY após ata do Fed; dólar sobe a R$ 5,15

22 de maio de 2024 - 17:10

RESUMO DO DIA: Os olhos dos investidores ficaram concentrados no exterior com a ata da última reunião do Federal Reserve (Fed). Por aqui, o Ibovespa acompanhou a deterioração das bolsas de Nova York, além da repercussão do noticiário corporativo local — que segue agitado com o fim da temporada de balanços. O índice terminou o […]

DESTAQUES DA BOLSA

Por que as ações da XP despencam 15% após o balanço do primeiro trimestre?

22 de maio de 2024 - 12:17

A corretora reportou lucro líquido de R$ 1 bilhão no período, alta de 29% ante os R$ 796 milhões registrados no início do ano passado

AÇÃO ESTÁ CARA?

XP tem apenas um motivo para rebaixar a recomendação das ações da Embraer (EMBR3) — e é por causa de uma assimetria

22 de maio de 2024 - 11:54

Para os analistas, a companhia deixou de atravessar os céus abertos e atingiu a ‘altitude de cruzeiro’ neste momento

EM BUSCA DE SALVAÇÃO

Unidas por Lemann? Americanas (AMER3) propõe grupamento de ações para deixar de ser ‘penny stock’ e abre espaço para aumento bilionário de capital

22 de maio de 2024 - 10:35

Na última terça-feira (21), as ações fecharam a R$ 0,53 na B3; veja o que muda para o acionista

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar