Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-06-29T09:24:30-03:00
Renan Sousa
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo e SpaceMoney. Twitter: @RenanSSousa1
Esquenta dos Mercados

Ajuste na conta de luz deve pesar na bolsa, mas IGP-M pode reduzir medo inflacionário

Arrecadação federal e resultado primário do governo central podem animar os negócios, mas bolsa não pode contar com exterior para subir

29 de junho de 2021
8:04 - atualizado às 9:24
conta, de luz, luz, lâmpada, inflação, conta de luz, luz, ipca
Imagem: Shutterstock

Se você está em casa nos últimos meses, deve ter sentido um aumento significativo na conta de luz. Para quem mora sozinho e passa o dia fora, ficar 24h por dia conectado em um computador pode ter alterado seu consumo.

Então, segure-se: a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) deve divulgar o novo reajuste da bandeira tarifária para o valor cobrado por cada quilowatt (kW). Essa seria uma maneira de compensar os gastos com as termelétricas usadas para gerar energia, tendo em vista que as hidrelétricas estão sofrendo com a crise hídrica. 

O impacto deve ser sentido nos indicadores de inflação, que não param de subir no Brasil. O índice geral de preços - mercado (IGP-M) foi divulgado agora pouco e deve movimentar os negócios ao longo do dia.

Quem faz o cálculo do IGP-M é a Fundação Getúlio Vargas, a FGV, e a instituição aponta que o índice recuou 0,60%, frente às estimativas de queda de até 1,0% este mês, de acordo com a mediana das projeções de especialistas ouvidos pelo Broadcast.

No acumulado dos últimos 12 meses, o indicador avançou 35,75%, abaixo das estimativas de alta de 36,30%. Com isso, o IGP-M deve reduzir os temores inflacionários até a divulgação do IPCA, dado oficial.

Por fim, a Receita Federal e o Tesouro Nacional devem divulgar os dados do setor público. A arrecadação federal primária e o resultado primário do governo central podem dar novo ânimo aos negócios. A retomada da economia deve influenciar diretamente ambos os dados.

Fechamento

Ontem, o Ibovespa conseguiu driblar a cautela e subiu 0,14%, aos 127.429 pontos. Já o dólar à vista recuou 0,19%, a R$ 4,9283. Confira o que pode influenciar a bolsa brasileira e a moeda americana nesta terça-feira (29):

Federal Reserve

Os investidores internacionais devem ficar atentos na quinta-feira (1º) e na sexta-feira (02), quando serão divulgados dados do emprego nos EUA. O Federal Reserve, o BC americano, reiterou o compromisso com a redução da taxa de desemprego para ajustar sua política monetária. 

A “prévia” começa com os pedidos de auxílio desemprego na quinta, que devem dar o tom para o relatório de empregos da folha de pagamento (payroll) e taxa oficial de desemprego. 

Conta de luz

Em pronunciamento em cadeia nacional de rádio e televisão, o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, negou a necessidade de racionamento de água em virtude da crise hídrica que se avizinha. Entretanto, cobrou “consumo consciente” dos brasileiros em regiões mais afetadas pela seca.

De acordo com economistas ouvidos pelo Broadcast, um aumento na conta de luz pode ter um impacto na inflação entre 0,25 pontos percentuais até 0,40 pontos percentuais. O índice de preços medido pelo IPCA já ultrapassa o limite da meta de 5,25% estipulado pelo BC para o ano. No acumulado de 12 meses, o índice avança 8,13%. 

Hoje, a Aneel deve divulgar o reajuste na bandeira tarifária (confira a agenda do dia). 

Bolsas pelo mundo

O medo da variante delta do coronavírus afetou o humor dos mercados ontem e chegou a pressionar os índices asiáticos hoje, que fecharam em baixa generalizada. O medo de uma nova onda de covid-19 e a possibilidade de uma nova paralisação das atividades está no radar dos investidores.

Na direção contrária, as bolsas da Europa avançam após dados locais da confiança do consumidor. Mas a cautela com o avanço da variante delta deve limitar os ganhos ao longo do dia. 

Chegando em Wall Street, futuros de Nova York operam de maneira mista, à espera das falas dos dirigentes do Fed e de olho nos dados do desemprego e da folha de pagamento (payroll) que devem ser divulgados perto do final da semana. 

Agenda do dia

  • FGV: Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) de junho (8h)
  • Receita Federal: Arrecadação federal em maio (10h30)
  • Estados Unidos: Confiança do consumidor em junho (11h)
  • Tesouro Nacional: Resultado primário do Governo Central de maio (13h)
  • Tesouro Nacional:  Secretário do Tesouro Nacional, Jeferson Bittencourt, secretário-adjunto do Tesouro Nacional, Rafael Araújo, e subsecretário de Planejamento Estratégico da Política Fiscal, Pedro Jucá, participam de coletiva sobre o resultado primário de maio (13h30)
  • Estados Unidos: Estoques de petróleo (17h30)
  • China: Índice do gerente de compras (PMI) industrial de junho (22h)
  • Aneel define reajuste de bandeira tarifária
Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Tartaruga x lebre

Warren Buffett está prestes a bater o retorno do fundo de empresas de tecnologia que brilhou na crise

As ações da Berkshire Hathaway, holding do bilionário, conseguiram lentamente se aproximar do retorno do ARK Innovation ETF, da badalada gestora Cathie Wood

Concurso 2446

Mega Sena acumula; confira os números sorteados e a previsão de prêmio para o próximo concurso

As dezenas sorteadas do concurso 2446 da Mega Sena foram 1-13-27-41-51-58. Próximo sorteio acontece no dia 25 de janeiro

Em busca de liquidez

WDC Livetech da Bahia (LVTC3) fará oferta para destravar negociações com ações para o pequeno investidor

Os papéis da WDC estrearam na B3 em julho do ano passado em oferta de ações restrita a investidores profissionais

Criptocrash

O que acontece com o bitcoin? 4 razões para o novo crash do mercado de criptomoedas

O bitcoin não é o mesmo desde que atingiu a máxima histórica de quase US$ 70 mil no início de novembro. Saiba as razões para o mau momento do mercado cripto

Sonho mais distante

Carro zero mais barato agora custa pelo menos 40 salários mínimos

Com alta de 27%, salário mínimo não conseguiu acompanhar o salto três vezes maior no período (83%) do preço do carro zero mais barato; confira

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies