Menu
2020-09-13T10:17:40-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Dinheiro na mesa

Pedágio da venda antecipada, spread do Tesouro Direto é salgado e afeta rentabilidade

Diferença entre taxas dos títulos prefixados e atrelados à inflação no Tesouro Direto é alta quando consideramos as médias do mercado secundário, onde atuam os grandes investidores

14 de setembro de 2020
5:49 - atualizado às 10:17
pedagio-1920×1080
Imagem: Shutterstock

No início de agosto, eu publiquei aqui no Seu Dinheiro uma matéria sobre o spread (diferença) entre as taxas de compra e venda dos títulos públicos negociados no Tesouro Direto. Essa diferença acaba fazendo com que os preços de compra e de venda de um mesmo título num mesmo momento sejam diferentes.

O spread não é algo exclusivo do Tesouro Direto. Ele existe também no mercado secundário de títulos públicos (onde negociam os grandes investidores) e em muitos outros - você já deve ter notado as diferenças dos preços de compra e venda do dólar turismo, por exemplo, ao trocar seus reais numa casa de câmbio.

No Tesouro Direto, o spread acaba se justificando para acomodar as variações dos preços dos títulos no mercado secundário, que serve de referência para o cálculo dos preços no Tesouro Direto.

E sim, ele se faz necessário para que os investidores do Tesouro Direto não sejam capazes de especular com os títulos em operações de prazo muito curto, que gerariam prejuízo para o Tesouro Nacional. Também evita que as operações sejam interrompidas com maior frequência.

Mas, como vimos na matéria de agosto, o spread acaba comendo uma parte da rentabilidade quando o investidor vende o título antes do vencimento. E a pergunta que fica é: no caso dos títulos prefixados e indexados à inflação, esse spread não é meio alto?

Spread médio do mercado secundário é bem menor

Conforme eu expliquei na matéria anterior, o spread entre as taxas de compra e venda do Tesouro Selic (LFT), título mais conservador do Tesouro Direto, é de apenas 0,01 ponto percentual. Assim, se na compra o título paga Selic + 0,03%, por exemplo, na venda, a taxa desse mesmo título será Selic + 0,04%.

Mas no caso dos títulos prefixados e atrelados à inflação, como vimos, esse spread é bem maior, de 0,12 ponto percentual, para qualquer título e prazo de vencimento.

Por exemplo, na manhã do dia 3 de setembro, o Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais (NTN-B) com vencimento em maio de 2055 estava pagando 4,02% + IPCA na compra e 4,14% + IPCA na venda. Com isso, o preço de compra era R$ 4.584,61, e o de venda era R$ 4.493,95.

Porém, nos dias 2 e 3 de setembro, o spread entre as taxas médias de compra e venda deste título no mercado secundário, segundo a Anbima, foi de 0,03 ponto.

É possível consultar os preços e taxas médios, bem como as taxas mínimas e máximas, para diversos vencimentos de títulos públicos no mercado secundário nos últimos cinco dias úteis diretamente no site da Anbima.

É preciso notar que estes não são dados absolutos e oficiais, mas são utilizados como uma das referências para o Tesouro calcular os preços e taxas do Tesouro Direto.

Uma consulta desses dados nos cinco primeiros dias úteis de setembro mostra que os spreads médios de LTNs, NTN-Fs e NTN-Bs - equivalentes aos títulos Tesouro Prefixado sem e com Juros Semestrais e Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais - não chegaram nem a 0,05 ponto percentual nessas datas. Repare:

É verdade que o spread máximo - a diferença entre a maior taxa de compra e a menor taxa de venda de cada dia - acaba sendo bem maior que os 0,12 ponto percentual do Tesouro Direto. No secundário, os preços e taxas podem divergir muito num mesmo período do dia.

Mas as taxas médias costumam rondar as taxas indicativas (que tomam como referência o preço justo para para cada vencimento), e as taxas do Tesouro Direto também.

No secundário, o spread diverge conforme a liquidez do título - quanto maior a liquidez, menor tende a ser o spread. Já no Tesouro Direto, não há distinção. O spread é o mesmo para todos os títulos prefixados e atrelados à inflação.

Quanto você deixa na mesa

Mas qual é realmente o impacto de 0,1 ponto percentual entre as taxas de compra e venda no seu investimento? O que de fato aconteceria à sua rentabilidade se o spread do Tesouro Direto se aproximasse mais daquele praticado no mercado secundário.

Eu fiz uma simulação de compra e venda de um título Tesouro Prefixado 2023 (LTN) na calculadora do Tesouro Direto na situação atual e numa situação hipotética em que o spread fosse de 0,02 ponto, em vez de 0,12.

Lembre-se de que considerar o spread só faz sentido em situações em que há venda do título antes do vencimento. Quem fica com o papel até o fim do prazo recebe exatamente a rentabilidade contratada na compra, não sendo afetado pelas flutuações de preços e taxas no meio do caminho.

Estipulei que a compra teria sido feita no dia 2 de janeiro de 2020, quando a taxa de compra da manhã para esse título era de 5,75% ao ano; já a venda teria sido feita no dia 10 de setembro. Na primeira simulação, a taxa de venda foi igual à do dia 9 de setembro, 4,25%; já na segunda simulação, estipulei uma taxa de venda hipotética de 4,15%. Confira o histórico de preços e taxas do Tesouro Direto aqui.

Em ambos os casos, imaginei uma corretora que não cobrasse taxa (ou seja, só há cobrança de taxa de custódia de 0,25% ao ano) e há cobrança de imposto de renda sobre o ganho, a uma alíquota de 20%.

Na situação atual, o investidor teria obtido um ganho bruto de 10,93% ao ano, o equivalente a uma rentabilidade líquida de 8,45% ao ano. Ou seja, se tivesse investido R$ 10 mil, teria resgatado R$ 10.572,88, um retorno de 5,73% nesses cerca de nove meses.

Já na situação hipotética com spread menor, o ganho bruto teria sido de 11,29% ao ano, o equivalente a uma rentabilidade líquida de 8,74% ao ano. Ao investir R$ 10 mil, o investidor teria resgatado R$ 10.591,83, um retorno de 5,92% em cerca de nove meses.

O que diz o Tesouro

Em tempos de Selic em 2% ao ano, qualquer ponto percentual faz diferença no retorno. E se estivermos falando, por exemplo, de um investidor que está fazendo uma venda antecipada de um título apenas para trocá-lo por outro, sem deixar a plataforma do Tesouro, essas pequenas “penalidades” vão machucando a rentabilidade da sua carteira.

Lembre-se, ainda, de que os fundos de investimento atuam no secundário, onde não necessariamente precisam encarar spreads tão elevados - muito embora, é verdade, não contem com a previsibilidade e transparência de um sistema como o do Tesouro Direto.

Pessoas físicas também podem negociar pelo secundário, via mesa de operações da corretora, mas em geral é preciso fazer aportes elevados, de no mínimo R$ 50 mil, o que não é usual para quem investe em títulos públicos.

Fora que, nessas situações, o investidor fica completamente no escuro quanto a preços, taxas e spreads, dependendo unicamente das informações da corretora.

Então eu perguntei para o Tesouro Direto se não seria possível ter uma quantidade maior de atualizações de preços durante o dia a fim de reduzir o spread dos títulos prefixados e atrelados à inflação; ou, ainda, se não seria possível trabalhar com os preços do secundário em tempo real ou spreads diferentes de acordo com o prazo do título, por exemplo, já que o spread igual para todos os vencimentos costuma pesar mais nos títulos mais curtos.

Segue a resposta do Tesouro, com esclarecimentos sobre o mercado secundário:

“O mercado secundário de títulos públicos federais é predominantemente um mercado de balcão, com liquidez pulverizada entre diferentes calls de diversas corretoras que ocorrem ao longo dia. Diferentemente do mercado de renda variável, um título pode ser negociado a preços distintos em um determinado momento do dia, isto é, as taxas podem divergir entre os calls.

Como você bem salientou, hoje o Tesouro Direto possui pelo menos três precificações ao longo do dia, podendo ocorrer mais a depender das condições de mercado. Já os spreads aplicados, além de ser uma prática de mercado, visam proteger tanto os investidores quanto os contribuintes de oscilações nas taxas.

O Tesouro Nacional avalia continuamente oportunidades de melhoria no programa que atendam tantos os interesses dos investidores, quanto dos contribuintes, que são quem financia em última instância o Tesouro Nacional. Como exemplos desse processo contínuo de aperfeiçoamento, podemos citar a diminuição do spread do Tesouro Selic e as reduções nas taxas custódia.”

Pelas respostas que eu obtive do Tesouro, não está completamente descartada a possibilidade de redução desse spread dos títulos pré e IPCA, mas também não há mudanças à vista. Por ora, o Tesouro considera o spread adequado para as suas finalidades - mas que ele está um pouco salgado em relação à média do secundário está.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

relações com os eua

Não acho que sucessão nos EUA mude disputa com China por 5G, diz Mourão

Mais uma vez questionado sobre a possibilidade de o governo brasileiro reconhecer a vitória do democrata Joe Biden na eleição americana, Mourão repetiu o discurso de que, “no momento certo, será feito o que tiver de ser feito”

em expansão

Notre Dame Intermédica compra Grupo Hospitalar de Londrina por R$ 170 milhões

Plano de integração com a empresa comprada prevê sinergias operacionais e administrativas com as operações da Clinipam no Estado do Paraná

seu dinheiro na sua noite

ESG no Brasil é conversa pra boi dormir?

Na última quinta-feira, véspera do Dia da Consciência Negra, o País ficou horrorizado com a morte de João Alberto de Freitas, homem negro que foi espancado por seguranças de uma loja da rede Carrefour em Porto Alegre. Não foi o primeiro incidente em uma loja da companhia a ganhar o noticiário policial. Desta vez, o […]

diante da crise

Anac aprova reequilíbrio de R$ 1,27 bilhão para quatro aeroportos

Terminais que foram beneficiados foram os aeroportos internacionais de Guarulhos (R$ 854,9 milhões), Brasília (R$ 184,8 milhões), Salvador (R$ 114,9 milhões) e Confins (R$ 111,1 milhões)

últimos capítulos

Centro de treinamento de pilotos da Varig vai a leilão

Funcionários, que esperam há 14 anos por uma solução para o pagamento de indenizações, querem que 80% do valor arrecadado seja rateado entre os 13 mil ex-empregados

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies