Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-11-26T18:35:11-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Mudança ameaçada?

Entenda por que a queda das ações do Inter pode melar a migração do banco digital da B3 para a Nasdaq

Tudo vai depender de uma decisão dos acionistas do Inter, que precisam definir se aceitam trocar suas ações por BDRs ou receber o valor correspondente em dinheiro

26 de novembro de 2021
10:31 - atualizado às 18:35
Sede do Banco Inter stone
Sede do Inter - Imagem: Divulgação

O processo de migração do Inter da B3 para a Nasdaq subiu no telhado. Os acionistas do banco digital aprovaram a operação em assembleia ontem, mas ainda assim a mudança para Nova York pode ficar pelo caminho.

Tudo vai depender de mais uma decisão dos acionistas: eles agora têm até o dia 2 de dezembro para decidir se aceitam trocar suas ações BIDI11 e BIDI4 por recibos de ações (BDRs) do Inter Platform — como o banco vai se chamar na Nasdaq — ou se preferem receber o valor correspondente em dinheiro.

Um laudo contratado pelo Inter determinou o valor de R$ 44,58 por unit BIDI11 ou R$ 15,28 por ação BIDI4 para os acionistas que preferirem receber em dinheiro.

O problema para o Inter

Na época do anúncio da migração, o valor do reembolso era menor do que as cotações das ações do Inter na B3. Mas de lá para cá os papéis do banco digital despencaram junto com a piora dos mercados no Brasil e da percepção dos investidores com as fintechs — as novas empresas de tecnologia financeira.

No fechamento de ontem, a cotação de BIDI11 era de R$ 37,56 e BIDI4, de R$ 12,65 — ou seja, ambas abaixo do valor do reembolso. Desta forma, a decisão mais racional dos acionistas minoritários seria optar por receber em dinheiro, e não em BDRs.

Com a aversão a risco generalizada nos mercados nesta sexta-feira, essa equação ficou ainda mais favorável ao reembolso. As ações do Inter fecharam em forte queda, com perdas de 4,98% para as ações preferenciais (BIDI4), que terminaram o dia cotadas a R$ 12,02, e baixa de 3,94% para as units (BIDI11), que fecharam a R$ 36,08.

Na prática, se todos chegarem à mesma conclusão, a viagem para a Nasdaq é cancelada. Isso porque uma das condições para a operação ir adiante é que o valor desembolsado não passe dos R$ 2 bilhões.

O fundo japonês Softbank, um dos principais acionistas do Inter, já fechou acordo para transformar a participação de 15% no Inter em ações classe A ou BDRs.

Mas como banco possui mais de 40% das ações em circulação na B3, o valor a ser desembolsado passará — e muito — dos R$ 2 bilhões se a maioria preferir o dinheiro aos BDRs.

Por que o Inter quer ir para a Nasdaq?

A mudança para a Nasdaq permitirá que a família Menin — também dona da incorporadora MRV — mantenha as rédeas do Inter. Isso é possível graças ao chamado "supervoto", que permite a distinção entre classes de ações.

Os papéis que serão negociados no mercado (classe A) darão direito a um voto cada. Já as ações da classe B, que ficarão nas mãos dos atuais controladores, garantem 10 votos cada.

Em uma apresentação a investidores para explicar o processo de reestruturação, o Inter destacou que a mudança para a Nasdaq permitirá ao banco levantar quase US$ 19,7 bilhões em capital sem que os atuais controladores percam a maioria das ações com direito a voto.

Atualmente, a família Menin possui a maioria das ações com direito a voto, mas já está perto do limite de 50%. Isso significa que, se ficar aqui na B3, o limite para novos aumentos capitais sem a perda do controle cairia para US$ 569 milhões.

Leia também:

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

MÚSICA NO FANTÁSTICO

Unilever recebe mais um não da Glaxo para oferta de US$ 68 bilhões por divisão que produz Advil; entenda o caso

Se fosse concretizado, o acordo seria o maior em termos globais desde o início da pandemia de covid-19

EFEITOS COLATERAIS

Ômicron e seus investimentos: variante do coronavírus terá efeitos distintos sobre empresas de saúde na bolsa; saiba quais são eles

Planos de saúde devem enfrentar um cenário menos favorável dado o aumento dos índices de sinistralidade e pressão sobre os custos

FOI DADA A LARGADA

Petrobras (PETR4) e Novonor iniciam oficialmente processo para vender participações na Braskem; veja quanto a operação bilionária pode levantar

O pedido de registro para a oferta pública secundária, que será realizada no Brasil e no exterior, foi publicado na madrugada deste sábado (15) na CVM

INCENTIVO À MUDANÇA

Meca das criptomoedas? Estado americano tenta atrair trabalhadores com pagamento em bitcoin (BTC)

Iniciativa acontece em meio a explosão de crescimento no setor de tecnologia, especificamente naquelas habilitadas para blockchain

HEY, BROTHERS!

BBB é ‘fábrica de milionários’: prêmio de R$ 1,5 milhão é fichinha perto da fortuna que ex-participantes constroem; veja como Juliette, Gil do Vigor e outros ficaram ricos após reality

A edição de 2022 do BBB começa na próxima segunda e pode conceder o título de milionário a mais pessoas; veja quem já conseguiu se consagrar com a participação na casa mais vigiada do Brasil

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies