Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-01-27T14:15:45-03:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
MAIS DESINVESTIMENTOS?

Oi contrata Bank of America para acelerar venda de telefonia móvel, diz jornal

De acordo com o jornal O Globo, a companhia espera obter R$ 15 bilhões com o negócio

26 de janeiro de 2020
10:27 - atualizado às 14:15
oi
Imagem: Shutterstock

Depois de confirmar a venda de 25% da participação que possui na Unitel para a Sonagol, a Oi está se movimentado para fazer mais desinvestimentos. Segundo informações do jornalista Lauro Jardim, de O Globo, a operadora contratou o Bank of America (BofA) para agilizar a venda da sua parte de telefonia móvel.

De acordo com o jornal, a companhia espera obter R$ 15 bilhões com o negócio e as informações do interesse de outras operadoras também já foram repassadas à TIM, Vivo e Claro.

O ano deve ser agitado para a Oi. Na sexta-feira passada (24), a operadora de telefonia vendeu os 25% de participação que detinha na angolana Unitel para a Sonagol por US$ 1 bilhão.

Até aquele momento, a Oi tinha recebido o valor de US$ 760 milhões pela transação, sendo que US$ 699,1 milhões foram transferidos na última-feira e US$ 60,9 milhões já tinham sido creditados anteriormente.

Já os US$ 240 milhões restantes do montante total, por sua vez, deveriam ser pagos até 31 de julho de 2020 e estão garantidos por carta de fiança emitida por banco de primeira linha. O documento divulgado pela Oi dizia ainda que estava assegurado à operadora de telefonia um fluxo mínimo mensal de US$ 40 milhões que deveria ser pago a partir de fevereiro de 2020.

Após a confirmação da transação, os papéis da companhia chegaram a cair 7,48% na sexta-feira (24). Porém, próximo do fim do pregão, as ações recuaram ainda mais e terminaram a sexta-feira cotadas em R$ 0,96, o que representa uma contração de 10,28%.

Uma das possíveis razões para a queda é que o mercado precificou a venda já ontem, o que fez com que as ações subissem mais de 9% no pregão de quinta-feira (23). Já no dia seguinte, o mercado realizava mais um movimento de ajuste e devolução dos ganhos, além do que como o papel vale bem pouco (abaixo de R$ 1) qualquer movimento acaba gerando grandes alterações em seu preço.

A operação está prevista no plano de recuperação judicial da Oi e de suas subsidiárias. Ela também faz parte do plano estratégico divulgado pela companhia em julho do ano passado.

Números da Oi

Ao apresentar o resultado do terceiro trimestre de 2019, a Oi reportou um prejuízo líquido consolidado de R$ 5,747 bilhões. O número é 330% maior que o apresentado nos mesmos três meses do ano anterior, quando o resultado havia sido um prejuízo de R$ 1,336 bilhão.

Com esses números, a companhia apresenta um prejuízo acumulado de R$ 6,738 bilhões em 2019, até setembro. Os principais fatores que influenciaram o balanço foram a queda de 8,88% na receita (R$ 5,001 bilhões), a valorização do dólar (que afeta a dívida da empresa) e a baixa contábil de ativos, calculada em R$ 3,342 bilhões.

O Ebitda (lucro antes dos juros, impostos, depreciação e amortização) calculado segundo a norma contábil IFRS 16,  foi de R$ 1,374 bilhão no terceiro trimestre, dentro da meta prevista para o ano, uma margem de 27,5%.

Já o faturamento caiu nos três segmentos de negócios: móvel, fixo e corporativo. Na categoria residencial a queda foi de 13,5%. No móvel, 2,2% e no corporativo, conhecido como B2B, 7,9%.

A base de clientes da companhia também sofreu uma diminuição de 6,2%, com o setor mais afetado sendo a de clientes residenciais.

O resultado financeiro ficou negativo em R$ 2,376 bilhões, uma piora de 73% na comparação anual, puxado principalmente pela disparada do dólar, impactando a dívida na moeda estrangeira.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Mercados Hoje

Ibovespa abre em queda, seguindo as bolsas de Nova York e dólar avança hoje; risco fiscal volta ao radar com PEC dos combustíveis

Na semana, o índice brasileiro ainda acumula alta de mais de 1%; confira o que movimenta o mercado hoje

MERCADO BITCOIN LIVRE

Mercado Livre compra participação no Mercado Bitcoin com foco em criptomoedas; parceria inclui acordo com Paxos, empresa de tecnologia blockchain

Esta não é a primeira vez que o Mercado Livre entra no mercado de criptomoedas: em 2021, a empresa havia comprado cerca de US$ 7,8 milhões em bitcoin

Tendências da bolsa

AGORA: Ibovespa futuro abre em queda e acompanha Nova York, enquanto dólar sobe para R$ 5,44

Com agenda esvaziada, tanto por aqui quanto no exterior, investidores devem ficar de olho no último dia do Fórum Econômico Mundial, enquanto aguardam reunião do Fed, agendada para a semana que vem

semana em cripto

Investidores de bitcoin e criptomoedas liquidam mais de meio bilhão de dólares em contratos futuros em menos de 24h; BTC já cai 16% em 2022

Com queda de quase 8% nas últimas 24 horas, bitcoin perde o patamar de US$ 39 mil; confira o que mexe com o mercado de criptomoedas

O melhor do Seu Dinheiro

A Tentação de nadar com a maré, dividendos bilionários da Intermédica, NFTs da Meta e outros destaques do dia

Apesar de ser difícil decidir ir contra a maioria, no longo prazo, é a estratégia que dá resultados; entenda como ganhar dinheiro com esta abordagem

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies