Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-04-23T16:53:04-03:00
Felipe Saturnino
Felipe Saturnino
Graduado em Jornalismo pela USP, passou pelas redações de Bloomberg e Estadão.
Refém dos novos amigos?

Possível saída de Moro fragiliza Bolsonaro e fortalece Centrão, diz XP

Pedidos de grupo político sobre cargos e verbas podem ser ainda maiores com governo enfraquecido, diz Richard Back, da XP

23 de abril de 2020
16:40 - atualizado às 16:53
O presidente Jair Bolsonaro ao lado do ministro da Justiça Sergio Moro
O presidente Jair Bolsonaro ao lado do ministro da Justiça Sergio Moro - Imagem: Alan Santos/PR/Fotos Públicas

A possível demissão do ministro da Justiça, Sergio Moro, noticiada nesta quinta-feira (23), resultará na fragilização do governo de Jair Bolsonaro e no fortalecimento do grupo de parlamentares do chamado Centrão, diz Richard Back, analista político da XP Investimentos.

Segundo Back, a saída de Moro deverá gerar uma "perda de fatia importante" no eleitorado de Bolsonaro. Atualmente, segundo as pesquisas da XP/Ipespe, Bolsonaro é aprovado por cerca de 30% da população.

"Moro é, estruturalmente, a figura mais bem avaliada do governo, disparado. Muito mais do que o presidente, muito mais do que qualquer outro ministro. Quem chegou perto dele foi o Mandetta nesse pico do coronavírus."

Além da perda na popularidade de Bolsonaro, haveria outra divisão no eleitorado do presidente: um embate nas redes sociais entre os apoiadores da Lava Jato que hoje aprovam o governo justamente pelo ex-juiz federal ocupar um de seus ministérios.

Há ainda um ponto adicional, referente ao cálculo político, envolvido na situação do chefe da pasta da Justiça, diz Back. Segundo ele, Moro, símbolo da Lava Jato, pode estar atravessando um constrangimento, já que Bolsonaro tem se aproximado de políticos envolvidos em suspeitas de corrupção.

Recentemente, o noticiário tem dado conta de que o presidente da República recebeu membros do Centrão para negociar cargos no governo e obter maior apoio no Congresso.

Em meio à negociação aberta com o grupo, uma eventual saída de Moro, reduzindo a popularidade de Bolsonaro, enfraqueceria o governo, diz Back.

"Os partidos do Centrão levam em conta os 30% sólidos de aprovação que tem o Bolsonaro", afirma Back. "Uma vez que Moro saia, Bolsonaro está mais fraco, e quando se abre esse tipo de negociação de verba e cargo, a força do presidente conversa com o tamanho da conta que essa turma vai pedir."

Para o analista, deste modo, as demandas do grupo seriam ainda maiores e a situação de Bolsonaro se tornaria politicamente mais frágil. "Ficaria refém dos novos amigos", diz Back.

Após a divulgação da notícia sobre o pedido de demissão de Moro, o Ibovespa chegou a acentuar a sua queda acima de 2%, mas agora reduz as perdas. O dólar opera no nível de R$ 5,50 pela primeira vez na história. Confira nossa cobertura de mercados.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Exile on Wall Street

Quem não tem teto de vidro? As implicações das ameaças ao teto de gastos sobre seus investimentos

Ameaça ao teto fiscal exige atenção redobrada sobre a necessidade de diversificação e algumas proteções para a carteira – e há possíveis bons hedges para o momento

bitcoin (BTC) hoje

É recorde! Bitcoin (BTC) atinge nova máxima histórica com o novo rali das criptomoedas

A aprovação do ETF nos EUA impulsionou a alta do bitcoin, mas a principal criptomoeda do mercado pode subir ainda mais, segundo analistas

MERCADOS HOJE

Ibovespa engata recuperação, mas segue sob pressão do risco fiscal enquanto dólar tem alívio; Getnet (GETT11) dispara 14% hoje

A agenda local está esvaziada nesta semana, mas os investidores aguardam por um desfecho para a PEC dos precatórios

COLUNA DO JOJO

Bolsa hoje: estaria o governo querendo furar o teto?

Ignorando o bom humor internacional de ontem, nós brasileiros vivemos nossa própria realidade, muito afetados com o vaivém de Brasília, que prejudicou bastante os mercados e que promete prejudicar ainda mais nos próximos dias

Tendências da bolsa

AGORA: Ibovespa futuro opera próximo da estabilidade, com risco fiscal no radar; dólar avança

No panorama doméstico, o risco fiscal permanece no radar, enquanto a temporada de balanços segue no exterior

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies