Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-12-18T13:51:21-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
esperança para 2021

Para Brasil ‘voltar a voar’, é preciso vacinação em massa, diz Guedes

Ministro comparou país a um pássaro – sendo, para ele, uma asa da economia e outra da saúde; apesar de defender a vacina, Guedes sinalizou para o presidente ao falar em não obrigatoriedade do imunizante

18 de dezembro de 2020
13:30 - atualizado às 13:51
Paulo Guedes
Ministro da Economia, Paulo Guedes - Imagem: Alan Santos/PR

O ministro da Economia, Paulo Guedes, comparou o Brasil a um pássaro ao falar sobre o desempenho da atividade. "Para voltar a voar, ele precisa bater as duas asas. Da recuperação econômica e da saúde, com vacinação em massa", disse.

Apesar de destacar a importância da imunização para a retomada econômica, Guedes alinhou-se ao discurso do presidente e defendeu que a vacinação seja voluntária. "O que governo tem que fazer é disponibilizar todas as vacinas, e o brasileiro pode escolher a vacina que quer tomar. E não paga", disse.

Guedes afirmou hoje à jornalistas que, do ponto de vista econômico, é “evidente” que a vacinação é um investimento que tem que ser feito pelo governo. “O auxílio custa R$ 55 bilhões por mês, a vacinação de toda a população, R$ 20 bilhões, menos da metade”, comparou.

Guedes citou a Medida Provisória já editada pelo presidente para destinar R$ 20 bilhões à compra de vacinas para a população. Mas o governo tem sido criticado pela ausência de detalhes em seu Plano Nacional de Imunização e pela demora em acordos com laboratórios para compra de doses de vacina.

Em coletiva de balanço de final de ano, Guedes disse que colocou seu secretário-executivo, Marcelo Guaranys, à disposição do Ministério da Saúde para resolver quaisquer problemas de recursos ou medidas para a saúde. Guedes afirmou que tem ajudado todos os ministros da saúde, “o primeiro, o segundo, o terceiro”.

A Saúde, porém, enfrentou alguns problemas operacionais para usar os recursos, segundo o ministro da Economia. "Se houve uma pressão foi nossa no Ministério da Saúde para empenhar mais recursos", disse.

Guedes estimou que aproximadamente 70% dos recursos destinados ao combate à covid-19 foram empregados na preservação de vidas e outros 30% em medidas de crédito, ajuda a empresas e preservação de empregos.

O benefício pago a vulneráveis na pandemia começou em R$ 200 propostos pela equipe econômica, depois elevado a R$ 500 pelo Congresso e, por fim, alcançou R$ 600 com chancela de Bolsonaro. Esse valor permaneceu por cinco meses e, depois, foi reduzido a R$ 300.

Guedes ainda mencionou a ajuda financeira a Estados e municípios, que incluiu um repasse de R$ 60 bilhões em recursos, mas resultou num alívio maior por causa da suspensão temporária de dívidas.

Reformas

O ministro da Economia ressaltou nesta sexta que, mesmo na pandemia, a equipe econômica não abandonou "em nenhum momento" a ideia de que as reformas precisam continuar.

"Exigimos que o aumento transitório de despesas com saúde não se tornasse permanente", afirmou Guedes. "Estamos tentando nos levantar dessa tragédia fiscal, além da de saúde", disse em coletiva de balanço de fim de ano.

Ele voltou a citar a contrapartida ao socorro a Estados e municípios, que congelou aumentos de salários de servidores até o fim do ano que vem, como uma conquista importante. "Poderíamos ser empurrados ao abismo fiscal se houvesse aumento generalizado de salários", afirmou.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Fusão cheia de travas

Na Omega Geração (OMGE3), um grupo importante de acionistas está descontente — e quer barrar os planos da empresa

Fundos detentores de 28,6% da Omega Geração (OMGE3) se uniram e dizem que não vão aprovar a fusão com a Omega Distribuição nos termos atuais

Potencial de 36% de alta

Como fica a XP após a separação do Itaú? Para o JP Morgan, é hora de comprar as ações da corretora

A equipe do JP Morgan vê as pressões vendedoras nas ações da XP após a separação com o Itaú se dissipando; assim, a recomendação é de compra

Digitalização

A hora e a vez do e-commerce: com pandemia, comércio online mais que dobra e já chega a 21% das vendas do varejo

O fechamento das lojas físicas promovido pela pandemia fez o setor de varejo acelerar a aposta no e-commerce e nas vendas digitais

A bolsa como ela é

Stone, Inter e Méliuz caem forte na bolsa. É o fim das fintechs como as conhecemos?

Muito desse movimento tem a ver com a subida dos juros. Mas alguns fatores específicos também pesaram sobre as ações. Em alguns casos, pesaram com razão; em outros, nem tanto

Ajuste seu relógio

Pregão terá uma hora a mais a partir de novembro; entenda a mudança e veja a nova agenda da bolsa

As alterações começam a valer a partir do dia 8 de novembro; a B3 vai ajustar a bolsa para refletir o fim do horário de verão nos EUA

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies