🔴 HERANÇA EM VIDA? NOVO EPISÓDIO DE A DINHEIRISTA! VEJA AQUI

Rafael Lara
Rafael Lara
Estudante de jornalismo na Faculdade Cásper Líbero de São Paulo. Trabalhou em empresas como: TV Gazeta, Suno Research e Portal iG.
Pegue o passaporte

Como usar os ETFs para escapar do risco Brasil e investir nas bolsas globais sem sair da B3

Qualquer investidor com uma conta em corretora pode ter acesso hoje mesmo a uma cesta de ativos que representa as ações das maiores empresas do mundo

Rafael Lara
Rafael Lara
26 de fevereiro de 2021
5:22 - atualizado às 18:51
ETFs Gringos Pokebolas v2
Arte traz os códigos na bolsa dos principais ETFs internacionais Imagem: Montagem / Andrei Morais

A derrocada das ações da Petrobras na segunda-feira com a polêmica troca no comando da estatal deixou o mercado financeiro e milhares de investidores com os nervos à flor da pele. Sabe quem não perdeu o sono (e nem o cabelo) por preocupação com isso? Quem tem a carteira de ações diversificada com ativos internacionais.

Manter uma parcela do portfólio fora do país já foi uma tarefa bem complicada, mas hoje qualquer investidor com uma conta em corretora pode ter acesso a uma cesta de ativos que representa as ações das maiores empresas do mundo. Como? A resposta é está na sigla ETF.

Caso você tenha se esquecido, ETFs são fundos negociados em bolsa que buscam replicar o desempenho de algum índice.

Além dos indicadores nacionais, como o Ibovespa, a B3 também possui ETFs internacionais listados para negociação. Eles não só podem, como devem ser uma bela opção para que você não tenha que se preocupar com essas variações gigantescas que no fim do dia só vão ter servido para te estressar. 

Lá na primeira matéria, te expliquei sobre os ETFs que replicam o Ibovespa e qual seria o melhor para que você tenha na carteira. Para os internacionais, isso fica ainda mais interessante, já que não existe um melhor em si, mas objetivos diferentes para cada um deles. 

Na B3, temos quatro ETFs internacionais e que você consegue comprar em reais: IVVB11 e SPXI11 (EUA), XINA11 (China) e EURP11 (junção de vários índices da Europa). Pegue sua passagem e bora viajar com esses índices internacionais que te farão esquecer se deve (ou não) investir em uma Petrobras. 

Must-Have (essenciais): IVVB11 e/ou SPXI11

De acordo com Rodrigo Knudsen, gestor da Vitreo e responsável pelo fundo Tech Ásia, a alocação básica em um portfólio internacional precisa ter o S&P500 (índice das 500 principais ações dos Estados Unidos. “É o mercado onde tem as maiores inovações e uma alocação grande em tecnologia." 

O primeiro da nossa lista é o tradicional IVVB11, que é o mais popular e conhecido ETF para a exposição do seu capital ao mercado de capitais norte-americano. O foco desse ativo é replicar o comportamento do S&P500.

A gestão do IVVB11 é realizada pela BlackRock e cobra como taxa de administração pelos serviços prestados uma taxa de 0,24% ao ano. O que esse ETF faz é comprar cotas do IVV, que é um ativo listado nos Estados Unidos e que oferece empresas como: Apple, Amazon, Facebook, Coca-Cola, Microsoft e Alphabet (Google).

  • Ano de criação: 2014
  • Fundador: BlackRock
  • Taxa de administração: 0,24% a.a

Já o SPXI11 é o grande concorrente do IVVB11 para o investidor brasileiro. Lançado em 2015, um ano após o da BlackRock, o ETF é gerido pelo Itaú Unibanco. No início, a taxa de administração cobrada era de 0,27%. Contudo, recentemente ela baixou para 0,21% visando dar maior competitividade ao ETF.

Outra diferença é que, apesar de ambos os ativos terem por objetivo replicar o S&P 500, as estratégias são diferentes. Em vez de investir no ETF IVV, o SPXI11 aloca o capital dos seus cotistas em outro ETF americano, o VOO Vanguard S&P 500. 

  • Ano de criação: 2015
  • Fundador: Itaú Unibanco 
  • Taxa de administração: 0,21%  a.a

Leia também:

增添你的錢包 (Apimentando a sua carteira): XINA11

Enquanto os EUA são o mercado clássico, o primeiro ponto de parada para quem deseja diversificar seus investimentos no mercado internacional de ações, a China proporciona o exótico. O que no mundo dos investimentos se trauz em maior risco e, consequentemente, mais chance de retornos altos.

O XINA11 é o primeiro ETF do mercado brasileiro focado no mercado da China e busca replicar o índice MSCI China, composto por mais de 600 companhias chinesas. O fundo possui uma taxa de administração de 0,30% ao ano, é gerido pela XP Investimentos e tem exposição ao dólar.

"Existe um mercado consumidor gigante na China, que é um país de alta tecnologia e ainda está expandindo sua economia”, explicou Knusden.

Mas para quem deseja ter uma exposição internacional no portfólio para fugir da intervenção estatal, o ETF chinês talvez não seja a melhor opção. O recente caso do cancelamento do IPO da AntGroup, do grupo do bilionário Jack Ma, é um bom exemplo da mão pesada do Estado na economia e nos mercados, segundo o especialista da Vitreo.

  • Ano de criação: 2020
  • Fundador: XP Investimentos
  • Taxa de administração: 0,30% a.a

Diversifica il tuo portafoglio (Diversifique sua carteira): EURP11

Você também pode ter uma carteira com ações do Velho Mundo sem precisar sair da B3 com o EURP11.

Criado em janeiro deste ano pela XP e com taxa de administração de 0,39% a.a, o primeiro ETF do Brasil focado em ações europeias segue o Trend ETF MSCI Europa, índice que engloba mais de 1000 empresas de média e alta capitalização de mercado da Europa.

No índice, há uma exposição a países como: Reino Unido (24,2%), França (15,7%), Suíça (14,6%), Alemanha (14,1%), Suécia (6,5%), Holanda (6,1%) e Itália (4%). 

  • Ano de criação: 2021
  • Fundador: XP Investimentos
  • Taxa de administração: 0,39% a.a

Compartilhe

Engordando os proventos

Caixa Seguridade (CXSE3) pode pagar mais R$ 230 milhões em dividendos após venda de subsidiárias, diz BofA

14 de setembro de 2022 - 13:22

Analistas acreditam que recursos advindos do desinvestimento serão destinados aos acionistas; companhia tem pelo menos mais duas vendas de participações à vista

OPA a preço atrativo

Gradiente (IGBR3) chega a disparar 47%, mas os acionistas têm um dilema: fechar o capital ou crer na vitória contra a Apple?

12 de setembro de 2022 - 13:09

O controlador da IGB/Gradiente (IGBR3) quer fazer uma OPA para fechar o capital da empresa. Entenda o que está em jogo na operação

novo rei?

O Mubadala quer mesmo ser o novo rei do Burger King; fundo surpreende mercado e aumenta oferta pela Zamp (BKBR3)

12 de setembro de 2022 - 11:12

Valor oferecido pelo fundo aumentou de R$ 7,55 para R$ 8,31 por ação da Zamp (BKBR3) — mercado não acreditava em oferta maior

Exclusivo Seu Dinheiro

Magalu (MGLU3) cotação: ação está no fundo do poço ou ainda é possível cair mais? 5 pontos definem o futuro da ação

10 de setembro de 2022 - 10:00

Papel já alcançou máxima de R$ 27 há cerca de dois anos, mas hoje é negociado perto dos R$ 4. Hoje, existem apenas 5 fatores que você deve olhar para ver se a ação está em ponto de compra ou venda

NOVO ACIONISTA

Com olhos no mercado de saúde animal, Mitsui paga R$ 344 milhões por fatias do BNDES e Opportunity na Ourofino (OFSA3)

9 de setembro de 2022 - 11:01

Após a conclusão, participação da companhia japonesa na Ourofino (OFSA3) será de 29,4%

Estreia na bolsa

Quer ter um Porsche novinho? Pois então aperte os cintos: a Volkswagen quer fazer o IPO da montadora de carros esportivos

6 de setembro de 2022 - 11:38

Abertura de capital da Porsche deve acontecer entre o fim de setembro e início de outubro; alguns investidores já demonstraram interesse no ativo

Bateu o mercado

BTG Pactual tem a melhor carteira recomendada de ações em agosto e foi a única entre as grandes corretoras a bater o Ibovespa no mês

5 de setembro de 2022 - 15:00

Indicações da corretora do banco tiveram alta de 7,20%, superando o avanço de 6,16% do Ibovespa; todas as demais carteiras do ranking tiveram retorno positivo, porém abaixo do índice

PEQUENAS NOTÁVEIS

Small caps: 3R (RRRP), Locaweb (LWSA3), Vamos (VAMO3) e Burger King (BKBR3) — as opções de investimento do BTG para setembro

1 de setembro de 2022 - 13:50

Banco fez três alterações em sua carteira de small caps em relação ao portfólio de agosto; veja quais são as 10 escolhidas para o mês

PATRIMÔNIO HISTÓRICO

Passando o chapéu: IRB (IRBR3) acerta a venda da própria sede em meio a medidas para se reenquadrar

30 de agosto de 2022 - 11:14

Às vésperas de conhecer o resultado de uma oferta primária por meio da qual pretende levantar R$ 1,2 bilhão, IRB se desfaz de prédio histórico

Exclusivo Seu Dinheiro

Chega de ‘só Petrobras’ (PETR4): fim do monopólio do gás natural beneficia ação que pode subir mais de 50% com a compra de ativos da estatal

30 de agosto de 2022 - 9:00

Conheça a ação que, segundo analista e colunista do Seu Dinheiro, representa uma empresa com histórico de eficiência e futuro promissor; foram 1200% de alta na bolsa em quase 20 anos – e tudo indica que esse é só o começo de um futuro triunfal

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar